‘DNA do Facebook mudou em 2018’, diz Zuckerberg em carta de fim de ano

Presidente executivo defendeu empresa em publicação na rede social; meta pessoal do fundador este ano era “consertar o Facebook”
Por Victor Rezende – O Estado de S. Paulo

Mark Zuckerberg é presidente executivo do Facebook

O presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, publicou nesta sexta-feira, 28, sua tradicional carta de fim de ano – nas últimas temporadas, Zuckerberg costuma divulgar uma meta pessoal em janeiro, e, ao encerrar do ano, escreve uma meditação sobre como isso aconteceu. Em 2018, a meta foi “consertar o Facebook” – e, para o executivo, sua experiência foi bem sucedida. 

Para ele, o Facebook alterou suas características nos últimos tempos para conter novas crises envolvendo segurança e vazamento de dados de usuários. “Tivemos nosso DNA fundamentalmente alterado para nos concentramos mais em evitar danos”. Para Zuckerberg, o Facebook de agora é “muito diferente” em relação a 2016 ou até um ano antes.

O executivo afirmou, no post, que a empresa fez progressos este ano no combate à interferência eleitoral, ao discurso de ódio e à desinformação. Zuckerberg comentou, ainda, que “abordar essas questões é mais do que um desafio de um ano”. 

Os investidores, porém, não concordaram com as considerações de Zuckerberg: nesta sexta-feira, as ações da companhia encerrou o pregão em queda de 0,98%, cotadas a US$ 133,20. A empresa fechou a última semana útil do ano avaliada em US$ 382 bilhões, em queda de 39% desde seu pico histórico, em 25 de julho deste ano. 

Valery Kaufman – Elle Italia December 29th, 2018 By Nik Hartley

Ah, The Night!   —   Elle Italia December 29th, 2018   —   www.elle.it
Photography: Nik Hartley Model: Valery Kaufman Styling: Monica Curetti Hair: Christoph Hasenbein Make-Up: Nina Haverkamp

Angelina Jolie sugere que pode entrar para política

Atriz é enviada especial da agência de refugiados da ONU e ativista contra violência sexual de mulheres

Angelina Jolie, enviada especial para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, na sede da Otan, em Bruxelas, em 31 de janeiro de 2018 Foto: AP Photo/ Geert Vanden Wijngaert

Londres (Thomson Reuters Foundation) – Angelina Jolie sugeriu nesta sexta-feira, 28, que pode entrar para política, à medida que advertia líderes globais a fazerem mais para ajudar refugiados e mulheres que vivem em territórios de guerra.

Questionada se estaria caminhando para uma carreira política, a estrela de Hollywood, que também é enviada especial da agência de refugiados da ONU e ativista contra violência sexual de mulheres, disse que “iria aonde precisarem de mim”.

“Se você tivesse me perguntado isso há 20 anos, eu teria rido”, disse em entrevista à emissora britânica BBC. “Eu não sei se estou qualificada para política, mas também já brinquei que não sei se tenho um cadáver no meu armário”, acrescentou.

Jolie disse que seu trabalho com a ONU e outras organizações permitiu que ela “conseguisse muitas coisas sem um título”, mas não descartou uma mudança no futuro.

“Honestamente, farei o que eu achar que pode realmente provocar mudanças e, neste momento, posso trabalhar com uma agência da ONU (…) para trabalhar diretamente com pessoas necessitadas”, disse.

“Eu também posso trabalhar com governos e também posso trabalhar com militares, então estou em um lugar muito interessante onde consigo fazer muitas coisas sem um título, sem ser sobre mim ou minhas políticas, então por enquanto eu vou ficar quieta”, acrescentou.

Nos últimos anos, a atriz vencedora do Oscar visitou campos de refugiados anos para chamar atenção para a situação dos deslocados pela guerra e expandiu seus esforços internacionais para proteger as mulheres, trabalhando com a Otan e com governos para ajudar a impedir o uso do estupro como arma de guerra.

