Schön! Magazine Agosto 2018 KhrystyAna by Maddalena Arcelloni

36600057_361986457662282_4015816012560596992_nPhotographer: Maddalena Arcelloni. Fashion Stylist: Laura Pritchard at See Management. Producer: Sheri Chiu. Hair Stylist: Erol Karadag. Makeup Artist: Isabella Forget. Model: Khrystyana Kazakova.

Anna Wintour deu carta branca para Beyoncé cuidar de tudo em ensaio de capa

beyonce-coachella-weekend-2-2018-performance-2.jpg
Beyoncé – Coachella 2018

Em sua possível última edição da Vogue América (é o que se especula no mercado editorial) e depois de 30 anos de serviços prestados, Anna Wintour decidiu assumir uma postura mais flexível e relax, bem diferente da editora controladora e irascível que todos conhecem. Para a importante ‘september issue’, a editrix convocou Beyoncé para a capa e deu carta branca à postar.

Foi assinado um contrato que obriga a revista a dar à cantora controle total sobre a capa, recheio e até legendas, que foram escritas por ela mesma. E mais, ela não deu entrevista.

A escolha da equipe de produção e do fotógrafo também ficou a cargo de Beyoncé. A diva contratou o fotógrafo Tyler Mitchell, de 23 anos, e, por conta disso, ele se tornou o primeiro negro a clicar a capa da publicação em seus 126 anos de história. “Eu represento pessoas negras e de cor de maneira real e pura”, disse Mitchell, que já fez campanhas para Marc Jacobs e Givenchy, ao jornal The New York Times em dezembro. “Há um olhar honesto em minhas fotos.” [Glamurama]

Ben Affleck quer abandonar franquia Batman para voltar aos filmes indie, diz site Radar Online

Segundo fonte, ator acredita que assim irá reencontrar seu amor pela atuação e terá mais tempo para cuidar dos filhos

batman fto_ft1_40700
Ben Affleck como Batman: algo que pode acabar a qualquer momento (Foto: Reprodução)

Ben Affleck está cansado dos filmes blockbuster e quer deixar a franquia Batman para se dedicar a produções de menor orçamento. É o que afirmou afirmou uma fonte do Radar Online.

“Ben quer focar mais em sua carreira agora”, disse o informante do site. “Sua equipe quer que ele vá atrás de mais filmes de grande orçamento e tire proveito da marca de super-heróis. Mas bem não está mais interessado nisso”.

Ainda de acordo com a fonte, Affleck está se inspirando no amigo Joaquin Phoenix para se dedicar a produções independentes. “Ele está pronto para novos projetos e sente que não está mais se beneficiando com filmes de grande orçamento e que irá conseguir melhores papeis e mais elogios com filmes indie”.

Affleck sente falta da época em que atuou ao lado de seu amigo Matt Damon em Gênio Indomável (1997). “Fazer mais filmes independentes iria o trazer de volta ao seu verdadeiro amor pela atuação e possibilitar que ele passe mais tempo com as crianças”, disse a fonte. “Ser um pai é a prioridade número 1”.

Conheça a Pace Company, marca 100% nacional de sneakers

De sneakerhead a dono de marca, Felipe Eloy comanda a Pace Company, de tênis nacionais feitos à mão, e que hoje lança sua primeira linha de roupa.
Por Gabriel Monteiro

pace-328.jpg
 (Vitor Pickersgill/Divulgação)

“A Pace surgiu da necessidade de encontrar tênis nacionais feitos manualmente, com materiais de primeira, que não ultrapassem mil reais”, explica Felipe Eloy, 27 anos, sobre a marca, fundada em 2017. “São produtos autorais, produzidos com cuidado, que juntam elementos clássicos da sapataria ao esportivo e urbano dos sneakers”, diz.

São três modelos de calçados, com 12 variações, um de mochila, um de carteira e uma minibolsa. Cada item traz um ponto da rua: o skate nos tênis “light”, que acompanham a silhueta do pé, os militarizados, como as botas à la Kanye West, e os runners, de cabedal duplo para garantir maior conforto.

Hoje, dia 31.07, a marca lança também a sua primeira coleção de roupas. Chamada Resonance, ela chega ao Cartel 011, contando com camisetas, camisas, calças e bermudas inspiradas em modelagens de alfaiataria e jaquetas bombar ou parka em tecidos impermeáveis reforçando o DNA funcional da casa.

