Nina Gulien – Vogue Arabia October 2018 By Mann Butte

Sem título.jpgGo Your Own Way   —   Vogue Arabia October 2018   —   en.vogue.me
Photography: Mann Butte
Model: Nina Gulien
Styling: Keanoush Da Rosa
Hair: Bianca Hartkopf

Make-Up: Toni Malt

Ford e Baidu vão testar carros autônomos em estradas na China

As empresas entrarão na corrida global de montadoras e empresas de tecnologia para desenvolver veículos sem motorista; os testes começarão em algumas estradas de Pequim, até o fim do ano
Por Agências – Reuters

download (1)
Parceria entre Ford e Baidu coloca China entre os países a apostarem no desenvolvimento de carros autônomos (Thomas Peter/Reuters)

A Ford e a Baidu lançaram nesta quarta-feira, 31, um projeto de dois anos para testar veículos autônomos nas estradas chinesas. Com o feito, as duas empresas passam a fazer parte da corrida global de montadoras e empresas de tecnologia no desenvolvimento de veículos sem motorista.

Em comunicado, as empresas disseram que a parceria une a experiência da Ford em veículos com as habilidades tecnológicas da Baidu, que conhece bem o mercado chinês. Os testes serão feitos em algumas estradas de Pequim até o fim do ano, sendo que possivelmente outras cidades chinesas entrem na lista.

Segundo a Ford e a Baidu, quando atingir o final do período de testes, o projeto alcançará o nível 4 de tecnologia para veículos autônomos, em que o carro opera quase sozinho, mas com interferência humana em algumas situações.

A Baidu, maior site de buscas da China, também está assumindo um papel de liderança em tecnologia de direção autônoma no país. A empresa já tinham anunciado a parceria com a Ford em junho deste ano, para desenvolvimento de serviços conectados, inteligência artificial e marketing digital na China.

A Ford, que está lutando com vendas mais fracas na China, é membro fundador de um comitê consultivo para a plataforma aberta de direção autônoma da Baidu, a Apollo.

A primeira empresa não-chinesa a receber a licença para testes autônomos em Pequim foi a montadora alemã Daimler, em junho. Neste ano, a China já liberou testes de veículos autônomos em Xangai e Pequim para montadoras chinesas, entre elas a SAIC Motors, a startup de veículos elétricos NIO, e a gigante de tecnologia Baidu.

Isn’t It Romantic | Rebel Wilson acorda em uma comédia romântica em trailer

Warner Bros. divulgou o trailer de Isn’t It Romantic, comédia romântica protagonizado por Rebel Wilson.

Dirigido por Todd Strauss-Schulson, o longa acompanha Natalie, uma arquiteta desiludida com o amor que se vê presa em uma comédia romântica depois de levar uma pancada na cabeça. Além de Wilson, o elenco conta com Liam HemsworthAdam Devine e Priyanka Chopra.

A estreia está marcada para 14 de fevereiro, nos Estados Unidos.

Samsung tem lucro recorde no trimestre, mas sinaliza ganhos menores nos próximos meses

Maior fabricante de chips de memória e smartphone do mundo prevê mercado mais estável e com poucas compras nos próximos meses
Por Agências – Reuters

samsung-galaxy-s9_505_022818041800
Com as vendas do Galaxy S9 abaixo do estimado, a Samsung decepcionou no segundo trimestre deste ano e lucrou menos do que o esperado

A Samsung manteve a previsão de lucro recorde para o trimestre entre julho e setembro deste ano, ganhando 17,6 trilhões de wons no período. A empresa também superou as estimativas de receita, faturando 65,5 trilhões de wons no trimestre. Apesar dos ganhos, a coreana sinalizou aos investidores que espera ter lucros mais magros nos próximos meses.

A gigante coreana de tecnologia informou que terá um declínio trimestral nos lucros no quarto trimestre devido à tendência de demanda fraca por chips de memória. A previsão pessimista da maior fabricante desse tipo de chips e de smartphones do mundo reforça a preocupação dos investidores sobre a queda na demanda global por dispositivos móveis.

A empresa também notificou os acionistas de que irá investir pesado em marketing para impulsionar as vendas de fim de ano. As quedas também devem continuar no começo de 2019.

“Olhando adiante, os lucros deverão ser fracos no primeiro trimestre devido à sazonalidade, mas depois se fortalecerão conforme as condições de negócios, particularmente no mercado de memória, melhorarem”, disse a Samsung em um comunicado.

