Heathers | Paramount cancela série antes da estreia por conta de temas delicados

Versão para a TV da comédia de humor negro já havia sido adiada após tiroteio em escola da Florida

heathers-1Paramount Network anunciou hoje, dia 1º, o cancelamento da série de TV de Heathers, após ter adiado a estreia por conta da tragédia em uma escola da Flórida, em fevereiro, onde 17 estudantes morreram. De acordo com a THR, a emissora considerou uma nova data de estreia em julho, mas houve um novo tiroteio em Santa Fe em maio.

Keith Cox, presidente de produção da Paramount Network, comentou a decisão: “Esta é uma série de colegial, estamos explodindo tudo, existem armas na escola, há sátira, e momentos em que os professores seguram armas. A série toca em tantos tópicos polêmicos. Esta empresa não pode falar dos dois lados, dizendo que o movimento juvenil é importante para nós, e fizemos tantas coisas importantes para apoiar isto, mas ao mesmo tempo colocaríamos uma série que não nos deixa confortável (…) A combinação de uma série colegial com estes momentos sombrios simplesmente não parece certo”.  

Agora, com a primeira temporada filmada e uma segunda temporada já roteirizada, Heathersprocura uma nova emissora.

A série tinha estreia prevista para 7 de março. O longa original (Atração Mortal em português), estrelado por Winona Ryder e Christian Slater, mostrava Veronica (Ryder) e uma panelinha de meninas malvadas e populares do colegial – todas de nome Heather. Depois de conhecer J.D. (Slater), garoto novo no colégio, Veronica começa a se rebelar e as Heathers passam a morrer “acidentalmente”, assassinadas pelo casal, que disfarçam as mortes de suicídio. O filme também conta com um ataque planejado por J.D. à escola.

A nova versão é estrelada por Grace Victoria Cox, que precisa lidar com um novo grupo de Heathers. O elenco também conta com Selma BlairJames ScullyMelanie FieldBrendan Scannell e Jasmine MathewsShannen Doherty, que integrava o elenco do filme original, faria uma participação na série – assista ao trailer. [Julia Sabbaga]

Technicolor: o novo color blocking

Alfaiataria com tons marcantes, shapes amplos e sobreposições deixam os looks da estação mais alegres e descontraídos. A modelo Lisa Graham, capa de Marie Claire em 1991, mostra como aderir ao novo color blocking que tem, também, inspiração oitentinha

marieclaire_10_15088.jpg
Blusa Lilly Sarti, R$ 870. Saia Diane von Furstenberg, R$ 2.460. Calça Talie NK, R$ 4.960. Cinto, R$ 564, e sapatos, R$ 1.424, Cris Barros (Foto: Cassia Tabatini (Groupart))

Na vida, antes de mais nada, é preciso ter sorte. A modelo inglesa Lisa Graham, 52, cresceu ouvindo essa frase do avô e parece que ele estava certo. Apesar de ter nascido no Reino Unido e passado a primeira infância ali, tem uma forte ligação com o Brasil, pois, dos 6 aos 12 anos, morou no Rio. O pai, engenheiro, foi um dos responsáveis pela obra da Usina Hidrelétrica de Itaipu. Quando ele se separou de sua mãe, dona de casa, a menina voltou para a Europa com ela, mas sua impressão com o país foi tão marcante que, aos 25, decidiu morar definitivamente aqui. “Como papai continuou no Rio, vinha todas as férias”, conta. Foi exatamente numa dessas viagens que se apaixonou por um brasileiro, Miguel Bruno, e, juntos, foram morar em Caravelas, sul da Bahia. Foi por causa dessa paixão que abandonou a carreira de modelo, que havia iniciado aos 19 anos. Com 1,83 metro de altura e traços angulosos, Lisa era uma das tops no final dos anos 1980, fez campanhas para Yves Saint Laurent, Dior e Yohji Yamamoto e duas capas de Marie Claire Brasil, em 1991, ano de seu lançamento.