Paralisação do governo dos EUA freia investigação sobre Facebook

Agência regulatória de comércio não tem orçamento para continuar funcionando depois desta sexta-feira, 28; órgão conduz inquérito sobre má conduta da rede social em diversos escândalos
Por Brian Fung – The Washington Post

A sede do Facebook, em Menlo Park, na Califórnia

Uma investigação do governo americano sobre o Facebook vai ser pausada nesta sexta-feira, 28, quando a Comissão Federal do Comércio (FTC, na sigla em inglês), parar de funcionar por falta de orçamento, segundo fontes do governo local. Responsável por regular o comércio e também o uso de dados pessoais de cidadãos americanos por empresas, a FTC ficará sem fundos para operar por conta da paralisação do governo americano, cujo orçamento para 2019 ainda não foi aprovado pelos congressistas do País. 

É um caso que tem se arrastado há meses: desde o início de 2018, quando eclodiu o caso da consultoria política Cambridge Analytica, a FTC investiga se o Facebook rompeu um acordo firmado em 2011 com o governo americano – no pacto, a rede social de Mark Zuckerberg se comprometeu a não abusar dos dados pessoais que coleta de seus usuários. Agora, a paralisação ameaça prolongar o fim da investigação – mesmo em um momento em que o Facebook se vê cercado por novos escândalos, fazendo a opinião pública pedir uma resposta decisiva da agência. 

O orçamento da FTC para 2018 permitiu à agência funcionar até o meio-dia desta sexta-feira, 28. Sem recursos, o órgão terá de suspender virtualmente todas as suas investigações e casos correntes na Justiça – o que muito provavelmente deve incluir o caso do Facebook, diz David Vladeck, ex-diretor da área de proteção ao consumidor da FTC. 

Para ele, as preparações para a paralisação já afetaram a investigação. “A parte principal de cada investigação é a fase de coleta de informações, buscando documentos e falando com pessoas”, disse ele. “Numa paralisação, ela simplesmente para. E tem de parar de um jeito organizado.” Além de tempo, é algo que custa muito dinheiro ao governo – segundo Vladeck, os investigadores gastam pelo menos uma semana preparando seu trabalho para ser interrompido; outra semana, depois que a paralisação se encerra, é gasta para retomar a velocidade do trabalho. 

Ao longo do período da paralisação, que pode ser de “longo prazo”, como disse o diretor de orçamento da Casa Branca, Mick Mulvaney, nessa sexta-feira, os investigadores da FTC não podem conduzir suas pesquisas de forma normal. Também não podem se engajar em negociações com empresas em busca de um acordo. Procurada pelo Washington Post, a FTC não respondeu a pedidos de comentários. O Facebook também não foi encontrado para comentar o assunto. 

Calor. A interrupção surge em um momento crítico para o Vale do Silício: a investigação da FTC, iniciada em março, pode levar a um amplo debate sobre o papel da agência enquanto reguladora do setor de tecnologia. No Congresso americano, empresas e alguns legisladores já se manifestaram a favor de maior responsabilidade para a FTC no que tange à fiscalização da indústria de tecnologia e suas práticas de privacidade. Mas alguns ativistas creem que a agência regulatória não tem meios suficientes, hoje, para desempenhar esse papel. 

A investigação sobre o Facebook não é a única que vai parar com a paralisação da FTC. As linhas de atendimento aos usuários não terão serviço; a agência não vai realizar eventos, publicar relatórios ou responder à pedidos de acesso a informação. Para piorar, quando as atividades voltarem ao normal, a FTC pode se encontrar em uma posição mais fraca quanto ao Facebook: com a paralisação, os prazos finais de investigação se alargam e isso pode fazer o tema perder calor. 

