Penelope Cruz – Marie Claire França Setembro 2018 by Xavi Gordo

Sem título.jpgPhotographer: Xavi Gordo at 8 Artist Management. Stylist: Anne Sophie Thomas. Hair & Makeup: Pablo Iglesias. Celebrity: Penelope Cruz.

Califórnia cria lei de neutralidade da rede para combater regras da FCC

Para começar a valer, no entanto, nova legislação precisaria de aval do governo e disputa no tribunal

fcc
Mobilização tenta derrubar decisão da FCC que pôs fim a neutralidade da rede nos Estados Unidos

O Estado da Califórnia aprovou nesta sexta-feira, 31, um projeto de lei que proíbe provedores de internet de bloquear ou limitar conteúdos, sites e serviços. A nova legislação restauraria as regras de neutralidade da rede promulgadas no governo de Barack Obama e suspensas no fim do ano passado pela Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês).

O projeto foi aprovado na última quinta-feira, 30, em sessão na Assembleia do Estado e ganhou aprovação do Senado nesta sexta-feira. Ela é considerada por especialistas como “uma lei de neutralidade de rede padrão”, mas deve ainda enfrentar obstáculos.

Para começar a valer o projeto de lei precisa do aval do governador, Jerry Brown, que já disse que não vai aprovar a legislação.

A expectativa ainda é que se a lei for aprovada, as empresas de provedores de internet processem o Estado. Outro obstáculo é que a já FCC proibiu os estados de criarem leis de neutralidade da rede, mas esta decisão pode ser contestada no tribunal.

O movimento é o primeiro grande passo contra a determinação da FCC. Uma lei da neutralidade da rede da Califórnia poderia estabelecer um padrão nacional.

Até agora, vários outros Estados americanos tomaram medidas em relação à neutralidade da rede, mas a maioria fez isso por meio de ordens executivas ou leis que driblam as proibições da FCC.

Ariana Grande teria sido assediada por pastor em velório de Aretha Franklin; vídeo

Durante o discurso, o pastor Charles H Ellis ficou abraçado à cantora e tocou seu seio direito

gettyimages-1025541052.jpg
Ariana Grande no funeral de Aretha Franklin (Foto: Getty Images)

Ariana Grande foi escolhida para homenagear Aretha Franklin, que morreu no último dia 16, em seu funeral nesta sexta-feira (31), em Detroit. Durante a homenagem, a cantora passou por um momento, no mínimo, desconfortável, e teria sido assediada pelo pastor Charles H Ellis. [Confira o vídeo abaixo]

Após a performance da jovem para o clássico You Make Me Feel Like [A Natural Woman], o pastor Charles, que conduzia a cerimônia, foi visto tocando os seios de Ariana. Ele abraçou a garota para agradecê-la por sua participação e disse não conhecer o trabalho da intérprete de God is a Woman.

“Quando vi Ariana Grande na programação, pensei que era algum prato novo do Taco Bell”, ‘brincou’ o pastor Charles, se referindo a uma famosa rede de fast-food dos Estados Unidos. Nesse momento, o pastor já estava com os braços em volta da cantora, tocando o seio direito dela.

ariana
Ariana Grande fez uma homenagem no funeral de Aretha Franklin (Foto: Getty Images)

Em um vídeo, publicado por um fã-clube da cantora no Twitter, é possíver perceber que Ariana não conseguiu esconder o constrangimento. “Esta é só mais uma de muitas provas de que vivemos numa sociedade composta por homens desrespeitosos, exigimos respeito”, dizia a publicação.

Além dele, o ex-presidente dos EUA, Bill Clinton também teve a postura condenada por usuários no Twitter, por olhar as costas de Ariana, de cima a baixo, repetidas vezes.

