Vogue México Junho 2018 Sara Sampaio by Giampaolo Sgura

Vogue-Mexico-June-2018-Giampaolo-Sgura-01-620x775.jpgPhotography: Giampaolo Sgura. Styling: Paul Cavaco. Hair: Peter Gray. Makeup: Fulvia Farolfi. Models: Sara Sampaio & Jason Morgan.

Kanye West fala sobre saúde mental e sobre seu novo álbum ‘Ye’

Rapper falou que refez as músicas após participar de entrevista no TMZ, na qual disse que escravidão era uma ‘escolha’

merlin_138948594_8ecbada4-43bb-486a-b6e2-558e6ce8f3cb-articleLarge
Kanye West premieres his new album ‘YE’ at a listening party in Jackson Hole

Kanye West lançou seu álbum YE há alguns dias, em meio a polêmicas por conta de suas publicação recentes no Twitter sobre racismo e sobre o presidente americano Donald Trump. Seus comentários, inclusive, levantaram em muitos a hipótese de que ele estaria com problemas mentais.

Em entrevista ao canal Big Boy TV no YouTube, Kanye falou sobre a questão: “Eu sou tão abençoado e privilegiado, porque pense sobre as pessoas que têm problemas mentais e não são Kanye West, que não podem ir lá e fazer um álbum e mostrar que está tudo bem”.

“Pense em alguém que fez exatamente o que eu fiz no TMZ. E essa pessoa faz isso no trabalho. Mas na terça-feira de manhã, ela perde seu trabalho… É por isso que Deus colocou isso em mim aos 40 anos. Eu nunca havia sido diagnosticado e eu tinha 39 anos”, falou. Ele afirmou que foi diagnosticado com bipolaridade, mas disse que não considera algo negativo. “Eu acho que todo mundo tem alguma coisa. Mas, como eu disse no álbum, eu disse que não é uma deficiência, é um super poder”, falou, fazendo referência a Yikes.

Kanye foi questionado sobre por que as faixas do álbum pareciam tão diferentes das prévias que haviam sido divulgadas antes do lançamento, e ele revelou que refez o álbum inteiro em um mês, logo após sua aparição no TMZ. No dia 1º de maio, ele participou de uma transmissão ao vivo com jornalistas do portal e disse que 400 anos de escravidão eram “uma escolha” e chamou Trump de “meu garoto”. Isso, junto aos seus polêmicos tuítes, virou um dos principais assuntos das redes sociais naqueles dias.

“Eu refiz o álbum completamente depois do TMZ. Nós apenas nos sentamos lá e dissemos palavras afiadas. Também, agora eu sei, era tudo pelas manchetes. Todas as frases podem ser usadas. Eu até usei algumas em meu álbum”.

A entrevista completa pode ser assistida abaixo (em inglês):

Culinária sul-coreana ganha destaque na cena gastronômica paulistana

A culinária sul-coreana ganha destaque na cena gastronômica paulistana, com releituras contemporâneas de pratos e restaurantes tradicionais atraindo uma nova clientela
Por Alessandra Blanco

Sem título.jpg
Lovani Pinnow com look Ralph Lauren e brincos Zarpellon na cozinha do restaurante Komah, em São Paulo (Foto: Thiago Justo)

São mais de cem restaurantes sul-coreanos espalhados por São Paulo”, calcula Paulo Shin, de 30 anos, chef do disputado Komah, que faz parte dessa conta e fica no bairro da Barra Funda. “Mas a maioria deles é frequentada por clientes da própria comunidade. Alguns funcionam em charmosas casinhas, e você tem que tocar a campainha para entrar. O menu é um desafio, porque não é traduzido para o português – até eu fico constrangido por não entender tudo.” Filho de coreanos, Shin assistia desde pequeno à mãe cozinhar pratos típicos, compostos por caldos, proteína animal, raízes e arroz. Quando decidiu que cursaria faculdade de gastronomia, ainda no colégio, tinha certeza de que jamais teria um restaurante especializado no assunto.

