O trabalho de David Lynch está servindo de inspiração para moda

Com a retomada de Twin Peaks após 25 anos, as lições de estilo das personagens da série reaparecem nas passarelas internacionais.

el350_preview_passarela_twinpeaksUm dos cineastas mais cult de todos os tempos, David Lynch é famoso pela estética surrealista e misteriosa, sempre carregada de elementos fashion. Com personagens fortes e cheias de estilo, não é de estranhar que o trabalho do diretor figure nos moodboards de estilistas ao redor do globo. Bastou anunciar o retorno de Twin Peaks às telas após o gap de 25 anos que a mais recente temporada internacional de moda foi tomada por looks que remetem ao estilo das personagens da série.

Margaret Lanterman, mais conhecida como Log Lady (ou a mulher do tronco), encabeça a lista de influências com seu visual kitsch, composto de cardigãs xadrez, sobreposições de tricô e uma cartela de tons terrosos. Agnona, Balenciaga e Chloé são algumas das etiquetas que bebem desse mood vovozinha criado por Lynch. Em um momento similar, mas mais girlie, surgem looks inspirados em Donna Hayward, melhor amiga de Laura Palmer e outra fã de um bom cardigã. É praticamente literal a versão criada pela Pringle of Scotland, enquanto a Mulberry lança uma combinação um pouco mais sutil.

Há ainda uma vibe sexy e fetichista, que podemos relacionar com o visual de Laura nos momentos surreais ao lado do agente Cooper – leia-se um longo preto com mangas compridas e fenda generosa –, vista em coleções como as de Oscar de la Renta e Badgley Mischka. Outra power woman que surge representada nos desfiles é a chinesa Jocelyn Packard (Joan Chen). Seu figurino é um dos mais sofisticados da série, com destaque para o vestido vermelho fechado, que ganha novas interpretações nas apresentações de Giambattista Valli e Jil Sander.

Ainda podemos reconhecer o roupão de veludo azul-pastel usado por Maddy Ferguson (Sheryl Lee), prima de Laura, na produção da Nina Ricci, enquanto o rosa-queimado eleito para o visual da jovem Audrey Horne (Sherilyn Fenn) é revisto no desfile da Rochas. Se você ainda não é fã de Twin Peaks, essa é uma boa razão para marcar uma sessão pipoca cult fashionista. [Chantal Sorti]

OMA projeta edifício de uso misto para porto de Boston

88-SeaportO OMA New York revelou renderizações para o projeto mais recente, um empreendimento de uso misto com 45.000 metros quadrados, localizado no 88 Seaport Boulevard, no emergente Porto de Boston. Desenvolvido pelo empreendedor com sede em Massachusetts WS Development, a estrutura agrega a uma crescente coleção de arquitetura de qualidade comissionada para o distrito, incluindo projetos de  James Corner Field OperationsSasaki, e NADAAA.

“Estamos empenhados em trazer a arquitetura de classe mundial para o Porto de Boston – arquitetura que resistirá ao teste do tempo. Juntamente com a brilhante equipe do OMA, criaremos um ambiente urbano único que promove a economia de inovação de Boston e comemora um excelente projeto urbano” Disse Yanni Tsipis, vice-presidente sênior do Seaport no WS Development.

88 Seaport consistirá em uma estrutura de 18 andares com uma fachada de vidro facetada dividida por uma grande fatia angular que permitirá que a luz natural penetre nos espaços interiores e abrirá o edifício em direção ao Fan Pier Green e à água. No total, o prédio oferecerá cerca de 39.500 metros quadrados de escritórios, cerca de 5.575 metros quadrados de comércio (localizado nos dois primeiros andares) e 465 metros quadrados designados para uso cívico / cultural.

O projeto está sendo liderado pelo sócio do OMA, Shohei Shigematsu, que dirigiu o escritório da OMA em Nova Iorque e tem trabalhado nas Américas desde 2006.

“É emocionante se envolver com a migração de inovação para o Distrito do Seaport e trabalhar com o WS Development em um prédio posicionado para ser o nexo entre o histórico Fort Point e os empreendimentos emergentes”, disse Shigematsu.

“Nosso projeto para o 88 Seaport fatia o prédio em dois volumes, criando respostas distintas para a escala urbana antiga e a nova, além de acomodar diversas tipologias de escritórios para diversas indústrias com demandas de pisos tradicionais e alternativos. A fatia também gera uma oportunidade para desenhar os domínios públicos do distrito, ligando o cais e Fan Pier Green com uma paisagem contínua “.

