Conheça o apartamento industrial da atriz Mariana Santos

a-atriz-mariana-santos-ao-lado-de-chaise-azul-de-veludo-decoms_img_0851LIVING | O lounge, à frente, tem divã da Futon Company, com almofadas da Codex Home, mesa de centro recortada da Prototype e tapete de seda da By Kamy. Porcelanato da Decortiles. O armário espelhado foi executado pela marcenaria Lindhomov, como o extenso móvel azul-turquesa, à esq.. Sobre a parede de tijolinhos de barro, fotografia de João Castilho, na Zipper Galeria. As cortinas de linho foram feitas pela Lana Decor, e a iluminação é da Vertz (Foto Marco Antonio/Editora Globo)


Com base neutra, mas nada convencional, o apartamento da atriz carioca Mariana Santos, de 40 anos, teve um retrofit e a ambientação projetados pelos arquitetos do escritório Round Square a partir de poucas palavras-chave: estilo industrial e azul-turquesa. Fabio Mingoti e Ricardo Cipolla soltaram a criatividade no apê de 180 m², com três quartos, que estava bem desgastado, em um edifício dos anos 1960, no bairro de Higienópolis, em São Paulo. “Ficou com ar de loft nova-iorquino, e a gente ama Nova York”, lembra a moradora. Ela vive ali com o marido, o produtor teatral Rodrigo Velloni, e o enteado.

Integrados, os ambientes do setor social somam cerca de 90 m². Por toda parte, o teto recebeu cimento polimérico para ficar com aspecto de laje de concreto. A tubulação do ar-condicionado e uma eletrocalha multifuncional, ambas aparentes, atravessam o living, juntando-se aos holofotes e pendentes da iluminação, que criam ar dramático. “Gosto deles porque a gente pode ter diferentes climas de luz”, lembra Mariana.

“Os materiais apresentam efeito high-low, advindo, por exemplo, da união entre os tijolinhos de barro empregados em parte das paredes e o Corian usado na bancada da cozinha, que se desdobra na mesa de jantar”, comenta Fabio. Detalhe: há a opção de a cozinha ficar aberta ou não, com o acionamento de uma porta de enrolar. E como restou pouco espaço de armazenamento, foi criado, no lounge, um armário revestido de espelhos.

O tal lounge surgiu a partir de um remanejo na planta. “Demoliu-se o volume da área de serviço no fundo do apê, com quarto e banheiro para empregada, além da lavanderia (transferida para o lado oposto), e o espaço foi integrado ao living”, conta Ricardo. Hoje, ali, chamam atenção o divã turquesado, com futons, e um móvel baixo na mesma cor. Também há diversos móveis de conceito industrial, que pontuam desde a área social até os dormitórios.

“Além do nosso quarto, onde a cama é incrível, uma das coisas de que mais gosto é o sofá da sala de TV”, conta Mariana Santos. Ela refere-se ao amplo e confortável estofado com chaises, assinado pelos arquitetos, assim como o painel ripado de nogueira-americana onde a tela é fixada. [Roberto Abolafio Jr]

Halle Berry revela ter sofrido racismo: “Alvo das piores piadas”

halle berry 17.jpgHalle Berry é uma das atrizes mais aclamadas da atualidade, seu passado não foi nem um pouco fácil. A atriz foi vítima de racismo enquanto estudava em uma escola no subúrbio de Cleveland, nos Estados Unidos.

“Pelo fato de minha mãe ser branca e meu pai ser negro éramos chamadas de Oreo e de outras coisas”, contou à revista “People” sobre como foi estudar com sua irmã em uma escola composta majoritariamente por alunos brancos. “Nós éramos alvo das piores piadas”.

Primeira negra a vencer um Oscar na categoria de melhor atriz, ela contou como o racismo incluenciou seu comportamento ao longo da vida. “Acredito que minha necessidade de agradar os outros e o desejo de conquistar meu objetivos são resultado da minha tentativa de provar que era tão boa quanto os alunos brancos”, disse. “Me sentia inferior e pensava: ‘se puder ser melhor do que eles em tudo então serei tão boa quanto eles”.

