Meghan Markle ajuda príncipe Harry a adotar hábitos saudáveis, diz revista

O herdeiro da coroa britânica parou de fumar, cortou carboidratos prejudiciais à saúde e adicionou alimentos mais magros à dieta por causa da futura esposa

meghan-markle-principe-harry
Meghan Markle e príncipe Harry (Foto: Chris Jackson/Getty Images)

Às vésperas de se tornar oficialmente membro da realeza britânica, em um casamento previsto para 19 de maioMeghan Markle já está passando seu estilo de vida saudável para o futuro marido, príncipe Harry. Aos 33 anos, o herdeiro da coroa britânica parou de fumar e passou a adotar alguns hábitos alimentares mais benéficos para a saúde por causa da noiva, segundo relatou a revista americana Vanity Fair.

De acordo com fontes escutadas pela reportagem, o príncipe “praticamente desistiu” de fumar, porque Meghan odeia. Além disso, segundo o Daily Mail, Harry até cortou parte dos carboidratos de sua dieta e começou a substituir alguns alimentos por quinoa e couve.

A autora do livro Harry: Life, Loss, and Love (ainda sem tradução no Brasil), Katie Nicholl, que também é repórter da revista americana, afirma que a atriz se orgulha de manter um regime saudável e é devota de sessões diárias de ioga.

Segundo Katie, Meghan esvaziou completamente a geladeira e todos os depósitos de comida de Harry quando se mudou para o apartamento de solteiro dele na Nottingham Cottage, substituindo o conteúdo por seus alimentos “magros, limpos e verdes”.

A jornalista também afirma que conversou com amigos do casal e descobriu que Harry passou a tomar suco verde com vitaminas todos os dias pela manhã. Além disso, o príncipe começou a fazer exercícios regulares com um treinador em uma academia no centro de Londres.

“Todos nós estranhamos um pouco, porque de repente ele ficou super saudável”, disse um dos colegas próximos de Harry escutados pela repórter. “É óbvio que namorar Meghan foi o que deu o pontapé inicial em sua jornada saudável.”

O amigo diz que Harry até começou a se interessar por ioga. O príncipe fez amizade com uma das principais nutricionistas em Londres, Gabriela Peacock, que participará do casamento do próximo mês e também acompanha as primas de Harry, as princesas Beatrice e Eugenie.

Presidente executivo do WhatsApp, Jan Koum vai deixar o Facebook

Executivo também deixará vaga no conselho da rede social; segundo Washington Post, Koum parte após discordar de decisões quanto à privacidade dos usuários

WhatsApp-Annual-Charge-Subscription-Cost-UK-Price-Facebook-Is-WhatsApp-Free-Advertising-In-App-Companies-Talk-to-You-in-WhatsApp-441029
Jan Koum, fundador e presidente executivo do WhatsApp 

O presidente executivo e cofundador do WhatsApp, Jan Koum, anunciou na tarde desta segunda-feira, 30, que está deixando o Facebook. Koum, que criou o WhatsApp com Brian Acton em 2009 e o vendeu ao Facebook por US$ 19 bilhões em 2014, permanecia à frente do aplicativo. Ele também vai deixar seu assento no conselho de administração da rede social. Em uma publicação em sua página na rede social, Koum disse que quer usar seu tempo livre para interesses fora da tecnologia — no entanto, uma reportagem do jornal americano The Washington Post alega que ele está deixando a empresa por discordar da postura do Facebook para tentar enfraquecer a proteção dos dados de usuários do WhatsApp e monetizar seus recursos.

“Faz quase uma década que eu e o Brian começamos o WhatsApp e foi uma jornada incrível, mas é hora de ir em frente”, disse Koum, em uma publicação em sua página na rede social. “Estou deixando a empresa em um momento em que as pessoas estão usando o WhatsApp de um jeito que eu não poderia imaginar.” Koum não revelou em que data sairá da empresa, mas sua partida significa que nenhum dos criadores originais do aplicativo permanecerá à frente dele – Acton deixou o Facebook em novembro do ano passado.

Em seu texto, o executivo disse que vai usar seu tempo livre para fazer coisas que gosta fora do mundo da tecnologia, como “colecionar Porsches e jogar frisbee”. Mark Zuckerberg, presidente executivo do Facebook, comentou a publicação de Jan Koum. “Vou sentir falta de tarbalhar com você e das coisas que me ensinou, incluindo o valor da criptografia e seu poder para retirar o poder de sistemas centralizados e colocá-lo na mão das pessoas”, disse Zuckerberg. “Esses valores estarão sempre no coração do WhatsApp.”