Espera-se que a construção seja iniciada em 2018 e finalizada em 2020.  Traduzido por Eduardo Souza 

Notícia via OMA.

NALU / Studio Saxe

2Nalu_HighRes_039Do arquiteto. Studio Saxe finalizou um hotel boutique e um estúdio de ioga na paisagem tropical de Nosara, Costa Rica. O projeto faz parte de uma longa linha de edifícios sustentáveis do escritório que misturam o desenho contemporâneo com o artesanato local, abrangendo o entorno natural que rodeia e emoldura a arquitetura.

Nosara se tornou um destino para os vistantes de todo o mundo para a saúde, bem-estar e surfe. Por isso, os proprietários do Hotel Nalu-Nosara, Nomel e Mariya Libid, queriam um desenho que refletisse a atitude dos seus hóspedes. O estúdio de ioga, que também se tornou muito popular como um espaço de academia multiuso, envolto na vegetação exuberante por todos os lados é, também, um refúgio na selva para o exercício e relaxamento.

Os hóspedes do hotel dispõem de casas individuais em vez de dormitórios situados a poucos minutos a pé do oceano. Ao romper o volume do hotel tradicionalmente monolítico, os arquitetos foram capazes de dispersar espaços de convivência entre as árvores e criar um sentido de privacidade rodeado pelo mundo natural. Cada pavilhão foi cuidadosamente posicionado, depois de uma investigação minuciosa sobre as condições do vento e sol, garantindo ao mesmo tempo que todos eles possuam uma visão individual da paisagem. As coberturas de madeira sobrepostas são projetadas sobre cada pavilhão proporcionando sombra do intenso sol equatorial. Estes tetos estão feitos com tábuas recicladas criando padrões desiguais que enfatizam ainda mais essa tensão entre artesanato local e desenho moderno. As habitações estão conectadas através dos corredores que filtram a luz solar desde pergolados e emolduram mais vistas do exuberante entorno.

O arquiteto Benjamin Garcia Saxe disse: “Nosso projeto em Nalu representa o poder da arquitetura tropical moderna simples e discreta. Converteu-se rapidamente em um dos espaços favoritos da cidade o que demonstra que existe um desejo de ocupar espaços que aproximam as pessoas da natureza, ocupando-se das necessidades da vida contemporânea”. Traduzido por Camilla Sbeghen

Este slideshow necessita de JavaScript.

Arquitetos: Studio Saxe
Localização: Guanacaste, Nosara, Costa Rica
Área: 656.0 m2
Ano do projeto: 2017
Cliente: Nalu Nosara
Diretor de Projeto: Benjamin Garcia Saxe
Arquiteto Projetista: Alejandro Gonzalez & Cesar Coto
Coordenador de Projeto: Laura Morelli
Documentação da Obra: Roger Navarro
Engenheiro Estrutural: Sotela Alfaro Ltda.
Engenheiro Elétrico e Mecânico: Dynamo Studio
Construtora: Construction PROS

L’Officiel Netherlands Setembro 2017 Peyton Knight by Guy Lowndes

Sem título.png17Photography: Guy Lowndes at Atelier Management. Styled by: Alba Melinda Garcia. Hair: Kim Roy at One Represents. Makeup: Shama at Ones Represents. Model: Peyton Knight at IMG.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Harper’s Bazaar Setembro 2017 Mayowa Nicholas by Daniel Riera

Sem título.png17Photography: Daniel Riera. Styled by: Joanna Hillman, Hair: Noelia Corral, Makeup: María Martínez, Model: Mayowa Nicholas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Bilheteria EUA: Dupla Explosiva, Annabelle 2 – A Criação do Mal, Logan Lucky, Dunkirk, O Que Será de Nozes 2 a

Sem título.png17Dupla Explosiva, novo filme de comédia e ação estrelado por Samuel L. Jackson Ryan Reynolds, estreou no primeiro lugar da bilheteria americana. O longa arrecadou cerca de US$ 21,6 milhões e somente em um fim de semana quase igualou o valor gasto em sua produção, de US$ 29 milhões.

Na trama, Reynolds interpreta um competente agente de segurança que é encarregado de proteger o personagem de Jackson, um assassino de aluguel. Apesar do péssimo relacionamento entre eles, os dois tem apenas 24 horas para viajar de Londres para a Holanda enquanto são  perseguidos pelos capangas de um ditador vivido por Gary Oldman.