Sneakerhead desde sempre, Eloy começou estudando moda, em São Paulo, migrou para cool hunting e hoje completa a formação pessoal com um curso de administração de empresas.

“No começo, não tinha conhecimento sobre construir tênis”, conta. Usou, então, como referência, algumas marcas gringas e passou a desenhar os primeiros sketches. Tudo isso há quatro anos, quando abriu sua primeira marca, a Bang Footwear, hoje extinta. “Foi um estágio”, comenta. “E aprendi sozinho sobre modelagem, couro, gramaturas e como se monta uma fôrma.”

Manter uma marca para esse nicho não é simples, concorrendo com as marcas esportivas e as maiores grifes do mundo. “No começo da década, as gigantes do esporte sacaram rápido os modelos de street casuais e investiram em linhas de lifestyle premium”, afirma. Mas o jogo virou. Se antes a rua copiava as marcas de luxo, agora casas como Balenciaga, Gucci e Louis Vuitton se apropriam das ruas para criar suas versões.

Como acreditar, assim, num negócio próprio e seguir com ele em frente? “Os tênis premium que vêm de fora sofrem taxações muito altas”, lembra. “Além disso, minha marca tem esse nome porque propõe um ritmo diferente de produção e se posiciona contra o jeito acelerado que vem da escala industrial.”

Os 100 melhores videoclipes do século 21 segundo a ‘Billboard’

Revista americana selecionou os melhores vídeos de música nos últimos 18 anos

lady-gaga-bad-romance-video-09
1. Lady Gaga, “Bad Romance” (dir. Francis Lawrence, 2009)

A revista americana Billboard escolheu os 100 melhores clipes do século 21 até agora — 18 anos em que a indústria da música mudou completamente, junto com os modos de consumir música e videoclipes.Veja a lista abaixo, escolhida pela equipe da Billboard, e alguns dos vídeos:

100. Fall Out Boy, “Sugar We’re Goin Down” (dir. Matt Lenski, 2005)
99. Shakira, “Whenever, Wherever” (dir. Francis Lawrence, 2001)
98. Scissor Sisters, “Let’s Have a Kiki” (dir. Vern Moen, 2012)
97. Adele, “Rolling in the Deep” (dir. Sam Brown, 2010)
96. Frank Ocean, “Pyramids” (dir. Nabil Elderkin, 2012)
95. The Avalanches, “Frontier Psychiatrist” (dir. Tom Kuntz & Mike Maguire, 2000)
94. Ariana Grande feat. Zedd, “Break Free” (dir. Chris Marrs Piliero, 2014)

93. Aaliyah, “Rock the Boat” (dir. Hype Williams, 2001)
92. Girls’ Generation, “Gee” (dir. Cho Soo-hyun, 2009)
91. Tim McGraw, “Humble and Kind” (dir. Wes Edwards, 2016)
90. Marina & The Diamonds, “How to Be a Heartbreaker” (dir. Marc & Ish, 2012)
89. Mitski, “Your Best American Girl” (dir. Zia Anger, 2016)
88. Kanye West feat. Dwele, “Flashing Lights” (dir. Spike Jonze, 2007)

87. David Bowie, “Lazarus” (dir. Johan Renck, 2016)
86. The Lonely Island, “Lazy Sunday” (dir. Akiva Schaffer, 2005)
85. Grimes, “Kill v. Maim” (dir. Claire Boucher & Mac Boucher, 2016)
84. Alicia Keys, “You Don’t Know My Name” (dir. Chris Robinson, 2003)
83. Residente, “Descencuentro” (dir. Residente, 2017)
82. FKA twigs, “Papi Pacify” (dir. Tom Beard & FKA twigs, 2013)
81. A$AP Rocky, “Peso” (dir. Abteen Bagheri, 2010)
80. Miley Cyrus, “We Can’t Stop” (dir. Diane Martel, 2013)
77. Madonna, “Hung Up” (dir. Johan Renck, 2006)
78. Toby Keith, “Red Solo Cup” (dir. Michael Salomon, 2011)
77. Gotye feat. Kimbra, “Somebody That I Used to Know” (dir. Natasha Pincus, 2011)
76. ANOHNI, “Drone Bomb Me” (dir. Nabil Elderkin, 2016)
75. Kendrick Lamar, “i” (dir. Alexandre Moors, 2014)
74. Dua Lipa, “New Rules” (dir. Henry Scholfield, 2017)
73. Janelle Monáe feat. Big Boi, “Tightrope” (dir. Wendy Morgan, 2010)


