Serviços em alta, venda de iPhones em queda: as finanças da Apple no último trimestre

Empresa volta a apresentar bons resultados e aposta em seu recheado catálogo de serviços online para o futuro

A companhia norte-americana registra que a divisão de serviços atingiu uma marca recorde de US$ 11,5 bilhões em receita. Por outro lado, os rendimentos com iPhones chegaram a um valor de US$ 31,05 bilhões, ainda abaixo do trimestre anterior, mas que ainda corresponde a 53% da arrecadação total da empresa. As vendas de Mac também caíram, mas setores como iPad, acessórios, casa (Home Pod) e serviços online viram apenas ganhos.

As vendas de iPhones continuam a cair, enquanto as arrecadações com os serviços atingem o maior valor na história. É isso que mostra o relatório financeiro do segundo trimestre da Apple, apontando para uma receita total de US$ 58 bilhões nesse período (5% menor em relação ao mesmo trimestre de 2018) e lucro por ação de US$ 2,46.

“Nós tivemos nosso mais forte crescimento de iPad em seis anos, e nunca estivemos tão empolgados em relação ao nosso catálogo de hardware, software e serviços inovadores”, afirma o CEO da companhoa, Tim Cook, em comunicado à imprensa. “Estamos ansiosos para compartilhar mais com desenvolvedores e clientes na 30ª Conferência Mundial de Desenvolvedores da Apple, em junho.” O forte crescimento no iPad pode ser atribuído ao iPad Pro.

Depois da tempestade, calmaria

Este trimestre era um esperança de melhora em relação ao princípio de colapso registrado noúltimo balanço. Na ocasião, tentando superar as decepcionantes vendas do iPhone – que tinham caído 15% em relação ao ano anterior –, a empresa tomou algumas atitudes de emergência. Ela reviu suas previsões de lucros e publicou uma carta do CEO Tim Cook, que advertia sobre a fraca demanda por “upgrades de aparelhos” durante os feriados. 

Desde aquela má notícia em janeiro, as ações da Apple se recuperaram e o valor de mercado da empresa cresceu quase US$ 300 bilhões. Mas a empresa continua enfrentando desafios significativos na China, onde o iPhone briga com os celulares da Huawei, Xiaomi e de outras marcas muito mais baratas. Apesar disso, a companhia norte-americana registrou uma receita de US$ 10,2 bilhões na China para o segundo trimestre, um avanço proporcionado pela melhora nas relações entre as duas potências, segundo Cook.

Uma nova safra de produtos

O relatório de ganhos divulgado hoje chega ao público semanas depois de uma série de lançamentos da Apple, que incluíram novos modelos de AirPods, iPad Air, iPad mini e o desktop iMac. Mas Wall Street e os investidores têm sua atenção voltada para o grande pacote de serviços da empresa.

No mês passado, a empresa anunciou várias novas iniciativas de serviços on demand, incluindo o News+, Apple Arcade e Apple TV+. “Estes não são passatempos”, garantiu Cook à CNBC. “Nós não apresentaríamos serviços se não achássemos que eles podem ser significativos”. O serviço de notícias por assinatura, que reúne revistas populares, com alguns jornais, incluindo o Wall Street Journal, já foi lançado, custando US$ 9,99 mensais.

No entanto, a Apple evitou discutir preços para o Arcade, que dará aos assinantes o acesso a um pacote de jogos exclusivos e para o Apple TV+, que abrigará os muitos programas e filmes originais da empresa, que já estão em produção. Cook afirmou à CNBC que espera que os consumidores tenham vários serviços de streaming: “Faremos o possível para convencê-los de que o Apple TV+ deve ser um deles”. Ambos os serviços devem ser lançados em breve, provavelmente como parte do iOS 13 e do MacOS 10.15.

Vale lembrar também que a Qualcomm e a Apple resolveram recentemente suas duras batalhas legais, mediante um pagamento não revelado da “Maçã” à fabricante de chips. As duas companhias assinaram um novo acordo, renovando a utilização de processadores da Qualcomm em iPhones e iPads pelos próximos anos. Esse contrato, no entanto, não interfere no balanço financeiro de hoje.