Cortes. A Samsung também disse que seus investimentos (capex) neste ano vão cair 27%, para US$ 28 bilhões (31,8 trilhões de wons) em comparação aos 43,4 trilhões de wons no ano passado.

Analistas disseram que o corte nos investimentos deve aliviar a preocupação de queda de preços de alguns chips de memória e há expectativa de que os rivais devem iniciar novas linhas de produção no ano que vem.

A Samsung, no entanto, procurou acalmar as preocupações dos investidores com a queda acentuada no mercado de chips, citando a sólida demanda dos servidores, à medida que os serviços de dados baseados em nuvem crescem rapidamente.

Mulher-Maravilha | Darkseid renasce e recupera seus poderes

Panini lança este mês a edição 19 de Mulher-Maravilha, publicação que mostra o renascimento de Darkseid. Confira a capa:

MULHER_MARAVILHA_19_capa-450x688.jpgA Mulher-Maravilha entrou em contato com seu irmão, Jasão, criado fora de Themyscira pelo argonauta Glauco. A Princesa Amazona o alerta sobre o perigo de Cálice e Darkseid e, em troca, conhece a história de seu gêmeo perdido. No entanto, Diana é surpreendida por uma aliança entre o semideus e o antigo regente de Apokolips e se vê obrigada a enfrentar seu parente e a filha de Darkseid. Subjugada, a amazona é levada como prisioneira.

Balmain anuncia sua volta para a Semana de Alta-Costura

Decisão do estilista Olivier Rousteing foi para resgatar o DNA parisiense da marca

1541009646556.jpg
Models wear Balmain designs on a runway during Fashion Week in Paris, March 2, 2018. Valerio Mezzanotti/The New York Times) Foto: Valerio Mezzanotti/The New York Times

O estilista Olivier Rousteing, que está há sete anos no comando da Balmain​, anunciou um novo passo importante na história da grife: sua volta para a Semana de Alta-Costura

Rousteing ficou conhecido por transformar a Balmain em uma marca altamente comercial. Entre as iniciativas dele para tornar a marca famosa entre o grande público, ele coloca modelos famosas em sua passarela, faz coleções em parceria com grandes marcas, como H&M e Victoria’s Secret (que será apresentada no desfile da gigante norte-americana no dia 8) e colaborou com Beyoncé para o figurino de sua apresentação no Coachella.

Agora, o estilista almeja “resgatar o DNA parisiense”, como explicou ao portal WWD. A grife fundada por Pierre Balmain não participa da Semana de Alta Costura há 16 anos, desde 2002, quando era comandada por Oscar de La Renta. Ele não confirmou se a marca já estará presente na próxima temporada, marcada para janeiro.

Rousteing também sinalizou o seu interesse em expandir a marca para os setores de acessórios, perfumes e cosméticos.

Mulheres serão fundamentais nas primeiras legislativas da era Trump

Eleições de meio de mandato colocam em jogo quase todo o equilíbrio de poder em Washington e os democratas almejam recuperar a maioria para poder aplicar, no Congresso, um freio à agenda política do presidente republicano

BBO65NL
Manifestante senta-se no colo de “Lady Justice”, nos degraus do prédio da Suprema Corte dos EUA, durante a posse do juiz Brett Kavanaugh, no Capitólio, em Washington. Foto:Jonathan Ernst /Reuters

WASHINGTON – Mobilizadas contra ou a favor de Donald Trump, estimuladas pelo movimento #MeToo ou indignadas com a indicação para a Suprema Corte de Brett Kavanaugh, as mulheres serão fundamentais nas eleições legislativas dos Estados Unidos, na hora do voto e também como candidatas.

“Há três anos eu era apenas uma eleitora. Agora sou uma eleitora que também organiza atos a favor do voto, sou uma pessoa que participa de campanhas de porta em porta para as eleições de 6 de novembro“, afirmou à France Presse Barbra Bearden, uma democrata de 37 anos.

“Eu não fazia nada disso antes de Trump”, admite a consultora especializada em desenvolvimento, que decidiu organizar uma campanha telefônica de sua casa em Washington para estimular as mulheres em todo país a votar.

A iniciativa Call Your Sister (Ligue para sua irmã) foi criada pelos organizadores da Marcha pelas Mulheres, que levou mais de um milhão de pessoas às ruas depois que Trump assumiu a presidência em janeiro de 2017.

