Flashpoint | Kiersey Clemons fala sobre espera para início de produção de filme solo do Flash

kiersey Warner+Bros+Pictures+InStyle+Host+18th+Annual+5OTZlpxrND7lKiersey Clemons (Transparent), já havia sido confirmada no filme solo do Flash, que terá Ezra Miller no papel principal, como Iris West. Antes disso, porém a atriz fará sua estreia como a personagem em Liga da Justiça, que estreia em novembro. Em entrevista ao ComingSoon, a atriz falou sobre como está em relação à espera para começarem os trabalhos do longa solo do velocista.

Estou pegando um projeto de cada vez. Eu tenho vários projetos que eu não vou necessariamente estar atuando, mas produzindo e escrevendo. Estou preenchendo esse espaço trabalhando nessas coisas, então, quando se trata de Flash, posso fazer o filme e depois posso produzir minhas próprias coisas. Flash vai tomar muito do meu tempo ao longo do ano atuando, então eu quero me certificar de que estou me preparando para fazer as outras coisas que eu quero fazer quando se trata de criar! Eu quero ver homens negros sensuais em um filme, entende o que eu quero dizer?! Esses são os filmes que vou fazer.

No último ano, Rick Famuyiwa havia sido confirmado como diretor do longa, mas abandonou a função alegando divergências criativas. Durante a San Diego Comic-Con 2017, a Warner Bros. revelou que o longa de The Flash será focado no arco Ponto de Ignição (Flashpoint em inglês). O nome The Flash: Flashpoint foi mostrado na apresentação, mas detalhes sobre a trama não foram divulgados.

Publicada em 2011 pela DC ComicsPonto de Ignição foi responsável pelo reboot do universo dos quadrinhos que resultou nos Novos 52. A série de TV já tentou adaptar o arco, mas não foi satisfatório.

A atriz falou também que não participou das refilmagens de Liga da Justiça feitas após Joss Whedon assumir o longa.

Já terminei todas as minhas partes. Desejo o bem para Zack [Snyder] e não tenho ideia do que está acontecendo agora, mas tenho certeza de que tudo o que está sendo feito é necessário. Eu sei que as partes que eu fiz, interpretando Iris, ficaram muito legais. Mal posso esperar para ver o filme. Estou tão feliz que fui apresentada a este gênero de filmes porque, na verdade, nunca tive nenhum tipo de desejo de fazer parte de algum universo de super-heróis. E então pisei no set de ‘Liga da Justiça’ e percebi que estava meio: ‘Meu Deus do Céu’!

Liga da Justiça tem no elenco Ben Affleck (Batman), Gal Gadot (Mulher-Maravilha), Henry Cavill (Superman), Jason Momoa (Aquaman), Ray Fisher (Ciborgue), Ezra Miller (Flash), Amber Heard (Mera), Willem Dafoe (Vulko), J.K. Simmons (Comissário Gordon), Jesse Eisenberg (Lex Luthor), Jeremy Irons (Alfred) e Amy Adams (Lois Lane), entre outros, e previsão de estreia para 16 de novembro. [Rafael Gonzaga]

NºDez, etiqueta da Dona Coisa, desembarca em São Paulo

ndez-dona-coisa-01A NºDez, etiqueta da multimarcas carioca Dona Coisa, está chegando a São Paulo em agosto. O endereço escolhido para vendas é o Espaço Quadrado, em Higienópolis.

E outra boa nova da label: partir de agora, ela ganha a colaboração de estilistas autorais na criação de peças selecionadas. Quem estreia o novo formato é Mareu Nitschke.

ndez-dona-coisa-02Na coleção, que estará à venda também no Jardim Botânico, a alfaiataria faz uma homenagem ao universo de Saint Laurent, incluindo uma série assinada por Mareu.

Destaque para peças como o macacão smoking e o colete overtop.

Estúdio Arcgency constrói casa em conteiner elevado na Dinamarca

casa-01.jpgConhecido por projetos que estimulam novos métodos de construção sustentável, o estúdio Arcgency acaba de finalizar sua obra mais recente: o Krane, um conteiner instalado no alto de um guindaste na zona portuária de Nordhavn, na Dinamarca.

Dividida em diversas camadas, a estrutura é composta por uma área de recepção no piso térreo, uma sala de reuniões no primeiro andar, um spa no segundo andar, e uma área íntima com salão e terraço.

