Vem ver os biquínis da top Cintia Dicker!

171116-dicker-swimwear-1-400x600

Olha o biquíni cheio de tiras (R$ 228,88) da Dicker Swimwear!
Sabia que a top Cintia Dicker está com marca nova de moda praia? Com biquínis, body, saída de praia e camiseta feitos de poliamida biodegradável e neoprene, a Dicker Swimwear traz Bali como referência pra sua primavera-verão 2016/17. Você encontra as peças cheias de tiras, decotes e estampas no site – mas antes, confira tudo abaixo.
Dicker Swimwear: (51) 9365 6513

Cores vibrantes mudaram totalmente apartamento branco

16_dining_area

Por Carol Scolforo; Fotos Tekla Evelina Severin/ Sight Unseen/ Divulgação
A vida fez caminhos curiosos para levar o designer Daniel Hecksher a este apartamento, que era inteiramente branco à primeira vista. O sueco era mais um economista que trabalhava pesado no mercado financeiro, quando se percebeu frustrado. Deixou para trás a profissão e foi estudar design de interiores. Depois de alguns projetos elogiados para os amigos, abriu o estúdio Note, em Estocolmo, na Suécia, onde é reconhecido pelo talento com cores e formas.

Cores vibrantes mudaram totalmente este apartamento sueco (Foto: Tekla Evelina Severin/Sight Unseen/Divulgação)

Recentemente, Daniel viu seu casamento se desfazer. Da relação, vieram dois filhos e a necessidade de uma mudança total de ares, um recomeço marcante. Foi quando resolveu transformar o imóvel dos anos 1980, que era uma caixa branca, em um laboratório de ‘mix and match’ de cores, como se fosse um arco-íris após o temporal.

Cores vibrantes mudaram totalmente este apartamento sueco (Foto: Tekla Evelina Severin/Sight Unseen/Divulgação)
Cores vibrantes mudaram totalmente este apartamento sueco (Foto: Tekla Evelina Severin/Sight Unseen/Divulgação)

Finalizado em 2015, ele traz aura minimalista elegante, mas com uma atmosfera cool de tons que vão do rosa chiclete ao azul marinho em uma mesma parede. Toques de dourado e de um azul bem claro suavizam tudo de outro lado.

Cores vibrantes mudaram totalmente este apartamento sueco (Foto: Tekla Evelina Severin/Sight Unseen/Divulgação)
Cores vibrantes mudaram totalmente este apartamento sueco (Foto: Tekla Evelina Severin/Sight Unseen/Divulgação)
Cores vibrantes mudaram totalmente este apartamento sueco (Foto: Tekla Evelina Severin/Sight Unseen/Divulgação)

Prova de que Daniel está onde deve estar, fazendo o que deveria fazer. Afinal, a paleta hipnotizante traz também alegria para que ele receba os filhos Otis, de 6 anos, e India, 4, e esteja pronto para as mudanças que a vida trouxer.

Cores vibrantes mudaram totalmente este apartamento sueco (Foto: Tekla Evelina Severin/Sight Unseen/Divulgação)
Cores vibrantes mudaram totalmente este apartamento sueco (Foto: Tekla Evelina Severin/Sight Unseen/Divulgação)
Cores vibrantes mudaram totalmente este apartamento sueco (Foto: Tekla Evelina Severin/Sight Unseen/Divulgação)
Cores vibrantes mudaram totalmente este apartamento sueco (Foto: Tekla Evelina Severin/Sight Unseen/Divulgação)

Bilheteria EUA: Animais Fantásticos e Onde Habitam, Trolls, Doutor Estranho, A Chegada, Almost Christmas

animais

Foi uma batalha de mágicos na Bilheteria USA deste final de semana e Animais Fantásticos e Onde Habitam tirou Doutor Estranho do topo, arrecadando US$ 76,5 milhões doméstico, segundo mostram as prévias. O filme, que já passa de US$ 53,6 milhões em arrecadação internacional, deve chegar a US$ 200 milhões somente em seu primeiro final de semana.

Apesar de ter ficado no topo da bilheteria, Animais Fantásticos foi a pior bilheteria da franquia Harry Potter – o que não preocupa a Warner, que entende o fato pelo filme ser um derivado. Outro quesito foi a falta de crianças nas sessões, que somaram somente 18% (18 anos ou menos). 65% da audiência do filme foi composta por pessoas com mais de 25 anos, comparados a 56% de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1 e 55% da Parte 2.

Animais Fantásticos e Onde Habitam adapta o livro didático no mundo de Harry Potter que cataloga 75 espécies de criaturas mágicas pelos cinco continentes, escrito pelo excêntrico magizoologista Newt Scamander (Eddie Redmayne). No filme, Newt chega à cidade de Nova York com sua maleta, um objeto mágico onde ele carrega uma coleção de fantásticos animais do mundo da magia que coletou durante as suas viagens. Em meio a comunidade bruxa norte-america que teme muito mais a exposição aos trouxas do que os ingleses, Newt precisará usar suas habilidades e conhecimentos para capturar uma variedade de criaturas que acabam saindo da sua maleta.