marieclaire_09_14960
Blusa Givenchy à venda na NK Store, R$ 9.590. Calça Ralph Lauren, R$ 3.725. Luvas acervo. Bolsa Dani Cury, R$ 1.276. Sapatos Arezzo, R$ 280 (Foto: Cassia Tabatini (Groupart))

“Não tive dramas em largar a profissão. Queria ficar com a Clara [hoje com 25 anos] e só. Também já estava num estágio de achar a carreira de modelo desinteressante”, lembra. A vida no litoral baiano durou cinco anos. Depois, a família foi morar no Rio, onde Lisa trabalhou como produtora-executiva e diretora de agência de modelos. O casamento terminou depois de outros dez anos. Casou-se novamente e passou a viver no circuito São Paulo-Nova York, desta vez junto ao diretor de cinema Bruno Barreto (de quem se separou no ano passado). Agora, aos 50, retorna às páginas de Marie Claire e acaba de estrelar filmes de moda para a Egrey e a Riachuelo, ambos dirigidos por Nicole Heiniger.

marieclaire_05_14384
Casaco Max Mara, R$ 7.810. Tricô Coven, R$ 745. Saia Printing, R$ 1.475. Óculos Gigi Hadid para Vogue Eyewear, R$ 490. Cinto Cris Barros, R$ 542. Sapatos Lilly Sarti, R$ 1.575 (Foto: Cassia Tabatini (Groupart))

O culto à perfeição física nunca a preocupou. Adora se exercitar na academia, mas não usa maquiagem e gosta de fazer as próprias unhas. Também nunca pintou os cabelos – pelo contrário, é fã dos fios grisalhos. “Logo mais irei a Nova York rever amigos da época de modelo. Sei que muitos deles, cabeleireiros, vão insistir para tingir, mas não deixo!”, diverte-se. Avessa a plásticas, fez até hoje um único Botox. “Foi na testa, já saiu tudo”, completa. Tem como marca registrada o sorriso aberto que ilustra este editorial. E que, nos últimos tempos, está ainda maior: “Estou apaixonada de novo. E isso, sem dúvida, é o melhor procedimento estético que uma mulher pode ter, não?”. [Camila Lima]

marieclaire_02_14018
Vestido, R$ 2.582, e cinto, R$ 564, Cris Barros. Camisa Max Mara, R$ 1.190. Calça Von Trapp à venda na Pair, R$ 1.220. Luvas acervo. Sapatos Lilly Sarti, R$ 1.575 (Foto: Cassia Tabatini (Groupart))
marieclaire_03_14193
Blusa Carolina Herrera, R$ 2.310. Calça Emilio Pucci, R$ 3.880 (Foto: Cassia Tabatini (Groupart))
marieclaire_08_14870
Blazer Printing, R$ 2.475. Blusa Ralph Lauren, R$ 2.280. Cinto Marcelo Bonito, R$ 650 (Foto: Cassia Tabatini (Groupart))
marieclaire_01_13959
Parca À La Garçonne, R$ 4.780. Blusa Carolina Herrera, R$ 1.370. Calça Animale, R$ 1.128. Sapatos Cris Barros, R$ 1.424 (Foto: Cassia Tabatini (Groupart))
marieclaire_07_14760
Casaco Dolce & Gabbana, R$ 10.700. Camisa Gucci, preço sob consulta. Calça Paula Raia, R$ 2.890. Sapatos Arezzo, R$ 260 (Foto: Cassia Tabatini (Groupart))
img_8435 (1).jpg
Lisa como fotógrafa dos longas de barreto; com a filha Clara; nos bastidores do set de filmagem; e curtindo a maternidade na Bahia (Foto: Lisa)

Edição de moda Larissa Lucchese / Produção-executiva Vandeca Zimmermann / Modelo: Lisa Graham (Way Model) / Beleza: Helder Rodrigues (Capa MGT) com produtos Diorskin e Redken / Produção de moda: Bia Amaral / Assistente de beleza: Juliana Vacaro / Assistentes de fotografia: Flavia Faustino, Joe Santos e Nato Hollinger / Tratamento de imagem: Bruno Rezende / Agradecimento: Sesc 24 de Maio (locação)

‘Não se pode mais dizer que filmes de negros não funcionam’, diz Chadwick Boseman

Ator de ‘Pantera Negra’ falou como os estúdios desencorajam a produção de filmes com protagonistas negros com a justificativa da pouca bilheteria internacional

chadwick 004-1527786881.jpg
Chadwick Boseman by JW Anderson; shirt by Gucci; sneakers by Converse; 001 watch by Tom Ford.

