Uber vai reformar design do aplicativo

Empresa de compartilhamento de carros fez mudanças em sua identidade visual para marcar nova fase de expansão

uber
Uber tem mudado suas estratégias desde que Dara Khosrowshahi assumiu a presidência da empresa, em 2017

O Uber está mudando toda sua identidade visual. Com a logo reformulada desde a última quarta-feira, 12, a startup de compartilhamento de carros planeja ainda mudar todo o design do aplicativo nos próximos meses.

Em entrevista dada ao site Adweek, Peter Markatos, diretor executivo de marca do Uber, disse que as novidades sinalizam uma mudança de postura da companhia, que deixou de ser uma startup de São Francisco para ser uma empresa global de mobilidade.

O projeto está em gestação há nove meses, mas no início as mudanças não seriam tão completas. A reformulação total na marca do Uber só aconteceu depois de pesquisas feitas pela companhia com os motoristas e passageiros.

“Queremos que fique muito claro em todos os mercados e modalidades que trabalhamos que, quando você entra em um carro ou patinete da Uber, você saiba que este é um produto nosso. Não estávamos conseguindo isso”, disse Markatos.

Segundo a Adweek, a aposentadoria do símbolo que aparece no ícone do aplicativo é uma das primeiros novidades. Isso acontece porque as pesquisas apontaram que as pessoas não associavam o simbolo ao Uber. O novo logo será mais simples, com a palavra “Uber” escrita em uma fonte própria criada pela empresa.

A mudança foi orquestrada pelas consultorias Woff Olins e MCKL e terá como objetivo deixar a presença do Uber para motoristas, passageiros e potenciais clientes.

Jennifer Lawrence critica artistas que fingem não fazer dieta

Artista saiu em defesa das mulheres que sofrem pressão por padrão de beleza “irrealista” adotado nos cinemas

jennifer-lawrence-2.jpg
Jennifer Lawrence

Não é incomum que mulheres que trabalham na indústria cinematográfica passem por uma pressão estética adotada tanto pelo mercado quanto pela sociedade – refletindo em padrões praticamente inalcançáveis para o resto das mulheres. A atriz Jennifer Lawrence, em sua última entrevista para a InStyle, fez uma declaração em auxílio das mulheres que sofrem por este padrão de beleza “irrealista”.

“Eu gosto quando todos são honestos. Se você tem 9 Kg abaixo do peso e fala sobre comer pizza e frango frito o tempo todo, isso não fará com que as pessoas se sintam bem consigo mesmas”, afirmou a artista à revista.

Se tratando de uma ocasião especial e tendo acompanhamento, Jennifer não se opõe a uma dieta equilibrada. “Se eu vou ao Oscar ou ao lancamento do filme – não vou mentir – provavelmente [um tempo antes] estou comendo de forma diferente da minha vida normal para me encaixar nesses vestidos. E eu me sinto confortável dizendo isso”, disse.

Modelo Slick Woods entra em trabalho de parto durante desfile de Rihanna

Slick Woods foi levada ao hospital logo após sair da passarela da Savage x Fenty

Sem título
slickwoods – New York, New York

O primeiro desfile da Savage x Fenty, marca de lingerie de Rihanna, causou um burburinho no mundo da moda por ter dançarinas seminuas performando durante 30 minutos e de ter começado com muito atraso, depois da apresentação anterior, do estilista Marc Jacobs, ter ocorrido após 1:30 do horário marcado – supostamente para tentar roubar os holofotes.

Como se não bastasse tudo isso, a modelo Slick Woods, que desfilou no show, entrou em trabalho de parto ainda nos bastidores da apresentação. Segundo o TMZ, a top de 22 anos, que tem como doula a cantora Erykah Badu, começou a sentir dores assim que saiu da passarela e paramédicos foram chamados para levá-la ao hospital.

Ela deu à luz a um menino chamado Saphir, filho do também modelo Adonis Bosso.

Principais séries indicadas para o Emmy revelam divisão entre escapismo e realismo

Essa é a questão da cerimônia deste ano, que pode premiar séries de drama e comédia que oferecem conforto ao público ou atrações mais sombrias que ecoam tempos conturbados
Jill Serjeant, Reuters

hand
Favorita na categoria drama, ‘The Handmaid’s Tale’ tem cenas perturbadoras.