72. Sum 41, “Fat Lip” (dir. Marc Klasfeld, 2001)
71. Kylie Minogue, “Come Into My World” (dir. Michel Gondry, 2002)
70. Ozuna, “Se Preparo” (dir. Nuno Gomes, 2017)
69. JAY-Z, “The Story of O.J.” (dir. JAY-Z & Mark Romanek, 2017)
68. Kesha, “Blow” (dir. Chris Marrs Piliero, 2010)
67. BTS, “Blood, Sweat & Tears” (dir. Choi Yongseok & Ko Yoojeong, 2016)
66. Ludacris feat. Shawnna, “Stand Up” (dir. Dave Meyers, 2003)
65. Red Hot Chili Peppers, “Californication” (dir. Jonathan Dayton & Valerie Faris, 2000)
64. Missy Elliott, “Gossip Folks” (dir. Dave Meyers, 2002)
63. Ciara, “Promise” (dir. Diane Martel, 2006)
62. Bat for Lashes, “What’s a Girl to Do” (dir. Dougal Wilson, 2006)
61. Rihanna, “Bitch Better Have My Money” (dir. Rihanna & Megaforce, 2015)


60. Justice, “D.A.N.C.E.” (dir. Jonas & Francois, 2007)
59. Robyn, “Call Your Girlfriend” (dir. Max Vitali, 2011)
58. Christina Aguilera, “Beautiful” (dir. Jonas Åkerlund, 2002)
57. UGK feat. OutKast, “International Players Anthem (I Choose You)” (dir. Bryan Barber, 2007)
56. Beyoncé, “7/11” (dir. Beyoncé, 2014)
55. Justin Bieber, “Sorry” (dir. Parris Goebel, 2015)
54. Iggy Azalea feat. Charli XCX, “Fancy” (dir. Director X, 2014)
53. Bruno Mars & Cardi B, “Finesse” (Remix) (dir. Bruno Mars & Florent Dechard, 2018)
52. Taylor Swift, “You Belong With Me” (dir. Roman White, 2009)
51. Lana Del Rey, “National Anthem” (dir. Anthony Mandler, 2012)


50. The Diplomats, “Dipset Anthem” (dir. N/A, 2003)
49. Snoop Dogg feat. Pharrell, “Drop It Like It’s Hot” (dir. Paul Hunter, 2004)
48. Orange Caramel, “My Copycat” (dir. Digipedi, 2014)
47. Drake feat. Lil Wayne, “HYFR (Hell Ya Fucking Right)” (dir. Director X, 2012)
46. Christina Aguilera, Lil’ Kim, Mya & Pink, “Lady Marmalade” (dir. Paul Hunter, 2001)
45. Terra Whack, “Whack World” (dir. Thibaut Duverneix and Mathieu Leger, 2018)
44. Carlos Vives, “La Tierra del Olvido” (dir. Carlos Vives, 2015)
43. Johnny Cash, “Hurt” (dir. Mark Romanek, 2003)
42. JAY-Z, “99 Problems” (dir. Mark Romanek, 2004)


41. Avril Lavigne, “Complicated” (dir. The Malloys, 2002)
40. Lady Gaga, “Paparazzi” (dir. Jonas Àkerlund, 2009)
39. Kanye West feat. Pusha T, “Runaway” (dir. Kanye West, 2010)
38. Gwen Stefani, “Hollaback Girl” (dir. Paul Hunter, 2005)
37. Nicki Minaj, “Anaconda” (dir. Colin Tilley, 2014)
36. Rihanna feat. JAY-Z, “Umbrella” (dir. Chris Applebaum, 2007)
35. Dixie Chicks, “Goodbye Earl” (dir. Evan Bernard, 2000)
34. Eminem, “Without Me” (dir. Joseph Kahn, 2002)


33. Britney Spears, “Oops!… I Did It Again” (dir. Nigel Dick, 2000)
32. Tyler, the Creator, “Yonkers” (dir. Wolf Haley, 2011)
31. Carly Rae Jepsen, “Call Me Maybe” (dir. Ben Knechtel, 2012)
30. Fountains of Wayne, “Stacy’s Mom” (dir. Chris Applebaum, 2003)
29. Luis Fonsi & Daddy Yankee, “Despacito” (dir. Carlos Peréz, 2017)
28. Missy Elliott, “Get Ur Freak On” (dir. Dave Meyers, 2001)
27. Charli XCX, “Boys” (dir. Charli XCX & Sarah McColgan, 2017)
26. Christina Aguilera feat. Redman, “Dirrty” (dir. David LaChapelle, 2002)
25. The White Stripes, “Fell in Love With a Girl” (dir. Michel Gondry, 2002)


