Elibeidy | V Magazine Spring 2018

li
Elibeidy by Boo George

Model(s): Elibeidy
Photographer: Boo George
Stylist: Deborah Watson

Apple promete investir US$ 30 bi e pagar US$ 38 bi em impostos nos EUA

DJi3o6TXoAE3FTB
Apple Park + Steve Jobs Theater 

TIM BRADSHAW
DO “FINANCIAL TIMES”

A Apple prometeu investir mais de US$ 30 bilhões na expansão de suas operações nos Estados Unidos, depois do corte de impostos aprovado no mês passado pelo governo Trump, e fará um pagamento extraordinário de impostos de US$ 38 bilhões para repatriar lucros auferidos no exterior.

A fabricante do iPhone afirmou que os investimentos —que incluem um novo campus nos Estados Unidos, centrais de processamento de dados e mais de 20 mil novos empregos— a ajudarão a fazer uma “contribuição direta” de US$ 350 bilhões à economia dos Estados Unidos nos próximos cinco anos.

Boa parte dessa contribuição virá de investimentos planejados anteriormente com fornecedores nacionais, que ela estima devam atingir US$ 55 bilhões em 2018.

O compromisso para com o investimento interno é o maior já assumido por uma companhia americana desde que o presidente Donald Trump assinou a lei de reforma tributária. Trump costuma criticar a Apple e outras grandes empresas de tecnologia por sua dependência da fabricação no exterior.

O pagamento extraordinário de impostos estimado em US$ 38 bilhões “provavelmente será o maior desse tipo já realizado”,anunciou a empresa nesta quarta-feira (17).

Outros Anúncios
O anúncio da Apple surge depois que diversas empresas americanas se comprometeram a acelerar o investimento interno ou a elevar salários e bonificações para seus empregados nos Estados Unidos, com a aprovação da legislação tributária.

A Walmart anunciou planos para aumentar seu salário-piso de US$ 9 para US$ 11 por hora, e a Fiat Chrysler anunciou bonificações para cerca de 60 mil trabalhadores.

Como parte de seu compromisso, a Apple vai expandir seu fundo de investimento em projetos industriais avançados nos Estados Unidos, e investirá centenas de milhões de dólares em fornecedores norte-americanos como a Corning, que fabrica o vidro para a tela do iPhone, e a Finisar, cujos componentes ópticos são parte do sistema de câmera de “realidade aumentada” do iPhone X.

O plano da Apple para um novo campus surge apenas alguns meses depois da inauguração do Apple Park, uma construção em forma de nave-espacial que abriga sua nova sede, em Cupertino.

As novas instalações, cujo local ainda não foi anunciado, terão por foco a assistência técnica e ajudarão a criar mais de 20 mil novos empregos nos Estados Unidos nos próximos cinco anos, além da força de trabalho de 84 mil pessoas que a companhia já emprega nas áreas de varejo, engenharia e outras, em seu país de origem.

A expansão das instalações da Apple surge no momento em que a Amazon está decidindo onde construir sua segunda sede, depois de receber um dilúvio de ofertas e incentivos de cidades e regiões de todo o país interessados em atrair a gigante do comércio eletrônico.

Outros US$ 10 bilhões do investimento planejado pela Apple serão dedicados a centrais de processamento de dados para acionar a App Store, iTunes e iCloud.

“A Apple é uma história de sucesso que só poderia ter acontecido nos Estados Unidos, e nos orgulhamos de nosso longo histórico de apoio à economia do país”, disse Tim Cook, o presidente-executivo da Apple.

“Acreditamos profundamente no poder da engenhosidade americana, e o foco de nossos investimentos estará em áreas nas quais poderemos ter impacto direto sobre a criação de empregos e a preparação para empregos. Temos um senso profundo de responsabilidade quanto a retribuir ao nosso país e ao nosso povo por ajudarem a tornar possível esse sucesso.” Tradução de PAULO MIGLIACCI

Rede de cosméticos Ulta Beauty é acusada por ex-funcionária de vender produtos usados

Em uma série de tweets, mulher contou que Ulta revende maquiagens devolvidas por clientes

ce19b00e4690fdbec25144f7dbafc7b2
A rede Ulta Beauty reúne diversas marcas de cosméticos em suas lojas Foto: Saverio Truglia/The New York Times

Itens de maquiagem costumam ser de uso pessoal, e o principal motivo para isso, é a questão da higiene. Não é recomendado utilizar qualquer produto de outra pessoa sem a certeza de que ele tinha sido bem higienizado. Por isso, quando uma ex-funcionária da rede de cosméticos Ulta Beauty revelou as práticas usadas na loja em que trabalhava, muitos consumidores ficaram chocados. “Sempre que um cliente devolvia um produto, os gerentes nos diziam para selar de novo o item e colocar de volta nas prateleiras”, dizia um dos tweets.