“Quando há um prazo, há dinâmica”, disse ao Post um ex-funcionário da FTC. “E quando esse prazo é derrubado, as circunstâncias e os fatos podem mudar; conversas podem fazer a situação mudar de rumo”, explicou ele, que falou em anonimidade para discutir a dinâmica interna da agência. / TRADUÇÃO DE BRUNO CAPELAS

Eva Longoria reestreia maiô seis meses após dar à luz

O clique já foi curtido quase 200 mil vezes

Eva Longoria (Foto: Reprodução Instagram)

Seis meses após dar à luz ao seu primeiro filho, Eva Longoria publicou em sua conta no Instagram uma imagem em que aparece de maiô.

No clique, a atriz de 43 anos aparece sorridente enquanto contempla o dia ensolarado com um chapéu, óculos escuros e seu maiô preto.

Google Duo já tem mais de 1 bilhão de downloads

Aplicativo Google Duo permite chamadas em vídeo e ligações gratuitas entre usuários de iPhones e smartphones Android
Por Lucas Agrela

 (Google-Duo/Reprodução)

São Paulo – O Google Duo foi apresentado em 2016, junto com o Google Allo, um rival para o WhatsApp. O destino dos aplicativos foi bem diferente. Enquanto o Allo será descontinuado, o Duo chegou ao patamar de 1 bilhão de downloads na Play Store, a loja de aplicativos dos smartphones Android.

Os demais aplicativos que são do Google já atingiram esse número de downloads porque eles vêm pré-instalados nos celulares com sistema Android. Mais novo do que Gmail, Maps e companhia, o Duo demorou pouco mais de dois anos para chegar ao primeiro bilhão de downloads, segundo dados públicos da Play Store. Vale notar que a App Store, a loja de apps do iPhone, não exibe dados de instalações, ou seja, não se sabe ao certo o número de downloads entre os usuários de iOS.

Como reporta a AP, o único aplicativo que não vem instalado de fábrica a atingir tal marco é o jogo Subway Surfers.

Grátis, o Duo permite fazer chamadas em vídeo com seus amigos e equipe. Seu funcionamento é similar ao do Skype, mas se diferencia por ter nascido como um aplicativo para celular.

Cartão de Natal das Kardashians teve banho de Photoshop, revela revista Us Weekly

Em 2012, Khloe admitiu que problemas de agenda fizeram com que ela e seu então marido Lamar Odom fossem adicionados a foto com “os poderes da câmera e do Photoshop”

Cartão de Natal das Kardashians (Foto: Reprodução Instagram)

O tradicional cartão de Natal das Kardashians foi digitalmente alterado e composto com vários frames. É o que afirmou uma fonte do Us Weekly e mostrou uma imagem publicada pelo Daily Mail. 

Este ano a foto oficial das irmãs contou com as mamães Khloe, Kourtney, Kim e Kylie e seus filhos. Apenas Kendall, que ainda não é mãe, ficou de fora. “É praticamente impossível conseguir uma foto perfeita com nove crianças”, afirmou o informante.

Segundo a fonte, a família viu o cartão deste ano como uma grande oportunidade para uma bela foto com as crianças e por isso “queriam ter certeza que todos ficariam bem” na foto.

Alguns internautas também perceberam alguns detalhes estranhos na foto. No Instagram, algumas pessoas disseram que os rostos de Mason Disick e North West foram acrescentados digitalmente e que o braço esquerdo de Kim não está normal. Outros acreditam que os pés de Khloe podem ter sido colocados em Kylie e que a pequena Chicago aparece distorcida.

O uso de Photoshop em fotos da família não é uma novidade. Em 2012, Khloe admitiu que problemas de agenda fizeram com que ela e seu então marido Lamar Odom fossem adicionados a foto com “os poderes da câmera e do Photoshop”.