Não é segredo que Pantera Negra foi um sucesso de bilheteria e crítica em todo o mundo. No Brasil, na Índia, no Reino Unido, na Austrália e na Coreia do Sul, além dos Estados Unidos, o filme estreou como líder de bilheteria. Em entrevista à revista Esquire, Chadwick Boseman, que interpreta T’Challa no longa da Marvel, falou que não esperava toda essa repercussão, justamente porque atores negros ouvem previsões negativas com frequência.

“Quando nós lançamos o filme na Coreia, em Londres, depois na première de Londres, nós começamos a ver como o mundo iria recebê-lo. Nós sabíamos que muitas pessoas negras estavam animadas com o filme. Mas eu acho que quando nós começamos a ver as reações em vários países, foi aí que eu fiquei ‘Oh, uau! Isso é um grande negócio'”, falou.

“Os estúdios vão, com muita frequência, te dizer que filmes com um protagonista negro não vão funcionar no mundo inteiro. Então eu acho que esse era o ponto crucial para mim – isso significa alguma coisa em todo lugar do mundo. Um momento como esse poderia mudar como os estúdios respondem aos nossos filmes. Você definitivamente não pode mais dizer que ‘filmes de negros não funcionam fora dos EUA'”, disse Boseman.

Entretanto, mesmo com o avanço e com os ótimos resultados de Pantera Negra, ele acredita que ainda há muito trabalho a ser feito para combater a ideia de que filmes protagonizados por negros não vendem bem. “Já houve muito exemplos claros de protagonistas de filmes [negros] que não têm o mesmo respeito ou publicidade num filme internacionalmente. Com muita frequência, mesmo que o filme tenha uma estrela negra como protagonista ou destaque, esse ator não será destacado no poster internacional”, comenta.

Questionado se isso já aconteceu com ele, Boseman se recusou a citar nomes, mas disse que “os estúdios sabem o que fizeram”. O ator ainda falou que, quando enfrenta esse tipo de coisa, só consegue pensar em quantas batalhas semelhantes já foram enfrentadas por atores negros que vieram antes dele.

Pantera Negra vai mudar isso? Eu não posso dizer. Mas depende de nós pedir por isso, e depende do outro lado reconhecer a verdade no que aconteceu. Se o trabalho é de qualidade, não deveria haver razão para não vender”, diz. A entrevista completa pode ser lida no site da Esquire, em inglês.

Facebook perde usuários jovens para YouTube, Instagram e Snapchat nos EUA

Entre 2015 e 2018, número de adolescentes americanos entre 13 e 17 anos que possuem ou têm acesso a smartphones saltou de 73% para 95%, mostra estudo do Pew Research Center.

millennials_standing_phones-3
Uso do Facebook entre os mais jovens nos EUA caiu em 20 pontos percentuais desde 2015. (Foto: Getty Images)

Jovens nos Estados Unidos estão abandonando o Facebook e migrando para plataformas como YouTube, Instagram e Snapchat.

A informação é mostrada por um estudo conduzido pelo Pew Research Center entre março e abril deste ano. Os resultados indicam que 51% dos americanos com idade entre 13 e 17 anos usam Facebook, uma queda de 20 pontos percentuais na comparação com 2015, quando o instituto havia conduzido seu levantamento anterior sobre os hábitos dos adolescentes do país nas redes sociais.

O desempenho fez a rede criada por Mark Zuckerberg perder três posições no ranking de preferência dos jovens, sendo ultrapassada por YouTube, Instagram e Snapchat.