LOS ANGELES – Fantasia ou realismo? Essa é a questão do Emmy deste ano, que pode premiar séries de drama e comédia que oferecem conforto e escapismo ao público ou atrações mais sombrias que ecoam tempos conturbados.

A saga de dragões e castelos Game of Thrones e o drama familiar emotivo This is Us disputam com a arrepiante série The Handmaid’s Tale e com o programa sobre espiões da Guerra Fria The Americans pelos maiores prêmios da TV dos Estados Unidos na segunda-feira, 17. A premiação será exibida no Brasil, no canal TNT, a partir 20h.

As comédias mudaram desde Cheers Friends, dos anos 1990. Neste ano, Atlanta eblack-ish, seriados que analisam a questão racial nos Estados Unido contemporâneos, competem pela estatueta de melhor série com The Marvelous Mrs. Maisel, produção de tom otimista situada nos anos 1950, e Curb Your Enthusiasm, crônica de Larry David sobre os aborrecimentos do cotidiano.

“O que é fascinante no Emmy deste ano é que ele é realmente um reflexo das ideias urgentes do nosso tempo”, disse Tom O’Neil, editor do site sobre premiações GoldDerby.com.

“Nas principais disputas, é o movimento #MeToo e o Black Lives Matter”, disse O’Neil.

Favorita na categoria drama, The Handmaid’s Tale tem cenas perturbadoras de mulheres sendo estupradas, mutiladas, espancadas ou afogadas em seu retrato de uma sociedade patriarcal do futuro próximo na qual mulheres são separadas à força de seus filhos.

‘Game of Thrones’ e ‘Handmaid’s Tale’ são fortes concorrentes ao Emmy

Favorita entre o público, Game of Thrones, fantasia medieval sobre cavaleiros em guerra, é vista como a principal concorrente de Handmaid’s Tale pelo principal prêmio do Emmy.

“Se as pessoas estiverem votando por algo mais descontraído e fácil de digerir, This is Us seria o spoiler”, disse Michael Schneider, editor-executivo do Indiewire.

Já a minissérie macabra The Assassination of Gianni Versace lança luz sobre assassinatos em série e casos de homofobia nos anos 1980, enquanto Laura Dern é vista como favorita para ganhar um Emmy por seu papel no filme The Tale, sobre o abuso sexual infantil.

Favoritas para levar a estatueta de melhor comédia, as séries Mrs. Maisel e Atlanta não poderiam ser mais diferentes entre si.

Mrs. Maisel, sobre uma mãe que se torna comediante após se divorciar, é um seriado de época exuberante, com um toque do feminismo inicial.

Já Atlanta, criado e estrelado pelo ator e cantor Donald Glover, tem como cenário uma comunidade precária na periferia da cultura hip-hop da cidade de mesmo nome.

Apple Watch pode desbancar a indústria relojoeira suíça, dizem analistas

Atualizações frequentes, funcionalidades para idosos e preços mais baixos têm atraído tradicionais usuários da indústria relojoeira da Suíça
Por Agências – Reuters

1536869307964
Apple Watch Series 4, lançado em setembro de 2018, tem leitor de eletrocardiograma

Apresentado ao público na última quarta-feira, 12, o novo Apple Watch pode se tornar o principal inimigo da indústria relojoeira suíça. Segundo especialistas, a função que detecta problemas cardíacos do novo relógio inteligente da Apple deve atrair consumidores mais velhos, acostumados a usar os luxuosos e tradicionais modelos suíços.

O Apple Watch Series 4 é capaz de fazer eletrocardiograma que detecta batimentos cardíacos irregulares e inicia uma chamada de emergência automaticamente se detectar se seu usuário caiu.“O novo Apple Watch é uma revolução porque atrai não apenas aos pulsos dos nerds, mas também a pessoas com mais de 45 anos que se preocupam com sua saúde”, disse Gregory Pons, especialista da indústria relojoeira em seu site businessmontres.com.

Em pesquisa feita pela consultoria CCS Insights, a Apple aparece perto de alcançar as vendas mundiais de marcas de relógios suíços, que venderam 24 milhões de unidades no ano passado.