24. Justin Timberlake, “Cry Me a River” (dir. Francis Lawrence, 2003)
23. Katy Perry feat. Snoop Dogg, “California Gurls” (dir. Matthew Cullen, 2010)
22. M.I.A., “Bad Girls” (dir. Romain Gavras, 2012)
21. *NSYNC, “Bye Bye Bye” (dir. Wayne Isham, 2000)
20. OK Go, “Here It Goes Again” (dir. Trish Sie, 2006)
19. Miley Cyrus, “Wrecking Ball” (dir. Terry Richardson, 2013)
18. Sia, “Chandelier” (dir. Sia & Daniel Askill)
17. My Chemical Romance, “Helena” (dir. Marc Webb, 2005)
16. Drake, “Hotline Bling” (dir. Director X, 2014)
15. Kendrick Lamar, “HUMBLE.” (dir. Dave Meyers & The Little Homies, 2017)


14. Lady Gaga feat. Beyoncé, “Telephone” (dir. Jonas Åkerlund, 2010)
13. Taylor Swift, “Blank Space” (dir. Joseph Kahn, 2015)
12. PSY, “Gangnam Style” (dir. Cho Soo-Hyun, 2012)
11. JAY-Z & Kanye West, “Otis” (dir. Spike Jonze, 2011)
10. Childish Gambino, “This Is America” (dir. Hiro Murai, 2018)
9. Fatboy Slim, “Weapon of Choice” (dir. Spike Jonze, 2000)
8. Beyoncé, “Single Ladies (Put a Ring on It)” (dir. Jake Nava, 2008)
7. Britney Spears, “Toxic” (dir. Joseph Kahn, 2004)
6. Rihanna & Calvin Harris, “We Found Love” (dir. Melina Matsoukas, 2011)
5. OutKast, “Hey Ya!” (dir. Bryan Barber, 2003)


4. Beyoncé, “Formation” (dir. Melina Matsoukas, 2016)

3. D’Angelo, “Untitled (How Does It Feel?)” (dir. Paul Hunter, 2000)
2. Missy Elliott, “Work It” (dir. Dave Meyers, 2002)
1. Lady Gaga, “Bad Romance” (dir. Francis Lawrence, 2009)

Paris Jackson retorna à reabilitação após overdose de Demi Lovato

Paris Jackson ficou assustada com o drama vivida por Lovato e optou pela internação

paris jackson .png
A filha do cantor Michael Jackson, Paris Jackson (Foto: Instagram)

A filha do cantor Michael Jackson (1958-2009) internou-se por livre e espontânea vontade em uma clínica de reabilitação. A informação foi divulgada pelo site Radar Online. Fontes ligadas à jovem Paris Jackson revelaram à publicação que a celebridade de 20 anos decidiu retornar à clínica em que já esteve internada após ficar abalada com a overdose sofrida pela cantora Demi Lovato. “A Demi quase morreu e isso serviu como um alerta para que a Paris fique saudável”, disse o contato ligado à filha do Rei do Pop.

“Ela ficou preocupada com a Demi e chocada com o que aconteceu, a Paris acha que precisa lidar com seus problemas imediatamente”, afirmou a fonte do site. Lovato foi vítima de uma suposte overdose acidental de heroína no dia 24 de julho, um mês após assumir ter tido uma recaída em seus vícios e encerrado seu período de seis anos de sobriedade.

Segundo a fonte do Radar Online, a mãe de Paris, Debbie Rowe, e a avó da jovem, Katherine Jackson, andavam preocupadas com o comportamento errático de Paris. Elas temiam que ela tivesse o mesmo destino de Michael, também vítima de uma overdose de drogas controladas. Ela também temiam que a morte de Joe Jackson, avô de Paris, influenciassem ainda mais seus comportamentos.

Demi Lovato
A cantora continua hospitalizada em um hospital de Los Angeles e tem recebido a visita de amigos e familiares. Especialmente, de seu ex-namorado Wilmer Valderrama, que tem passado horas com Lovato todos os dias.

A jovem já teria concordado em ir para uma clínica de reabilitação quando receber alta, mas tem preocupado sua família por aparentemente “não ver a gravidade de sua overdose”.