E ela conseguiu. Antes de se tornar uma estrela de cinema, a americana se formou com honras na escola, entrou para a equipe de líderes de torcida e conquistou as vagas de editora do jornal escolar, representante de classe e a de mascote do time. Está bom para vocês? [Marie Claire]

A American Apparel vai voltar de cara nova

Sem título.png77.jpg(Instagram: @americanapparelusa/Reprodução)


A American Apparel encheu o closet das fashionistas nos anos 2000, com peças que eram a cara da década, como leggings brilhantes, casacos de veludo, sandálias de plástico e calças metálicas. Em seu auge, a marca chegou a acumular mais de US$ 600 milhões em vendas e 200 lojas pelo mundo. No entanto, no ano passado foi à falência devido à má conduta administrativa do fundador, Dov Charney isso sem contar as acusações por assédio sexual no trabalho.

Agora, sob o comando da fabricante canadense Gildan Activewear, que comprou a massa falida por US$ 88 milhões, a label deve ter um comeback triunfal. O conglomerado vai relançar o site da AA ainda neste ano e promete re-energizar a marca, com uma ampla gama de produtos. “Esperamos que seja uma das melhores aquisições da empresa, em termos de retorno sobre o investimento, por isso estamos muito entusiasmados com isso”, disse Glenn Chamandy, presidente-executivo da Gildan, em entrevista ao site Business of Fashion.

O falido Dov, por sua vez, resolveu lançar uma nova empresa, com o nome de Los Angeles Apparel, e garantiu que logo irá produzir peças que fizeram sucesso no passado da American Apparel. Chamandy não se sente ameaçado pela provocação: “Boa sorte para ele. Mas, no final, estamos bem posicionados. Temos um investimento significativo e um poder capaz de suportar nossa marca”, declarou ao BoF. [Gisele Navarro]

Apple cria uma conta oficial no Instagram

Sem título.png909.jpgA fabricante norte-americana Apple se rendeu ao mundo das redes sociais e criou uma conta oficial no Instagram. De acordo com a empresa, o objetivo do perfil @apple é postar algumas das melhores fotos feitas com iPhone.

A iniciativa entra em consonância com a campanha da empresa de “Shot on iPhone”, por isso a nova conta só vai postar imagens feitas por usuários do smartphone ao redor do mundo. Segundo a Apple, galerias de produtos, comerciais e iniciativas de marketing nunca irão aparecer no perfil da rede social.

A empresa sempre evitou fazer campanhas em plataformas de competidores, mas foi mudando sua política ao longo dos últimos anos. Recentemente, ela abriu contas no Instagram, Twitter e Snapchat para o Apple Music; criou um Twitter para o iTunes e para o iBooks e verificou a sua conta @apple no Instagram.

O perfil no Instagram ficou parado até então, já que na data de criação da conta a empresa só o abasteceu com quatro vídeos, um de apresentação e outros três de galerias.

Se um usuário quiser aparecer em uma publicação da empresa no futuro, basta usar a hashtag #ShotOnIphone em suas fotos da rede social. A Apple diz que nunca vai usar as imagens sem pedir autorização primeiro aos autores.

David Chipperfield assina novo museu em Xangai

2-west-bund-art-museum-em-xangaiO escritório David Chipperfield Architects revelou o design do mais novo projeto do Centro Pompidou (um dos mais importantes museus de Paris): o West Bund Art Museum em Xangai, China. A instituição parisiense revelou os detalhes com o anúncio de um acordo de cinco anos com o West Bund Group para organizar exposições no museu a partir de 2019. Aproximadamente 20 exposições – incluindo uma com foco na arte contemporânea chinesa – serão incluídas no negócio, descrito pelo Centro Pompidou como “o mais importante projeto de intercâmbio cultural de longo prazo entre a França e a China”.

O objetivo do projeto é criar um lugar especial na margem do rio, onde os visitantes possam visitar um museu e também desfrutar do rio e das vistas para o centro de Xangai. Devido à sua localização solitária no ponto mais ao norte da cidade, onde a estrada e o rio divergem para formar um generoso parque, o museu será a principal entidade cultural que os visitantes encontrarão ao chegarem ao Xuhui Riverside District. O edifício terá uma forte relação com os seus arredores.

Três volumes de galeria de exposições de aproximadamente 18 metros de altura definem a construção do prédio nos lados norte, oeste e sul. A iluminação natural estará presente em todos os andares. Mas o último nível de cada edifício ganhará grandes janelas com vistas incríveis para o centro da cidade, para o rio e para o parque.

Os três volumes serão ligados por uma construção central de três andares, com átrio central, terraço para apreciar a vista, pátio interligando todas as áreas e um café. [C&C]

Em “The Deuce”, HBO vai contar o surgimento da indústria pornô

“Game of Thrones” está se aproximando do fim, mas a HBO já garantiu que a sua histórica taxa de nudez por episódio quadrado seja mantida nos próximos anos.

