André Leon Talley solta o verbo e diz: “Estou falido”

280518-andre-leon-talley-redes-550x310.jpg
André Leon Talley com seu look Dapper Dan

Faz um tempo que não se fala tanto de André Leon Talley. Hoje com quase 70 anos e do alto de seus 1m98, ele já foi o fiel escudeiro de Anna Wintour nas filas A, na época em que era editor da “Vogue” América; mas antes trabalhou com Diana Vreeland no Met e com Andy Warhol na revista “Interview”. Belo CV, não? Agora, com a estreia de “The Gospel According to André“, documentário sobre ele, nessa semana nos EUA, saem diversas entrevistas. ALT sempre foi muito discreto e não era normal ouvi-lo falar de maneira crítica a respeito do mundo da moda – e muita gente o olhava torto justamente por considerá-lo alienado e, trocando em miúdos, puxa-saco. Parece que isso mudou…

O artigo da Vanessa Friedman do “The New York Times“, por exemplo, fala de racismo. Pra começo de conversa, seu novo caftã, que ele anda usando por todo lado, é de Dapper Dan, que recentemente abriu um novo ateliê com a Gucci. “Queria que as pessoas soubessem o quão orgulhoso estou de um homem negro que finalmente recebeu seu quinhão e respeito do perverso, cruel monstro que é a moda”. No próprio longa, ele fala que uma relações públicas o chamava de “Queen Kong”, fazendo um trocadilho com King Kong (agora ele já diz abertamente que a profissional em questão é Clara Saint, que trabalhava pra Yves Saint-Laurent e também é conhecida por ter ajudado na deserção de Rudolf Nureyev da União Soviética). Talley continua: “Olho ao redor por todo o lado e digo ‘onde estão os negros?’ Acho que a moda tenta contornar a questão e encontra jeitos convenientes de enrolá-la. Existem alguns exemplos de evolução, mas são poucos e raros. O maior sinal de esperança é Edward Enninful se tornando editor da ‘Vogue’ UK, isso é algo extraordinário. E Virgil Abloh assumindo a moda masculina da Louis Vuitton“.

Ele segue com outras declarações: “Certos amigos me abandonaram. Miuccia Pradafoi uma. Éramos muito próximos. Ela é bem tímida, então agora mal fala comigo nos degraus do Met. Karl Lagerfeld é um picareta. Difícil de abordar. Isso é muito decepcionante”. Sobra até pra própria Anna, que deu depoimento pro doc: “Na maior parte dos dias, ela me trata como da família. Sei que ela se importa profundamente. Mas em outros dias, ela me trata como a ovelha negra, o membro da família que foi enxotado, expulso, a ser evitado. Queria que a moda fosse uma zona mais fácil a ser navegada. Ela é como o Ártico: você tem que passar por tantos icebergs. É muito cruel, mas também pode ser muito empolgante”.

E é pra Vanessa que ele também revela suas preocupações com o dinheiro, dizendo estar falido. “A moda não cuida das suas pessoas. Ninguém vai cuidar de mim, exceto eu mesmo”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s