O anúncio acontece ainda um dia antes da F8, conferência anual de desenvolvedores realizada pelo Facebook – o evento acontece entre terça e quarta-feira em San José, Califórnia. Após o anúncio da saída de Koum, as ações do Facebook começaram a enfrentar queda na bolsa de valores, fechando o pregão desta segunda-feira em baixa de 0,92%.

Discordâncias. Segundo a reportagem publicada pelo Washington Post, Koum era um defensor da privacidade dos usuários no WhatsApp, algo que vinha sendo questionado pela direção do Facebook – hoje, apesar de ter 1,5 bilhão de usuários em todo o mundo (120 milhões deles no Brasil) , o WhatsApp não fatura um centavo. Vale lembrar ainda que o WhatsApp foi a aquisição mais cara do Facebook em sua história.

Ao vender sua empresa para o Facebook em 2014, Koum o fez com a promessa de que o Facebook não deveria interferir ou tentar obter dados dos usuários do aplicativo de mensagens. De lá para cá, porém, não foi isso que aconteceu: o Facebook já fez diversas alterações nos termos de uso do WhatsApp e tem utilizado, por exemplo, os números de celular dos usuários do app de mensagens, identificando-os com suas contas do Facebook para sugestão de amigos na rede social.

A relação entre as duas empresas tem sido investigada pels autoridades – no ano passado, a União Europeia aplicou uma multa de US$ 122 milhões ao Facebook por fazer “promessas enganosas” para que a aquisição do WhatsApp fosse aprovada pelas autoridades regulatórias do Velho Continente.

De acordo com a publicação, a decisão de Koum já havia sido tomada antes da revelação do escândalo da consultoria Cambridge Analytica, que teve acesso ilegal a dados de 87 milhões de usuários do Facebook, a partir de um quiz feito pelo pesquisador Aleksandr Kogan. O escândalo, porém, serviu para aumentar o clima de insatisfação dos funcionários do WhatsApp dentro do Facebook — hoje, o aplicativo é administrado por uma equipe com cerca de 300 pessoas.

Citando fontes familiarizadas com o assunto, a reportagem do Washington Post diz ainda que diversos funcionários do WhatsApp pretendem deixar a empresa nos próximos meses – mais especificamente, em novembro, quando poderão ter direito a vender as ações que possuem do Facebook.

Brian Acton, que deixou o WhatsApp em novembro de 2017, foi uma das principais vozes do mundo da tecnologia a se levantar contra o Facebook após o escândalo. Em um tuíte feito em 21 de março, ele conclamou as pessoas a deixarem a rede social. “É hora #deletefacebook”, escreveu o cofundador do WhatsApp na época – desde que deixou o Facebook, ele tem participado de grupos em defesa da privacidade e até financiou um deles, o Signal, conhecido por seu forte uso de criptografia. [Bruno Capelas]

The Odder Side Campaign Spring Summer 2018 Ignacia Walton by Gosia Turczynska

Sem títuloCampaign: The Odder Side. Photography: Gosia Turczynska at NEW ORDER. Makeup: Kamila Sapula. Model: Ignacia Walton.

Novos Titãs | Foto dos bastidores revela visual da dupla Columba e Rapina

Nova foto dos bastidores de Novos Titãs mostram o visual dos personagens de Alan Ritchson e Minka Kelly, isto é, Rapina e Columba. Confira:

DcDdxdVWsAIFCbiDonna Troy, também conhecida como a Moça-Maravilha ou Troia, é a jovem assistente da Mulher-Maravilha. A série, prevista para estrear em 2018, reunirá os justiceiros Asa Noturna (Thwaites), Estelar (Anna Diop), Mutano (Ryan Potter), Ravena (Teagan Croft) e a dupla Columba (Minka Kelly) e Rapina (Alan Ritchson).