Essas eleições, as primeiras desde que o empresário bilionário chegou à Casa Branca, são “realmente cruciais”, disse Bearden.

Na votação, os americanos devem eleger os 435 membros da Câmara dos Deputados  e quase um terço dos 100 integrantes do Senado.

As eleições de meio de mandato colocam em jogo quase todo o equilíbrio de poder em Washington e os democratas almejam recuperar a maioria para poder aplicar, no Congresso, um freio à agenda política do presidente republicano.

Mas uma mudança desta magnitude é impossível sem as mulheres. “As eleitoras são mais fluídas, mais disponíveis para flutuar entre os dois partidos”, explica Steven Schier, cientista político do Carleton College de Minnesota.

Recorde de candidatas

Nessa eleição, o eleitorado têm uma grande variedade de candidatas. Cientistas, veteranas de guerra, advogadas, empresárias e donas de casa. O número de mulheres na disputa é recorde: 198 democratas e 59 republicanas.

Atualmente, as mulheres ocupam 20% das cadeiras no Congresso.

Nas cédulas de votação, as minorias também estão representadas. Várias candidatas são figuras carismáticas que ganharam repercussão nacional, como a democrata Alexandria Ocasio-Cortez, que aos 29 anos venceu um político veterano nas primárias com propostas mais à esquerda que a linha tradicional de seu partido.

No momento, o entusiasmo do eleitorado feminino beneficia os democratas.

Votos muito cobiçados

Alisha Johnson e Nicole Archambeau não se conhecem, mas as duas moram no distrito de St. Paul em Minnesota, um reduto chave dos republicanos onde o candidato democrata trava uma disputa lado a lado na eleição.

As duas participam de eventos escolares no bairro de Mendota Heights e têm um perfil sociológico muito cobiçado: as mães dos subúrbios.

Esse segmento é formado em sua maioria por mulheres brancas, com estudos e de classe média. Apesar do apoio aos republicanos nos últimos anos, há indícios de que esta faixa de eleitoras estaria se distanciando do partido e de Trump.

Johnson, uma executiva de uma cooperativa de crédito de 52 anos, que se identifica como republicana, afirmou, no entanto, que seguirá votando no partido.

Trump falou de “mudança”, explicou Johnson. “Eu vi um impacto positivo na economia e na educação”, completou, antes de afirmar que nem sempre concorda com o que ele diz.

Archambeau, uma professora de 48 anos, que tem quatro filhos, está determinada a votar nos democratas.

“Com Trump não se trata apenas de diferenças em nossas posições políticas, mas também na questão moral”, explicou a mulher que resumiu sua posição com uma frase: “Ele não é um bom exemplo”.

Muita energia

Os candidatos democratas ao Congresso têm sete pontos de vantagem sobre os rivais republicanos, de acordo com uma compilação de pesquisas do portal RealClearPolitics.

A indignação provocada pela confirmação de Brett Kavanaugh como juiz da Suprema Corte, acusado de agressão sexual em um caso que incluiu uma comovente audiência no Congresso da mulher que o denunciou, pode ter um papel importante nestas eleições.

Mas as eleitoras republicanas que apoiam a nomeação para um posto que pode ser fundamental em temas como o aborto também podem ser motivadas pelo caso.

A senadora democrata Mazie Hirono espera uma mudança. “Minha esperança é que as mulheres deste país continuem mobilizadas”, afirmou Mazie, a primeira senadora pelo estado do Havaí.

“Há muita energia, muito entusiasmo”, declarou a senadora por Michigan Debbie Stabenow. “As mulheres estão cansadas de divisão”, completou. / AFP

Novos perfumes Chanel celebram cidades que marcaram sua fundadora

Em Les Eaux de Chanel, as francesas Deauville e Biarritz e a italiana Veneza são materializadas em fragrâncias

Sem título.jpg
Gabrielle Chanel e sua tia Adrienne em frente à boutique em Deauville, a primeira Chanel do mundo Foto: Cortesia Chanel

Biarritz, Deauville e Veneza. Três cidades que foram inspiração de estilo e da iconografia da Chanel agora se materializam na nova série de perfumes da grife. Batizada Les Eaux de Chanel (As Águas de Chanel), os lançamento buscam traduzir em fragrância a vibração de cada uma dessas cidades.

