16 fotos de moda de rua para inspirar o seu próximo look do dia

Veja uma seleção do que teve de mais interessante no street style de Nova York e Londres para você se inspirar.

modaruadestaque
A moda de rua volta repleta de inspirações para os seus looks do dia (Foto: Imaxtree)

Uma das nossas partes preferidas das semanas de moda internacionais é observar o que acontece na moda de rua. Não à toa, já é uma verdade absoluta que, agora, o que dita a moda nas passarelas é o que aparece primeiro do lado de fora, nos looks do dia das convidadas e fashionistas.

Por isso, prestar atenção no que rola nas ruas é uma forma incrível de buscar novas tendências e descobrir jeitos diferentes de se vestir. Ou seja, é um prato cheio para a sua pastinha de inspirações!

O que percebemos de interessante é que usar a pochete na transversal segue como uma trend forte para a próxima estação – e a combinação de vestidos e saias com tênis, principalmente os ugly sneakers, também.

Aproveitando a virada do tempo e o começo do verão por aqui, as estampas florais são um ponto alto da moda de rua, com vestidos, calças e blusas coloridos roubando a cena. Outros desenhos, como o xadrez, também ganham força.

No mundo das texturas, o veludo surge, mais uma vez, como o queridinho mesmo no verão, e o vinil dá o ar da graça, deixando o visual mais interessante. A barriga de fora também ganha destaque, mesmo em looks mais arrumadinhos, deixando as produções todas mais despojadas. [Marie Claire]

Yamaha MODX8 Synthesizer with Luke Juby

Hoje, Luke Juby (The Script, Mike & The Mechanics) entrou na loja para revisar os sons e recursos do Yamaha MODX8 88 Note Synthesizer.

Mais caro, novo iPhone atrai poucos em primeiro dia de vendas

Início de vendas de iPhone XS e XS Max tem filas tímidas nas lojas da Apple pelo mundo

1537567419972.jpg
Lojas da Apple amanheceram sem as tradicionais filas quilométricas de início das venda de iPhone


Filas quilométricas, fãs acampados por dias e muita animação quando as portas das lojas se abrem se tornaram, nos últimos anos, cenas comuns nos dias de lançamento das novas versões do iPhone. Nesta sexta-feira, 21, no entanto, quando começaram a ser vendidos os novos iPhone XS e iPhone XS Max no exterior, o movimento dos fãs foi bem menor que o registrado nos anos anteriores.

Em um ano em que Apple optou por seguir sua estratégia de vender aparelhos mais caros – os dois modelos custam pelo menos US$ 1 mil nos EUA –, as filas foram reduzidas consideravelmente.

Na Apple Store da Quinta Avenida, em Nova York, uma das lojas mais famosas da marca, 400 pessoas aguardavam ansiosas pela abertura do estabelecimento. A quantidade de presentes, no entanto, era apenas metade do público registrado em 2017, para o início das vendas do iPhone X, aparelho cujas boas vendas ajudaram a Apple a bater, em agosto, a marca de US$ 1 trilhão em valor de mercado.

Cenário semelhante foi visto na Apple Store de Cingapura, Sidney, Madri, Londres, México e São Francisco. Já na loja de Palo Alto, no Vale do Silício, o presidente da Apple, Tim Cook, entrou em cena e tentou dar uma mãozinha nas vendas. Vestido com o uniforme de vendedor da Apple, Cook foi o responsável por abrir as portas, receber e posar para fotos com os 30 clientes que esperavam na fila.

Quem saiu de casa, porém, estava disposto a abrir a carteira. Segundo estimativa feita pela consultoria Loup Ventures, 70% dos clientes foram comprar um iPhone XS Max, cujos valores variam entre US$ 1.100 a US$ 1.450. A tela maior e a possibilidade de usar dois chips no mesmo aparelho foram apontados como os motivos que atraíram usuários a comprar o modelo mais caro já lançado pela Apple.

Rivalidade. Houve ainda quem achou espaço para tripudiar a Apple. A Huawei, fabricante chinesa de smartphones, aproveitou a movimentação de pedestres que circulavam próximo a uma Apple Store em Londres para servir sucos “sem vestígios de maçã”. Com o slogan “consiga um suco que dura”, a chinesa cutucava a rival em relação à duração da bateria do iPhone.