O programa, previsto para estrear em 2018, é de autoria de Greg Berlanti, produtor de ArrowThe FlashSupergirl Legends of Tomorrow, e também terá Akiva Goldsman (Uma Mente BrilhanteStar Trek: Discovery) e Geoff Johns na equipe de roteiristas dos 13 episódios. Brad Anderson (FringeThe Wire) dirigirá o piloto. [Mariana Canhisares]

‘Me pareceu um ‘Até logo”, diz atriz de personagem que morre em ‘Guerra Infinita’

ATENÇÃO: CONTÉM SPOILERS SOBRE A TRAMA DE ‘VINGADORES: GUERRA INFINITA’

cb_20180426_avengers_game_v2_273161_560x315_1220326979578
Chris Pratt & Zoe Saldana falam sobre o set de “Vingadores: Guerra Infinita”| E! Live from the Red Carpet

Se você é fã do universo cinematográfico Marvel, com certeza ainda está triste com a morte de alguns dos super-heróis mais queridos no filme Vingadores: Guerra Infinita, que estreou na última quinta-feira, 26. E, entre elas, com certeza a de Gamora foi uma das mais comoventes.

No entanto, se você acha que o trágico destino dela foi um adeus, talvez mude de ideia ao saber o que Zoe Saldana, a atriz que a interpreta, respondeu em uma entrevista sobre como foi o último dia de gravação do filme.

“Para mim foi como uma pausa, porque eu sabia que todos vamos voltar em algum momento para gravar o último filme dos Vingadores. Então, não sei, me pareceu um ‘Até logo’, não um adeus”, disse ao E! News.

Isso quer dizer que Gamora será ressuscitada ou aparecerá por meio de flashbacks? Os fãs só terão essa resposta quando for lançado o quarto filme dos Vingadores, previsto para maio de 2019.

Confira a entrevista em Zoe Saldana deixa escapar a informação:

Rihanna anuncia linha de lingerie com tamanhos inclusivos

Lançamento da Savage x Fenty está marcado para o dia 11; cantora promete roupas íntimas para mulheres de todos os biotipos

Sem título.jpgDepois de revolucionar o mercado de beleza com a Fenty Beauty, Rihanna dá mais um passo na indústria da moda: agora, ela lança a Savage x Fenty, uma marca de lingeries.

Por enquanto, o mistério ainda está rondando esta novidade – a única informação divulgada é que o lançamento ocorre no próximo dia 11 no mundo todo. Pelo Instagram, já é possível ver algumas das peças que estarão à venda e que, assim como a marca de cosméticos da cantora, a grife será inclusiva e terá peças para mulheres de todos os tamanhos.

Sem título
A modelo plus size Lulu B é uma das estrelas da primeira campanha da marca Foto: Instagram.com/savagexfenty

“Savages vem em todos as formas e tamanhos. Estão prontos”, diz uma das legendas na rede social. Em um vídeo, a modelo plus size Audrey Ritchie aparece usando as peças e revela: “Me sinto mais sexy pela manhã. Curvas, estrias, celulites – eles não ligam para isso.”

https://www.instagram.com/p/BiKYK3Pnwc2/?taken-by=savagexfenty

ELLE Austrália Abril 2018 Chiara Dorward by Stefania Paparelli

Sem título.jpgPhotography: Stefania Paparelli. Stylist: Rachel Wayman at The Artist Group. Hair: Daren Borthwick at The Artist Group. Makeup: Molly Warkentin at Company 1 Agency. Model: Chiara Dorward.

Documentário mostra cenas inéditas de McQueen e o apresenta para a nova geração

Longa-metragem foca no lado criativo e disruptivo do estilista morto em 2010

1525118630153.jpg
Alexander McQueen ficou famoso por suas criações excentricas  Foto: REUTERS/Philippe Wojazer/Files

Já faz mais de oito anos desde que o mundo recebeu a notícia de que  o designer Alexander McQueen havia se suicidado no dia 11 de fevereiro de 2010. Agora, o documentário McQueen, recém-lançado no Festival de Cinema de Tribeca, apresenta um dos mais importantes estilistas da história à uma nova geração de fashionistas através de depoimentos de amigos e familiares, além de imagens nunca antes divulgadas.

Dirigido por Ian Bonhôte e Peter Ettedgui, o filme visa preservar o legado do designer, focando no homem e não na marca – tanto que Sarah Burton, estilista da Alexander McQueen é citada apenas uma vez no longa -, contando sua história desde quando era estudante, até se tornar um ícone da indústria, passando por suas coleções mais memoráveis e a estreia na Givenchy.