O mesmo estudo mostrou que a exportações de relógios suíços vendidos ao consumidor final por até US$ 500 estão recuando nos últimos anos, em parte pela concorrência com os relógios inteligentes.  O novo modelo do Apple Watch, por exemplo, custará US$ 399.

Jean-Claude Biver  chefe da divisão de relógios da LVMH, que fabrica relógios sob as marcas Zenith, Hublot e TAG-Heuer, acredita que o Apple Watch não representa uma ameaça aos relógios suíços acima de um determinado preço. “As pessoas que entram nos relógios graças a um produto da Apple têm mais probabilidade de comprar um relógio suíço mais tarde”, disse ele à agência Reuters por e-mail.

Grazia Alemanha Setembro 2018 Sabina and Louwes by Andreas Ortner

Sem título.jpgPhotography: Andreas Ortner at SCHIERKE Artists. Styling: Nino Cerone. Hair: Helge Henry Branscheidt. Makeup: Jeannette Johansson. Models: Sabina Ruegg & Marie Louwes.

A nova fronteira do Airbnb para crescer: luxo para empresas

O Airbnb aluga espaços colaborativos com wifi e oferece experiências para equipes como aulas de culinária ou de canoagem
Por Karin Salomão

airbnb
Novo serviço, Airbnb for Work (Airbnb/Divulgação)

São Paulo – Depois de conquistar turistas com hospedagens inusitadas, o Airbnb tem novidades. O Airbnb for Work é voltado para pessoas que viajam muito a trabalho, com oferta de hospedagens com melhores avaliações e experiências.

O precursor Airbnb for Business foi lançado em 2014. Não só o nome mudou, para Airbnb for Work, mas o serviço também inclui novidades.

Mais do que alugar um espaço para passar a noite durante uma viagem de negócios, o Airbnb busca fazer parte do dia a dia das empresas. Aluga também hotéis boutique, espaços colaborativos com wifi e oferece experiências de fortalecimento de equipe como aulas de culinária ou de canoagem.

Cerca de 700 mil empresas já usam o serviço, contra 250 mil há pouco mais de um ano. Grandes empresas, com mais de 5 mil funcionários, representam 40% das reservas, assim como as startups. O restante dos 20% de reservas vem de empresas médias. Até o momento mais de 18 mil empresas brasileiras já tiveram os seus funcionários usando o Airbnb for Work.

À medida que mais empresas entram na plataforma, há também um crescimento significativo nas reservas: de 2015 a 2016, as reservas do Airbnb for Work triplicaram e, de 2016 para 2017, triplicaram novamente.

Parte desse crescimento vem de empresas que estão substituindo os hotéis por estadias no Airbnb, acredita a empresa.

O segmento que mais cresce é o de viagens de três dias ou menos. “Os viajantes de negócios estão usando cada vez mais o Airbnb para viagens mais curtas, para as quais eles podem ter reservado hotéis no passado”, diz a empresa em comunicado.

Depois de levantar a fúria das colegas, Kendall Jenner ‘desaparece’ das passarelas

Top não fez um desfile sequer na semana de moda de Nova York

kendall.jpg
Kendall Jenner no desfile da Longchamp, em Nova York – Jared Siskin / Getty Images for Longchamp

Kendall Jenner não foi vista nas passarelas da temporada de Nova York, que chegou ao nessa quarta-feira. Não desfilou para Marc Jacobs, Ralph Lauren, Michael Kors ou Tom Ford. Para dizer que ela não deu as caras na fashion week, sentou-se na primeira fila da estreia da Longchamp na cidade, como uma celebridade qualquer. O “sumiço” veio depois da controversa entrevista que concedeu à revista “Love”, na qual declarou que é “seletiva” com trabalhos na passarela e que não seria uma dessas garotas que faria 30 shows por estação. As palavras levantaram a fúria das modelos, entre elas Jac Jagaciak e Daria Strokous, que rebateram a estrela da TV americana.

— Não senti falta dela nos desfiles — disparou a top Bianca Klamt. — Sempre a mesma expressão e andar, independente da apresentação. Na minha opinião, a Bella Hadid evoluiu muito mais. E olha que eu poderia falar que ela também não teve que ralar como qualquer modelo.