O YouTube chegou ao topo da lista e é a plataforma mais acessada – 85% dos adolescentes que participaram da pesquisa disseram usar o site de compartilhamento de vídeos.

O Instagram, que ocupa o segundo lugar com 72% da preferência, é uma espécie de prêmio de consolação para o Facebook, que, desde 2012, também é dono da rede de compartilhamento de fotos e vídeos.

O número de adolescentes que usam Twitter (32%) e Tumblr (14%) se manteve praticamente o mesmo entre 2015 e 2018.

Celulares em alta

A pesquisa foi feita com 750 adolescentes e mostra, ainda, como a presença dos smartphones cresceu entre os jovens. Em apenas três anos, a proporção daqueles que possuem ou têm acesso a esse tipo de aparelho saltou de 73% para 95%, incremento de 22 pontos percentuais.

Além disso, 45% do total dizem estar online constantemente.

Os resultados reiteraram conclusões levantadas em estudos anteriores – mostrando que a maior parte dos jovens usa as mesmas redes sociais que seus amigos, e que adolescentes de renda mais baixa tendem a preferir o Facebook quando comparados aos que vivem em domicílios com renda familiar mais elevada.

As respostas dos entrevistados não permitiram, no entanto, uma análise conclusiva sobre como eles avaliam o impacto das redes sociais em suas vidas.

Quase um terço disse acreditar que esses efeitos são majoritariamente positivos, enquanto um quarto afirmou o oposto. O maior bloco, de 45%, declarou que os efeitos não eram positivos nem negativos. BBC

‘Os Estranhos: Caçada Noturna’: o melhor terror é o que nada explica

Se alguém bater à sua porta perguntando por uma tal de Tamara, fuja o mais rápido que puder. Quem sabe dá tempo
Por Isabela Boscov

blogib_os-estranhos-cacada-noturna_feat
 (Diamond/Divulgação)

Quem viu Os Estranhos, um terror enxuto e malvado de 2008 com Liv Tyler, sabe que pode esperar vários arrepios na nuca e boca seca. Quem não viu está com sorte mesmo assim: Os Estranhos: Caçada Noturna não é propriamente uma continuação, e sim uma espécie de nova aventura, digamos assim, do peculiaríssimo grupo de assassinos do primeiro filme – que nunca dizem uma única palavra, nunca demonstram qualquer emoção, parecem estar em vários lugares ao mesmo tempo e de quem nunca se vê o rosto (as garotas usam máscaras de boneca, o sujeito usa um capuz de estopa). No original, Liv Tyler e Scott Speedman eram namorados passando a noite numa casa afastada, no meio do maior mal-estar – ele havia proposto casamento, ela recusara. Aqui, tem -se uma família passando a noite num trailer park à beira de um lago, no meio do maior clima (a filha adolescente e problemática está tornando o dia insuportável para os pais e o irmão mais velho). Em ambos os casos, a coisa começa de maneira estranha, mas casual: uma garota bate à porta perguntando se Tamara está em casa. Não, aqui não tem nenhuma Tamara. Quando a situação se repete, uns tantos minutos depois, os protagonistas se ligam de que algo não vai bem. E é tarde demais.

O que destaca os dois Os Estranhos é a qualidade do suspense: sem nenhum efeito especial, cria-se muita tensão a partir da luz noturna (ou falta dela), dos silêncios e dos ruídos que repentinamente os quebram, daquilo que o espectador vê mas os personagens ainda não perceberam. No primeiro filme, o diretor estreante Bryan Bertino usava com habilidade notável o interior de uma casa. Aqui, o diretor Johannes Roberts (de Medo Profundo) faz melhor ainda: sai dos interiores para o espaço aberto do trailer park e transforma o que era um jogo de gato e rato numa verdadeira caçada, como diz o título. Garanto que se há um terror recente do qual Johannes Roberts é fã, é Corrente do Mal. A inspiração é evidente nos enquadramentos abertos compostos com muita perícia, nos deslocamentos – os da câmera e os dos personagens – cuidadosamente organizados em eixos perpendiculares, longitudinais e diagonais e na distância ainda mais clínica dos torturadores em relação aos torturados. As explosões de violência, em geral breves mas muito intensas, vêm curiosamente desprovidas de qualquer sinal de raiva ou prazer – e o que pode ser mais assustador do que uma violência na qual não se consegue enxergar nenhum motivo? A trilha sonora vintage também é uma beleza, e há uma cena na área de uma piscina enfeitada com palmeiras de néon piscante, ao som de Total Eclipse of the Heart, de Bonnie Tyler, que para mim já é antológica.