Fonte: The Verge

Rede de hotéis Marriott oferecerá serviços de aluguéis no formato Airbnb

Segundo o Wall Street Journal, o serviço, chamado Homes & Villas, começará a ser implementado primeiro na Europa

Serão oferecidas 2 mil alocações premium e de luxo em mais 100 cidades

O grupo Marriott, maior rede de hotéis do mundo, está pronto para lançar um serviço para rivalizar com o Airbnb. Segundo o jornal americano The Wall Street Journal, o serviço será chamado de Homes & Villas e deve chegar à Europa na semana que vem. O mercado americano também está nos planos da empresa. 

De acordo com o jornal, serão oferecidas 2 mil alocações premium e de luxo em mais 100 cidades. A noite em um quarto compartilhado deverá custar a partir de US$ 200 e chegar até US$ 10 mil. Os hóspedes poderão ainda resgatar pontos no aluguel e usar em um programa de fidelidade ao reservar uma estadia em outro empreendimento da rede. Os aluguéis das residências compartilhadas serão administrados por empresas de terceiros. Um negócio piloto já foi testado no ano passado pela companhia em cidades europeias, como Londres, Paris e Roma. O modelo foi experimentado em 500 residências.

Apesar de outras empresas hoteleiras americanas, como Hilton e Hyatt, estudarem novos serviços no modelo de compartilhamento, a Marriott é a pioneira a implantar a iniciativa. Atualmente, a empresa conta com cerca de  1,29 milhão de quartos ao redor do mundo, de acordo com a STR. Já a Airbnb é, disparada, a maior plataforma de acomodações, com 4,92 milhões de hospedagens listadas, segundo a plataforma AirDNA.

No ano passado, a rede Marriott ganhou destaque na mídia após o vazamento de informações de seus usuários, após ser vítima da ação de hackers. Dados de mais de 5 milhões de passaportes foram divulgados.

Cedric Buchet for Telegraph Magazine with Lara Stone

Photography: Cedric Buchet. Styled by: Maya Zepinic. Hair: Lyndell Mansfield. Makeup: Pep Gay. Casting: Megan McCluskie. Model: Lara Stone.

Facebook promete redesenho e reforça futuro privado

Em evento na Califórnia, Mark Zuckerberg mostrou algumas das mudanças a caminho da rede social
Por Bruno Romani e Bruno Capelas – o Estado de S. Paulo

Mark Zuckerberg na conferência F8; Facebook passará por principal mudança dos últimos cinco anos

Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, anunciou nesta terça, 30, que a rede social passará pela sua principal reforma dos últimos cinco anos e reforçou o discurso de compromisso com a privacidade. Os anúncios foram feitos na F8, conferência de desenvolvedores da empresa que acontece em San Jose, Califórnia, no qual a companhia também revelou a chegada ao Brasil do Dating, o “Tinder do Facebook” e do fim dos likes no Instagram

Nas mudanças, grupos e eventos têm lugar central, enquanto o Feed de notícias perde espaço. Segundo Zuckerberg, 400 milhões de pessoas estão em grupos na rede social. As mudanças na versão para celulares já devem entrar no ar em atualizações dos apps para iOS e Android. 

Os Grupos estarão junto com Marketplace e Notificações, no topo do app. Zuckerberg fez piada e disse que nem azul, cor característica da rede social, o app é mais – ele é predominantemente branco. É o quinto grande redesenho na história do app, chamado internamente de FB5, a principal nos últimos cinco anos. 

Zuckerberg usou o evento para reforçar o discurso que vem repetindo desde o início do ano: a rede social sairá de uma plataforma ampla, como nos modelos atuais, para uma focada em serviços de mensagens privados. 

O refrão de que ele integrará o Instagram, WhatsApp e Messenger foi entoado uma vez mais. É um processo que deverá pelo menos um ano para acontecer – o executivo toma cuidado com os passos em relação a esse processo, pois já chamou a atenção de reguladores em diferentes países. 

A nova aparência do Facebook anunciada por Mark Zuckerberg
A nova aparência do Facebook anunciada por Mark Zuckerberg

Zuckerberg falou que o processo atual da empresa envolve seis princípios: interações privadas, criptografia, permanência reduzida de conteúdo, segurança. interoperabilidade e armazenamento secreto de dados. “O futuro é privado”, disse ele à plateia. 

