Como inserir pontos de vermelho no look

A cor é ideal para quem quer dar brilho às peças.

como-usar-pontos-de-vermelho-no-look-pamela-auto-blog-entretenimento-recife-blog-let-me-be-weird-blogueira-de-recife.jpg
 (Fotosite/Agência Fotosite)

O vermelho continua sendo a cor da temporada. Afinal, não é por menos: do look total aos pequenos detalhes, tudo pode ficar um pouco mais bonito com a cor. Que o diga a Valentino, reconhecida por usar o tom de formas únicas.

A nuance continua firme e forte nas fotos de street style recentes. Inspire-se!

Susana Barbosa fala sobre o desfile de resort 2019 da Prada

A apresentação aconteceu na The Piano Factory, sede da marca italiana em Nova York.
Por Susana Barbosa

gettyimages-954811098.jpg
 (Mike Coppola/Getty Images)

É curioso como Miuccia Prada tem resgatado cada vez mais suas raízes e as imagens mais antigas de sua história na moda. Não à toa o desfile resort da Prada aconteceu em Nova York, na sede de sua empresa na cidade, a The Piano Factory.

A apresentação abre com silhuetas alongadas de saias de chifon transparentes acompanhadas dos tops simples de tricô ou sobreposições de alfaiataria que lembram as entradas de Milla Jovovich ou Kate Moss nos seus desfiles nos anos 1990. As transparências e essa cartela de tons sofisticados como verde menta e azul clarinho com toques de mostarda e marrom são muito características do início de sua Miu Miu.

Durante toda a apresentação, Miuccia faz um remix de vários ícones da sua história: se o primeiro bloco resgata as silhuetas 90’s, o segundo é todo sobre seus conjuntinhos com estampas estilo “papel de parede” 70’s ou prints noveau. O combo de mini-saia com jaquetinha boxyscarpin e bolsinha para carregar nos ombros sempre foi look “signature”, principalmente de sua segunda etiqueta.

Agora, Miuccia criou deliciosas versões como as de jacquard e brocados metálicos que acompanham meias bordadas – mais Prada impossível! – acompanhados de chapéus estilo trapper (muito usados para proteger do frio nas grandes cidades americanas). Uma coleção urbana, descomplicada e bem jovem. Em tempos de crise na moda e no mundo, nada melhor que lembrar aquilo que se faz de melhor e dar para suas clientes o que elas esperam encontrar na loja. Assista ao desfile abaixo na íntegra:

So It Goes Magazine Issue 11 Ella Purnell by Hanah Young

Sem títuloPublication: So It Goes Magazine. Photography: Hanah Young. Stayed by: Lea Marcaccini. Hair: Ryan Richman at Blended Strategy. Makeup: Kate Synnott at The Wall Group. Model: Ella Purnell.

Andrew Bolton é o curador por trás das exposições de moda do MET

Andrew Bolton assina a maior mostra da história do museu que terá sua abertura três dias depois do MET Gala (7,5)

Costume Institute's "Manus x Machina" Exhibition Press Presentation
 (Andrew Toth/Getty Images)

Mesmo gostando bastante de moda, é bem possível que você não saiba quem é Andrew Bolton. Apesar de ser o principal curador do Costume Institute — ala do Metropolitan Museum of Art, em Nova York, que trabalha com o acervo de indumentária e moda da instituição –, ele não participa ativamente do universo exibicionista do círculo fashion. O foco está todo no resultado de seus esforços silenciosos. Lembram-se da exposição Savage Beauty (2011) que fazia uma retrospectiva da obra do genial estilista inglês Alexander McQueen? Pois bem, era Bolton que estava por trás dessa.

Sua mais nova empreitada, ao contrário de sua personalidade, não é nada modesta. A mostra de moda deste ano do MET chama-se Heavenly Bodies: Fashion and the Catholic Imagination. Ela explora a relação desenvolvida pelos estilistas de alta-costura com o imaginário e a estética do catolicismo e será a maior já feita na história do museu. “Essa é a exposição que eu sempre quis fazer”, diz o curador que cresceu em família católica ao jornal britânico The Guardian.

Para além de peças de criadores icônicos da era de ouro da alta-costura como Cristóbal BalenciagaJeanne LanvinChristian Lacroix e Elsa Schiaparelli, designers contemporâneos também entram na dança. Os vestidos de Nossa Senhora do verão 2007 de Jean Paul Gaultier e algumas criações de John Galliano e os bordados “bizantinos” da Dolce & Gabbana estarão por lá. Como se não bastasse, 50 trajes que fazem parte da coleção da Capela Sistina — que nunca haviam saído do Vaticano — voaram para Nova York a pedido de Bolton.

Roupas religiosas e roupas da moda não são muito diferentes. As duas trabalham com uma linguagem visual sustentada por símbolos que são usados para carregar uma mensagem, cumprir a função complexa de definir a nossa identidade”, explica o curador casado com o estilista norte-americano Thom Browne — um dos preferidos da ex-primeira dama Michelle Obama. Por isso, a sua ideia é a de deixar que as peças falem sozinhas: “Acho que, em geral, dá-se muita interpretação para os objetos museológicos. Quero que, nessa exposição, eles contem a sua própria história.”

Com a estilista e empresária Donatella Versace, a advogada e humanitária Amal Clooney e a cantora pop Rihanna enquanto anfitriãs, o baile do MET acontece no dia 7. Três dias depois, a exposição abre para o público e fica assim até 8 de outubro. Se estiver em Nova York na época, não perca a oportunidade.

Cara Delevingne | Vogue UK Junho 2018

image00100bab7e7f458166a1e74553ca1f41ea5_thumb.pngModel(s): Cara Delevingne
Photographer: Steven Meisel
Stylist: Joe McKenna

Alyssa Miller Limited 2018 Pilgrim Collection by Harper Smith

Pilgrim_Lookbook-18.jpgO PILGRIM foi criada por Alyssa Miller, modelo, musicista, fotógrafa e escritora. Alyssa muitas vezes descobriu que a bagagem que ela viajava não só não tinha um certo je ne sais quoi, mas nunca funcionava da maneira que ela queria e precisava. Como sua frustração cresceu, ela começou a experimentar fazer suas próprias peças, e a PILGRIM nasceu. Alyssa lançou sua primeira coleção de bolsas e acessórios de viagem. Fotógrafo: Harper Smith na See Management. Modelo: Alyssa Miller.