OS ESTRANHOS: CAÇADA NOTURNA
(The Strangers: Prey at Night)
Estados Unidos, 2018
Direção: Johannes Roberts
Com Bailee Madison, Lewis Pullman, Christina Hendricks, Martin Henderson
Distribuição: Diamond

Jana Rosa: “a pele bonita e saudável não é perfeita, tem manchas da vida”

Entrevista com a neo-editora de beleza sobre a conta “Bonita de Pele”, no Instagram.
Por Julia Mello

morning_01-1.jpg
Jana Rosa na série “Morning Rituals” da Obvious Agency (Obvious Agency/Divulgação)

Primeiro ela tinha ficado rica. Agora, ficou bonita de pele também, viu? É de Jana Rosa que estamos falando — e de sua mais recente criação, a “Bonita de Pele.” Na conta do Instagram ela divide dúvidas, ideias e cuidados com a pele, reposta dicas das leitoras e também aparece sem make, indo na contramão da ideia de pele (e aparência) perfeita nessa era de redes sociais.

“Semana que vem a Bonita de Pele vai começar a receber um conteúdo em vídeo — vou entrevistar mulheres maravilhosas”, conta ela para a ELLE. Ela também visita grandes escritórios de beauté para saber das novidades, mas o segredo mesmo acontece no banheiro de sua casa, no qual ela compartilha a rotina. “Ah, e é A Bonita de Pele porque a filha é minha e quero filha mulher, tá?”, diz rindo.

A “Agora que Sou Rica”, (que era blog e virou marca), continua por lá, mas entrevistamos Jana para saber o que esperar da novidade, qual é sua visão sobre beauté e qual seu papel como neo-editora de beleza. 

Como surgiu essa ideia de ter um insta focado em beleza?
Sempre tive uma rotina de cuidar da pele, considerava até um hobby. E toda vez que postava algo sobre tinha muitas pessoas que ficavam curiosas, então decidi fazer um instagram só pra falar disso, porque acho que cuidar da pele, limpar, hidratar e principalmente proteger ela do sol não há de fazer mal à ninguém, pelo contrário, a resposta foi instantânea e todo dia recebo mensagens de pessoas dizendo que começaram a prestar mais atenção em como estavam se cuidando.

De onde veio esse título, do tipo, bonita, mas de pele? Rs
É uma piada com aquela coisa que as pessoas falavam “fulano é bonito de rosto/corpo” que acho péssima, mas com bonita de pele fica meio anos 80, né?

Sem título.jpg
#bonitadepele

Você acha que beleza é mais acessível do que moda  — roupas, sapatos —, e por isso é mais abrangente, ou isso é mito e é um tema tão caro quanto?
Acho mais acessível já que tem várias coisas que você pode fazer que não custam “nada”, tipo cuidados da rotina mesmo, como aprender a fazer massagem no rosto, não tomar banho de água muito quente, se hidratar. Minha ideia é mostrar nesse projeto que cuidar da pele é um momento seu de amor próprio. E daqui pra frente vou dar muitas dicas que são gratuitas, mas também baratas, caras, caríssimas, quero pesquisar esse universo e mostrar todas as possibilidades e novidades!