Com a Copa do Mundo celebrada no país em 2002, a imagem da culinária da Coreia do Sul teve um upgrade. O governo empenhou-se em mostrar que, apesar das gerações mais velhas ainda consumirem pratos exóticos, como os preparados com cachorro, essas iguarias são menos comuns entre os jovens e estão quase em extinção em endereços mais modernos ou turísticos. Dono da rede Momofuku e com duas estrelas Michelin, o renomado chef americano David Chang, de ascendência coreana, foi uma das figuras que ajudaram a desmistificar a gastronomia do país, criando pratos mais internacionais, com referências pontuais do Oriente. Sua cozinha inventiva fez os olhares do mundo se voltarem para a Coreia do Sul, principalmente para ingredientes como o kimchi (a conserva fermentada de verduras e legumes) e a gochujang (a famosa pasta de pimenta). Em pouco tempo, temperos como esses passaram a aparecer em pesquisas sobre tendências gastronômicas e no cardápio de muitos restaurantes das principais capitais do globo. “Foi uma mudança de cenário: as receitas da Coreia do Sul começaram a ser vistas de maneira mais amigável, inclusive por mim”, diz Shin, que decidiu embarcar para o país e pesquisar sobre suas origens gastronômicas. “Queria conhecer os alimentos, os restaurantes e percebi que os pratos feitos pela minha mãe eram realmente muito bons. Estava tudo ali: as informações, os gostos, a cultura.”

O Komah abriu suas portas dois anos depois, em 2016, em frente à fábrica de sapatos das irmãs do chef. O endereço nunca serviu comida tradicional, mas sempre teve todos os sabores que remetem ao país em suas receitas. Logo após a inauguração, Chin recebeu Jamie Oliver por lá. Naquele mesmo dia, o chef britânico anunciou no Twitter que o espaço era “o” lugar cool para jantar em São Paulo. Desde então, a fila de espera nos fins de semana sempre supera uma hora. “Os coreanos estranharam um pouco. Não é exatamente a comida que eles estão acostumados, mas, mesmo assim, muitos frequentam o restaurante”, conta Shin, que tem planos de abrir um bar ao lado do salão principal para drinques e petiscos típicos.

Antes do Komah, outros endereços começaram a atrair os olhares dos paulistanos não pertencentes à comunidade. O Bicol, no bairro da Aclimação, e o Portal da Coreia, na Liberdade, foram os primeiros. Servem comida tradicional, como o bulgogi – uma espécie de churrasco feito com diferentes tipos de carne marinada em molho agridoce e assada em grelhas montadas na própria mesa.

Outra novidade são as padarias. Ficam todas concentradas no Bom Retiro – considerado o maior reduto coreano na capital paulista –, uma ao lado da outra, na Rua Prates. Com decoração moderna, são tocadas pela segunda geração de imigrantes. Servem doces e salgados típicos, como o korokke (um bolo frito recheado com carne ou frango ao curry), várias versões de donuts com feijão doce, pão de abóbora (delicioso!) e muitas variedades de chás. Vale passar uma tarde por lá provando um pouco de cada um. Afinal, a Coreia do Sul também está no Brasil.

A foto principal da matéria foi feita com o Samsung Galaxy S9.
Styling: Vinícius Coni
Beleza: Fernando Haddad Com Produtos Nars E Lowell
Assistentes De Foto: Aline Lins E Nicolle Scafariello

Bilheteria EUA: Han Solo – Uma História Star Wars, Deadpool 2, Vidas à Deriva, Vingadores: Guerra Infinita, Do Jeito Que Elas Querem

han-solo-movie-emilia-clarke-1043267
Elenco de ‘Han Solo: Uma História Star Wars’. Foto: Walt Disney Studios

Conforme previstoHan Solo – Uma História Star Wars continuou na liderança da bilheteria americana em sua segunda semana de exibição. O filme arrecadou US$ 29 milhões entre os dias 1 e 3 de junho, o que representa uma queda de 65% em comparação com a estreia. Sua bilheteria mundial soma US$ 264 milhões até agora.