Também estão no elenco Katherine Waterston, Alison Sudol, Dan Fogler, Colin Farrell, Ezra Miller, Ron Perlman, Samantha Morton, Jon Voight, entre outros.

Trolls chegou em segundo lugar, arrecadando mais US$ 17,5 milhões. O filme já soma US$ 116 milhões no total da bilheteria doméstica. Na trama, Poppy (Anna Kendrick), a otimista líder dos Trolls, e seu total oposto, Ramo (Justin Timberlake), embarcam em uma aventura que os leva muito além do único mundo que eles conhecem. O elenco original de dubladores tem nomes como Zooey Deschanel, Jeffrey Tambor, Christopher Mintz-Plasse, James Corden, Gwen Stefani e Russell Brand.

Mike Mitchell (Shrek Para Sempre) e Walt Dohrn (Bob Esponja Calça Quadrada) dirigem. Trolls já está em cartaz no Brasil.

Doutor Estranho ficou com o terceiro lugar e mais US$ 16,8 milhões, passando de US$ 180 milhões na terceira semana de exibição. O filme, que tem Benedict CumberbatchMads MikkelsenTilda SwintonChiwetel EjioforBenedict Wong Rachel McAdams, já está em cartaz no Brasil.

A segunda semana de A Chegada trouxe mais US$ 11,5 milhões de bilheteria ao longa, que já soma US$ 43 milhões. O elogiado sci-fi de Denis Villeneuve estreia em 24 de novembro no Brasil. Nós vimos o filme no Festival de Toronto.

Almost Christmas fechou o top 5 com US$ 7 milhão em seu segundo final de semana. O filme ainda não tem previsão de estreia no Brasil; assista ao trailer:

Kanye West acusa Beyoncé de fraudar VMA e diz que Jay Z tem assassinos de aluguel

 

kanye 0453cfc42a0f32778c5b31e343b422cc.jpg
Kanye West anda incendiário. Depois de afirmar em um show que gostaria de ter votado em Donald Trump, o marido de Kim Kardashian disparou acusações a um dos principais casais do pop durante uma apresentação na noite de sábado (19) em Sacramento, na Califórnia.
O rapper acusou Beyoncé de ter fraudado a última edição do VMA, principal prêmio de música da MTV americana que, neste ano, deu sete troféus à cantora —incluindo o de vídeo do ano para “Formation”.
“Beyoncé, fiquei magoado porque ouvi que você não se apresentaria a menos que ganhasse o prêmio de vídeo do ano sobre mim [por ‘Famous’] e ‘Hotline Bling’ [de Drake]”, disse West.
“Não vão xingar a Beyoncé, ela é ótima. Taylor Swift é ótima. Somos todos ótimos. Somos iguais. Mas às vezes entramos tanto no jogo da política e esquecemos quem somos apenas para ganhar. Foda-se ganhar, foda-se parecer legal. Foda-se tudo isso. Vim aqui mostrar toda a verdade colocando em risco toda a minha vida e o meu sucesso”, continuou o músico.
Ele ainda afirmou que o colega de hip-hop Jay Z, marido de Beyoncé, contrata matadores particular: “Sei que você os tem, por favor não peça a minha cabeça para eles. Por favor me ligue. Fale comigo como um homem”.
West também alfinetou Obama. Para o artista, o presidente “não conseguiu fazer os Estados Unidos grandes porque não conseguiu ser quem ele é”.
“Homens negros foram escravos. Obama não conseguiu fazer isso e ainda venceu”, disse, aos gritos. “Ele tinha que ser perfeito, mas ser perfeito nem sempre muda as coisas.”
Visivelmente alterado e sob protesto do público, Kanye abandonou o show após trinta minutos de apresentação.

Calorias camufladas podem sabotar sua dieta; saiba como evitá-las

aline-weber-vogue-brazil-giampaolo-sgura-05
Calorias não intencionais (Foto: Giampaolo Sgura/ Arquivo Vogue)

Quantas calorias você imagina ter consumido ao longo do dia de ontem? Pois adicione a esse número outras 400, segundo estudo britânico o número médio de calorias não intencionais que uma mulher ingere diariamente ao beliscar e sair, à primeira vista discretamente, do roteiro da dieta.

Provenientes daquele quadradinho de chocolate, bolachinha, balinha ou mordidinha de sanduíche considerados insignificantes demais para serem contabilizados no consumo calórico diário, as chamadas “calorias camufladas” são capazes de fazer um estrago e tanto na balança – e sem você sequer se dar conta disso.