Conta pra gente a história da sua pele? Como ela era quando você era adolescente, como ela está hoje, teve momentos difíceis, sempre foi fácil? Tem alguma curiosidade que a gente não saiba?
Quando tinha cerca de 12 ou 13 anos pedi pra minha mãe me levar na dermatologista, porque lia muitas revistas de moda (hello, Elle!) e já me interessava por skincare. Queria tratar as espinhas e tinha muitas dúvidas já sobre como cuidar da pele, desde então lavei o rosto de manhã e de noite e passei protetor solar todos os dias. São duas décadas cuidando da pele, claro que nem sempre com tanto foco (tirei um ano sabático e desencanei totalmente, por exemplo), e uma vez na amazônia decidi ser uma pessoa da natureza e não passava filtro solar, agora tenho as manchas todas que ganhei nessa época pra contar a história!

Você foi para a Coreia do Sul, né? Você foi já aficcionada por beleza coreana ou isso surgiu de lá? 
Faz dois anos que fui, tinha curiosidade pra saber mas quando cheguei la dei uma pirada, voltei com a mala cheia de cremes e desde então comecei a pesquisar, depois entrei na fase de usar só produtos coreanos comprados na internet e agora estou numa nova fase, que me inspiro na rotina delas e no comprometimento de se cuidar todos os dias, mas já não uso só produtos de lá.

Recentemente você falou no seu stories no Instagram sobre como é libertador fazer vídeos sem precisar estar completamente maquiada. Você acha que as pessoas ficam confusas, acham que um Instagram que fala sobre beleza e pele a pessoa tem que estar perfeita sempre?
Acho que uma pele bonita e saudável não é a pele perfeita photoshopada sem poros, ela tem manchas da vida, rugas de dar risada, chorar, olhar o celular o dia todo, olheiras de ficar a noite em claro triste com as notícias, e por aí vai. É muito importante lembrar que minha ideia com esse projeto é que as pessoas se cuidem e se amem mais e mais, e que ser bonita de pele é isso, amar esse ritual de cuidar da pele de manhã e de noite. A ideia não é buscar uma pele irreal de um padrão tambem irreal de foto tratada, porque isso não existe e nem eu tenho essa pele, graças a Deus, porque significaria que não ri todos os dias da minha vida. A ideia é se cuidar, se amar, ter uma pele saudável sim! E ter sempre SEMPRE uma/um dermatologista pra saber se está tudo bem, se você tá usando os cremes direito, se não tá pirando demais nos e-commerces de beleza da vida!

Qual é o papel das suas seguidoras no Instagram? Sempre tem muitas respostas? 
É um diferencial porque elas são umas gênias! São todas MUITO entendidas do assunto, elas já testaram tudo, elas sabem falar sobre tudo, são as mais bonitas de pele, aprendo muito com elas, fico duas horas por dia trocando mensagens com essas maravilhosas.

morning_01-16
Foto da série “Morning Rituals” da Obvious Agency (Obvious Agency/Divulgação)

Como surgiram os “Morning Rituals”, com a Obvious Agency? — série da qual saíram as fotos dessa matéria, aliás! Você tem rituais de beleza matinais?
O Morning Rituals é um projeto da Obvious, que é uma agência de conteúdo maravilhosa que cria pra várias marcas e pra eles mesmos, como é o caso desse projeto. Eles me convidaram pra ser a primeira personagem porque a Marcela Ceribelli, que é a diretora criativa de lá, é minha amiga e sempre falamos sobre os cuidados com a pele, a pele dela aliás parece de um bebê de 6 meses! E eles vão lançar mais episódios com outras pessoas no instagram deles! O meu morning rituals não é glamuroso como o vídeo lindo deles, geralmente acordo atrasada, mas no domingo tento ficar em casa fazendo máscara, hidratação, Netflix e 16 horas de sono, melhor ritual não há. Assinado: cancerianas.

Por fim, aquela pergunta difícil, mas querida: quais três produtos de beleza você nunca fica sem?
Não importa a marca, contanto que sejam pro meu tipo de pele (seca/sensível) não vivo sem algo pra limpar o rosto, seja espuma ou gel de limpeza, algo pra hidratar de manhã e de noite e protetor solar pra usar o dia todo. Se você for pra uma ilha deserta leve essa nécessaire com você que será sucesso garantido.