Fazendo alusão ao carvão produzido no país, o preto desempenha um papel fundamental de minimizar as distrações visuais do local para que os visitantes permaneçam mais envolvidos com o interior da casa.

Couro, madeira, pedra e aço são apenas alguns dos materiais nobres que compõem o mobiliário e a decoração. Os ambientes foram planejados para que as peças primárias desaparecessem. Por isso, camas, assentos e armários ficaram escondidos no projeto.

O resultado é um elemento extra de descoberta, onde os objetos se tornam verdadeiras esculturas. Tudo é feito de forma artesanal em homenagem à cultura dinamarquesa. [Rafael Belém]

Sophie Turner afirma que conseguiu papel por causa de sua presença nas redes sociais

sophie-turner.jpgSophie Turner afirmou, em entrevista à Porter Magazine, que o número de seguidores que ela tem nas redes sociais foi decisivo para ela conseguir um papel (via Gizmodo).

“Muito do que eu conquistei foi por causa de timing e sorte, mas também, e eu odeio dizer isso, porque tenho muitos seguidores nas redes. Eu fiz uma audição para um projeto e o papel ficou entre eu e uma outra garota, que é uma atriz muito melhor do que eu. Muito melhor. Mas eu tinha os seguidores, então consegui o trabalho. Não é certo, mas faz parte da indústria cinematográfica agora.

Não se sabe a que filme a atriz se referia. Ela tem quatro longas para serem lançados ainda, entre eles o novo X-Men, em que vive novamente Jean Grey. Sophie Turner ficou conhecida por interpretar Sansa Stark em Game of Thrones. [Mariana Canhisares]

Google ofereceu US$ 30 bilhões pelo Snapchat em 2016, diz site de notícias ‘Business Insider’

snapchat C6tH9OHW0AA5X0OO Google tentou comprar o Snap, responsável pelo aplicativo de mensagens Snapchat, por US$ 30 bilhões no começo de 2016. A informação, divulgada pelo site de notícias Business Insider nesta quinta-feira, 3, não foi confirmada pelas duas companhias, mas três fontes de dentro das empresas afirmaram ao veículo norte-americano que presenciaram conversas entre executivos.

Ainda não está claro, porém, de quão formal foram as discussões entre as empresas, já que conversas informais entre executivos são frequentes no mundo da tecnologia. Ainda assim, no entanto, as fontes afirmaram que Google e Snap estavam muito próximos e que todas as conversas ocorreram logo antes de um investimento no Snapchat, que valorizou a empresa para US$  20 bilhões.

Além disso, uma das fontes afirmou ao site que Google e Snap voltaram a discutir uma possível compra pouco antes da abertura de capital do Snap em março, com a oferta de US$ 30 bilhões ainda válida. E agora a Snap está enfrentando um momento delicado, com ações sendo negociados em cerca de US$ 12,50 — e com um valor de mercado de, em média, US$ 14 bilhões.

Quando questionado pelo Business Insider a comentar a situação, representante do Snap disse que os “rumores são falsos”. O Google não quis comentar.

Hulk salva São Paulo em nova campanha da Renault

Para o lançamento de seu novo SUV compacto no Brasil, Kwid, a Renault convocou um herói da Marvel como protagonista.

Hulk salva São Paulo de ser destruída por um satélite em queda. Um homem, dirigindo seu Renault Kwid, acompanha toda a ação pelo centro da cidade. O edifício Altino Arantes, mais conhecido como Prédio do Banespa, aparece quase sempre no horizonte, marcando o local

A criação é da Neogama, com produção da PBA Cinema e efeitos digitais da Framestore, de Londres. []

Cara Delevingne ultrapassa Kate Moss na lista das modelos britânicas mais bem pagas

cara delenvigne.jpg

Cara Delevingne At Couture Fashion Weeek


Kate Moss perdeu o seu postos de modelo britânica mais bem paga. Quem lidera a lista agora é Cara Delevingne, de acordo com o site “The Mirror”.

No auge da carreira, em 2007, Kate Moss, hoje com 43 anos, chegou a ganhar 8 milhões de libras. Mas no último ano essa valor diminui para 5 milhões. Enquanto isso, Cara ganhou 8 milhões de libras com apenas 24 anos. Além de ter contratos com grandes nomes como Chanel, Rimmel e Puma, Cara também está trabalhando como atriz.

