Malévola 2 | Primeiras cenas são apresentadas em evento – leia a descrição

Será que ela pode ser uma boa figura materna para Aurora?
CAMILA SOUSA

A Disney apresentou as primeiras cenas de Malévola 2 durante a CinemaCon (via /Film). Com o subtítulo original de Mistress of Evil, o longa mostrará o príncipe Phillip convidando Aurora e Malévola para o castelo.

Lá elas encontram a rainha Ingrid (Michelle Pfeiffer) e Aurora é pedida em casamento, algo que divide a princesa e Malévola, que não acha a proposta uma boa ideia. O trecho deixa claro que a rainha Ingrid tem seus próprios planos em relação ao casamento e em certo momento ela se aproxima de Aurora, o que deixa Malévola enfurecida.

Segundo o /Film, a sequência mostrará a princesa tentando se adaptar aos modos do castelo e será questionado se Malévola pode ser uma boa figura materna para Aurora.

Michelle Pfeiffer interpretará a rainha Ingrid e Harris Dickinson será o príncipe Philip. Chiwetel Eijofor e Ed Skrein também estão no elenco, que terá o retorno de Angeline Jolie no papel principal e Elle Fanning como a princesa Aurora. Joachim Ronning (Piratas do Caribe: a Vingança de Salazar) é o diretor.

Maleficent: Mistress of Evil chega aos cinemas em 17 de outubro.

Juankr for L’Officiel Mexico with Alicia Herbeth

Photographer: Juankr. Styling: Almudena Guerra. Hair: Fernando Torrent. Makeup: Linda Gradin. Model: Alicia Herbeth.

Apple nomeia Adrian Perica seu novo VP de desenvolvimento corporativo

Adrian Perica novo VP de desenvolvimento corporativo da Apple

Adrian Perica começou a trabalhar na Apple em 2009. Desde então, ele cuida de fusões e aquisições na empresa. Hoje, Perica recebeu uma bela promoção. Como podemos ver na página de liderança da Maçã, ele agora ocupa o cargo de vice-presidente de desenvolvimento corporativo, respondendo diretamente a Tim Cook (antes, respondia ao CFO1 Luca Maestri).

Desde que ingressou na empresa, ele supervisionou a integração bem-sucedida de tecnologias vitais e novos negócios em hardware, software e serviços — e aqui vale lembrar da maior delas, a Beats, por US$3 bilhões.

Antes de ir para a Apple, o executivo trabalhou no Goldman Sachs (novo parceiro da Apple na sua empreitada de cartão de crédito) por oito anos e, antes disso, na Deloitte Consulting (mais uma grande parceira da Maçã) e foi oficial do Exército dos EUA.Leia tambémApple poderá colocar mais dinheiro na Didi Chuxing por conta de um investimento da SoftBankEm evento da Fast Company, Angela Ahrendts fala um pouco sobre os planos da Apple para o varejoApple investirá US$848 milhões em uma usina solar capaz de gerar energia para 60.000 casas

Perica é bacharel em Física pela Academia Militar dos Estados Unidos em West Point e tem um MBA pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o famoso MIT. Ele atualmente também faz parte do conselho de administração da Didi Chuxing, que já recebeu um investimento de US$1 bilhão da Apple.

Será que vem uma nova grande aquisição por aí?

ATUALIZAÇÃO04/04/2019 ÀS 10:06

Segundo Mark Gurman, da Bloomberg, Perica já ocupava o cargo de VP de desenvolvimento corporativo há algum tempo. A novidade foi a mudança na estrutura, já que agora ele responde ao CEO em vez de ao CFO.

Coincidentemente — ou não —, essa mudança ocorreu exatamente no momento em que analistas de Wall Street pedem que a Apple considere fazer aquisições maiores. Em 2018, ela comprou 18 empresas, mas nenhuma delas ultrapassou o patamar de US$1 bilhão.

