Pesquisa aponta que no mercado de tecnologia mulheres são promovidas três vezes menos que os homens

A UPWIT (Unlocking the Power of Women For Innovation and Transformation), em parceria com a Catho e a Revelo, realizou uma pesquisa com mais de 1000 profissionais da área de tecnologia no mês de Março de 2018.

pesquisa-percepçao-das-mulheres-catho-e-revelo-768x768Apesar de ser uma área em crescimento exponencial, a pesquisa indica que ainda existem menos oportunidades para as mulheres do que para os homens na hora de uma promoção. Dos homens entrevistados, 19% contam que já foram promovidos mais de 3 vezes, entre as mulheres apenas 10%.

Mesmo sendo minoria na área, 51% das mulheres afirmam já terem sofrido discriminação em seu ambiente de trabalho. Entre os homens este índice é de 22%.

Os desafios se traduzem na falta de estímulo recebido em casa, refletindo na menor escolha por elas em cursos de tecnologia. Atualmente, apenas 20% das mulheres ingressam em cursos nessa área. O desafio tem sido também manter-se nas faculdades, muitas vezes o ambiente hostil faz com que 79% delas desistam no primeiro ano da faculdade (PNAD).

Outro gargalo é o mercado de trabalho. Condições do local de trabalho, falta de acesso a papeis criativos, sensação de estagnação, falta de plano de carreira claro e falta de feed construtivo, fazem com que muitas vezes a alta liderança não seja considerada nem como uma opção por elas. A pesquisa revela que 69% dos homens almejam cargos de alta liderança enquanto que 59% das mulheres desejam se tornar parte da alta liderança de suas empresas.

É importante enfatizar que diversidade nas empresas significa não apenas justiça social, mas também aumento de lucro nas empresas. De acordo com uma pesquisa realizada em 2016 pela McKinsey & Company “Why Diversity Matters” com 500 empresas nos EUA, Europa e América Latina, equipes com maior diversidade de gênero performaram 15% mais nos negócios e aquelas que também possuíam diversidade étnica 35%.

Quanto maior for a diversidade das equipes em termos de gênero, etnia, classe social, idade, maior será o impacto dos produtos e serviços que estão sendo criados por essas companhias. Se é uma situação vantajosa para todos, por que ainda não apostar na diversidade? [Carine Roos]

*texto em colaboração com a jornalista Thaina Stein

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s