Essa não foi a primeira vez que a Huawei fez chacota com os produtos da Apple. No início do mês, durante o lançamento dos modelos, a fabricante da China zombou da falta de inovação dos novos modelos sem fazer referência direta a empresa de Steve Jobs.

A rivalidade não acontece por acaso. Em junho, a chinesa passou a Apple e se tornou a segunda fabricante a vender mais smartphones no mundo – perdendo só para a coreana Samsung.

Desde então, a Huawei tenta aumentar sua participação no mercado de smartphones premium, fatia estratégica e ainda comandada pela dona do iPhone. Hoje, enquanto a chinesa tem 7% de vendas dos modelos com valores acima de US$ 400, a Apple tem 43%.

Emporio Armani voa alto com desfile em aeroporto e Robbie Williams

Foi a primeira vez em que um desfile de moda ocorreu dentro de Linate
Giulia Segreti – Reuters

1537566610042
A Emporio Armani montou uma passarela na pista do aeroporto de Linate Foto: Miguel MEDINA / AFP


A Emporio Armani alcançou o céu com sua coleção de primavera/verão 2019, apresentada no aeroporto de Linate, em Milão, que foi encerrada pelo britânico Robbie Williams. Na quinta, 20, centenas de convidados fizeram check-in, passaram pela segurança e foram escoltados pelos funcionários do aeroporto até chegar no local mais quente desta Semana de Moda de Milão.

Enquanto os convidados se acomodavam, aviões partiam e chegavam no fundo, alguns inclusive estacionando perto da passarela preta, montada na pista. Williams usou um blazer preto brilhante e tênis também pretos. “Vocês conseguem imaginar a cara do Armani quando eu mandei um email para ele explicando o que eu queria usar?”, disse o cantor para uma platéia entusiasmada.

Ele entreteu o público com seus maiores hits como I Love My Life, assim como Freedom de George Michael. Ele dedicou My Way, de Frank Sinatra, ao estilista Giorgio Armani, encerrando a música com “You did it your way” (você fez da sua maneira, em português) e o convidando para subir ao palco.

Quanto a extensa coleção que precedeu o show, foram centenas de looks, masculinos e femininos, que viajaram entre os traços icônicos do estilista italiano: modelagens práticas em peças sofisticadsa, o uso de diferentes tecidos, as cores tanto fortes quanto suaves, cortes femininos e a riqueza de detalhes.

1537566610041
Surfistas e suas pranchas abriram a apresentação Foto: EFE/Daniel Dal Zennaro

Com as notas de What A Wonderful World, de Louis Armstrong, um vídeo de um avião decolando com cenas dos pontos mais famosos de Milão, projetado em um telão gigante, deu início a apresentação.

Modelos homens, vestidos como surfistas e carregando pranchas, abriram o que foi um espetáculo de 20 minutos de cores, tecidos e shapes da nova coleção da Emporio Armani, a marca mais jovem do grupo Armani, que no ano passado absorveu a etiqueta Collezioni e parte da Armani Jeans.

As sobreposições foram inspiradas no mundo esportivo, com corta-ventos e parkas, alternados com visuais casuais com calças até os tornozelos e suéteres de algodão. Modelos carregavam mini mochilas e usavam óculos, chapéus e sandálias ou tênis.

1537566610043
Neon e alfaitaria foram destaque Foto: Miguel MEDINA / AFP

Os tons suaves foram quebrados com calças pretas, combinadas com branco, jaquetas masculinas e modelos vestidos como marinheiros, usando calças azuis e macacões com as letras EA neles. Também teve o momento do rosa pastel usado com verde-limão.

Em resumo, foi um carrossel de cores e formas na passarelas, roupas de modelagem perfeita foram substituída por algo dia-a-dia, seguidas por lantejoulas do bloco noite, em uma apresentação de tirar o fôlego, que mais parecia uma viagem aos arquivos de Armani. E, como todas as melhores viagens, acabou com um shuttle trazendo você de volta para casa.

“Tenha uma ótima noite e continue a voar conosco”, se lia em um painel da Emporio Armani com o logo de águia na saída do aeroporto.