Facebook tem oito diretores eleitos em votação criticada por acionistas

Rede social ainda não divulgou o nome dos novos diretores e em que áreas devem trabalhar; processo de reestruturação começou no mês passado
Por Agências – Reuters

zucker1
 Mark Zuckerberg – CEO Facebook

O Facebook elegeu, na última quinta-feira, 31, oito novos diretores para a companhia. A eleição aconteceu durante evento anual da rede social em um processo criticado por alguns dos investidores.

Assim como os nomes dos diretores, a divisão de votos do conselho também não foi divulgada. A empresa conta com os votos de investidores externos, mas a maioria é formada por investidores internos da companhia e pelo presidente da empresa Mark Zuckerberg, que juntos controlam cerca de 60% dos votos da companhia.

Fontes ouvidas pela agência de notícias Reuters disseram que a votação ignorou pedido de acionistas que pedia mudanças na estrutura da votação e na supervisão de conteúdo do Facebook.

Momento. Essa não é única mudança pela qual o Facebook está passando atualmente. Há aproximadamente um mês, os chefes de seus principais aplicativos foram realocados por Zuckerberg.

As alterações foram embaladas, principalmente, após ter sido constatado a falha da rede social em proteger os dados de cerca de 87 milhões de usuários, que foram compartilhados com a Cambridge Analytica, em um escândalo que tem abalado as estruturas da empresa desde março.

Dentre as alterações, Chris Cox que anteriormente era responsável apenas pelo aplicativo principal do Facebook, supervisiona agora também o WhatsApp, Messenger e Instagram.

Um novo departamento ainda foi criado: o de Plataformas, destinado a cuidar de todos os esforços de negócios e produtos de longo prazo do Facebook. Projetos de realidade virtual, realidade aumentada e o recém-formado grupo de blockchain, estão entre as atividades do novo núcleo. O departamento estará sob a liderança de Mike Schroepfer, diretor de tecnologia do Facebook.

O terceiro segmento, Serviços, deve agrupar as outras funções de produtos e engenharia: anúncio, segurança e crescimento. Esse departamento será coordenado por Javier Oliver, outro executivo do aplicativo Facebook e que está na empresa há mais de uma década.

A votação desta semana ainda não ficou clara se interferiu diretamente nos principais nomes da empresa ou se são executivos para as novas áreas criadas.

ZOO Magazine 59 Agnes Nieske Abma by Nagi Sakai

Sem título.jpgPhotography: Nagi Sakai. Stylist: Emelie Hultqvist. Hair Stylist: Tuan Anh Tran at Art Dept. Makeup Asami Taguchi at Frank Reps. Casting: Megan Mccluskie. Model Agnes Nieske Abma at Storm Models.

Anne Hathaway sobre críticas a seu corpo: “Acontece o tempo todo”

Atriz está engordando para viver um novo papel no cinema

anne-hathaway
Anne Hathaway from Met Gala 2018

Desde que começou a engordar para viver um novo papel no cinema, Anne Hathaway afirma estar recebendo várias críticas a seu corpo. “Acontece o tempo todo, nas maneiras mais explícitas, quando as pessoas falam diretamente, e também em formas mais sutis”, disse ela ao Today Show.

“Parece meio triste dizer… Eu só queria curtir o meu verão e deixar todo mundo saber que estou feliz com meu corpo. Se meu corpo está diferente do que você está acostumado ou acha que deveria ser, essa é a sua experiência. Só que a experiência do meu corpo é minha, e estou amando”, completou.

Anne, porém, reconheceu que atualmente há maior conscientização do que deve ser dito a respeito. “Eu acho que todos nós estamos aprendendo a nos comunicar – bem, talvez nem todos – mas muitos estão aproveitando a oportunidade de se tornarem mais conscientes e amorosos na maneira como se comunicam”. [ELLE]