‘Luto contra isso’, diz Jamie Dornan sobre ser lembrado por Christian Grey, de ’50 Tons de Cinza’

Ator destaca que obra foi um pontapé para ele participar de outros filmes

Jamie Dornan

Jamie Dornan se destacou nos cinemas por ter dado vida ao sadomasoquista Christian Grey, de Cinquenta Tons de Cinza. No entanto, ele afirmou, em entrevista ao Deadline, que se incomoda por ser mais reconhecido pelo personagem do que pelo ator.

“Às vezes eu luto contra isso. Pode ser que o faça durante toda a minha carreira”, disse.

Apesar desse desconforto, Dornan acredita que Cinquenta Tons de Cinza foi importante para torná-lo mais reconhecido em sua carreira, uma vez que, após terminar o filme, participou de longas como Anthropoid e A Private War.

Além disso, revelou que não se importa com a maneira como a obra erótica é vista pelos críticos que fizeram comentários negativos. Jamie prefere valorizar o público que gosta do filme. “Acho que [o longa] tem uma base de fãs tão forte. Não ter sido considerado ótimo [pela crítica] impulsionou os admiradores [a apoiarem]”.

Filme sobre história de banda satânica Mayhem ganha seu 1º teaser

‘Lords of Chaos’ retrata grupo ligado ao incêndio de igrejas na Noruega

Parte do cartaz de ‘Lords of Chaos’. Foto: Instagram / @lordofchaosthemovie

A distribuidora Vice Films divulgou, no último dia 24, o teaser do filme Lords of Chaos (Lordes do Caos, em tradução livre). A obra será lançada no dia 8 de fevereiro, nos Estados Unidos.

lordsofchaosthemovie
US theatrical release February 8th #lordsofchaosthemovie

Além disso, dois cartazes de Lords of Chaos já haviam sido divulgados. Com um estilo sombrio e em preto e branco, o primeiro pôster mostra o rosto de um jovem maquiado e fã de metal satânico. O segundo, traz uma igreja queimada – isso porque o filme conta a história do grupo norueguês de black metal Mayhem, da década de 1980, e de seus participantes, conhecidos por seu envolvimento em incêndios de igreja e também em um assassinato.

Companhias chinesas boicotam a Apple em ajuda à Huawei

As empresas chinesas estão vindo para o lado da Huawei, fornecendo subsídios aos funcionários para comprar produtos da fabricante de smartphones. © Reuters

Não bastassem as batalhas que a Apple vêm travando na China, agora algumas companhias de lá querem boicotar a gigante de Cupertino após a diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, ter sido detida no Canadá, no começo deste mês.

Além de CFO1 da Huawei, Wanzhou (que poderá ser extraditada para os Estados Unidos) também é filha do fundador da empresa, Ren Zhengfei. De acordo com o relatório da Reuters, a fabricante chinesa é investigada desde 2016 por supostamente enviar produtos americanos para o Irã, violando leis de exportação e sanções americanas.

Em resposta à ação dos EUA, o Nikkei informou que empresas chinesas estão oferecendo subsídios para a compra de dispositivos da Huawei e exigindo que seus funcionários não comprem nenhum produto da Apple. Além disso, mais de 20 companhias chinesas informaram que vão aumentar as compras de outros produtos da Huawei para uso empresarial.

Entre as medidas adotadas pelas empresas chinesas, algumas companhias, como a Shanghai Youluoke Electronic Technology, estão oferecendo até dois smartphones da Huawei gratuitamente para seus funcionários, enquanto a Fuchun Technology está pagando até ¥5002 (cerca de US$72) após a comprovação da compra.

Em casos mais sérios, algumas companhias ameaçaram confiscar iPhones de funcionários e reter o valor do bônus correspondente ao preço do dispositivo da Apple, como a Shenzhen Yuheng Technology.

Como dissemos, a Apple tem enfrentado alguns problemas em território chinês; além da guerra comercial entre EUA e China (que está na fase do “cessar-fogo” pelos próximos três meses), a Maçã ainda tem que se preocupar com as exigências da Qualcomm, que tem o aval do tribunal chinês para banir certos modelos de iPhone do país.

São tempos difíceis para a empresa, tanto no Oriente quanto aqui no Ocidente. [MacMagazine]

VIA CULT OF MAC

Luna Bijl – Vogue México Janeiro 2019 By Martin Parr

Vogue México Janeiro 2019
Title: Her Name is Rio
Model: Luna Bijl
Photographer: Martin Parr
Fashion Editor: Pedro Sales
Beauty: Henrique Martins

No México, casa no topo da colina tem vista incrível do Oceano Pacífico

Escritório de arquitetura reformou a construção e manteve clima de vila à beira-mar
Texto Vanessa D’Amaro I Fotos Rafael Gamo/ Divulgação

A bela paisagem de praia de Sayulita, um conhecido destino de surfistas na costa oeste do México, parece permear todos os ambientes deste complexo de três antigas casas reformado pelo escritório Main Office, com sede no México e na Suécia. A construção de 219 m² à beira-mar se funde à topografia íngreme e articulada e ganhou uma vista deslumbrante do Oceano Pacífico.

O complexo original construído nos anos 50 e composto por três casinhas no topo da colina estava em mau estado devido a problemas de umidade e falta de manutenção. A reforma, portanto, focou inicialmente na renovação e preservação da essência original da residência e, em seguida, no projeto de um novo edifício principal e de uma casa de hóspedes com frente para a praia. +

“A concepção principal do projeto é reinterpretar os parâmetros da construção original mantendo o clima de uma pequena vila”, afirma Dante Borgo, co-fundador do escritório Main Office.

Por meio de uma série de plataformas de concreto que se adaptam à topografia, incluindo passarelas e jardins de tirar o fôlego, a fronteira entre interior e exterior praticamente se dissolve. A casa ganhou uma cozinha, uma área de estar e jantar aberta ligada à piscina de borda infinita. Além disso, há um quarto com banheira artesanal de concreto e um terraço com vista para a orla.

Tanto o sistema de construção quanto os materiais empregados na obra foram adquiridos localmente. Os blocos de cimento branco moldam as paredes, enquanto o concreto polido reforça os pisos e parte do mobiliário. Os armários, as portas e os caixilhos foram feitos com a madeira local Parota, conhecida por sua resistência à umidade, à salinidade e à exposição à luz solar intensa.