Gurman também comentou que Perica faz parte de um seleto grupo. No total, são 20 executivos na Apple que respondem diretamente ao CEO — incluindo todos que estão na página de liderança da empresa, além de Mike Fenger e Doug Beck (ambos vice-presidentes de vendas), que não estão listados na página. [MacMagazine]

Telma Shiraishi, do Aizomê, é nomeada embaixadora da culinária japonesa

À frente de um restaurante japonês em São Paulo, a chef foi a primeira brasileira e a única mulher a receber o título

Telma Shiraishi, do Aizomê, é nomeada embaixadora da culinária japonesa Foto: Carol Gherardi

Já faz tempo que Telma Shiraishi oferece a delicadeza da culinária japonesa aos paulistanos. Em seu Aizomê, os comensais descobrem um Japão que vai além dos clichês e estereótipos gastronômicos.

Por seu trabalho, ela recebeu, no dia 25 de março, um título concedido pelo governo japonês: a chef foi nomeada Embaixadora da Boa Vontade Para Difusão da Culinária Japonesa.

Ela é a primeira brasileira e a única chef mulher a receber o título. Telma segue guardiã da tradição nipônica, ainda que do outro lado do mundo. 

SERVIÇO

Aizomê

Alameda Fernão Cardim, 39, Jardim Paulista

Telefone: 2222-1176

Britney Spears é internada em clínica de saúde mental por doença do pai, diz ‘TMZ’

Cantora estaria sofrendo por doença do pai

Britney Spears (Foto: Reprodução/Instagram)

Britney Spears foi internada em clínica de saúde mental, segundo o site TMZ. De acordo com a publicação, a cantora de 37 anos está seriamente estressada devido à doença do pai, Jamie Spears, que já passou por duas cirurgias para corrigir problemas devido à ruptura do cólon no final do ano passado. Por causa da condição dele, Britney cancelou a série de shows que faria em Las Vegas, adiou o novo álbum e resolveu fazer uma pausa na carreira.

A cantora teria entrado na clínica voluntariamente e terá uma estadia de 30 dias. No Instagram, Britney publicou uma imagem nesta quarta-feira (3) dizendo “Apaixone-se por tomar conta de você mesmo, de corpo, mente e espírito”, seguido da legenda “todos precisamos de uma tempinho para nós”.

Uma fonte da revista Enterteinment Weekly contou à  publicão que Jamie não está bem: “O pai doente teve um custo para ela. Ele quase morreu e passou por outra cirurgia há algumas semanas. Ele não está bem. Os dois são muito próximos, mas não tem nada dramático com ela – ela apenas entendeu que precisa ter tempo para se cuidar”, explicou a fonte..

Desde 2008, Britney é tutelada legalmente pelo pai, que no ano anterior assumiu a vida da filha quando ela teve um colapso nervoso. Jamie disse na ocasião que tinha medo de acordar um dia e receber uma ligação do legista sobre a cantora, que foi diagnosticada com sendo bipolar.

Ao anunciar a pausa para ficar com o pai, Britney explicou que a família vinha primeiro. “Dois meses atrás meu pai foi hospitalizado e quase morreu. Estamos muito gratos por ele ter saído dessa vivo, mas ele ainda tem um longo caminho pela frente”, afirmou a cantora no dia 4 de janeiro. “Eu nem sei por onde começar, porque é tão difícil para mim dizer isso. Não vou fazer meu novo show Domination. Estava ansiosa para esse espetáculo e para ver todos vocês, então meu coração está destruído. Mas é importante colocar a família em primeiro lugar… E essa é uma decisão que tive que tomar”, disse ela.

“Tive de tomar a difícil decisão de focar minha energia na minha família nessa fase. Espero que vocês entendam. Obrigada pelas orações e apoio à minha família nesse momento. Obrigada a todos e amo vocês… sempre”, completou a artista.

Chicago elege primeira mulher negra e homossexual para prefeita da cidade

Ex-promotora federal, democrata Lori Lightfoot lidará com taxa recorde de homicídio
Ligia Hougland

A nova prefeita de Chicago, Lori Lightfoot – REUTERS

WASHINGTON – Pela primeira vez, uma mulher negra e assumidamente homossexual foi eleita prefeita de Chicago, a terceira maior cidade dos Estados Unidos e uma das mais violentas do país. A ex-promotora federal democrata Lori Lightfoot venceu, com 74% dos votos, a adversária do mesmo partido Toni Preckwinckle, que recebeu 26% dos votos.