Bella, um dos rostos que ganhou força na indústria da moda na era do Instagram, é irmã de Gigi Hadid, uma das instamodels originais, e filha de Yolanda Hadid, uma ex-modelo que virou uma personalidade na televisão americana. Para efeito de comparação, ela riscou as passarelas das grifes Michael Kors, Prabal Gurung e Brandon Maxwell. Já Kendall foi avistada pela última vez num desfile em junho, no lançamento da coleção de verão 2019 masculina da Versace. [Gilberto Júnior]

Polarização marca encerramento da Semana de Moda de NY

Desfiles de Marc Jacobs e Savage x Fenty, por Rihanna, expõem dois extremos da indústria fashion
Sergio Amaral – O Estado De S.Paulo

1536864443538
Os dois caminhos da moda hoje: a expertise técnica e de estilo por trás das criações de Marc Jacobs versus o alcance e a popularidade de Rihanna, nome à frente da marca de lingerie Savage x Fenty  Foto: Andrew Kelly/Reuters – Diane Bondareff/AP Photo

Marc Jacobs e Rihanna. Coube às duas estrelas, uma da moda e outra da música, encerrar a Semana de Moda de Nova York, a primeira parada da temporada do verão 2019, que segue por Londres, Milão e Paris até o começo de outubro.

São dois pólos da moda de hoje, que expõem um dos principais dilemas da indústria na era das redes sociais, em que likes, interações e compartilhamentos têm cada vez mais valor: quanto vale o show de um estilista experiente frente ao de um influenciador poderoso?

desfile de Marc Jacobs atrasou 1h30 – irritou a plateia e impulsionou boatos de que ele teria feito isso só para prejudicar Rihanna, cuja apresentação estava marcada para a mesma faixa de horário -, mas foi espetacular. Especialmente para os apaixonados e iniciados em moda, trazendo com referências históricas a criações de Saint Laurent, Chanel, Ossie Clark, Claude Montana e Halston. “[As referências] Eram todas a pessoas cujos trabalhos eu amo. E algumas nossas também”, declara o estilista ao WWD.

1536863993134
Uma das criações do norte-americano Marc Jacobs, que fez uma homenagem a ícones da moda em seu desfile na noite da quarta, 12 Foto: Andrew Kelly/Reuters

Foi uma demonstração de savoir-faire, de domínio de técnicas e materiais sofisticados, da composição da elegante cartela de cores, de construções complexas executadas com primor, coisas que com 30 anos de experiência, incluindo 16 deles no comando da direção criativa do feminino da Louis Vuitton, Jacobs tem de sobra.

Savage x Fenty está no extremo oposto. A marca de lingeries da Rihanna, a cantora e ícone fashion que é um fenômeno nas redes sociais não tem lá muita experiência em design nem desenvolvimento de produto. Mas seu Instagram @badgalriri tem mais de 64 milhões de seguidores, um deles, a propósito, o próprio Marc Jacobs (@themarcjacobs), que tem cerca de um milhão de followers. Quem causa mais nas redes? Riri, claro.

E assim foi com a apresentação da sua linha de lingerie, com um elenco de mulheres de diferentes cores, etnias e tamanhos num happening performático em que faziam coreografias se alongando e dançando ao som de uma trilha que ia do zen ao eletrônico nervoso. Pouco importa o design e as referências da coleção, que atira para todos diversos  lados e tem propostas bastante interessantes de produto. A audiência potencial é gigantesca e o alcance dos produtos, boa parte deles básicos de preços e conceito bastante acessíveis, também.

1536864323517
Uma das performers do happening da Savage x Fenty, a marca de lingeries da cantora Rihanna Foto: Diane Bondareff/AP Photo

Enquanto Rihanna fala com as massas e promete sucesso de vendas e de público, a apresentação de Marc Jacobs sugere uma celebração à moda e ao design, ao glamour (antigo e, provavelmente, datado), ao guarda-roupa feminino e todas suas maravilhosas possibilidades. “Há gente suficiente vestindo mulheres para ir ao Starbucks”, fala o estilista, comentando a onda de streetwear normalzona que é corrente – e que tem entre seus representantes a Supreme e a Yeezy, do rapper Kanye West.