No centro das mudanças está o Messenger. Zuckerberg anunciou um projeto, batizado de lightspeed, que aumenta a velocidade com que as mensagens são entregues e o tamanho do app. A empresa diz em 1,3 segundo e menos de 30 MB de tamanho. O WhatsApp tem 93 MB. Assim, a empresa diz que ajudará a economizar espaço e bateria nos celulares. 

Mais importante do que isso, são os novos recursos apresentados. Uma aba para amigos aparece com destaque, e lá o usuário poderá visualizar as atividades dos amigos, incluindo o que fazem no Instagram. É um indício do futuro integrado imaginado pela empresa. 

A companhia também anunciou um aplicativo para desktop do Messenger, compatível com Mac e Windows. Chegará nos próximos meses, segundo a empresa.  

Décor do dia: banheiro minimalista no meio do jardim

Caixa espelhada camufla o cômodo intimista na paisagem
POR PAULA JACOB | FOTOS ROBERT WALSH/DIVULGAÇÃO

Que tal tomar um banho vivendo a floresta? Esta é a proposta deste banheiro minimalista no meio do jardim, criado pelo escritório australiano Madeleine Blanchfield Architects. A caixa espelhada camufla a instalação na paisagem, garantindo intimidade para quem estiver por ali. Na decoração, as louças, metais e a banheira seguem a estética limpa, com linhas arquitetônicas. Um verdadeiro spa no quintal de casa!

3561-small_KangarooValleyOuthouse_MBAetal_RobertWalsh_00.jpg


Softbank vai investir US$ 1 bilhão na Rappi, diz agência Reuters

Fundo de investimento japonês que já fez aportes em gigantes como Uber e WeWork, começou a investir em startups da América Latina
Por Agências – Reuters

Aplicativo de entregas, Rappi foi o primeiro escolhido para receber parte do aporte do SoftBank na América Latina

O fundo bilionário japonês Softbank deve anunciar ainda nesta terça-feira, 30, o aporte de US$ 1 bilhão no aplicativo de entregas Rappi. As informações são de fontes ligadas às duas empresas.

O aporte seria o primeiro investimento do recém-criado Fundo de Inovação do fundo japonês, desenvolvido para aplicar em startups da América Latina. A Rappi é uma startup colombiana que foi avaliada em US$ 1 bilhão em sua última rodada de financiamento realizada em setembro.

Segundo a agência de notícias Reuters, outro veículo de investimentos pertencente a Softbank, o Vision Fund, também participará da rodada. Softbank e Rappi não comentaram imediatamente sobre o assunto.

Estratégia. Em março, a gigante japonesa anunciou a operação na América Latina com um fundo criado para ajudar empresas do seu portfólio a ampliar o alcance no continente. Entre os países que devem receber aporte estão Brasil, Argentina, Chile, Colômbia e México.

O foco do investimento será em startups com soluções para comércio eletrônico, serviços financeiros digitais, saúde, mobilidade e seguros.

Hoje, a Softbank tem participação nas maiores startups do mundo como Uber, WeWork, Alibaba, 99 entre outros.

Kanye West e Kim Kardashian cumprimentam turistas que faziam tour por Los Angeles

Além do casal, Kris e Kendall Jenner também estavam no carro e abaixaram os vidros para falar com os fãs

Kanye West e Kim Kardashian em evento em Nova York. Foto: Allison Joyce/Reuters

Um grupo de turistas que faziam um passeio por Los Angeles, nos Estados Unidos, foram surpreendidos ao encontrarem membros da família Kardashian-Jenner. Na cidade californiana, é comum ver ônibus que realizam passeios por regiões frequentadas por personalidades e artistas.

Kanye WestKim KardashianKendall e Kris Jenner estavam dentro de um carro e decidiram cumprimentar os turistas do ônibus. “Oi, gente”, disse Kanye, ao abrir os vidros do veículo que estava dirigindo. Empolgada, Kris comentou: “Isso é tão fofo”, enquanto os turistas registravam o momento com seus celulares.