No Twitter, a #RespectAriana, uma referência a canção feminista da própria Aretha, traz mensagens de apoio para a cantora. “Uma pena ver que assediadores como esse homem ganham palco em um lugar onde as pessoas vão para exercer sua fé e religião. Como sempre a hipocrisia e a falta de noção dominam”, escreveu outra usuário da Twitter. [Marie Claire]

Lady Gaga é chamada de ‘carismática’ e ‘mesmerizante’ em estreia no cinema

Atriz protagoniza o remake de ‘Nasce Uma Estrela’, ao lado de Bradley Cooper

a_star_is_born_1185397075Lady Gaga conquistou os críticos de cinema presentes no Festival de Veneza nesta sexta-feira. A cantora, que ficou conhecida por sua extravagância em clipes, apresentações e tapetes vermelhos – seu vestido de carne crua do VMA de 2010 é lembrado até hoje – foi elogiadíssima por sua performance “contida e humana”, como classificou a revista Entertainment Weekly, em Nasce Uma Estrela, filme que ela protagoniza ao lado de Bradley Cooper, também diretor do longa.

A produção é o terceiro remake do filme de 1937 que conta a história de um músico famoso que, cansado do sucesso, se afunda no álcool. Isso até ele conhecer uma jovem e reconhecer nela um inquestionável talento para a música. No remake, Lady Gaga assume o papel que já foi de Judy Garland e Barbra Streisand em versões anteriores.

A revista Time explica por que o filme dá certo – “Você sai da sessão sentindo algo por essas pessoas, indivíduos com falhas que estão tentando manter seus cacos coesos – ou remendar os cacos daqueles que eles amam” – e se derrete por Gaga – “O que é surpreendente na cantora é quão carismática ela é sem a maquiagem forte que ela usa nos shows, perucas estranhas e fantasias criativas. É um prazer tão grande olhar para o rosto dela, sem adornos, com aquele extraordinário nariz, que define o rosto – é como descobrir um novo país”.

Até o mal-humorado jornal britânico The Guardian, que não poupa ninguém, deu cinco estrelas para a produção, chamando Gaga de “mesmerizante”. Para a publicação, o parceiro de cena de Gaga até pode ser mais bonito do que ela, mas é a atriz/cantora que “prende a sua atenção: com aquele rosto forte, excêntrico, indomável, mesmérico”. “Suas músicas são maravilhosas e a ingênua abertura de suas cenas com Jackson (Cooper) são incrivelmente simpáticas”, diz o jornal.

A revista The Hollywood Reporter afirma que Cooper, em sua estreia como diretor, mostra que precisa melhorar em questão de ritmo e que o filme, longo demais, começa bem, com energia e charme, mas não consegue se manter assim até o final. “Mas é um conto duradouro sobre romance, fama e tragédia, recontado para uma nova geração com coração e força.”

Em coletiva de imprensa no festival, Gaga falou sobre seu início no mundo da música. “No início da minha carreira, em muitas ocasiões, eu não era a mulher mais bonita da sala, mas sabia que escrevia minhas próprias canções”, disse. “Eu nunca quis ser sexy ou como outras mulheres. Queria ser como sou como artista e como mulher.” [AFP]

The Gifted | Mutantes estão divididos em novo pôster do 2º ano

A segunda temporada de The Gifted teve um novo pôster promocional divulgado pela Fox, mostrando os personagens da série de TV dos X-Men. (via SpoilerTV)

61b889f5ly1futvqay3gyj20u011i4pu.jpgNo Brasil, The Gifted é transmitida pelo canal pago Fox. O segundo ano tem estreia prevista para 25 de setembro.

‘Não tenho ciúmes dos bons, mas sinto raiva dos fakes’, diz Miuccia Prada

Em entrevista à ‘Vogue’ Brasil de setembro, estilista critica talentos falsos e supervalorizados

Miuccia-Prada (1)
Miuccia Prada, diretora criativa da Miu Miu e da Para

Um figura rara na moda, Miuccia Prada não tem conta pública no Instagram, nem badala em eventos mundo afora. Faz discretas aparições mesmo ao fim dos desfiles da Prada e da Miu Miu, marcas das quais é diretora criativa, em poucas ocasiões, concede entrevistas à imprensa.

À Vogue Brasil ela abriu uma dessas exceções, a primeira para um veículo nacional, numa conversa com a diretora de conteúdo do título, Silvia Rogar, publicada na edição de setembro que chega a partir desta sexta, 31, às bancas.

Ali ela fala de plásticas, de competição na moda, mulheres e feminismo. “Se quiserem sair na rua peladas, sexy, superestilosas, isso é fantástico, desde que seja por escolha própria”, diz. “O limite é você fazer o que gosta. Não para procurar marido rico, como costumo dizer de brincadeira. Amo a ideia de uma mulher corajosa.”