Cara é também um fenômeno nas redes sociais. Entre as modelos, ela é uma das que tem mais seguidores no Instagram (40,5 milhões). Já Moss tem um número bem menor: 629 mil seguidores. O fato de Cara se conectar bem com a geração do Instagram pode contribuir para ela conquistar contratos.

Rosie Huntington-Whiteley ficou com a segunda colocação. Ela ganhou 6,5 milhões de libras no último ano, e tem uma parceria com a Marks & Spencer, batizada de Rosie for Autograph, com produtos de maquiagem, underwear e roupas esportivas. A terceira colocação ficou com Kate. Supermodelos como Naomi Campbell e Georgia May Jagger também estão na lista. A décima colocação é de Lottie Moss, irmã de 19 anos de Kate.

Os modelos britânicos mais bem pagos do mundo:

1. Cara Delevingne: £ 8 millhões
2. Rosie Huntington-Whiteley: £6.5 millhões
3. Kate Moss: £5 millhões
4. David Gandy: £4 millhões
5. Naomi Campbell: £3 millhões
6. Georgia May Jagger: £2.5 millhões
7. Edie Campbell: £2 millhões
8. Jourdan Dunn: £1.75 millhões
9. Erin O’Connor: £1.5 millhões
10. Lottie Moss: £1 millhões

Conheça os animais superestilosos dos fashionistas

155.jpgO Bull Terrier chamado Jimmy Choo ganhou uma coleção da marca que leva seu nome Foto: Instagram.com/ RafaelMantesso


Se o cachorro é o melhor amigo do homem, os fashionistas respeitam essa máxima (às vezes trocando o animal por um gato ou por um coelho). Nem os maiores estilistas, cantoras e socialites resistem aos pets, e acabam transformando os bichos de estimação em parte do seu estilo de vida. Isso significa que os Galgos Italianos de Kylie Jenner passam boa parte do dia em uma mansão em Calabasas. Já a Chihuahua está sempre de rosas e com coleiras de diamante.

Veja abaixo quem são os animais dos fashionistas que também esbanjam estilo (e likes no Instagram).

DNA sintético é aposta de startup francesa

Paris – Com apenas 29 anos, Sylvain Gariel foi eleito pela renomada publicação MIT Technology Review o inovador francês do ano. Ele derrotou outros nove empreendedores, responsáveis por projetos que iam desde a fabricação de órgãos por impressoras 3D a algoritmos capazes de tirar o preconceito de dados estatísticos. Seu trunfo é a startup DNA Script, que desenvolve uma nova tecnologia inovadora para síntese de DNA. É um negócio na linha de frente da medicina com potencial de faturar bilhões de dólares.

Gariel cresceu em meio a uma família de engenheiros e médicos, o que o fez se interessar pela bioengenharia. Estudou engenharia e se tornou estagiário da petroleira Total. Sua missão era ajudar a equipe que pesquisa novas formas mais eficientes de energia, e para isso eles acabavam analisando a composição química de diferentes produtos.

“Nessa época, eu não olhava para o progresso das tecnologias de leitura do DNA e não conseguia entender porque ele não era acompanhado por uma evolução equivalente das tecnologias de síntese dos códigos genéticos”, conta.

Nasceu ali a ideia de criar com o amigo Thomas Ybert, em 2013, uma empresa especializada em sintetizar os códigos genéticos e, assim, conseguir, por exemplo, vacinas mais eficientes e plantas mais produtivas. A estratégia para levar a tecnologia de síntese de DNA a outro patamar era deixar de lado os componentes químicos usados pelas outras empresas e apostar nas enzimas naturais que já desempenham esse papel na natureza.

Os dois empreendedores perceberam que todas as enzimas cogitadas haviam sido descobertas e pesquisadas pelo mesmo laboratório: o Instituto Pasteur, que ficava a apenas algumas quadras de onde os dois moravam em Paris. Mandaram um e-mail contando a ideia para representantes do laboratório e logo receberam um convite para levar o projeto para lá. Eles poderiam utilizar a estrutura e teriam acesso aos pesquisadores internos, e o instituto receberia uma parte dos lucros futuros da empresa. Em 2014, a empresa foi oficialmente fundada e a tecnologia começou a ser desenvolvida.