Luisana Gonzalez & Abby Champion – Vogue Espanha Agosto 2018 by Alvaro Beamud Cortes

Sem título.jpgFemenino Plural   —   Vogue Spain August 2018   —   www.vogue.es
Photography: Alvaro Beamud Cortes
Model: Luisana Gonzalez & Abby Champion
Hair: Lorenzo Barcella
Make-Up: William Bartel

Styling: Juan Cebrian

Designer libanês Nour Malaeb cria mesa robótica para quem tem dificuldade de locomoção

O móvel é totalmente personalizável e pode ser ativado pela voz

d2a618dd9cfa3c97f9a5f18ecdc0d161fb1df04dAo observar seu melhor amigo, que tem distrofia muscular, com dificuldades para realizar atividades cotidianas, o designer libanês Nour Malaeb começou a esboçar a ideia da Relay, uma mesinha multifuncional e motorizada, pensada para solucionar cada uma das dificuldades que ele testemunhou.

3d497dd07612f7dacde8850758de2a0399c672b5 (2)Combinando sua experiência ao lado do amigo com pesquisas sobre móveis robóticos do MIT,  o designer começou a trabalhar em protótipos e compartilhou o último deles em um vídeo no seu canal no Youtube. A novidade responde à comando de voz e, muito mais do que trazer e levar pratos, livros ou xícaras de café, também ajuda o usuário a se levantar e se locomover pelo espaço.

Boticário faz vídeo com família negra, recebe 17 mil dislikes e é alvo de críticas racistas

Comentários falam sobre falta de representatividade; vídeo tem mais de 6,4 milhões de visitas

cena-do-comercial-divulgado-pela-marca-o-boticario-na-ultima-quinta-feir
Reprodução do comercial para o Dia dos Pais da marca O Boticário – Reprodução

SÃO PAULO –Um comercial narrado por um pai se gabando sobre seu relacionamento com os filhos e como eles “amam as suas brincadeiras”, contraposto por imagens que mostram que ele não é tão engraçado assim. Um pai meio “tio do pavê”, que dança desajeitado com a filha e tira sarro das namoradinhas do filho adolescente.

A voz de criança finaliza a peça publicitária: “às vezes, ser pai é a coisa mais difícil do mundo, mas vale cada tentativa. Dia dos Pais merece presente”.

Comercial fofo. Bonitinho e com uma narrativa comum na época que antecede o Dia dos Pais (12 de agosto). A única diferença para a maioria dos anúncios de perfume é que a família retratada no comercial é negra.

Publicado no último dia 26, o comercial já teve mais de 17 mil “deslikes” e 85 mil curtidas.

O número de reações negativas foi acompanhado por comentários racistas que criticaram a presença só de negros no comercial.

“Pouco criativa e racista. Vamos misturar essa família aí”, diz um comentário.

“O Boticário só fabrica perfume para afros? Acho que estou usando a marca errada”, afirma outro.

“Ué. Nem pra colocar pelo menos a empregada branca em, (sic) faltou diversidade. Racismo inverso existe, isso é a prova”, escreveu um usuário.

“É tanto vitimismo que acham que os deslikes são racismo, quero ver um vídeo nesse YouTube que não tem deslike”, dizia um dos poucos comentários recentes e que criticava os outros comentaristas.

No Twitter, um usuário perguntou se o Boticário também iria fazer uma propaganda só com índios.

Assim como as 85 mil reações positivas, a grande maioria dos comentários enaltece a marca e o vídeo, criado pela agência de publicidade AlmapBBDO.

A marca usou o próprio canal no YouTube e sua conta no Facebook para se posicionar contra os comentários racistas.

“Já faz bastante tempo que trazemos representatividade e diversidade para as nossas campanhas. E temos muito orgulho disso. Mas as reações que o nosso filme gerou só mostram pra nós que temos muito trabalho a fazer. A gente acredita no respeito a todas as pessoas e deseja que, em breve, isso não seja mais motivo de desconforto pra ninguém.”

Também na conta do Instagram, a marca postou um vídeo escrito “Representatividade Importa. Respeite a diversidade”, ilustrado com vários emojis brancos e negros.

Até a madrugada desta terça-feira (31), quatro dias após o lançamento, o vídeo já havia sido visto mais de 6,4 milhões de vezes. A campanha com a modelo Gisele Bündchen, feita há três meses, tem 8,9 milhões.

Em 2015, a marca fez uma comercial para o Dia dos Namorados que mostrava casais homossexuais e foi contestada no Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), que na época recebeu 30 reclamações que contestavam a moralidade da propaganda. [Heloísa Negrão]