A mulher postou também exemplos de como a prática era feita. “Eles apenas limpavam com um cotonete para parecer que era novo”. Nas fotos, ela comparava produtos realmente novos com os que foi instruída a colocar de volta nas prateleiras. Apesar de dela ter escrito apenas sobre uma loja específica, outros funcionários responderam que isso também era comum na franquia em que trabalhavam.

Atriz Ellen Pompeo de ‘Grey’s Anatomy’ torna-se a mais bem paga de Hollywood

Ellen Pompeo renovou seu contrato para protagonizar a série por mais dois anos

ellen-pompeo-anatomia-de-grey.jpg
Grey’s Anatomy star Ellen Pompeo 

A atriz Ellen Pompeo, protagonista de Grey’s Anatomy, renovou seu contrato com a ABC, que produz a série, pelos próximos dois anos, para a realização da 15ª e 16ª temporadas da série. As informações são do Deadline.

De acordo com o site, isso faz com que ela se torne a atriz mais bem paga de Hollywood no momento, já que o valor que recebe por episódio é de cerca de 550 mil dólares – o equivalente a R$ 1,75 milhão.

Além de atriz, Ellen também é diretora e deve trabalhar como co-produtora executiva em um spin-off da série em breve.

No Brasil, a série é exibida pelo canal Sony e também é chamada de A Anatomia de Grey.

Hailey Baldwin | Marie Claire Itália Fevereiro 2018

Sem título.png3.jpg
Hailey Baldwin by David Bellemere 

Model(s): Hailey Baldwin
Photographer: David Bellemere
Stylist: Elisabetta Massari

Se você ainda não ama Tracee Ellis Ross, algo está errado

Engraçada, engajada, premiada e até estilista! A filha de Diana Ross tem muito mais a oferecer do que o seu poderoso sobrenome.

Tracee-Ellis-Ross-Golden-Globes-2018-Red-Carpet-Fashion-Marc-Jacobs-Tom-Lorenzo-Site-7.jpg
Tracee Ellis Ross – Golden Globe Awards 2018

Abri a minha semana pesquisando absolutamente tudo sobre Tracee Ellis Rosspara fazer esta lista. Não tinha jeito melhor de começar uma segunda-feira. Foi quase como passar uma manhã ao lado de uma amiga bem-humorada, divertida e otimista que não deixa a peteca cair nunca. A filha de Diana Ross, vencedora do Globo de Ouro do ano passado por seu papel na série Blackish da ABC, nos Estados Unidos, é exatamente esse tipo de pessoa. Abaixo, confira uma série de argumentos que (espero) também faça com que você caia de amores por ela.

1. A relação de Tracee com sua mãe é linda
Para a grande maioria das pessoas no mundo, Diana Ross é uma lenda. Uma cantora que fez história no soul norte-americano e passou a vida ganhando prêmios e reconhecimento por seus feitos. Isso sem contar os looks de diva superglamourosa que ela estava sempre usando. Para Tracee, no entanto, esse ser quase mitológico, é sua mãe. “Um momento que diferencia bastante a maneira como eu a conheço e o mundo a conhece aconteceu quando eu pedi para que ela me desse um tapete da nossa casa que eu queria levar para a faculdade. À princípio, ela disse não, mas quando viu que já estava chegando na hora de dar adeus, saiu correndo, entrou na casa, e imediatamente voltou com o tapete. Nem sei como ela conseguiu fazer isso tão rápido”, conta em entrevista à W.

“Eu tive a oportunidade de ser criada por uma mulher que teve a coragem de viver a vida a partir da sua própria vontade e que a partir disso realizou todos os seus sonhos. Não podia pedir por nada melhor”. Isso sem contar os “roubos” que ela faz no guarda-roupa de Diana. “Minha mãe tem um bom gosto absoluto para tudo: desde luvas para as mãos até tecidos para almofadas.”