Annabelle 2 – A Criação do Mal ficou com a segunda posição ao recadar pouco mais de US$ 15 milhões. O longa já arrecadou mais de US$ 160 milhões ao redor do mundo e ajudou o universo Invocação do Mal a ultrapassar a marca de US$ 1 bilhão.

A produção conta a história de um fabricante de bonecas e sua esposa que, 20 anos depois da trágica morte de sua filha, recebem em sua casa uma freira e várias meninas de um orfanato. Logo, no entanto, elas se tornam alvo da boneca possuída Annabelle.

Logan Lucky, novo filme de Steven Sorderbergh com Adam Driver Daniel Craig, ficou em terceiro lugar ao somar US$ 8 milhões em seu primeiro fim de semana em cartaz.

Na trama do filme, dois irmãos (Channing Tatum e Adam Driver) planejam realizar um assalto durante uma corrida da NASCAR. Jack Quaid, Brian Gleeson, Katherine Waterston, Hilary Swank, Michael Shannon e Katherine Heigl também estão no elenco.  A estreia no Brasil está marcada para 12 de outubro.

A quarta colocação ficou com Dunkirk, o filme de guerra dirigido por Christopher Nolan. Com queda de 38% em sua quinta semana de exibição, o filme arrecadou US$ 6,7 milhões no fim de semana e tem um total de US$ 165 milhões nos EUA e já ultrapassou seu custo de US$ 100 milhões.

O filme é baseado na história da Operação Dínamo, que conseguiu resgatar mais de 330 mil homens da cidade que dá nome ao filme, durante a Segunda Guerra Mundial.

A animação O Que Será de Nozes 2 arrecadou US$ 5,1 milhões e ficou na quinta posição. A produção conta com uma bilheteria de US$ 17 milhões nos EUA.

Na trama, Surly e seus amigos tentam impedir que o prefeito da cidade construa um empreendimento que vai demolir sua casa no parque. A estreia do filme no Brasil está marcada para 14 de setembro.

4 fatos sobre a vida e o estilo de Brigitte Macron

Sem título.jpgBrigitte Macron é a estrela da capa da ELLE francesa deste mês — e ofereceu uma entrevista exclusiva ao veículo europeu sobre sua vida, seu estilo e o casamento com Emmanuel Macron, atual presidente da França. O primeiro fato que descobrimos sobre ela é que ela é adepta ao estilo casual chic — legitimamente francês, é claro! Na capa, clicada no Palácio Élysée, Brigitte aparece com uma jaqueta creme da Dior e jeans da Saint Laurent, um look parecido com o qual usou para encontrar Rihanna no mês passado.

Nas dez páginas da entrevista — que incluem fotos suas de mãos dadas com Emmanuel Macron –, ela aparece também com um vestido vermelho de inspiração biker criado por Nicolas Ghesquière, que, de acordo com ela, é seu amigo íntimo e está entre seus designers preferidos, assim como Karl Lagerfeld, Olivier Rousteing, Alexandre Vauthier e Alaïa.

Segundo fato: ela ama comprimentos curtos desde a adolescência — mas não tão curtos quantos os produzidos por Alaïa, de acordo com ela. “Eu uso acima dos joelhos, não comprimento mini. Mas eu amava usar minis quando era mais nova, nós escondíamos as peças nas nossas bolsas quando íamos sair… E usávamos ceroulas por baixo para dançar rock ’n’ roll”, descreve Brigitte. “Fui do muito curto para o muito longo — isso  até minha avó me ver em um longo e dizer: ‘meu Deus! Você parece uma avó mau-humorada.’ Depois disso, nunca mais!”, contou ela.

Quando perguntada se ela se incomoda com pessoas falando sobre o que ela veste, a professora que se auto-intitula feminista responde com um terceiro fatosobre si: apesar de se importar com estilo, ela não é a pessoa mais apaixonada por moda: “porque não se interessar por moda, se faz alguma coisa pela indústria fashion francesa? Eu sempre me esforço na forma de me apresentar — é só perguntar para meus filhos ou meus alunos”, diz ela. “Eu nunca saio de casa sem escolher uma roupa e arrumar meu cabelo. Os resultados variam, mas não posso fazer diferente.”

Ela também falou sobre a polêmica do governo francês criar um cargo oficial de primeira-dama para ela. Quarto fato: ela não gosta do termo primeira-dama, traduzido para o francês como première-dame. “Sempre que eu ouço esse termo, me sinto inclinada a olhar sobre meu ombro e dizer: desculpe, com quem você está falando? Para mim, eu não sou a primeira nem última dama. Eu sou apenas Brigitte Macron.”