O mercado de síntese de DNA tem décadas de história, mas é nos últimos anos que entrou no radar dos investidores. A maioria das empresas que trabalham na área têm base nos Estados Unidos, como é o caso da Atum e a Blue Heron Biotechnology, mas também há iniciativas em outras partes do mundo, como na Europa, com a Edinburgh Genome Foundry, e na China, com a GenScript. Essas e outras empresas formam um mercado que fatura até 2 bilhões de dólares por ano.

Se o DNA fosse um colar de pérolas, a tecnologia de síntese seria responsável por fabricar cada uma delas. As outras empresas, que utilizam componentes químicos em seus processos, demoram 10 minutos para criar apenas uma pérola. Se a fabricação é feita com as enzimas, porém, esse tempo diminui em até 98%, e o número de pérolas defeituosas se cai 99,8%.

As aplicações para o DNA sintetizado são diversas. No curto termo, o foco da equipe é desenvolver medicamentos que desempenhem a função de anticorpos, e em um segundo momento, quando a tecnologia já estiver mais madura, adaptá-la para criar também plantações que consigam fixar os nutrientes com mais facilidade e precisem de menos fertilizantes, e até novas nanotecnologias. Os produtos devem entrar em pré-venda no ano que vem.

Foco internacional
“Queremos criar uma empresa de 100 bilhões de dólares. Por isso precisamos de parceiros internacionais, já que o mercado francês é muito pequeno para os nossos planos”, disse Gariel ao site EXAME. O plano de expansão consiste em iniciar as operações na França, partir rapidamente para o resto da Europa e então criar alianças com laboratórios e institutos no mundo inteiro para estabelecer uma operação global. Até o nome da empresa foi escolhido tendo em mente algo que pudesse ser facilmente pronunciado em qualquer lugar do mundo.

Gariel é um exemplo de uma nova geração de empreendedores que o governo do país pretende estimular para combater as críticas de que o cenário de inovação francês é muito voltado para o mercado interno. Com essa intenção foi criado o programa French Tech Ticket, que seleciona startups do mundo inteiro para entrarem em incubadoras francesas e receberam 14.000 euros em investimento. Há também um visto especial de quatro anos para empreendedores, engenheiros e investidores que trabalharem em empresas ou startups com escritório na França.

O empenho do governo parece estar dando certo. Mesmo se Gariel pretende transformar a DNA Script em uma empresa internacional, ele diz que não gostaria de começar a desenvolver a empresa em nenhum outro lugar. “Além de pessoas talentosas, o país tem atualmente um cenário dinâmico para empreendedores. Com o investimento do Banco Público de Investimento francês e de outros fundos recebemos 2,5 milhões de euros na nossa primeira rodada de investimento”, conta. Ele diz que seria muito mais caro começar uma startup como a DNA Scrypt no Vale do Silício ou em Londres.

Seja feita com enzimas naturais ou com componentes químicos, a síntese de DNA é um campo polêmico. A capacidade de criar ou modificar o código genético pode gerar medo não só pela probabilidade de o seu mau uso propagar doenças genéticas, mas também pela alusão a temas sensíveis como clonagem, seleção de características genéticas e a até eugenia.

Gariel reconhece a necessidade da manutenção de uma regulamentação clara e firme sobre essas tecnologias, até porque segundo ele em 20 anos o plano é que seja possível sintetizar um genoma inteiro a partir da tecnologia, algo que deve ser discutido. “Entendo que a tecnologia pode remeter a ameaças em potencial, mas as suas aplicações positivas são tão importantes que simplesmente não podemos olhar para o outro lado”, diz.

Em 2009, as cinco maiores empresas de síntese de DNA, que juntas são responsáveis por 80% da capacidade do mercado, se uniram para criar o International Gene Synthesis Consortium (IGSC). Juntos com governos, essas empresas criaram um banco de dados com as sequências de genes consideradas perigosas por serem relacionadas a doenças. Esses genes não podem ser fabricados e a polícia é informada caso alguém tente fazê-lo. Além disso, cada país tem as suas próprias exigências. Na França, por exemplo, todas as empresas que querem trabalhar nessa área devem apresentar uma lista extensa de documentos para conseguir uma licença. Os riscos éticos não parecem assustar os empreendedores, que acreditam estar sentados numa mina de ouro. Raquel Beer, de Exame Hoje