“The Deuce” é a nova série de David Simon, criador da cultuada “The Wire”. A produção se passa nos anos 1970 e mostra o nascimento e legalização da bilionária indústria pornográfica nos Estados Unidos.

O novo trailer, acima, faz menções ao clássico “Garganta Profunda” de 1972, responsável pela chamada “Era de Ouro do Pornô”. Também descobrimos que “The Deuce” é o apelido da rua 42 em Nova York, mas que certamente serve como trocadilho para os protagonistas gêmeos.

Estrelada por James Franco e Maggie Gyllenhaal, “The Deuce” estreia em 17 de setembro no Brasil. []

Pães e bolos cantam Paul McCartney em comercial stop-motion

Para promover a estreia do reality “The Great British Bake Off”, o Channel 4 colocou apetitosos pães e bolos para cantar enquanto são assados.

São 335 personagens panificados, que cantam “We All Stand Together” do Paul McCartney. O processo todo – dos ingredientes crus ao quitute final – foi filmado em stop-motion.

A campanha foi criada pela 4Creative, agência in-house do canal, responsável pela vencedora em Cannes “Meet the Superhumans”. []

Grupo japonês SoftBank considera investir no Uber ou no Lyft

softbank-l-reutersO grupo japonês SoftBank, importante investidor global em startups de tecnologia, anunciou forte aumento no lucro trimestral e demonstrou interesse em fazer investimentos em empresas como Uber e Lyft no futuro.
“Estamos interessados em discutir com o Uber, também estamos interessados em discutir com a Lyft, não decidimos como”, disse o presidente executivo e fundador do SoftBank, Masayoshi Son.

Esta é a primeira vez que o SoftBank manifestou publicamente interesse pelo Uber, após ter aplicado recursos até agora no Grab, seu rival no Sudeste Asiático, e no Didi Chuxing, da China. A SoftBank também já investiu mais de US$ 100 milhões na brasileira 99, que compete com o Uber no mercado local.

No mês passado, uma reportagem informou que os acionistas do Uber e seu conselho estavam avaliando uma venda de ações para o SoftBank e outros investidores. “Se decidirmos fazer uma parceria e investir na Uber ou na Lyft, não sei qual será o resultado final”, disse nesta segunda-feira Son a repórteres em coletiva de imprensa após a divulgação dos resultados da SoftBank no primeiro trimestre.

O lucro operacional trimestral do SoftBank aumentou 50% na comparação anual, para 479 bilhões de ienes (US$ 4,32 bilhões de dólares), após incluir o Vision Fund, o maior fundo de private equity do mundo, como um novo segmento nos resultados, e registrar ganho de 105 bilhões de ienes em sua participação na fabricante de chips gráficos Nvidia. [Reuters]

Netflix anuncia a compra da editora de quadrinhos Millarworld

750_201787123145800Imagem do anúncio da compra da Millarworld pela Netflix Foto: Netflix/Reprodução


O serviço de streaming Netflix anunciou nesta segunda-feira, 7, que comprou a editora de quadrinhos Millarworld, criada pelo cartunista Mark Millar, o responsável pelas HQs Guerra Civil, na Marvel, e Kick-Ass, em sua própria companhia.

A aquisição é a primeira da Netflix desde que foi fundada. Além de comprar os direitos das histórias, a empresa agora é dona da editora dos quadrinhos em si.

O plano da Netflix e da Millarworld é levar para o streaming um universo baseado nos quadrinhos de Millar, com filmes, séries, programas infantis e animações.

“Esta é a terceira vez na história que uma grande companhia de quadrinhos é comprada neste nível”, lembrou Mark Millar em comunicado oficial. Antes desta compra, vieram a Warner Bros. com a aquisição da DC Comics e a Disney com a Marvel Comics.

No mesmo comunicado, o chefe de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos, compara Mark Millar ao lendário Stan Lee. “Como criador e reinventor de alguns dos mais memoráveis personagens da história recente, como os Vingadores da Marvel e às franquias Kick-Ass, Kingsman, Wanted e Reborn, Mark é o mais próximo que se pode chegar de um Stan Lee dos dias atuais.”

Os valores da compra não foram revelados por nenhuma das partes. Em seus quase 20 títulos, a Millarworld já teve três levadas aos cinemas: Wanted, Kick-Ass e Kingsman. Juntos, filmes baseados nas três histórias arrecadaram quase um bilhão de dólares nos cinemas.