Destaque da nova geração da moda, Piet inaugura loja pop-up em SP

Espaço no Bom Retiro traduz a vibe industrial e street da grife do designer Pedro Andrade

1537565859238 (1).jpg
Looks da marca Piet, que mixa streewear esportivo com roupas utilitárias inspiradas em workwear na coleção batizada Atmosphere Foto: Alex Batista/Divulgação Piet


Um dos hot-tickets de uma nova geração da moda nacional, o designer Pedro Andrade inaugura uma loja pop-up da sua marca, a Piet, neste sábado, 22, na rua Três Rios, no Bom Retiro. É o início de sua nova fase da grife depois de um período de quase um ano de reorganização interna. “Estava crescendo, crescendo, crescendo, e achei que ia perder a mão, tive que dar um breque. Havia muitas coisas para alinhar de produto, de logística, de administração… A loja é o primeiro resultado dessa parada”, conta Pedro.

Nas araras do espaço, que deve funcionar pelos próximos seis meses, estão os primeiros lançamentos da coleção Atmosphere. Entre jeans escuros, camisetas e moletons, destaca-se uma série de peças utilitárias modulares, com coletes, jaquetas e casacos. Feitos em náilon balístico Cordura, um material resistente, impermeável e respirável, eles podem ser equipados (e decorados) com bolsos, capuzes e compartimentos em cores, formatos e tamanhos variados para abrigar celulares, notebooks e afins. Os preços variam entre R$ 50 (um chaveiro) e R$ 1.500 (uma jaqueta utilitária), com camisetas a R$ 250.

Uma segunda leva de produtos, com moletons, bonés, camisas de linho estampadas (com uma paisagem pintada pelo designer) e um modelo comemorativo do tênis Nike Air Force interpretado pela Piet, deve chegar ao espaço a partir da segunda semana de outubro. “A ideia é ter novos drops quinzenalmente. Essa primeira parte da coleção é bem masculina, com elementos de workwear, a próxima já vem mais soft [e unissex]”, explica Pedro.

Os planos futuros da grife incluem ainda uma linha de objetos de escritório (assinados pelo estúdio de criação Papelaria), pijamas, velas e móveis, como uma cadeira. “São coisas com as quais estou muito ligado”, afirma o estilista, que se formou e trabalhou como ilustrador e designer industrial antes de inaugurar a Piet, em 2012. “Minha ideia é deixar o cliente cada vez mais próximo da gente”, finaliza. Com uma loja própria abrindo as portas, eles certamente estarão. [Sergio Amaral]

Piet – rua Três Rios, 144, Bom Retiro, tel.: 11-3326-0351, pietcollection.org

Lottie Moss for ELLE Bulgaria October 2018 by Anna Zesiger

Sem título.jpgPhotographer: Anna Zesiger. Stylist: Jessica Stebbings. Makeup Artist: Kenneth Soh. Hair Stylist: Paul Percival. Nails: Emma Welsh. Model Lottie Moss.

Marie Claire UK October 2018 Nykhor and Juliana by David Roemer

Sem título.jpgPhotography: David Roemer at Atelier Management. Styling: Jayne Pickering. Hair & Makeup: Nicolas Eldin. Models: Nykhor-Nyakueinyang Paul  and Juliana Schurig.

Sabina Ruegg for Grazia Germany by Kapturing

Sem título.jpgPhotography: Kapturing. Styling: Nino Cerone. Styling Assistant: Anneke Steuwer. Grooming: Ischrak Nitschke. Casting: Beka Kammann. Model: Sabina Reugg at Mih Mmodel Managment.

Batman | Nudez do herói será censurada em futuras republicações da HQ

Batman: Damned conta com trabalho de Brian Azzarello e Lee Bermejo

download__10_-600x327 (1).jpegA nudez do Batman na HQ escrita por Brian Azzarello e desenhada por Lee Bermejo continua dando polêmica. Depois do pênis do herói ser “apagado” na versão digital, agora o CBR explica que a DC Comics irá censurar as genitais do Cavaleiro das Trevas em futuras republicações de Batman: Damned.

Segundo o site, a editora explicou que a censura foi realizada pois ela não somava nada para a história.

O momento acontece pouco depois do herói chegar na batcaverna. Depois de sair do Batmóvel, o Cavaleiro das Trevas começa a tirar a sua roupa ficando completamente nu, com Bermejo desenhando o pênis do herói nas sombras – confira a cena original.

Batman: Damned é publicada dentro do selo Black Label, que dá mais liberdade para criadores trabalharem com seus principais heróis em histórias fora da continuidade das séries atuais dos quadrinhos.