Com modelos negros e raiz indígena, João Pimenta levará questão racial à SPFW

Grafismos tribais e uso de látex compõem o desfile do estilista nesta segunda-feira (22)

15401568025bcced82bc3ef_1540156802_3x2_md.jpg
O estilista João Pimenta e a modelo Iris Camilo, com look de sua nova coleção Bruno Santos/Folhapress

Não será a primeira vez que o estilista João Pimenta subirá à passarela de uma São Paulo Fashion Week para apresentar uma coleção sobre as raízes do Brasil. Será a primeira, porém, que aplicará seu vasto repertório imagético sobre as sementes do estilo nacional em uma coleção que cutuca a ferida do racismo em discursos extremistas.

Uma seleção de modelos negras usará criações construídas a partir de uma pesquisa feita por Pimenta na Amazônia. Trinta e seis famílias de uma comunidade de seringueiros trabalharam junto ao estilista para criar a base de látex com algodão usada em peças gráficas.

15401568125bcced8ccca78_1540156812_3x2_md
O estilista João Pimenta e a modelo Iris Camilo, com look de sua nova coleção – Bruno Santos/Folhapress

Pimenta afirma ter criado uma “índia urbana”, cujos padrões da roupa remetem aos grafismos tribais e à técnica de patchwork. Tudo é embalado em matéria-prima simples e natural.

“Fui buscar nossa raiz, cavar a nossa brasilidade e a natureza. Se não dermos visibilidade a essas heranças de nossa costura, elas vão desaparecer”, afirma o estilista.

Para ele, “estamos vivendo tempos estranhos, e a moda [nacional] tem o dever de estar ligada de alguma forma a questões sociais” e provar que, num momento de conservadorismo ascendente, “deve mostrar que acordou para os problemas do país”.

15401568125bcced8ce0e2c_1540156812_3x2_md
A modelo Iris Camilo, com look da nova coleção do estilista João Pimenta – Bruno Santos/Folhapress

Novo consultor criativo do curso de moda do Senac, cargo até pouco tempo exercido pelo estilista Alexandre Herchcovitch, Pimenta também chamou um grupo de alunos para criar peças feitas em moulage, uma técnica de confecção em que a roupa é construída no manequim, e não a partir de um tecido plano cortado em cálculos.

Parte das criações conjuntas serão apresentadas na passarela. [Pedro Diniz]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s