Deauville, na Normandia, foi lar da primeira boutique de Gabrielle Chanel, inaugurada em 1913. A eau de toilette Paris – Deauville é uma espécie de fragrância nômade, que traz notas frescas e terrosas como a cidade, considerada meio litorânea meio campestre. Entre elas estão as de laranja e manjericão, jasmim, rosa e patchouli.

1541002204864.jpg
As três novas fragrâncias da marca, que celebram cidades que de alguma forma marcaram a vida de Chanel Foto: Cortesia Chanel

Biarritz, no sudoeste francês, com seu estilo praiano e esportivo, inspira a mais aquática das “águas de Chanel”. “Queria criar uma sensação na pele como se cada ingrediente tivesse sido mergulhado em água”, declara o perfumista Olivier Polge, autor dos três lançamentos. Assim, Paris – Biarritz traz uma mistura de tangerina com toranja, íris, gerânio e almíscar. É fresh e levemente sensual.

A única representante estrangeira do trio é Veneza, a cidade para onde Chanel foi se recuperar do luto da perda do namorado Boy Capel, morto num acidente de carro em 1919. Uma cidade de forte influência oriental, a eau de toilette Paris – Venise é a mais envolvente entre os lançamentos, com notas macias que remetem a talco, como cumaru e baunilha, além de âmbar, frutas vermelhas e neroli.

1541002203919
O frasco da ‘água de Chanel’ Paris-Biarritz e alguns dos ingredientes que estão em sua composição, como tangerina e lírios Foto: Cortesia Chanel
1541002203737
O perfume Chanel Paris – Venise, inspirado na atmosfera oriental de Veneza, tem notas de neroli, de tonka e de baunilha Foto: Cortesia Chanel
1541002203969
O frasco da ‘água de Chanel’ Paris-Biarritz e alguns dos ingredientes que estão em sua composição, como tangerina e lírios Foto: Cortesia Chanel

Executivo Richard DeVaul, da Alphabet, dona do Google, deixa a empresa após acusação de assédio sexual

Em resposta a uma reportagem do jornal The New York Times que revelou a conivência do Google com casos de assédio sexual, o presidente executivo da empresa, Sundar Pichai, enviou um e-mail aos funcionários nesta terça-feira, 30, em que pediu desculpas e disse que o Google precisa adotar uma linha mais dura quanto a comportamentos inadequados

1540998300237.jpg
Richard DeVaul era diretor da divisão X da Alphabet, dona do Google

Richard DeVaul, diretor da divisão X, área de pesquisa e desenvolvimento tecnológico da Alphabet, dona do Google, pediu demissão nesta terça-feira, 30, depois que seu nome foi citado em uma reportagem do jornal The New York Times, como executivo envolvido em um caso de assédio sexual no ambiente de trabalho.

De acordo com o The New York Times, a engenheira de software Star Simpson, disse que uma semana após ter feito uma entrevista de emprego com DeVaul, o executivo a assediou no festival Burning Man, em Nevada, nos Estados Unidos em 2013 – ela afirmou que, à época, ainda não sabia que não seria contratada pela empresa. Segundo a reportagem, DeVaul chegou a pedir que ela tirasse a blusa para que ele fizesse uma massagem em suas costas.

Em um comunicado depois da publicação do The New York Times, o executivo pediu desculpas pelo que chamou de “erro de julgamento”. Ele disse também que a divisão X decidiu não contratar a engenheira Star Simpson antes da data do festival, e afirmou que não sabia que ela não tinha sido informada.

Resposta. Na noite desta terça-feira, 30, o presidente executivo do Google, Sundar Pichai, mandou um e-mail aos funcionários, em resposta à má conduta da empresa com casos de assédio sexual, revelada pelo The New York Times. A reportagem citou histórias envolvendo três executivos, sendo que um deles foi o criador do Android, Andy Rubin –  quando deixou a empresa em 2014 após ser acusado de assédio sexual por uma funcionária, o Google lhe pagou US$ 90 milhões na rescisão, segundo o jornal.

No e-mail, obtido pela Ars Technica, Pichai não negou as acusações da reportagem, pediu desculpas e disse ainda que a empresa precisa adotar uma linha mais dura quanto a comportamentos inadequados.

Protesto. O presidente executivo do Google também afirmou que vai apoiar o protesto que as funcionárias do Google estão planejando para esta quinta-feira, 1, em que vão se manifestar sobre o assunto.