SPFW tenta incluir negros mas fica a um abismo de distância de grifes europeias

Há dez anos, a semana de moda assinou um termo de ajustamento de conduta com o Ministério Público

15405900905bd38a0af1d7b_1540590090_3x2_md
Desfile masculino de João Pimenta na SPFW46, na Vila Leopoldina, em São Paulo /Nelson Almeida/AFP

SÃO PAULO – A diversidade racial que a moda alardeia seguir em suas passarelas chegou. Só que, pelo menos no Brasil, ainda é capenga, esbranquiçada e dependente de grifes jovens.

Há quase dez anos, a São Paulo Fashion Week assinou um termo de ajustamento de conduta com o Ministério Público —o compromisso era pedir às marcas que 10% do seu “casting” fosse negro, afrodescendente e indígena.

A Folha calculou, nesta temporada, que a SPFW conseguiu que 280 dos 976 looks desfilados semana passada fossem vestidos por negros e afrodescendentes —ou seja, 28% do total.

Há, contudo, repetição de modelos nessa categoria, mas o mesmo ocorre com as modelos brancas e isso não é o suficiente para distorcer o cálculo.

Os números escondem, porém, uma realidade nada louvável. Não fossem as dez estreias de marcas independentes, a maioria sem loja física, e as homenagens das pequenas grifes João Pimenta e Apartamento 03 à comunidade negra, o percentual cairia para pouco mais de 10%.

Isso posiciona as grifes nacionais bem abaixo dos 21% computados nos desfiles de algumas das grifes mais poderosas do hemisfério norte nesta estação.

A reportagem cruzou 14 apresentações de Nova York, Londres, Milão e Paris e constatou que mais da metade deles —Off-White (46%), Louis Vuitton (25%), Versace (25%), Roberto Cavalli (22%), Burberry (24%), Balmain (18%) e Saint Laurent (18%), por exemplo —combinou seus conjuntos à pele negra.

Se a amostragem internacional incluísse grifes menores e representatividade latina e asiática, os números saltariam pelo menos dez pontos percentuais, já que, nesta estação, todas as raças foram representadas nas passarelas.

Apesar de São Paulo ter a maior comunidade japonesa e de seus descendentes no mundo, com mais de 400 mil pessoas, nenhum desfile da SPFW mostrou mais de três orientais na passarela.

As passarelas com menos negros desta edição da São Paulo Fashion Week foram as das marcas Gloria Coelho (4%) e Lino Villaventura (7%), que estão bem abaixo dos 12% de looks vestidos por negros no desfile da Chanel e os 13% da Balenciaga, por exemplo. No caso de Gloria Coelho, só havia uma negra em 51 conjuntos —e ela desfilou duas vezes.

Osklen (8%), Reinaldo Lourenço (10%), Água de Coco (12%), Lilly Sarti (12%) e Patricia Viera (12%) ficaram no limite dos 10%.

15406047765bd3c368e3d71_1540604776_3x2_md.jpg
Desfile da Água de Coco, que encerrou a SPFW46, na Vila Leopoldina, em São Paulo /Zanone Fraissat/Folhapress

Para Villaventura, a régua da representatividade não deve ser sobre a quantidade de negros, mas sobre “a importância que você dá a eles, vestindo modelos com um look-chave da coleção”, como diz ter feito.

“Gosto de diversificar meu ‘casting’. Mas a obrigação é complicada, porque tem a questão da qualidade dos modelos e a disponibilidade de quem você quer”, explica.

Procurada, Gloria Coelho não respondeu aos pedidos de entrevista até a conclusão desta edição.

Para entender o abismo entre passarelas brasileiras e internacionais, a reportagem ouviu stylists, fotógrafos e agentes durante cinco dias da temporada paulistana.

O tamanho da marca, a clientela e a vontade de se diferenciar da concorrência foram motivos citados para adesão, ou a aversão, à diversidade étnica.

“Estilistas jovens frequentam lugares em que não há essa diferença de cor. Vejo que têm uma cabeça mais aberta”, diz a stylist Larissa Lucchese.

Seu colega no ofício, Gabriel Carneiro, vai além e diz que a desculpa das marcas ao dizer que faltam negros no mercado é falsa —para ele, o motivo real é a falta de vontade.

“As grifes maiores que colocam quantidades mínimas de negros têm uma coisa chamada culpa seletiva. Por serem cobradas pela indústria e por verem as pequenas fazendo, fazem igual”, afirma Carneiro.

Marcas que pertencem a grupos de moda teriam, segundo os fashionistas, mais dificuldade de incluir outras cores para além do padrão branco e loiro.

“Grandes grupos só pensam em venda e não dão margem para a criatividade dos estilistas jovens, muito mais ligados aos movimentos sociais recentes”, diz a ex-estilista e consultora Karla Girotto.

Consultora de moda, Erika Palomino acrescenta que as passarelas brasileiras por muito tempo tinham regras que visavam um “embranquecimento da população”.

“O que vejo como extremamente positivo é que a curto prazo esses jovens [estreantes na SPFW] vão acabar impactando as grandes grifes. Especialmente nesta temporada há um casting fortíssimo”, afirma Palomino.

A inclusão de afrodescendentes também tem a ver, segundo os profissionais ouvidos, com o compromisso das agências em oferecer e agendar trabalhos para negros.

Para Cecília Rainha, da agência Allure, a missão não é tão fácil quando o contratante é uma grife poderosa.

“As marcas maiores são mais fechadas tanto em questões raciais quanto LGBT. Como as grifes independentes têm uma pluralidade de clientes maior, com ideais mais amplos, há uma diversidade muito maior [na seleção]”, diz Rainha.

Do lado da passarela, parece haver vontade dos próprios modelos de que seu ofício seja reconhecido como um lugar aberto às diferenças.

Top loira de olhos azuis e estrela da Água de Coco, Carol Trentini se diz feliz em participar de “um momento inclusivo como esse, em que qualquer cor, raça, religião ou gênero são válidos”.

15406047625bd3c35a8b123_1540604762_3x2_md.jpg
Desfile da Água de Coco, que encerrou a SPFW46, na Vila Leopoldina, em São Paulo /Zanone Fraissat/Folhapress

Valentina Sampaio, que desfilou para a mesma grife de moda praia e também para a carioca Handred, acredita que as marcas brasileiras têm de se esforçar mais.

Transexual, ela é destaque nas principais semanas de moda do mundo. “As marcas daqui estão com receio de apostar na diversidade”, diz. [Pedro Diniz e Giuliana Mesquita]

Anúncios

Um comentário sobre “SPFW tenta incluir negros mas fica a um abismo de distância de grifes europeias

  1. As passarelas com menos negros desta edição da São Paulo Fashion Week foram as das marcas Gloria Coelho (4%) e Lino Villaventura (7%), que estão bem abaixo dos 12% de looks vestidos por negros no desfile da Chanel e os 13% da Balenciaga, por exemplo. No caso de Gloria Coelho, só havia uma negra em 51 conjuntos —e ela desfilou duas vezes.

    Osklen (8%), Reinaldo Lourenço (10%), Água de Coco (12%), Lilly Sarti (12%) e Patricia Viera (12%) ficaram no limite dos 10%.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s