É exatamente o tipo de olhar que a estilista projeta em seus desfiles. “Eles respondem a um instinto do que sinto que é relevante naquele momento. Faço um trabalho que é como uma peça de teatro”, explica. “É claro que eu me importo [com críticas e reações]”, completa.

A conversa toca o ambiente de competição na moda, coisa que ela assume existir até entre nomes experientes como ela. “Não tenho ciúmes dos bons, mas sinto raiva dos fakes, da apreciação do fake”, confessa. Na entrevista ela ainda afirma estar gostando da ideia de envelhecer, sem ter feito nenhuma plástica. “Nunca fiz um lifting ou algo do gênero porque não acho que você deva parecer um dia sequer mais jovem. Não quero soar intelectual, se visse algo que tivesse um grande resultado, eu faria. Mas não vejo nada fantástico nisso”, avalia.

No texto ela ainda relembra da juventude, fala de sua primeira viagem ao Brasil (aos 16 anos), da formação em política e de comunismo. “Foi um grande problema para mim por muitos anos. Enquanto se lutava pelos direitos das mulheres, me tornar uma estilista parecia tomar o caminho oposto. Hoje acho este um trabalho muito sério e complexo.”

Festival de música na Suécia proíbe entrada de homens em protesto contra assédio e violência sexual

Statement Festival, nesta sexta-feira (31), é só para mulheres, transexuais e pessoas que não se identificam nem como homem e nem como mulher.

vopam.jpg
Banda sueca Vo PAM é atração do Statement Festival (Foto: Divulgação)

“Este é o primeiro grande festival de música do mundo sem a presença de homens, e que faz uma denúncia contra todos os abusos sexuais em nossa sociedade. Queremos simplesmente que mulheres, não-binários e transexuais sejam capazes de participar de um festival de música e se sentirem ao mesmo tempo seguros”, diz o comunicado do evento.

Para a criadora do festival, a apresentadora de rádio e comediante sueca Emma Knyckare, é razoável excluir os homens de um festival de dois dias de duração, “uma vez que as mulheres são discriminadas durante todo o tempo”:

“Posso entender as críticas, e o fato de que homens também gostariam de participar do festival. Mas espero que eles possam compreender o propósito maior do festival, e procurar outras atividades interessantes para ocupar seu tempo durante o evento. Creio que a maioria dos homens também gostaria de ver uma mudança na cultura de assédio”, disse Emma Knyckare à rádio sueca.

Agressões e estupros

O festival foi organizado como um ato de repúdio aos crimes sexuais ocorridos em festivais de música do país no verão passado. A edição de 2018 do Bråvalla – o maior festival de música da Suécia – chegou a ser cancelada, por conta de denúncias de quatro estupros e 23 casos de abuso sexual ocorridos em 2017.

“Fiquei aborrecida com o fato de que o foco principal da mídia, ao noticiar os casos de abuso sexual, eram sempre os imigrantes e o álcool, e não os homens em geral”, conta a fundadora do evento.

A ideia de criar o Statement Festival começou a tomar corpo a partir de um tuíte de Emma, em que ela escreveu: “O que vocês acham de criarmos um festival em que nenhum homem possa entrar, até que TODOS os homens aprendam a se comportar?”

Organização solidária

A resposta foi surpreendente. Na campanha de crowfunding lançada para financiar a ideia, a meta era arrecadar 500 mil coroas suecas (cerca de R$ 230 mil) em um mês. Mas em apenas 21 dias, a contribuição de três mil pessoas tornou o projeto possível. O festival está sendo organizado pela Statement, uma entidade sem fins lucrativos. E a própria direção do festival Bråvalla, que já havia decidido cancelar o evento de 2018, se ofereceu para apoiar os preparativos.

“Mas o objetivo principal é essencialmente conscientizar as pessoas sobre a necessidade de acabar com a cultura do assédio, e fazer com que o Statement Festival não seja mais necessário no futuro”, disse Emma Knyckare ao jornal Göteborgs Posten.