As imagens foram feitas por Kendall, que estava no banco de trás ao lado da mãe, Kris. Em certo momento, Kim diz: “Pare com isso, continue [dirigindo]”. Apesar da fala apreensiva, ela ri da situação.

Antes de sair, Kanye e Kris brincam: “O tour acabou!”. Assista ao momento:

‘Tinder do Facebook’ chega ao Brasil; entenda como funciona o serviço de paquera

Dating permite paquera separadamente do perfil principal na rede social; rede social planeja integração com Instagram
Por Bruno Romani – O Estado de S. Paulo

Visual do Dating: no topo uma aba com o perfil, interesses e conversas; matches em grupos e eventos ficam abaixo

Apresentado no ano passado, o Facebook Dating, o serviço de paquera da rede social, começa a funcionar nesta terça, 30, no Brasil e em outros 13 países (Peru, Chile, Bolívia, Equador, Paraguai, Uruguai, Guiana, Suriname, Filipinas, Vietnã, Singapura, Malásia e Laos). Nos EUA, o serviço chega nos próximos meses. O lançamento acontece na F8, a feira de desenvolvedores do Facebook – onde, no ano passado, o Facebook revelou o lançamento do Dating. 

O serviço, que chega para competir com o Tinder, já está disponível dentro do Facebook e é gratuito. Ao contrário do rival, a plataforma será uma aba dentro da rede social, e não um app em separado. A companhia, porém, diz que nas primeiras semanas estará apenas recebendo informações dos usuários, até que comece a sugerir candidatos a um relacionamento. 

Veja como o Facebook Dating funciona abaixo. 

Como participar

Oficialmente, o serviço é separado da rede social, mas para participar é preciso ter um perfil no site. O Dating funcionará dentro do serviço principal do Facebook, tanto na versão web quanto na versão para celulares. Serão permitidos apenas maiores de idade no serviço. 

Por padrão, o usuário terá que criar um novo perfil e não poderá importar automaticamente informações do perfil principal no Facebook – o Dating puxará apenas nome, sobrenome e idades dos participantes. Essas informações não poderão ser alteradas.

Porém, a empresa está implementando uma nova ferramenta, já ativa na Argentina, que sugere informações para serem importadas, como fotos. Nesse caso, serão sugeridas até quatro fotos, incluindo uma foto do perfil do Facebook e fotos destacadas (se disponíveis), bem como a biografia, cidade natal, educação e profissão. Segundo a empresa, isso foi um pedido dos usuários. 

Para criar um perfil , o usuário deverá baixar a versão mais recente do app do Facebook. No menu “Mais”, o usuário encontra o símbolo de coração. No cadastro, o usuário também informará o seu gênero e quais pessoas tem interesse em ver. 

Quem você pode paquerar

Por padrão, o serviço nunca sugere paqueras entre amigos. Os usuários também poderão configurar o serviço para que não sugira amigos de amigos. Ao Estado, Charmaine Hung, gerente de produtos no Facebook,  diz que esse foi um pedido da comunidade LGBTQ+. As sugestões ocorrem baseadas em suas preferências, interesses e atividades no Facebook. 

O Facebook mostrará também quais são os possíveis matches em eventos e grupos do perfil principal no Facebook – continuam excluídos apenas amigos, amigos dos amigos e outras pessoas bloqueadas. Moderadores desses grupos e eventos não poderão interferir na interação entre os participantes. 

Para saber se gosta ou não de uma pessoa, o usuário terá que ir ao perfil da pessoa. Não há a mecânica de deslizar o dedo para esquerda ou para a direita. 

Conversa sem ‘nudes’ 

O serviço não exige que as duas pessoas se curtam antes que possam se comunicar. Se o usuário se interessar por alguém, poderá fazer contato imediatamente com a outra pessoa. Segundo Hung, a ideia é trazer a dinâmica de paquera do mundo real, onde as duas pessoas não precisam aprovar uma conversa antes que ela comece. Porém, esse recurso só funciona uma vez. Se o usuário fez contato e não teve resposta, não poderá enviar mensagens novamente. 

As conversas acontecem num app de mensagens independente do Messenger e de outros produtos do Facebook, como Instagram e WhatsApp. Ele não permite o envio de fotos, vídeos, links e gifs. Só rola texto – a ideia é garantir que usuários não receberão conteúdo indesejado. 