Adeus, pontas secas: 5 mandamentos para não estragar os fios neste verão

A dermatologista Paula Chicralla ensina como driblar os efeitos nocivos do verão para a pele e fios
Por SOFIA FERREIRA (@SOFIACSF)

5 dicas para cuidar do couro cabeludo e dos fios nesse verão (Foto: Mar+Vin/Arquivo Glamour)

Sol, maresia, água de piscina… esses são só alguns dos fatores que fazem do verão sinônimo de ressecamento dos fios e irritação do couro cabeludo. Mas, nem tudo está perdido. Para te ajudar a driblar esses efeitos e passar ilesa pela temporada, a dermatologista Paula Chicralla, do Rio, que inaugura este mês um spa capilar da Phyto em sua clínica, entrega à Vogue cinco dicas infalíveis para os cuidados capilares nesse verão. Confira:

1. Proteção máxima: Antes de ir à praia ou à piscina, use um spray com protetor solar para os fios, pois a exposição solar prolongada danifica e envelhece o cabelo. Ter na bolsa de praia uma água termal para aplicar ao longo do dia também é uma excelente dica, pois repõe os minerais perdidos e mantém a hidratação da pele e cabelo

2. Limpeza profunda: Não deixe, em hipótese alguma, resíduo de água salgada no cabelo, sobretudo no caso das loiras. Ao chegar em casa, é fundamental enxaguar bem os cabelos com água mineral ou soro. Além disso, vale reforçar a hidratação semanalmente. Sob altas temperaturas, também é comum suar mais, inclusive o couro cabeludo, o que pode favorecer o surgimento de dermatites. Por isso, é fundamental mantê-lo sempre limpo (leia-se bem lavado) a fim de evitar casquinhas e coceiras, por exemplo.

3. De olho nas fórmulas: No verão, priorize fórmulas de shampoos, óleos ou máscaras que sejam mais naturais e que não contenham parafina, silicone ou parabenos. Ao aquecer o cabelo, esses ingredientes criam uma película que impede a penetração de qualquer produto nos fios, formando uma espécie de “capa”, o que acaba danificando ainda mais o cabelo.

4. Água limpa: No fim do banho, mais especificamente no último enxágue, jogue uma garrafa de água mineral ou filtrada no cabelo para retirar os resíduos de cloro que são superpejudiciais aos fios. Além de limpar profundamente, a água mais limpa confere maciez e brilho às madeixas.

5. Evite ferramentas de calor: Nessa época, a melhor opção é explorar a textura natural dos fios, mas, se não conseguir ficar longe das ferramentas, nunca encoste o secador na escova, porque o vapor queima a fibra capilar e parte o fio. No caso do babyliss, em que é impossível evitar o contato com as madeixas, hidratar o cabelo previamente com reposição de aminoácidos e ácidos graxos e passar o babyliss rapidamente no fio.

Casa com formato inusitado se camufla em bosque no Chile

Mimetizada num bosque de carvalhos quase centenários em Vilches, a casa de campo do arquiteto Smiljan Radic serpenteia entre as árvores como se estivesse ali desde sempre
Texto Marianne Wenzel I Fotos Cristóbal Palma

Além de detalhes do concreto pintado de preto, é possível ver o formato pouco usual das claraboias, pensadas em função do visual externo – uma delas enfoca uma árvore próxima, outra mira uma montanha, e a terceira se volta para o céu: “Este jeito vertical de relacionar a casa com a paisagem, quase uma via de escape, foge do óbvio”, explica Smiljan

Dois ritmos regulam nosso destino: um sol nasce, um sol se põe, um sol nasce novamente. Assim termina o Poema do Ângulo Reto (1947 -1953), escrito por Le Corbusier, ilustrado com 19 litografias também feitas por ele – uma espécie de manifesto artístico sobre sua visão de mundo e, claro, da arquitetura.

A planta do imóvel se distribui ao redor de um pátio interno e se desenvolve como uma galeria, sem ambientes fechados

A ideia da continuidade irrefreável do tempo, em geral, e um dos desenhos dessa série, em particular, inspiraram o arquiteto chileno Smiljan Radic quando ele e sua mulher decidiram reconstruir seu refúgio de campo em Vilches, 300 km ao sul de Santiago, depois de o terremoto de 2010 ter reduzido a ruínas o velho chalé da família.