Independentemente de quem vencesse a eleição para a prefeitura de Chicago, que foi realizada nesta terça-feira (2), essa pessoa faria história como primeira prefeita negra da cidade. Lightfoot, de 56 anos, é a segunda mulher a conquistar a prefeitura da “cidade dos ventos”, como Chicago é conhecida, depois de Jane Byrne, que ocupou o cargo de 1979 a 1983.

A antiga promotora federal foi indicada para importantes cargos de supervisão da polícia durante o governo do atual prefeito, Rahm Emanuel, que ocupou posições de liderança nos governos de Bill Clinton e Barak Obama, apesar de seu temperamento explosivo.

Lightfoot era a favorita do atual prefeito e insider da política de Chicago, que é dominada pelo Partido Democrata, mas não tem experiência política e traz novos ares à cidade. Além de ser a primeira prefeita negra da terceira maior cidade americana, a promotora é lésbica e casada com uma mulher —o casal tem uma filha de 10 anos.

Ao contrário de Preckwinkle, que apresentou uma plataforma mais progressista, ligada a sindicatos e com críticas duras à suposta atuação com viés racista da polícia, a nova prefeita promete ser conciliadora e representar brancos, negros, latinos, além de manter um relacionamento próximo e não confrontador com o departamento de polícia.

De modo geral, entretanto, as duas candidatas apresentaram plataformas bastante semelhantes com foco em educação e segurança, duas áreas que seriam aprimoradas principalmente por meio de investimentos nas regiões mais necessitadas da cidade.

ESCÂNDALO DO ATOR JUSSIE SMOLLETT PESOU NA ELEIÇÃO

Lightfoot também diz que vai por fim à corrupção presente na administração do município, algo que no momento é foco de uma investigação. Um dos fatores que contribuiu com a ampla vitória da promotora sobre sua rival foi que grande parte da população e o departamento de polícia da cidade ficaram revoltados com o escândalo protagonizado pelo ator negro e gay Jussie Smollett, do seriado de televisão Empire.

Smollett foi indiciado por ter encenado um crime de ódio ao pagar dois nigerianos para fingir que o atacavam e, depois disso, dizer que havia sido agredido por brancos, racistas e homofóbicos que apoiavam Donald Trump. Misteriosamente, o ator conseguiu que todas as suas 16 acusações fossem eliminadas, graças à provável ajuda da procuradora do estado, Kim Foxx.

Preckwinkle foi uma das impulsoras da carreira política da procuradora. O suposto ataque envolvendo Smollett, em janeiro, mobilizou uma grande força policial e causou ainda mais tensão nas relações entre os brancos e os negros de Chicago. O caso acabou ajudando Lightfoot e sua promessa de combater a corrupção.

O ator Jussie Smollett – REUTERS

DESAFIOS

A nova prefeita não vai ter descanso se quiser mesmo resolver os problemas da cidade de quase três milhões de habitantes. Chicago é campeã em homicídios nos Estados Unidos, com cerca de 540 assassinatos por ano, e é uma das cidades americanas com maior disparidade econômica e social entre os grupos raciais.

Brancos, negros e latinos têm praticamente a mesma representação demográfica na cidade. Cada um desses grupos representa cerca de 30% da população, mas os negros e os latinos ainda vivem como minorias em Chicago, pois não contam com as mesmas perspectivas socioeconômicas dos brancos.

APAZIGUAMENTO DA TENSÃO RACIAL EM CHICAGO É PRIORIDADE PARA 2020

Há uma certa esperança de que a prefeita promova uma nova aliança entre os negros e os latinos da cidade, como aconteceu na década de 1980. A Coalizão do Arco-íris, como era conhecida a parceria entre negros e latinos, teve um papel fundamental na eleição do primeiro prefeito negro de Chicago, Harold Washington, em 1983.

No entanto, a nova prefeita vai enfrentar desafios que não existiam há 30 anos, como problemas de infraestrutura, falta de recursos nas escolas públicas, necessidade de reforma da polícia e cortes de orçamento, além de ter de continuar a satisfazer as populações de maioria branca que ocupam as partes da cidade que muito prosperaram durante os dois mandatos de Emanuel.

Para os democratas seria vantajoso que Lightfoot desse prioridade à promoção desse tipo de aliança em Chicago, servindo assim como um modelo a ser aplicado em âmbito nacional, pois estão apostando em uma forte união entre negros e latinos para derrotar Donald Trump na disputa pela Casa Branca em 2020.

MIB Internacional ganha foto inédita com os protagonistas

A Total Film divulgou uma foto inédita de MIB Internacional onde Tessa Thompson aparece sorrindo para Chris Hemsworth.


Estrelada por Chris Hemsworth Tessa Thompson, a produção é dirigida por F. Gary Gray, de Velozes e Furiosos 8 e Straight Outta Compton: A História do N.W.A. A estreia está marcada para junho.

200 mil pessoas assinaram o Apple News+ em 48h, mas serviço pode ameaçar revistas

200 mil pessoas assinaram o Apple News+ em 48h

Dentre as quatro novidades apresentadas pela Apple no seu último evento especial, só a plataforma de publicações Apple News+ teve lançamento imediato nos Estados Unidos — e a resposta dos consumidores parece ser razoavelmente positiva, até o momento.

De acordo com dados publicados pelo New York Times, mais de 200 mil usuários assinaram o serviço — que custa US$10 mensais e tem um mês de testes gratuito — em suas primeiras 48h de disponibilidade. Os números vêm de fontes próximas do assunto não-divulgadas pelo jornal.

Apenas a efeito de comparação, o moribundo serviço da Texture — adquirido pela Maçã no ano passado e usado como base para construção do Apple News+ — nunca teve 200 mil assinantes, nem no seu momento de maior popularidade. Claro, a comparação é injusta, já que estamos falando de um serviço vindo de uma startup basicamente desconhecida contra uma plataforma amplamente divulgada por uma das maiores empresas do mundo; ainda assim, os números indicam um caminho interessante para o serviço de Cupertino neste início de vida.

Algumas editoras também estão animadas com esses primeiros passos do Apple News+: Pamela Wasserstein, CEO1 da New York Media (que publica revistas como New YorkThe Cut e Vulture), afirmou que a plataforma ajudaria as publicações a “alcançarem uma nova audiência” num ambiente que “parece certo”.

A opinião da editora, entretanto, parece ter algumas indicações contrárias, como veremos a seguir.

Ameaça para revistas?

Em um artigo escrito para o Monday Note, o analista Frederic Filloux alertou as editoras para um possível corte significativo de receita por leitor caso o Apple News+ se consolide como uma opção viável e popular para o mercado americano.

O cálculo de Filloux é simples: atualmente, o mercado de revistas gera cerca de US$27 bilhões por ano — o que, por si só, representa uma queda de cerca de 40% em relação a uma década atrás. Esses US$27 bilhões se convertem em cerca de US$120/ano por leitor, o que representa o mesmo que o Apple News+ gera por usuário, já que o serviço custa US$10 por mês.

O problema é que a Apple fica com metade dessa receita — o que significa que, caso sua plataforma se torne uma via de acesso “padrão” para revistas, as editoras perderão metade da sua receita nos próximos anos.

Projeção de perda de receita das revistas com o Apple News+

A situação, claro, não é tão simples e varia de acordo com as revistas: o analista calcula, por exemplo, que a New Yorker perderá 88% de sua receita caso o Apple News+ se torne extremamente popular; já a WIRED, com uma inserção muito mais intensa de publicidade, terá uma perda de apenas 12% — isso estimando que cada leitor passe cerca de 15% do seu tempo na plataforma na WIRED, e 20% na New Yorker.

Algumas publicações já parecem ter percebido que a plataforma pode representar um problema. A ausência do New York Times e do Washington Post no Apple News+, por exemplo, já foi amplamente notada, e uma reportagem publicada recentemente pela Vanity Fair afirma que não foi por falta de tentativa: Eddy Cue, vice-presidente sênior de software e serviços para internet da Apple, passou boa parte dos últimos meses nos escritórios dos dois jornais, mas não obteve sucesso — especialmente porque a Apple recusou-se a diminuir sua taxa de 50% para as duas editoras. [MacMagazine]

Pamela Hanson for Max Mara Spring Summer 2019 with Hailey Bieber

Photographer: Pamela Hanson. Hair Stylist: Ward Stegerhoek. Makeup Artist: Frank B. Manicurist: Gina Edwards at See Management. Model: Hailey Bieber.