2. Aliás, ela é uma fashionista de carteirinha
Quem vê Tracee perfeitamente desenvolta arrasando em suas piadas espertas e ligeiras não imagina que, antes de se tornar atriz e comediante, ela era uma jovem tímida e apaixonada por moda. Não à toa, já chegou a trabalhar na área como estagiária de uma revista de moda de pequena circulação. A obsessão era tanta que, aos 18 anos, ela comemorou o seu aniversário em um avião na companhia das supermodels Christy TurlingtonNaomi Campbell e Linda Evangelista. O voo ia para Paris e, lá, ela visitou nada menos do que o ateliê do icônico estilista franco-tunisino Azzedine Alaïa. “Foi meu aniversário mais épico, sem dúvida”, relembra. Até modelo ela já foi: “Desfilei para o Thierry Mugler uma vez, na sua coleção de borboletas. Ele gostou de mim e até me chamou para desfilar de novo, no ano seguinte.”

Se você ainda duvida do poder fashion de Tracee, basta fazer uma visita ao seu Instagram. Em seu perfil, a atriz posta seus looks que ela tanto ama montar. Espere por combinações nada óbvias, cores fortes, um mix esperto de alfaiataria com peças mais delicadas ou mais esportivas. Isso, é claro, sem deixar acessórios statement de lado. Vale o follow!

3. Para Tracee, beleza é não ter medo de ser quem se é
Olhe com mais atenção para o rosto de Tracee. Você vai notar que, em geral, suas manchinhas, sardas e pintas estão, quase sempre, à mostra. É muito raro vê-la usando maquiagem para esconder esses supostos “defeitos”. “Eu não quero ter que ficar o tempo todo me comparando com uma versão minha feita de massa corrida. Quero me sentir bem ao me olhar no espelho e não só ao olhar o meu Instagram“, disse em entrevista ao portal POPSUGAR.

Quando se fala de corpo, ela também não esconde sua confiança: está adorando seus 44 anos de idade e, com isso, ajudando pouco a pouco outras mulheres a desmitificarem o envelhecimento. “Às vezes, pedir para que uma pessoa se ame é demais para ela. Gosto de pensar em auto-aceitação, assim a gente não é obrigado a gostar de tudo o que tem no nosso corpo, mas é capaz de viver com isso”, explica, alinhando-se ao movimento Body Neutrality. Aliás, a sua coleção para a J.C. Penney tinha tamanhos inclusivos e foi um sucesso absoluto!

4. Por isso, a atriz usa a sua voz para lutar contra o racismo e o machismo
Tracee participou ativamente da campanha ‘Time’s up’ ajudando a divulgar a arrecadação de renda para mulheres que sofreram ou sofrem assédio sexual no trabalho ou em casa e não têm condição de se defender judicialmente contra esses crimes. Ela também está sempre encorajando mulheres a pensarem melhor a respeito de si mesmas e trabalhando empoderamento com elas. Exemplo disso foi a sua palestra no ano passado em que ela falava sobre ter tomado a decisão de ser solteira, de não ter filhos, e do quanto isso é diruptivo para a sociedade.

“Chegou um momento em que eu estava escrevendo no meu diário e finalmente me dei conta de uma verdade que parece besta, mas que me fez chorar muito na época: a minha vida pertence a mim“, afirmava na ocasião. “De certa forma, é claro que eu já vivia isso, no entanto, não tão profundamente. Ainda pensava muito nos outros e nos valores que importam para eles. (…) Fica aqui um convite para vocês também lembrarem de que essa versão corajosa de vocês também mora dentro de cada uma. Basta vocês entrarem em contato com ela.”

A representatividade racial é outro assunto que está sempre em pauta. Quando Michelle Obama saiu da Casa Branca, junto de seu marido Barack Obama e de seus filhos, Tracee escreveu um texto agradecendo pelo o que a imagem da ex-primeira-dama fez para as mulheres negras nos EUA. “Foi como um antídoto contra tanta representação terrível que tivemos durante séculos“. Além disso, a atriz está constantemente cobrando os canais de televisão norte-americana por mais espaço e mais papeis para pessoas não-brancas em sua programação. “Acho que o mundo é colorido e a televisão já está preparada para enxergar o mundo como ele é”, disse ao site BUST.