“Não pudemos aproveitar nada da casa antiga, pois ela foi inteira ao chão. Só restaram as memórias”, recorda Smiljan. De qualquer modo, a vida útil da residência típica de montanha, erguida nos anos 1960, já havia se esgotado, segundo ele. Por meio da imponderável força da natureza, abriu-se espaço para o novo.

Na interpretação própria de Smiljan, surgiu a oportunidade de estabelecer uma relação mais íntima com aquele cenário. Dessa maneira, com a lembrança da litografia de Le Corbusier que mostra um casal descansando numa caverna, o chileno definiu não a forma, mas a ambiência do refúgio.

O jardim de rochas, montado por Marcela Correa, busca passar a ideia de permanência: “Ele evoca um tempo arqueológico, ancestral”, diz o arquiteto, que sempre pesquisa formas de incorporar rochas brutas a seus projetos

“Imaginei uma casa opaca, introvertida, com poucas aberturas e o mínimo de interferência no bosque. Não estávamos muito preocupados como que se passa lá fora, porque já conhecemos bem o entorno. Não temos a necessidade de permanecer em contato com a natureza o tempo todo. Convivemos com ela de outros jeitos”, fala.

Além do fogão a lenha da cozinha, a lareira da sala aquece a morada de 160 m², feita sob medida para o descanso no fim de semana

Completada em um ano e meio, a morada de concreto foi moldada manualmente por dois mestres de obra orientados pessoalmente por Smiljan, que gosta de se envolver na execução de seus projetos. “Por se tratar de um local isolado, as betoneiras não conseguiam chegar ao terreno. Por isso, o concreto foi misturado à mão, quase como em uma autoconstrução. Os dois pedreiros não conheciam esse método, foi um processo de ensino e aprendizagem mútuos”, conta ele.

A madeira e o piso claros, as aberturas para o pátio interno e as claraboias iluminam o interior da casa, num forte contraste com seu exterior – “O cedro é uma madeira muito perfumada, traz um aroma bastante agradável para os ambientes”, diz o arquiteto

Com a pintura negra, as paredes externas de concreto resultam sóbrias, como se não quisessem sobressair em meio ao bosque de carvalhos quase centenários. Por dentro, a sensação muda: a fortaleza que se vê de fora converte-se num espaço transparente. “A contradição entre a opacidade externa e a fluidez interna sempre aparece nos meus trabalhos”, observa o arquiteto, cuja realização mais aclamada internacionalmente foi o pavilhão temporário da Serpentine Gallery, em Londres, em 2014.

Sob a maior das três claraboias, obra de Marcela Correa, escultora, mulher de Smiljan: um móbile de madeira retorcida cujo desenho remete ao de uma nuvem, elemento presente na litografia de Le Corbusier que inspirou o projeto

“Nas fotos, a casa parece complexa. Mas ela é muito doméstica, funciona bem em seus 160 m², uma área possível de aquecer rapidamente quando chegamos para passar o fim de semana. Ela guarda uma conexão direta com a litografia de Corbusier, mas se trata somente de uma referência, que não aumenta nem diminui seu valor”, sublinha. “Para nós, é apenas um lugar onde gostamos de perder tempo.” Simples assim.

O quarto do casal é o único ambiente que permite comunicar-se escancaradamente com a natureza, numa espécie de arroubo visual calculado

É possível ver, em um único recorte, os acabamentos da construção: concreto pintado de negro, cimento queimado, assoalho de madeira no piso e paredes internas brancas ou revestidas de cedro

Ao encaixar-se cuidadosamente entre árvores quase centenárias, o refúgio passa a impressão de que existe há mais tempo – ele ocupa um pequeno platô logo abaixo do topo da colina, um ensinamento de Frank Lloyd Wright para evitar interferência excessiva no entorno

Questionado sobre o minimalismo dos interiores, Smiljan afirma: “A casa está equipada com o que precisamos para passar alguns dias, não mais do que isso”