“Uma vez a cada geração você tem alguém como McQueen, que claramente tem aquilo que chamamos de genial e faz algo muito marcante com uma vida muito curta”, explica Ettedgui ao portal Fashionista. “Embora nós nunca tenhamos trabalhado com moda, podemos ver claramente que o trabalho deste homem é extraordinário.”

As partes mais marcantes do documentário ficam com os vídeos cedidos pela família – e nunca antes mostrados. Imagens dele brincando, ou depoimentos de sua mãe, morta em 2011, o descrevendo como “menino meigo”, mostram um lado carismático e não tão explorado do estilista.

Seria Meghal Markle a maior das influencers?

Como a ex-atriz, que agora está entrando na categoria de celebridade mundial, tem o poder de mudar a percepção de marcas de moda e da família real
Vanessa Friedman – The New York Times

96234-201804301212-lg2
As peças que Meghan Markle usa esgotam em instantes Foto: Eddie Mulholland/Pool via Reuters

Na última noite de quarta, Meghan Markle finalmente subiu ao altar, resplandecente em um vestido branco rendado e brilhante. Obviamente, era o último episódio da temporada de Suits, e ela estava se casando com o seu noivo na série.

Mas o capítulo foi ao ar apenas três semanas da própria Meghan – uma norte-americana biracial, ex-atriz, divorciada, que luta pelo direito das mulheres – subir ao altar no Castelo de Windsor para se casar com seu noivo da vida real, o Príncipe Harry (amaro soldado real e ativista a favor da saúde mental). Isso gerou um frenesi online sobre o que irá ocorrer, que só cresce à medida de que o grande dia vai chegando.

Afinal, o vazamento de detalhes só aumenta a expectativa. As apostas já estão fechando. Afinal, o que ela vai usar? Existem questões econômicas e culturais que envolvem essa resposta.

E você achando que era só um vestido.

Primeiramente, a atenção está toda em Ralph & Russo, marca responsável pelo vestido das fotos de noivado. Logo atrás está Erdem Moralioglu. O canadense – Meghan morava em Toronto durante as gravações de ‘Suits’ -se tornou um dos destaques da Semana de Moda de Londres por causa de seus vestidos românticos de renda, e a futura princesa já declarou que usa a sua marca já anos. Também tem a Burberry no pódio de favoritas porque – bom, britânica. (Provavelmente a escolha não terá nada a ver com o vestido Anne Barge da personagem de ‘Suits’, apesar daquela extravagância ter uma vibe de princesa.)

A resposta não será dada antes da noiva aparecer no dia 19, então a única certeza de que, quem quer que seja o estilista eleito, ele ou ela irá elevar sua marca à niveis globais.

Na cultura da influência atual, na qual um indivíduo possui a capacidade de criar tendências de longo alcance simplesmente por causa da força de seu apelo de maneira muito mais efetiva de que qualquer campanha publicitária, parece que Meghan é a mais influente de todas – mesmo que tenha deletado todas as suas redes sociais.

Royal-Wedding-1169190.jpg meghan.jpg
Ralph & Russo foi a marca responsável pelo vestido das fotos do noivado  Foto: REUTERS/Alexi Lubomirski

Maior do que Kate 
Os números começaram a aumentar logo que Meghan apareceu com Harry em um jogo de tênis em Toronto em setembro, usando uma calça jeans rasgada da Mother e carregando uma bolsa Everlane.

Segundo a Mother, o tráfego em seu site aumentou 200% e as buscas no Google sobre a empresa subiram 60%, de acordo com a mesma semana no ano passado. Lela Becker, presidente da marca, afirmou que as calças usadas por Meghan esgotaram em três dias e mais de 400 pessoas entraram na fila para quando o estoque fosse abastecido. Teve um dia em que o site foi mais visitado do que na Black Friday.

A Everlane possui mais de 20 mil pessoas na lista de espera para a bolsa de Meghan. Quando Michael Preysman, fundador da Everlane, foi perguntado sobre uma celebridade com o poder de influência equivalente ao de Meghan, ele respondeu: “Angelina Jolie.”

O casaco branco da Line que Markle usou no anúncio do noivado esgotou quase que instantâneamente, segundo a marca, e o site parou. O tráfego no e-commerce da Birks, joalheria canadense responsável pelos brincos que ela usou na ocasião, aumentou 500% – fenômeno que ocorre todas as vezes em que ela usa algo da empresa.