Com direção de Ron Howard, o derivado acompanha a juventude de Han Solo (Alden Ehrenreich), originalmente interpretado por Harrison Ford na franquia Star Wars. O elenco ainda conta com Donald Glover (AtlantaCommunity), Woody Harrelson (Zumbilândia), Paul Bettany (Vingadores: Guerra Infinita) e Emilia Clarke (Game of Thrones).

O segundo lugar da semana continuou com Deadpool 2. O longa da Fox arrecadou US$ 23 milhões e soma US$ 254 milhões nos EUA. No mundo, o filme tem a bilheteria de US$ 546 milhões até o momento.

Segundo a sinopse, quando um supersoldado chega em missão assassina, Deadpool (Ryan Reynolds) é forçado a pensar em amizade, família e o que realmente significa ser um herói – tudo isso enquanto chuta 50 tons de bundas porque, às vezes, para fazer a coisa certa, você precisa lutar sujo. Zazie Beetz interpreta a mutante Dominó, Josh Brolin é o Cable e Morena Baccarin, que esteve no Brasil para divulgar o longa, volta ao papel de Vanessa.

Vidas à Deriva, estrelado por Shailene Woodley e Sam Claflin, conseguiu o terceiro lugar em sua estreia. A produção arrecadou US$ 11 milhões no fim de semana e é exibida em mais de 3 mil salas.

O longa é baseado na história real de Tami Oldham que, após desmaiar durante a passagem do maior furacão da história do Oceano Pacífico, acorda somente para encontrar seu noivo Richard Sharp severamente machucado, seu barco em ruínas e sem meios de se comunicar ou navegar. Ela deve correr contra o relógio para salvar sua vida e do homem que ama.

Vingadores: Guerra Infinita se manteve no pódio em sua sexta semana nos cinemas. A produção da Marvel arrecadou US$ 10 milhões no fim de semana e soma US$ 1.964 bilhão no mundo. A expectativa é que a marca dos US$ 2 bilhões seja alcançada nos próximos dias.

Na história, Thanos chega à Terra, disposto a reunir as Joias do Infinito. Para enfrentá-lo, os Vingadores precisam unir forças com os Guardiões da Galáxia. O filme está em cartaz no Brasil e Vingadores 4 está marcado para 2 de maio de 2019.

Fechando o top 5 da semana está a comédia Do Jeito Que Elas Querem (Book Club), estrelada por Jane FondaDiane KeatonCandice Bergen e Mary Steenburgen. A bilheteria foi de US$ 6,8 milhões na terceira semana nos cinemas.

O longa mostra como Cinquenta Tons de Cinza, da autora E. L. James, muda completamente a vida de quatro amigas que, mensalmente, se reúnem para o seu clube do livro. Juntas, elas se ajudam a reaviver antigos romances e a começar novos. A estreia no Brasil está marcada para 14 de junho.

Casa de praia mexicana com arquitetura brutalista foge do comum

O concreto é o principal elemento desta construção que fica no topo de uma colina, entre o mar e as montanhas

tumblr_p9hwmiM3wU1s3v6soo3_500
 (Rory Gardiner/Ludwig Godefroy)

Zicatela é o nome deste projeto assinado pelo arquiteto Ludwig Godefroy com mobiliário do designer Emmanuel Picault situado em Oaxaca, no México, na praia de Zicatela. A casa foi erguida para um cliente que desejava um refúgio para quando quisesse sair da Cidade do México, onde vive.

Apesar da proximidade com a praia, a residência tem arquitetura brutalista, robusta, bem diferente dos padrões de projetos praianos. O terreno fica no topo de uma colina, com o mar de um lado e montanhas e plantações de agave do outro.

Os ambientes são amplos e abertos, com extensos espaços ao ar livre para contemplação da paisagem ao redor. Sua estrutura de concreto faz com que a casa pareça uma fortaleza. Mas as janelas de madeira, do chão ao teto, dão um toque charmoso e acolhedor, harmonizando a arquitetura do projeto – além de servirem para dar privacidade, ou abrir os ambientes para o jardim interno.