Em uma das queixas, um homem argumentou que não achava justo ser impedido de assistir ao concerto da cantora sueca Frida Hyvönen – ao que os organizadores do festival responderam que ele teria oportunidade de assistir a outros shows da artista. Recentemente, o Ombudsman afirmou que não seria possível apresentar uma conclusão sobre as queixas apresentadas antes da data marcada para o início do festival.

Proibido para ‘machos’

O palco do Statement Festival será uma zona proibida para homens – não só o público, como também os artistas e funcionários da organização do evento, serão compostos por mulheres.

“Não se trata de punir os homens, e sim de dar a mulheres e transexuais a oportunidade de se divertir em um festival de música sem precisar ter medo”, argumentou Emma em declarações à TV sueca. A única exceção à proibição da presença de homens serão os transexuais masculinos.

Entre os artistas, participam do festival nomes como Frida Hyvönen, Joy, Beatrice Eli, Maxida Märak e Tami T. Também estarão se revezando no palco algumas das melhores comediantes suecas, como Nour El Refai e Petrina Solange.

“Uma mulher de Kiruna (norte da Suécia) me disse que finalmente ela vai ter coragem de ir a um festival de música, pela primeira vez desde Woodstock (em 1969, nos Estados Unidos). É muito bom saber que podemos passar uma sensação de segurança às mulheres”, disse Emma Knyckare ao jornal ETC Göteborg.

É possível até, diz a fundadora do evento, que o festival já tenha cumprido parte de seu objetivo:

“É difícil afirmar o que for. Mas de qualquer forma, não tenho ouvido falar sobre casos de violência sexual nos festivais de música deste verão na Suécia”.

Por RFI

Acionistas avaliaram tirar Elon Musk da presidência da Tesla

Em votação secreta realizada em junho, milhões de acionistas pediram que o fundador da fábrica de carros elétricos deixasse o posto de presidente
Por Agências – Reuters

Elon Musk
Elon Musk acumula os cargos de presidente das três companhias que criou: Tesla, SpaceX e The Boring Company

A gestora de fundos de investimento BlackRock, uma das principais acionistas da Tesla, pediu em junho a deposição de Elon Musk como presidente do conselho da empresa. A proposta, liderada pela empresa, foi colocada em votação na época mas foi derrotada por vasta maioria: ao todo, os detentores de 86 milhões de ações da fabricante de carros elétricos preferiram a permanência de Musk no cargo. Já o grupo que queria Musk fora do posto teve o apoio apenas dos donos de 17 milhções de ações.

A votação, secreta, foi revelada apenas nesta sexta-feira, 31, pela agência de notícias Reuters. Apesar do resultado positivo para Musk, a existência de uma discussão sobre o assunto mostra como o executivo está sendo pressionado dentro da Tesla. Hoje, além de presidente do conselho, ele também é o presidente executivo da fabricante de carros elétricos.

Os acionistas que votaram contra o executivo defendem que as funções de presidente e diretor executivo sejam dividas entre dois executivos. A justificativa é que a divisão melhoraria a supervisão das atividades de membros do alto escalão da empresa. Um grande investidor, cujo nome não foi divulgado, também apoiou a proposta.

Sozinha, a BlackRock controla cerca de 6,5 milhões das 170 milhões das ações da fabricante de carros elétricos. Já os membros de fundos como Vanguard Group e Fidelity Investments votaram contra a proposta de ter um presidente independente, apoiando o posicionamento do conselho da Tesla, que apoia seu fundador.

Musk está sob pressão na Tesla há tempos, lidando com problemas de fabricação e linha de produção. A temperatura, porém, subiu ainda mais no último dia 7 de agosto, quando ele usou seu perfil no Twitter para dizer que planejava tirar a empresa da bolsa de valores – na semana passada, ele desistiu da proposta. Desde então, o conselho da Tesla tem dito repetidamente que o  sucesso da empresa até agora não teria sido possível sem a participação ativa de Musk.

Harper’s Bazaar Rússia Setembro 2018 Iana Godnia by Agata Pospieszynska

Sem título.jpgPhotography: Agata Pospieszynska. Styling: Svetlana Vashneyak. Hair: Riad Azar. Makeup: Kajsa Svanberg. Retouch: Karolina Koza-Marasek. Model: Iana Godnia.