Ad Campaign: Prada Spring/Summer 2018: By Willy Vanderperre

Prada Spring Ad 2018 1
Prada Spring/Summer 2018

Prada
Ad Campaign Spring/Summer 2018
www.prada.com

Photography: Willy Vanderperre
Model: Gisele Fox, Kris Grikaite, Imari Karanja, Line Kjaergaard, Fran Summers, Anok Yai, Alyssa Traore
Styling: Olivier Rizzo
Hair: Eugene Souleiman

Make-Up: Lucia Pieroni

Este slideshow necessita de JavaScript.

Emily Ratajkowski – Kerastase S/S 2018

Kérastase - Emily Ratajkowski FINAL
Kerastase S/S 2018

All people in this campaign: Inez and Vinoodh – Photographer, Emily Ratajkowski – Model

Atriz Eliza Dushku do filme ‘True Lies’ diz que foi molestada quando tinha 12 anos

Ela acusa o coordenador de dublê Joel Kramer de molestá-la em um quarto de hotel; ele nega as acusações

8ab79e4cca3ddaa357a3684068ccbf4a
Eliza Dushku – UNICEF Children’s Champion Award Dinner in Boston

A atriz Eliza Dushku afirmou que foi abusada sexualmente pelo coordenador de dublês de Hollywood Joel Kramer durante a produção do filme True Lies (1994), quando ela tinha apenas 12 anos, e ele, 36. Em uma publicação no Facebook no fim de semana, Eliza afirmou que foi abusada em um hotel de Miami na época em que ambos participaram das filmagens do longa dirigido por James Cameron e protagonizado por Arnold Schwarzenegger e Jamie Lee Curtis.

A atriz descreveu que Kramer, que era o coordenador de dublês do filme, tinha ganhado a confiança dos seus pais durante meses, antes de se oferecer para levá-la para nadar em um hotel com piscina e depois provar o seu primeiro sushi.

“Me lembro vividamente de como apagou as luzes; como colocou o ar condicionado em níveis que pareciam de congelamento; de onde me colocou, exatamente em uma das duas camas do quarto do hotel, que filme colocou na televisão (Cônicos & Cômicos); como desapareceu no banheiro e saiu, nu, sem nada além de uma pequena toalha de mão que ficava curta na metade do seu corpo”, relatou a atriz.

“Me lembro de como me deitou na cama, me envolveu com o seu gigantesco corpo que se retorcia e se esfregou em mim. Ele pronunciou estas palavras: ‘Não vai dormir agora, querida, pare de fingir que está dormindo’, enquanto se esfregava mais forte e mais rápido contra o meu corpo catatônico. Quando tinha ‘terminado’, sugeriu: ‘Acho que devemos ter cuidado… (sobre dizer a alguém o que tinha acontecido)‘”, continuou.

Eliza, que agora tem 37 anos, agradeceu a outros homens e mulheres no mundo de Hollywood por terem quebrado o tabu de falar sobre casos de assédio, e lamentou que naquele momento seus pais, a quem contou o que aconteceu, não tenham sabido como agir.

Kramer disse que as acusações são “totalmente falsas” em declarações ao site  Huffington Post. “Essas denúncias são uma invenção bem elaborada pela Sra. Dushku. Não entendo o que motivou a Sra. Dushku a fazer essa declaração e espero que possa encontrar sua consciência para corrigir essa injustiça e devolver o meu bom nome”, acrescentou o dublê.

A agência Worldwide Production Agency informou nesta segunda-feira que deixará de representar Kramer. “Tal comportamento é inaceitável e totalmente em desacordo com os padrões de conduta que exigimos de nós mesmos e esperamos dos nossos clientes”, disse Richard Caleel, presidente e assessor-geral da agência.

A atriz Jamie Lee Curtis explicou em uma coluna no mesmo jornal que Eliza tinha lhe contado o incidente há alguns anos. “Todos começamos a acordar diante do fato de que esses terríveis abusos, que agora têm se tornado comuns nas notícias diárias, aconteceram durante muito tempo”, disse a atriz. “A história de Eliza agora nos despertou do nosso sonho de negação para uma realidade nova e horrível. O abuso a crianças.”

Por sua vez, o diretor James Cameron disse que se tivesse sabido do ocorrido “não teria tido misericórdia” de Kramer. “Obviamente, Eliza é muito corajosa “, acrescentou o cineasta.