“São pequenos consumos alimentares feitos ao longo do dia ou da semana que parecem não comprometer o VET (valor energético total), porém o seu somatório pode afetar o plano alimentar e favorecer o ganho de peso corporal”, resume a nutricionista funcional Ludimila Gouvêa, da Clínica Andrea Santa Rosa, no Rio de Janeiro.

De acordo com a pesquisa realizada com 1.500 mulheres do Reino Unido, apesar de tentarem (e alegarem) ingerir apenas 1.800 calorias/dia, o consumo médio observado foi de 2.200 calorias, levando a somatória desse “extra” a uma assombrosa média anual de 146 mil calorias ingeridas de forma não intencional – se considerarmos que o VET recomendado às mulheres é de 2.000 calorias/dia e que 3.500 calorias extras a isso equivalem ao ganho de 1kg, ao fim de 365 dias o ponteiro da balança acusará assombrosos 18kg a mais.

E a chegada das celebrações do fim do ano e são um prato cheio para se esbaldar nas calorias camufladas. “Nas festas e férias geralmente as pessoas aproveitam para consumir o que o local oferece. Por estarem mais descontraídas, selecionam menos os alimentos”.

Qual o estrago real que essas calorias podem fazer na dieta de quem está tentando emagrecer? “Por ofertarem mais calorias que nutrientes, desequilibram o metabolismo. Aumentam a carga glicêmica das refeições, bloqueiam a queima de gordura e dificultam o emagrecimento”, alerta a profissional, que a seguir dá 5 dicas práticas para não cair nessa armadilha. VICTORIA MARCHESI

1. Evitar o consumo de açúcar, doces e fast food. Eles não ajudam nunca!
2. Ao participar das festividades, realizar a refeição habitual antes de sair de casa, para não arriscar ir com fome;
3. Nos eventos, selecionar quais os alimentos que menos comprometem os objetivos;
4. Entender que o que se consome fora do previsto eventualmente não gera danos, mas o que é ingerido regularmente sim;
5. Ao consumir bebida alcoólica, usá-la com moderação e aumentar a hidratação para eliminá-la mais rapidamente.

Com quilinhos a mais, Kesha curte férias com namorado Brad Ashenfelter em Miami

A cantora Kesha está aproveitando seus dias de folga em Miami, Flórida. Ao lado do namorado Brad Ashenfelter, ela apareceu com uns quilinhos a mais e lábios bem carnudos. Para aproveitar o dia, a cantora escolheu um biquíni floral e camiseta largona, bem confortável.spn_kcuhbb161119_33.jpgKesha continua em uma enorme batalha judicial com Dr. Luke, seu empresário, mas parece que, aos poucos, a cantora está recuperando o direito de usar a própria voz. A cantora está trabalhando em um novo álbum — sendo este seu quarto ano de hiato.
No começo do ano, a justiça negou o pedido para que Kesha fosse liberada do contrato com o produtor. Ela acusa Dr. Luke de abuso físico, emocional e sexual.

A missão deles é diminuir o abismo racial no mundo do trabalho

001viccharlotte.jpgPor Camila Pati
São Paulo – Quando o executivo Leizer Pereira foi fazer trabalho voluntário na Educafro, entidade sem fins lucrativos no Rio de Janeiro voltada ao acesso dos jovens negros a educação superior e mercado de trabalho, descobriu que estava ali a sua missão profissional.

“Larguei minha vida corporativa, minha causa hoje é servir esses jovens”, conta o agora diretor da Educafro e responsável pelo projeto Empodera, que tem foco na empregabilidade do jovem negro no mercado corporativo. Hoje dedica-se exclusivamente a conectar jovens talentos negros a grandes empresas como White Martins, Ambev e Coca-Cola. “Sou um olheiro de jovens”, diz.

O propósito de Pereira é compartilhado por Luana Génot, diretora executiva do Instituto Identidade Brasil (ID_BR), entidade que lançou recentemente um selo para incentivar o debate e a aplicação de ações de igualdade racial nas empresas brasileiras.

A vontade de agir diretamente para engajar as empresas nas ações para maior diversidade racial surgiu com as dificuldades que ela mesma enfrentou no mercado de trabalho, sobretudo na época em que trabalhou como modelo na Europa.

A cor da sua pele era sempre uma questão e definia os trabalhos para que era chamada “Oitenta por cento dos trabalhos que eu fiz tinham a ver com a temática racial”, diz ela, que chegou a ouvir de um representante de uma agência na França que ela era muito bonita mas o “problema” era ser negra. Mais tarde, ao estudar publicidade, entendeu de maneira mais ampla o tamanho da distância até a igualdade racial no trabalho.