Perto de casa

O usuário será obrigado a compartilhar a sua localização com o serviço assim que criar o perfil. O Facebook diz que faz isso por razões de segurança. Ajuda também a inteligência artificial a fazer sugestões mais precisas. 

Depois disso, o usuário pode manter a localização desligada. No caso do usuário fazer uma viagem e tentar a sorte na cidade de destino, a localização terá que ser ativada para que o serviço faça sugestões corretas. 

Crush Secreto 

Crush Secreto, novo recurso do Dating: tela inicial, lista de crushes e encontro no mensageiro após um match

O Facebook ainda revelou nesta terça-feira um novo recurso para o Dating, o “crush secreto”. É parecido com um recurso que que existia no finado Orkut: o usuário poderá marcar os amigos do Facebook normal como “crush secreto”. Eles nunca saberão que foram marcados, exceto se marcarem também a pessoa. Quando isso acontecer, ambos serão levados para a ferramenta de mensagens. 

O recurso, porém, não é a Festa da Uva e só permitirá que nove pessoas sejam marcados como “crush secreto”.  

Segurança 

Se duas pessoas resolverem se encontrar fisicamente, o Dating terá um recurso para compartilhar em tempo real a localização com os amigos para garantir a segurança. O compartilhamento ocorre no Messenger. Se o usuário não quiser compartilhar a localização com os amigos, poderá revelar o horário e duração do encontro, o que também pode ajudar caso alguma coisa saia do controle.

Outros recursos de segurança permitirão bloquear e denunciar qualquer pessoa. É possível também pausar as sugestões de encontros, caso o usuário mude o status de relacionamento, ou sair completamente do serviço. 

Tela do Facebook Dating, novo serviço de namoro da empresa 

Privacidade?

A reputação do Facebook não transmite muita confiança no que diz respeito a cuidar de dados dos usuários. A empresa, porém, garante que nenhuma das informações será compartilhada com a plataforma oficial da empresa. Ao Estado, Hung afirmou que nenhuma das informações do Dating serão usadas para a criação de anúncios personalizados. 

Nenhuma atividade realizada no Dating é compartilhada com os amigos no feed de notícias ou com os amigos do Facebook. 

Instagram é o futuro

A reportagem apurou que o Facebook planeja integrar o Instagram ao Dating, mas os detalhes ainda são incertos. 

Europa fora

Ao Estado, Hung disse que nenhum País da Europa está incluso no lançamento por questões relacionadas ao GDPR, a lei de proteção de dados da Europa. Ela diz também que o Facebook ainda não uma meta sobre número de usuários que planeja atingir. 

Charlize Theron relata caso de assédio durante primeira audição

Sul-africana tinha 18 anos e fazia o primeiro teste para iniciar a carreira como atriz

Charlize Theron recorda como um grande produtor de filme foi impróprio com ela

A atriz Charlize Theron relatou na última segunda-feira, 29, durante uma entrevista ao programa de rádio de Howard Stern, que foi vítima de assédio durante sua primeira audição, quando tinha por volta de 18 anos.

A sul-africana protagonista de Monster – Desejo Assassino conta que sua primeira audição para um filme foi realizada na casa de um importante produtor de cinema, em um sábado à noite. “Eu bati na porta e ele abriu vestindo pijamas”, disse. A atriz começou a estranhar o comportamento do homem, que estava ingerindo bebidas alcoólicas. Ela sugeriu que lesse um roteiro para ele avaliar, o que foi negado porque “iriam apenas conversar”.

Em certo momento, o produtor coloca as mãos no joelho da atriz, que inventa uma desculpa para ir embora do local. Anos depois, ela chegou a confrontá-lo por conta do assédio e ele disse não se lembrar do encontro. “Levei oito anos para resolver isso porque ele me ofereceu um emprego e eu fui apenas para ter meu momento”, contou.

Apesar de não revelar o nome do produtor, Charlize conta que “ele era muito importante e ainda é”. Em 2017, ela se manifestou durante o movimento #MeToo e disse não estar surpresa após as acusações contra o produtor Harvey Weinstein.

Assista a um trecho da entrevista: