Preço inicial de US$ 26 por ação avalia Slack em US$ 15,7 bilhões

App de mensagens corporativas fará abertura de capital na bolsa de valores de Nova York nesta quinta-feira, 19; empresa usará listagem direta, instrumento usado pelo Spotify no ano passado

Slack deve iniciar venda de ações entre junho e julho 

O app de mensagens corporativas Slack definiu o preço inicial de suas ações em US$ 26, disseram fontes ao jornal americano Wall Street Journal. A startup, que faz parte da onda de aberturas de capital de 2019, começará a vender seus papeis na bolsa de valores de Nova York (NYSE, na sigla em inglês) nesta quinta-feira, 20. Com a cotação a US$ 26, o Slack está avaliado em US$ 15,7 bilhões. 

No ano passado, o Slack foi avaliado em US$ 7,1 bilhões. A expectativa das fontes do Wall Street Journal é de que as ações tenham um salto assim que comecem a ser negociadas na bolsa. Parte do motivo para isso é porque o Slack fará uma oferta pública direta de ações (DPO, na sigla em inglês). 

É um processo pouco usual, no qual a empresa simplesmente põe seus papéis à disposição, sem o processo prévio de leilão pelo preço das ações ou preparação com bancos de investimento. A manobra, porém, tem atraído empresas de tecnologia: no ano passado, o Spotify fez o mesmo para abrir seu capital na NYSE

Fundado em 2013 por Stewart Butterfield, um dos fundadores do serviço de armazenamento de fotos Flickr, o Slack nasceu como um serviço de comunicação interno de um jogo criado por Butterfield. O sistema, no entanto, acabou virando uma ideia própria e hoje conta com milhares de usuários pagos em todo o mundo, além de ter uma versão gratuita – o serviço tem sido considerado um substituto contemporâneo ao email em várias corporações. 

‘Moeda do Facebook deve enfrentar regulação’, diz Fed

Presidente da instituição diz que moedas digitais podem apresentar riscos em potencial, principalmente quando adotadas em larga escala

Fed acredita que a libra, moeda do Facebook, deve encontrar regulação

A libra, moeda digital do Facebook anunciada nesta terça, 18, deve encontrar ambiente regulatório, segundo o Fed, banco central dos EUA.  A declaração foi dada nesta quarta, 19, por Jerome Powell, presidente do Fed, durante reunião da instituição. “Temos alta expectativa de um ponto de vista de segurança e de regulação se eles decidirem avançar com o projeto”, disse ele.  

O dirigente confirmou que o Facebook conversou com o Fed sobre regulação. “O Facebook fez amplas reuniões com reguladores, autoridades e muitas pessoas sobre seus planos e isso certamente inclui a gente”, falou. Powell acredita que, apesar de benefícios, moedas digitais podem apresentar riscos em potencial, principalmente as que são adotadas em larga escala.

Ele, porém, disse que não acredita que a libra possa abalar a capacidade do Fed de conduzir política monetária, preocupação levantada por especialistas ouvidos pelo Estado. “Moedas digitais ainda estão em sua infância”, disse. 

O dirigente lembrou que o Fed não tem autoridade sobre criptomoedas, isso estaria ligado a agência de proteção ao consumidor, mas que bancos centrais têm influência sobre a sua adoção. “O Fed tem papel importante no sistema de pagamentos”, disse. 

Daniel Graham Hack Latest Summer Beauty Editorial Exclusively for Fashion Editorials

Model: Annemara Post at Model Management.

Photographer: Daniel Graham Hack. Stylist: Nicole Smallwood. Makeup & Hair: Camilla Hewitt at One Represents using SUQQU & Leonor Greyl. Model: Annemara Post at Model Management.

Black Bikini High Waisted Bikini Eres
White Dress one Shoulder Dress Christopher Kane
Long cream dress Dress Philosophy di Lorenzo Serafini Earring Sam Ubhi
Bikini Adriana Degreas
Black polka dot Top Philosophy di Lorenzo Setafini Bikini top Melissa Odabash Earring Sam Ubhi
Long cream dress Dress Philosophy di Lorenzo Serafini Earring Sam Ubhi
Bikini Adriana Degreas

Campanha para Nike dá segundo Grand Prix a agência Akqa fundada há cinco anos no Brasil

Equipe da Akqa recebe Grand Prix, o segundo de 2019, em Cannes (Foto: Soraya Ursine/Estadão)

Um nome diferente vem aparecendo com cada vez mais frequência na lista das premiações mais importantes do Cannes Lions – Festival Internacional de Criatividade. É o da agência Akqa, que chegou ao mercado há cinco anos e foi formada por executivos que saíram da Ogilvy Brasil. A empresa ganhou nesta quarta-feira, 19, seu segundo Grand Prix (Grande Prêmio) do festival em 2019, na categoria Media Lions, com uma campanha feita para um grande anunciante: a Nike.

Comandada pelos brasileiros Diego Machado e Renato Zandona, além do português Hugo Veiga, a filial brasileira da Akqa trabalha em um formato diferente da maioria das agências, segundo os executivos. Para começar, ela aceita trabalhos em forma de consultoria – caso seja necessária a compra de mídia para algum cliente, o trabalho é repassado a um terceiro. No caso da campanha do modelo AirMax a partir de um conceito que celebrava os talentos do grafite nacional, a veiculação foi coordenada pela Wieden+Kennedy.

A campanha que trouxe o segundo Grande Prêmio à Akqa em dois dias – o primeiro havia sido para o lançamento do segundo álbum do rapper Baco Exu do Blues – foi realizada em São Paulo. Usou tanto a conexão da AirMax com a arte de rua quanto o debate gerado pela decisão do então prefeito (e hoje governador João Dória) de apagar parte dos grafites das ruas de São Paulo. No início deste ano, a 12.ª Vara da Fazenda Pública da Capital condenou Dória e a prefeitura a uma indenização de R$ 782,3 mil pela remoção dos grafites.

Tudo isso ajudou a chamar a atenção para o projeto, que tinha também um claro objetivo de negócio: ao contrário do que ocorria nos Estados Unidos, ainda havia certa resistência do brasileiro em comprar online. Por isso, para celebrar os novos modelos AirMax, a agência adicionou os tênis a desenhos que já existiam na cidade. Para poder comprar um par dos novos tênis, o usuário tinha de ir até o desenho e fazer o pedido pelo celular – os produtos ficaram disponíveis só nesta plataforma.

Para ganhar o Grand Prix em Media Lions, a peça da Akqa bateu um total de 2.196 peças publicitárias, de 66 países. A presidente do júri de Media Lions, Karen Blackett, disse ontem que a campanha foi escolhida porque teve um grande alcance (atingindo um total de 80 milhões de pessoas) e também conseguiu se tornar “parte da cidade”. Isso ocorreu, segundo Machado, porque, além de fazer intervenções em grafites já existentes, a campanha teve uma segunda fase em que alguns dos desenhos apagados da Avenida 23 de Maio foram devolvidos em um mural localizado atrás do Masp, nas proximidades da Avenida Paulista.

Mais Leões. Além do Grand Prix (que adiciona mais um ouro à conta dos prêmios do Brasil), o País conquistou ainda quatro pratas em Media Lions: Grey Brasil (Volvo), Tech and Soul (Uber), Africa (Brahma/AB InBev) e Akqa (Nike AirMax). Houve também quatro bronzes: David São Paulo (Burger King), Tech and Soul (Uber), Wunderman Thompson (Gud) e Grey Brasil (Reclame Aqui). Uma mesma ação pode levar mais de um Leão, pois o julgamento é dividido em subcategorias.

Brasil recebeu Leão de Ouro para David Brasil e Burger King (Foto: Soraya Ursine/Estadão)

Em Creative Data Lions, foram duas premiações: ouro para Ogilvy São Paulo (Petz) e bronze para Tribal Worldwide (E-Moving). Em Direct Lions, um ouro, uma prata e dois bronzes vieram para David São Paulo, para a campanha do Burger King que incentivava clientes a “incendiarem” virtualmente anúncios do McDonald’s. A categoria ainda trouxe mais dois Leões de bronze: Grey Brasil (Reclame Aqui) e Tech and Soul (Uber).

Em PR Lions (ações de relações públicas), foram quatro Leões, todos de bronze: Ogilvy Brasil (Hermes Pardini), Grey (Volvo e Reclame Aqui), Tech and Soul (Uber). Em Social & Influencer, também mais três Leões, todos de bronze: Publicis (Bradesco), Grey Brasil (Reclame Aqui) e Africa (revista ‘Rolling Stone’). Não houve premiações em Creative Strategy para o País.

Com os 24 Leões angariados ao longo do dia de ontem, o País chegou a um total de 65 prêmios acumulados em Cannes Lions 2019. [Fernando Scheller]

Fãs de Keanu Reeves querem o ator como personalidade do ano da revista Time

Petição na internet já tem 32 mil assinaturas

O ator Keanu Reeves, de 54 anos, está com tudo este ano. Ele já é considerado o “mais novo namoradinho da internet” pela mídia especializada em celebridades americana e, no Brasil, o seu nome virou até religião: o Keanuísmo.

Agora, os fãs do canadense querem que ele esteja na capa da revista Time como personalidade do ano e estão fazendo uma abaixo-assinado para isso. O documento on-line já tem 32 mil assinaturas e planeja chegar as 35 mil.

“Keanu é a melhor ser humano vivo, façam dele a personalidade do ano”, escreveu o criador da petição.

Segundo reportagem do Los Angeles Times, as chances do ator de ser capa da revista Time não são boas, já que a ideia da publicação é dar preferência a grupos e organizações que trabalham como defensores da justiça social e da política.

Em dezembro, a Time nomeou quatro jornalistas e um jornal como “guardiões” da “guerra à verdade” como personalidade do ano. Em 2017, a revista concedeu o título de “Silence Breakers” a todas as mulheres que se manifestaram sobre o assédio sexual no local de trabalho.

Reeves, no entanto, pode conquistar um lugar na lista das 100 das pessoas mais influentes, basta aguardar.

O astro de “Matrix” está novamente em alta na mídia por estar em diversas produções. Além de estrelar o filme de ação “John Wick 3”, ele também dubla um personagem em “Toy Story 4” e fez uma participação na comédia romântica “Meu Eterno Talvez”, da Netflix.

Recentemente, Reeves disse a uma repórter da revista americana People que não sabia de seu novo status como “namorado da internet”. E respondeu, simplesmente, que “a positividade é ótima”.

Os fãs de Reeves o defendem, principalmente, pela forma como ele lida com o seu passado tumultuado, que inclui e a morte de sua filha em 1999 e a morte acidental de sua namorada, Jennifer Syme, meses depois.

“Ele é humilde, pé-no-chão, generoso, gentil, respeitoso e trabalhador. Ele passou por coisas terríveis, ele merece isso ”, escreveu um signatário do ator.

Marvel

Keanu Reeves está com tudo. O cara é o queridinho das redes sociais, toca sua franquia John Wick à todo vapor e agora até mesmo está em uma petição de fãs, que pedem à revista Time Magazine para escolhê-lo como “Personalidade do Ano”. E quando veremos o ator encarnando algum super-herói, especialmente no MCU (Universo Cinematográfico Marvel)?

“Queremos descobrir o jeito certo de usá-lo no MCU”, diz Kevin Feige.

Bem, a resposta foi dada pelo próprio presidente do Marvel Studios, Kevin Feige e, ao que tudo indica, esse dia pode estar muito próximo. “Conversamos com ele em quase todos os filmes que fazemos. Não sei quando ou se ele vai se juntar ao MCU, mas nós queremos descobrir o jeito certo de fazer isso”, disse, em entrevista durante a coletiva de imprensa de “Homem-Aranha: Longe de Casa”, em Londres.