A longa jornada a ser percorrida não quer dizer que o avanço até agora no Brasil não foi significativo. “O desafio do acesso ao ensino superior foi conquistado e melhorou também no serviço público”, diz Pereira. Quinze anos depois da implementação da política de cotas raciais em universidades públicas, temos uma geração negra definitivamente mais escolarizada que a de seus pais: metade dos universitários que aderem ao ProUni e ao Fies são negros.

E, no entanto, o mundo corporativo segue unicolor. Apenas 5% dos executivos são negros, e só 0,05% são negras. Somente 2% dos cargos de alto escalão do funcionalismo público são negros – no judiciário, são só 3% dos juízes, por exemplo.

“Mesmo com significativos avanços, a quantidade de pessoas negras que conseguem efetivamente alcançar uma formação altamente qualificada, no mesmo nível de pessoas brancas das classes média e alta, ainda é pequena”, diz Paulo Baraúna, diretor de negócios medicinais da White Martins para a América do Sul.

Desde a época universitária ele viu o número de colegas negros diminuir. “Fui o único do curso técnico de eletrotécnica que decidiu seguir para a universidade. Muitos colegas, que eu inclusive acho que eram mais inteligentes do que eu, não tiveram a possibilidade e oportunidade de abrir mão de um emprego do curso técnico pelo ideal de ingressar no curso superior”, conta.

As barreiras para a empregabilidade no mundo corporativo

Se o acesso à universidade já é uma realidade, a conclusão do curso ainda não é tão simples. Custos de transporte, alimentação e livros são obstáculos para a formatura de muitos. E àqueles que conseguem ultrapassar as dificuldades da permanência na faculdade, o desafio imposto é em relação ao emprego qualificado.

“Estamos em situação melhor do que estávamos há dez anos, mas, para virar o jogo e oferecer oportunidades iguais, tem que oferecer um bom emprego e gerar renda”, diz Pereira.

Nesse sentido, mais barreiras. Se o conhecimento acadêmico foi, em certo nível, equalizado, os jovens negros ainda têm desvantagens em relação ao domínio do inglês e em competências comportamentais, segundo Luana e Pereira.

“Muitos jovens quando veem as exigências de inglês da vaga nem se candidatam. Também não sentem que uma empresa que só usa brancos em anúncios seja para ele trabalhar”, diz Luana.

Daí a importância da atuação de entidades como a Educafro e o Instituto Identidade Brasil. “O que eu falo para as empresas é: você cria critérios que excluem e deixam de fora gente talentosa e com uma gana de crescer enorme”, diz Leizer.

Como solução, ele sugere que uma empresa exija, por exemplo, inglês intermediário e ofereça um curso. “Se ele não aprender, aí manda embora. É essa flexibilização necessária para que não perca talentos”, afirma Pereira.

“Em breve teremos uma história mais sólida para contar”, diz diretora da White Martins

Não abrir mão de talentos, de forma geral, é uma das máximas que guiam a promoção da diversidade na White Martins, uma das organizações parceiras da Educafro. Há seis anos, a empresa tem focado na questão racial e de gênero dentro do tema da diversidade, porque já percebeu, segundo Anna Paula Rezende, diretora executiva de talentos e sustentabilidade da White Martins, que essa é uma condição fundamental para a sustentabilidade e inovação nos seus negócios.

“Negros são 46% da população economicamente ativa e 35% dos lares são chefiados por mulheres. Como vamos entender o mercado se não tenho pessoas dele dentro da empresa? ”

Atualmente, 30% dos funcionários da empresa são negros. Entre os estagiários da companhia, eles são 25% e o objetivo é que a diversidade se aproxime dos cargos executivos. No nível de diretoria, Baraúna ainda é o único negro na empresa.

“Nossa intenção é trabalhar para formar líderes os estagiários. Em breve teremos uma história ainda mais sólida para contar”, diz Anna.

sarita-marques-estagic3a1riaA estagiária da área de Saúde Segurança e Meio Ambiente (SSMA) Sarita Marques (foto acima), estudante de engenharia ambiental, é um dos jovens com potencial para escrever essa história na liderança White Martins. Segundo ela, o apoio e os cursos de formação que encontrou na Educafro foram fundamentais nesse começo de carreira.

Em três meses de treinamento pelo projeto Empodera da Educafro, aprendeu desde fazer um currículo à postura esperada em uma entrevista de emprego.

Depois que ela concluiu o curso, a Educafro encaminhou o seu currículo à White Martins e depois de 4 meses e algumas entrevistas, foi contratada para o estágio. “Cheguei com mais segurança, o que foi fundamental para que eu conseguisse demostrar o que eu queria durante a entrevista”, diz.

No fim do dia, é a atitude dos talentos o que tem feito a diferença, segundo Leizer. “Nesse aspecto que eu sensibilizo a empresa. O jovem pode não ter inglês fluente, mas batalhou, é líder comunitário e aproveitou absolutamente todas as oportunidades que teve até agora. Digo para o empresário: você vai deixar ele de fora?”