Rede americana CVS Pharmacy anuncia que não vai mais usar Photoshop em propagandas de beleza

A iniciativa é da rede de farmácias CVS, uma das principais nos Estados Unidos

cvs
Imagem cedida por Farmácia CVS

A rede norte-americana de farmácias CVS afirmou nesta segunda-feira, 15,  que não vai mais editar as imagens de suas propagandas de beleza.

A regra vai valer para as imagens usadas em lojas, sites, mídias sociais e materiais de marketing.

A edição de imagens não vai alterar ou melhorar a forma, o tamanho, a proporção, a cor da pele ou dos olhos de uma pessoa, rugas ou qualquer outra característica individual.

Segundo comunicado da empresa, a decisão começa a valer neste ano, mas o prazo para atingir a transparência total se encerra em 2020. Esse processo envolve a negociação para que a diretriz seja aplicada também por fornecedores. As imagens sem edição terão um logotipo específico.

“Como mulher, mãe e presidente de um negócio de varejo cujos clientes predominantemente são mulheres, percebo que temos a responsabilidade de pensar sobre as mensagens que enviamos aos clientes”, disse Helena Foulkes, presidente da CVS Pharmacy. [Gabriela Marçal]

Xiaomi escolhe bancos para organizar oferta inicial de ações

CLSA, Goldman Sachs e Morgan Stanley serão os responsáveis pela operação; fabricante pode chegar ao valor de mercado de US$ 100 bilhões

9bd2710e30e23067f39110761bf512a8--constitution-big-brother
Fabricante de smartphones chegou a operar no Brasil, mas desistiu

A chinesa Xiaomi escolheu os bancos CLSA, Goldman Sachs e Morgan Stanley como patrocinadores conjuntos de sua proposta de IPO, disseram pessoas com conhecimento direto do assunto, operação que pode avaliar a fabricante chinesa de smartphones em até US$ 100 bilhões.

A oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) pode ser a maior do mundo do setor de tecnologia em 2018 e espera-se que ocorra no segundo semestre, informou na segunda-feira o IFR, um serviço da Thomson Reuters.

Xiaomi escolheu separadamente o Credit Suisse e o Deutshe Bank para trabalhar em seu IPO, outra fonte disse à Reuters. A fonte acrescentou que as funções dos bancos globais não foram definidas e que nenhum mandato formal foi dado a qualquer banco. Um porta-voz da Xiaomi recusou-se a comentar. [Reuters]

Doc sobre mostra polêmica de Damien Hirst chega ao Netflix

666427574
Damien Hirst ‘Treasures From The Wreck Of The Unbelievable

A Netflix acaba de lançar um documentário sobre a mais recente exposição do artista britânico Damien Hirst. Em abril do ano passado, depois de 13 anos sem apresentar uma mostra inédita, Hirst retornou com a superlativa Treasures From the Wreck of the Unbelievable, que ficou em cartaz em Veneza, Itália, até dezembro último. Com 189 obras, a expo ocupou dois museus, um ao lado do outro: o Palazzo Grassi, com seus 5.000 m² no Grande Canal, e o Punta della Dogana, antiga alfândega de Veneza – ambos pertencem a François Pinault, colecionador de longa data das obras de Hirst e fundador do grupo Kering, conglomerado que detém grifes como Gucci, Saint Laurent e Balenciaga.

Logo que foi lançada, a mostra gerou controvérsias e dividiu opiniões. Hirst fez uma espécie de autorretrato e se apoiou no mito que conta a história de Cif Amontan II (anagrama para “I am fiction”), um escravo que viveu entre o primeiro e o início do segundo século antes de Cristo. Amontan era um grande colecionador, assim como Hirst, e desejava criar um espaço para guardar e contemplar toda sua coleção, porém, para tanto precisava transportá-la. Como era extremamente abundante, com esculturas oriundas de diversas culturas (romana, asteca, inca, egípcia, entre outras), ele a colocou num navio colossal chamado Apistos (inacreditável, em grego), que naufragou.

Mais de dois mil anos depois, em 2009 uma equipe de arqueólogos marinhos descobriram esse naufrágio na costa leste da África. Hirst foi quem os patrocinou para que pudessem continuar a explorar os tesouros perdidos de Amontan. Ou seja, a mostra levou sete anos para ficar pronta – e quatro meses para ser montada.

Para os críticos, dividiu opiniões. Jonathan Jones, do The Guardian, adorou e a avaliou com cinco estrelas. “Quando eu vi pela última vez uma obra de arte contemporânea que surpreendeu, perturbou e me encantou tanto quanto isso?”, escreveu. Já Alastair Sooke, do The Telegraph, achou pavorosa e avaliou com apenas duas estrelas. “Em última análise, porém, Treasures from the Wreck of the Unbelievable oferece escala em vez de ambição; é um kitsch mascarado como alta arte”. “Como artista, o melhor que você pode esperar é que as pessoas discutam e tenham diferentes opiniões”, rebateu Hirst em entrevista à Vulture. O fato é que a mostra gerou US$ 330 milhões em vendas.

No fundo, o que prevaleceu foi um sentimento de ambiguidade. São tesouros que foram realmente de Cid Amontan II ou foram esculturas criadas ontem? Essa história é realmente um mito antigo ou foi criada pelo artista? Por isso, o documentário homônimo chega em boa hora para, ao longo de 90 minutos, mergulharmos juntos nesta história. “Pra mim, a exposição é sobre acreditar. Acreditar no passado. Acreditar em Deus. Acreditar em deuses. Ou não acreditar”, resume Hirst no doc. “E a crença é algo estranho, porque não há verdade absoluta. Os artistas não têm respostas, os cientistas não têm respostas, a religião não tem respostas. Mas de alguma maneira, coletivamente, criamos alguma verdade. Quer acreditemos em algo ou não, precisamos de algo”.

Assista ao trailer abaixo e clique aqui para assistir na Netflix. [FFW]

Lego pode lançar rede social para crianças na China

Fabricante de brinquedos fechou parceria com gigante Tencent para produzir experiência em ‘ambiente seguro’ para crianças chinesas

PIBE-Winter-2017-Alana-Zimmer-Zoey-Grossman-4.jpg
Lego aposta suas inovações no mercado chinês

A fabricante de brinquedos Lego está entrando cada vez mais forte no mercado chinês. Nesta segunda-feira, 15, a fabricante de brinquedos anunciou que irá produzir jogos online para as crianças chinesas em parceria com a Tencent, gigante que é dona da desenvolvedora de games Riot — que produz a franquia League of Legends.

A Lego também planeja produzir uma rede social para o público infantil. A fabricante anunciou que a parceria com a chinesa tem como objetivo criar um ambiente seguro com conteúdos, plataformas e experiências para as crianças chinesas.

“O que estamos procurando agora com Tencent é apenas encontrar formas mais criativas de chegar a crianças e criar conteúdo personalizado. Nesse caso, jogos”, disse Jacob Kragh, chefe da Lego na China.

A parceria também inclui o Lego Boost, um conjunto de construção e codificação que permite as crianças transformarem suas criações em objetos em movimento.

Atualmente, a Tencent é a empresa mais valiosa da Ásia com uma capitalização de mercado de US $ 537 bilhões. Já a Lego, que tem visto desacelerar seu crescimento nos últimos anos, tem encontrado no mercado chinês oportunidades de vendas.

A fabricante de brinquedos tem cerca de 3% de participação de mercado chinês, seguido da Mattel e da Hasbro com cerca de 2% e 1%, respectivamente, de acordo com a consultoria Euromonitor.

Em novembro de 2016, a Lego inaugurou uma fábrica em Jiaxing, na China, que espera produzir entre 70 e 80% de todos os produtos Lego vendidos na Ásia.

iPhone 6 perde quase metade da velocidade com atualização

Atualização do sistema teria impactado negativamente a performance do aparelho, mas novo software é importante para segurança de dados

iphone6-mundomac-uruguay.jpg
(Apple/Divulgação)

Apple enfrenta uma crise com a divulgação de que os iPhones com baterias antigas ficam propositalmente mais lentos para evitar problemas em componentes eletrônicos e reduzir a quantidade de desligamentos inesperados. Em meio a isso, falhas em processadores que atingiram diversos dispositivos também poderiam impactar os smartphones da companhia.

Agora, um teste realizado por um especialista indica que o modelo iPhone 6, de 2014, pode apresentar queda de performance geral de até 41%.

De acordo com Melvin Mughal, a queda de desempenho aconteceu devido à atualização recente do sistema iOS dos iPhones. Ela chega para resolver parte dos bugs que podem dar acesso às suas informações para hackers mal-intencionados. Uma queda de performance já era esperada–e isso deve acontecer com computadores e smartphones de outras marcas.

No teste realizado por Mughal, o aplicativo de medição de desempenho Geekbench foi usado com o iOS 11.1.2 e com o 11.2.2. Os resultados indicam queda de 41% nas tarefas realizadas com um único núcleo de processamento e de 39% nas que usam mais de um. Os números também podem estar relacionados com a limitação de performance ocasionada pela própria Apple por conta da condição da bateria.

Ainda não há casos reportados sobre hackers que tenham aproveitado as falhas Spectre e Meltdown para roubar informações pessoais ou sigilosas. No entanto, a atualização foi disponibilizada pela Apple com o objetivo de tornar os iPhones mais seguros, ainda que isso tenha um impacto na performance.

Para a Apple, a atualização é crítica e os usuários não devem hesitar em instalá-la. [Lucas Agrela]

Philosophy di Lorenzo Serafini apresenta collab com a Superga

Entenda o hype da marca e saiba onde comprar no Brasil

Sem título.png2
Philosophy di Lorenzo Serafini + Superga (Foto: Arte Vogue Online)

Lorenzo Serafini apresentou, no domingo (14.01), durante a temporada italiana de moda masculina, a nova coleção da Philosophy di Lorenzo Serafini em parceria com a Superga. Para a linha, o estilista trabalhou dois estilos diferentes que resultaram em sete modelos unissex, todos revisitando os tênis 2750, que têm como marca registrada a platform.

Os tênis aparecem lisos nas cores mármore, vermelho, borgonha, além de camurça preto – enquanto outros ganham estampa de trevos rosas e também aplique de pérolas.

Para comemorar a dobradinha, nesta segunda-feira (15) está aberta, na loja hype de tênis One Block Down, localizada na Piazza del Duomo, próxima a Galleria Vittorio Emanuele, uma pop-up que terá duração de apenas 24 horas, vendendo com exclusividade os lançamentos.

Ao longo da semana, a collab segue para os sites philosophyofficial.comfarfetch.com e barneys.com, além das lojas físicas da Barneys, Printemps, Petrovsky Passage (Moscou) e Rinascente (Milão).

Criada em 1911 na cidade italiana de Torino pelo empresário Walter Martiny em 1911, a Superga apresentou seu maior clássico, batizado de 2750, em 1925 – e esse é seu modelo mais popular até hoje.

A “virada fashionista” da marca aconteceu em 2012, quando o empresário e designer Steve Madden adquiriu os direitos para comercializar a marca no mercado norte-americano e, naquele ano, contratou Mary-Kate e Ashley Olsen para ocuparem o posto de diretoras criativas. A linha de estreia, uma parceria das irmãs estilistas com a grife The Row, se esgotou rapidamente das prateleiras.

Naquele mesmo ano, Alexa Chung foi convidada para ser embaixadora da label, seguida de Rita Ora, em 2013; e Suki Waterhouse, em 2014. E a lista não parou por aí: foram incluídas nela Binx Walton (2015), Abbey Lee Kershaw (2016) e Pyper America Smith (2017). Com tanto buzz, a Superga entrou definitivamente para o guarda-roupa de celebs como Gwen Stefani, Karlie Kloss e até a duquesa Kate Middelton.

Sem título.png3
Superga + Ateen (Foto: Arte Vogue Online)

A “Man Repeller” Leandra Medine e as grifes Rodarte e Versus Versacetambém já assinaram coleções-cápsulas com a Superga. Aqui no Brasil, a italiana se juntou a Ateen para apresentar modelo com perfume nacional: o solado do calçado é feito de corda, inspirado nas alpargatas que sempre foram hit nacional, e que fez parte da coleção de alto-verão 2017.

Antes disso, em 2013, a marca já tinha apresentado uma linha em colaboração com o Cantão, apresentada na edição de verão 2013 do Fashion Rio.

Para comprar aqui no País, além do e-commerce próprio – supergabrasil.com.br – a Superga está à venda também em grandes market places como OQvestirDafiti e Americanas.com. Há também quatro pontos de vendas físicos em São Paulo, e um no Rio de Janeiro – confira no site oficial.