Dentro, os jardins são cercados por escadas que levam ao topo da casa e que também podem ser usadas como arquibancada ou para acomodar vasos de plantas. Na área social, uma mesa baixa, feita de tronco de árvore, é o ponto focal do décor.

O espaço ao ar livre na parte traseira da casa acomoda uma pequena piscina. Um dos quartos é acessado por uma ponte construída sobre a piscina.

Kim Kardashian ousa com look transparente de plástico e divide fãs

A foto já recebeu 1,6 milhão de curtidas e mais de 180 mil comentários

4255d01400000578-0-image-a-35-1500044369042-e1500127706251_1500326473-9990000
Kim Kardashian (Foto: Reprodução Instagram)

Kim Kardashian apostou em um look ousado nesse sábado (2). A socialite publicou em sua conta no Instagram uma foto em que aparece com uma roupa de plástico transparente e dividiu a opinião de seus seguidores.

A foto já recebeu 1,6 milhão de curtidas e mais de 180 mil comentários. “Sua roupa não faz sentido”, escreveu um seguidor. “É difícil para as pessoas te levar a sério quando você faz algo assim. Por quê?”, questionou outro internauta. “Então filme de PVC está na moda hoje em dia”, brincou outro fã.

Apartamento totalmente branco com móveis coloridos

Projeto de Jimmie Martin, em Londres, ousada ao misturar estilos em décor contemporâneo
Texto Carol Scolforo I Fotos Ben Sage/ Divulgação

meeting_space0Misturas de estilos sempre rendem um visual de impacto. Neste apartamento em Londres está a prova disso: em atmosfera contemporânea, toques de irreverência, de ousadia e arte se unem em tanta sintonia que dissolvem qualquer rótulo que você queira dar.

No projeto do escritório inglês Jimmie Martin, a maior sensação que salta da base branca de piso e paredes é a elegância que impulsiona as cores e o design. Na sala de estar, poltronas azuis sobre um tapete vermelho com ares desgastados tomam uma direção suave em frente a um pufe alongado branco de capitonê.

Outra das salas traz as poltronas Mad, de Marcel Wanders para a Poliform, sofá vermelho-cereja, um espelho com frases estampadas em clima de rebeldia e arte clássica irreverente: conforto e personalidade.

Na cozinha, o branco puro ganha força. O mármore em pedras pentagonais tira tudo do comum e dá interesse ao espaço.
Nem o banheiro, discreto, fugiu das brincadeiras dos designers: o bufê antigo foi reformado em clima moderno e ganhou letreiro em grafite.
O quarto do morador tem cômoda preta grafitada, cama com dossel e arte renascentista, mas também fotografia contemporânea. Um mix capaz de fazer rir graças à dupla de designers Jimmie Karlsson e Martin Nihlmar, que sabe unir bom humor e estética no universo do décor como poucos.

Décor do dia: quarto colorido nada convencional

A cama diferentona traz o toque divertido
Por Gabrielle Chimello

site (1).jpgO designer nova iorquino, Alexander Girard, tem criações diversas, que vão desde estampas até objetos decorativos que se encontram neste quarto, criado pelo escritório Raw Edges para a marca Vitra, tinha tudo para ser o mais convencional possível: paredes brancas e piso de madeira, mas a estrutura da cama traz o efeito surpresa. Composta por vários carretéis de cortiça, que juntos sustentam o colchão com almofadas do designer. Quatro carretéis colocados ao lado da cabeceira formam uma espécie de criado-mudo, possibilitando apoiar o relógio, entre outras coisas.

Já o cabideiro Charles Eames finaliza a composição juntamente com a luminária de papel que traz um toque oriental ao espaço.

Harper’s Bazaar UK Junho 2018 Lorelle Rayner by Agata Pospieszynska

Sem título.jpgPhotography: Agata Pospieszynska. Styled by: Charlie Harrington. Hair: Paul Donovan. Makeup: Natsumi Narita. Model: Lorelle Rayner.