Jerry Lewis morre aos 91 anos

Sem título.png17O ator e comediante Jerry Lewis morreu aos 91 anos neste domingo (20). Conhecido como “Rei da Comédia”, ele é um dos maiores comediantes de todos os tempos.

O agente do ator confirmou que Lewis morreu nesta manhã em sua casa em Las Vegas, no estado norte-americano de Nevada. Entre junho e agosto deste ano, ele ficou hospitalizado para tratar de uma infecção urinária. Ainda não há informação sobre o que levou à morte do comediante.

A última apresentação de Lewis nos palcos ocorreu no hotel South Point, em Las Vegas, em outubro do ano passado.
Além de influenciar uma geração inteira de comediantes e ser um ícone do riso, Jerry também conduziu causas humanitárias, como seu programa beneficiente anual do Dia do Trabalho para a Associação de Distrofia Muscular, que ele começou a apresentar em 1952. Ele se aposentou do evento em 2011.

Carreira
Jerry Lewis atingiu o estrelato junto do cantor Dean Martin, com quem atuou a partir de 1946 e formou uma das duplas mais memoráveis do humor americano.

Dean Martin era o elegante da dupla, especialmente quando cantava, enquanto Jerry Lewis exercia o papel do parceiro imprevisível. Os espetáculos eram totalmente abertos à improvisação.

Após dez anos de sucessos demolidores nos teatros e no cinema, graças a filmes como “O marujo foi na onda” (1952) e “O rei do laço” (1956), em 24 de julho de 1956 Dean Martin e Jerry Lewis fizeram o último espetáculo como dupla no clube Copacabana, em Nova York.

Ainda na década de 1950, Lewis se notabilizou pelas apresentações em clubes noturnos, na televisão e no cinema. Ao longo de cinco décadas de carreira, Lewis estrelou mais de 50 filmes.

O filme mais famoso de Lewis é a comédia “O Professor Aloprado”, de 1963. Protagonizado e produzido por ele, o longa conta a história do atrapalhado professor universitário Julius Kelp. Depois de ser humilhado por alunos e quase demitido da instituição de ensino pelas constantes trapalhadas em que se envolve, Kelp cria uma fórmula que o faz ser elegante, charmoso e bom de papo. Nasce então Buddy Lee.
O filme ganhou uma nova versão na década de 1990, quando Eddie Murphy viveu o professor aloprado.

Seu último filme, lançado no ano passado, foi “A Sacada”, em que faz um papel secundário. O último como protagonista foi “Max Rose”, de 2013, e o primeiro em que ele faz o papel principal desde “Rir é Viver”, de 1995.

Ele interpreta o viúvo Max Rose, que, ao mesmo tempo em que sofre com a perda da esposa Eva (Claire Bloom), investiga uma descoberta que pode acabar com as certezas adquiridas após muitos anos de casado.

Já o antepenúltimo trabalho de Jerry como ator foi o filme brasileiro “Até que a Sorte nos Separe 2”, em que trabalhou com Marcius Melhem e Leandro Hassum. Na época das filmagens, o ator estava com 87 anos.

Heatherwick Studio divulga imagens e vídeo de sua “montanha de árvores” em Xangai

Após a publicação na semana passada do vídeo produzido pelo #donotsettle sobre o projeto 1000 Trees de Heatherwick Studio em Xangai, o próprio escritório divulgou um vídeo mostrando o andamento das obras.

O empreendimento de 300 mil metros quadrados está localizado a 20 minutos do centro de Xangai ao lado do distrito de artes M50, e assume a forma de duas “montanhas cobertas de árvores”. Como o nome sugere, o projeto incluirá colunas estruturais de concreto largas no topo, criando espaço para plantadores árvores. O vídeo apresenta o edifício em estado meio concluído, mostrando como ele irá se relacionar com seu entorno imediato.

“A legislação permitia construir dois blocos de shopping center, no entanto, um edifício maior e pesado precisaria ser dividido em partes menores para se adequar aos arredores”, explicou Heatherwick Studio. “O plantio integrado atua como um elemento de equilíbrio natural e as bordas do prédio são reduzidas para minimizar o impacto onde se encontra com o distrito artístico e o parque, reduzindo o limite discernível entre eles.”  Traduzido por Romullo Baratto

Via Heatherwick Studio