“Temos celebridades que usam nossas peças, como Claire Foy e Serena Williams, mas nenhuma alcança esse nível de resposta global”, explica Eva Hartling, vice-presidente da Birks. “Aparecemos em muitas capas de revista no Canadá. Mas agora estamos na Vogue Japão e na Rússia.”

Quando Meghan carregou uma bolsa Strathberry para seu primeiro compromisso oficial após o noivado, ela esgotou em 11 minutos e os acessos no site da grife escocesa cresceu 5000%. Em janeiro, ela usou uma calça jeans da Hiut Denim, uma pequena marca gaulesa. Em março, a empresa mudou-se para uma fábrica maior para conseguir atender a demanda.

Mesmo com o contexto do fascínio global pela realeza, com o desejo por finais felizes em uma época em que as notícias estão cada vez mais desapontadoras, e com o romance do príncipe com a princesa, a escala de resposta é gigante. Especialmente porque ela nunca terá o título de princesa ligado ao seu nome (o mais provável é que ela vire a Princesa Henry de Gales, segundo a BBC, mas não Princesa Meghan), e seu marido seja o sexto na linha sucessória do trono por causa do recente nascimento de Louis, terceiro filho de William e Kate.

Este status menor fez com que a Brand Finance, uma empresa britânica especializada em avaliação de marcas (especialmente de ativos intangíveis), originalmente projetou que o casamento movimentaria cerca de 500 milhões de libras em turismo e endossos não oficiais: um evento significativo, mas não um fenômeno.

meghan-markle-principe-harry
No anúncio do noivado, Meghan usou casaco branco Line brincos Birks Foto: AP Photo/Matt Dunham

Mas logo que o relatório foi divulgado, o chefe-executivo da empresa David Haigh disse que “as pessoas ficaram loucas. Nunca vi um comunicado ter tanta cobertura.” Ele teve que revisar suas próprias projeções. Agora, ele acredita que o evento terá um impacto significativo na economia “Perto de um bilhão de libras – e, para ser honesto, pode ser ainda mais do que isso,”

Segundo ele, a própria Meghan irá contribuir anualmente com 150 milhões de libras anualmente para a moda britânica simplesmente ao usar marcas de lá. Ela irá “rapidamente se igualar ou ultrapassar com a Duquesa de Cambridge e sua incrível influência no mundo da moda”, disse.

E não é só na Grã-Bretanha. No Canadá, país no qual Meghan viveu a maior parte dos últimos sete anos enquanto gravava Suits, a indústria da moda está apostando em sua ajuda – não só para aumentar a visibilidade de marcas locais como a Birks, Line, Sentaler e Mackage, mas para beneficiar a indústria local em si.

Se Sophie Grégoire Trudeu, esposa do primeiro-ministro canadense Justin Trudeu, trouxe os olhos do resto do mundo para a moda de lá, Meghan aumentou a exposição exponencialmente.

“As pessoas do mundo todo estão presos a ela”, disse Vicky Milner, presidente do Canadian Arts e Fashion Awards, que convidou Meghan para entregar o prêmio de International Canadian Designer of the Year em 2016. (O ganhador foi Jason Wu, designer que continua a vestindo.) Existem ao menos dois blogs – Meghan’s Mirror e Mad About Meghan – devotados a falar sobre suas escolhas fashion.

“Quando você tem uma figura como aquela, muda tudo para um país quando se trata de moda”, explicou Vicky, destacando que existe um estereótipo de que a moda canadense é menos criativa e inovadora do que a feita em Paris ou Milão, mas que a patronagem de Meghan pode mudar isso. “As pessoas poderem ver as grifes do Canadá com novos olhos é gigante.”

O francês Joseph Altuzarra, que começou a trabalhar com a futura princesa quando ela estava em Sutir, disse que a sua habilidade em mudar a percepção das marcas é “menos quantificável, mas sem dúvida tem um impacto maior” do que seu efeito nas vendas.

Ela usou um vestido listrado da marca em seu primeiro evento grande como representante da família real no Commonwealth Youth Forum e as visitas no site da grife aumentaram 400%, os seguidores do Instagram subiram 300% em algumas horas.

“Não somos uma marca millenial da moda de rua”, explicou Altuzarra. “Somos uma marca de nicho em uma àrea de nicho. Ela mudou a maneira como as pessoas nos enxergam.”