5. Ela é a estrela de uma das séries mais legais (e importantes) da vez
“Blackish não é uma série sobre uma família que ‘acontece’ de ser negra. É sobre uma família que é negra de fato. E, a ideia é mostrar o quanto a ideia do que seja uma família negra mudou nos Estados Unidos por meio de uma série que todo mundo pode assistir. Além disso, estamos aproveitando o espaço para falar de brutalidade policial, do movimento ‘Black Lives Matter’, das leis armamentistas, do que ser feminista e negra, entre tantos outros assuntos”, explica Tracee à Variety. A produção do canal ABC, a atriz interpreta o papel de Rainbow Johnson, uma mãe de família que é médica. Apesar dos assuntos parecerem pesados, o talento dos atores e a maestria do roteiro deixa a série leve assisti-la é absolutamente imprescindível para estar atenado com mundo atualmente.

P.S.: Para quem já está obsessivo por Tracee, corram para os clipes “The Workout Plan” e “Touch the Sky” de Kanye West e confiram as participações da atriz em cada um deles! [Pedro Camargo]

Ashley Graham | V Spring 2018

ph1fw799oo2qbwe.png
Ashley Graham

Photographer: Ben Hassett
Stylist: Anna Trevelyan

Kim Jones deixa o masculino da Louis Vuitton

O designer famoso por suas colaborações incríveis com outras marcas dá adeus ao cargo depois de sete anos.

Labels-on-Fire-Louis Vuitton-11317-GQ-MOLA11-01.jpg
Nick Jones – Louis Vuitton

Mais dança das cadeiras no mundo da moda, depois da dolorida saída de Phoebe Philo da Céline, agora é Kim Jones que dá adeus à direção criativa da linha masculina da Louis Vuitton. O celebrado designer passou sete anos no cargo e, em seu tempo por lá, catapultou a versão “para meninos” da marca francesa. Principalmente, por meio de colaborações como a que fechou com a Supreme e causou um rebuliço no mundo da moda — uma vez que a grife de streetwear já foi processada antigamente pela própria Vuitton por usar seu monograma sem autorização.

Além disso, seu trabalho é reconhecido por conseguir unir o sportswear — característica mais evidente da moda contemporânea — aos códigos de luxo de uma etiqueta como a qual trabalhava, sempre focada em acessórios de couro e alfaiataria modernizada. Seus looks eram leves, fáceis de usar, extremamente bem acabados — como pede a cartilha da grife — e, sem dúvida, carregavam consigo um perfume de modernidade.

Rumores dão conta de que sua saída acontece para que ele seja contratado pela Burberry. A tradicional label britânica está sem ninguém na posição de diretor criativo geral no momento, uma vez que Christopher Bailey já não trabalha mais lá. O boato é de que Phoebe assuma o feminino, Kim fique com o masculino e que Virgil Abloh da Off-White — que já foi cotado para a Givenchy anteriormente, mas perdeu para Clare Waight Keller (ex-Chloé) — fique com o posto que Jones deixa para trás da Louis Vuitton. Acompanharemos de perto os próximos capítulos dessa novela fashion. [ELLE]

Keira Knightley critica cenas de estupro em filmes atuais

Atriz afirma que as personagens femininas “quase sempre são estupradas” em dramas modernos, enquanto as de época costumam ser mais inspiradoras

aa-chanel-cruise-2018-guests-sf-15.jpg
 Keira Knightley – Chanel Cruise 2017/2018 Collection

A atriz Keira Knightley, 32 anos, durante a divulgação de seu novo filme, Colette, disse a Variety que prefere atuar em histórias de época, porque as mulheres costumam ser violentadas sexualmente nos filmes que se passam nos dias de hoje.

“Eu realmente não faço filmes que se passam nos tempos modernos, porque as personagens femininas quase sempre são estupradas. Eu sempre vejo algo desagradável na forma como as mulheres são retratadas, enquanto eu sempre encontrei personagens muito inspiradoras que me foram oferecidas em produções de época”, disse Keira.

Keira valoriza o investimento de plataformas de streaming, como Netflix e Amazon, em produzir conteúdos que trazem personagens mulheres fortes e autônomas em destaque.  “Houve alguma melhora. De repente, estão me enviando roteiros com mulheres atuais que não são estupradas nas primeiras cinco páginas e não estão ali simplesmente para ser a namorada ou a esposa amorosa” 

O filme Colette tem a estréia prevista para o dia 20 de janeiro no Festival de Sundance. O enredo conta a história e leva o nome de uma escritora francesa que ganhou o prêmio Nobel de Literatura em 1948. [Carol Gomes]