A situação lembra o que aconteceu com Jake Gyllenhaal. Ele foi abordado diversas vezes, para vários projetos, antes de Feige conseguir encaixar um roteiro à altura do astro — e de uma maneira que ele achasse interessante. Foi assim que ele foi parar no papel de Mysterio no próximo longa do Amigão da Vizinhança.

Extraoficialmente, há vários rumores sobre Keanu no MCU já há um bom tempo. Os mais recentes dão conta do ator em “Os Eternos”, que já tem confirmada Angelina Jolie e deve mostrar os primórdios do universo Marvel. Nos bastidores, ventila-se também a possibilidade dele interpretar um vilão recorrente. Certo mesmo é que sua presença deve tornar as próximas fases ainda mais interessantes.

Juli Balla for Grazia Australia with Kateryna Zub

Photography: Juli Balla Fashion Direction: Aileen Marr. Hair: Anthony Nader. Makeup: Desiree Wise. Fashion Assistant: Patrick Zaczkiewicz. Model: Kateryna Zub at Img

Best Buy agora é assistência técnica autorizada Apple

A Apple anunciou hoje uma boa expansão dos serviços de reparo de iGadgets: a gigante varejista Best Buy agora também faz parte da sua rede de serviços autorizados.

As lojas da Best Buy nos EUA agora oferecem serviços especializados e reparos para produtos da Apple

Com quase 1.000 lojas da Best Buy distribuída pelos Estados Unidos, clientes da Apple agora contam com uma rede ainda maior para reparos de dispositivos — principalmente em cidades como Yuma (Arizona), Sioux City (Iowa), Twin Falls (Idaho), Casper (Wyoming) e Bismarck (Dakota do Norte).

Além de facilitar o acesso, Apple e Best Buy também afirmaram que a maioria dos reparos serão realizados no mesmo dia, graças aos 7.600 novos técnicos certificados pela Maçã que podem agora realizar consertos em iPhones e outros gadgets.

Todos os reparos são, é claro, devidamente certificados e utilizam peças/componentes genuínos, da mesma forma que os atendimentos feitos em Apple Stores. Segundo a vice-presidente de AppleCare, Tara Bunch, a novidade vislumbra levar esse tipo de assistência técnica para ainda mais clientes da companhia.

Na Apple, nos dedicamos para fornecer o melhor atendimento aos nossos clientes. Se um consumidor precisar reparar seus produtos, queremos que eles se sintam confiantes de que os reparos são feitos de forma segura e correta. Estamos sempre analisando a forma como podemos expandir a nossa rede de técnicos treinados de forma confiável e estamos entusiasmados com a parceria com todas as lojas Best Buy, de maneira que ficará ainda mais fácil para os nossos clientes encontrarem um local de reparo autorizado perto deles.

Além das lojas de varejo da Maçã, existem mais de 1.800 Centros de Serviço Autorizados Apple nos EUA que utilizam peças certificadas “para segurança, qualidade e confiabilidade” dos consumidores. O número de assistências no país é agora 3x maior do que há 3 anos, o que significa que 8 entre 10 clientes da Apple estarão a 20 minutos de uma assistência técnica autorizada.

Tal iniciativa pode estar relacionada, ainda, ao Right to Repair (Direito ao Reparo), um movimento nos EUA que demanda uma maior flexibilidade por parte das fabricantes para oferecer (ou permitir) o reparo de aparelhos em assistências terceirizadas. Em março passado, inclusive, informamos que a Apple estaria mudando sua postura sobre as leis de reparo — e talvez essa seja uma dessas mudanças.

Milão terá casa para abrigar comunidade LGBT discriminada pela família

Trata-se do primeiro espaço na comuna italiana dedicada a esse atendimento; moradores terão apoio psicológico, jurídico e serviço de orientação profissional
AGÊNCIA – ANSA

Comunidade LGBT encontra acolhida em casas de apoio específicas para esse público. Foto: Unsplash/@mrs80z

A prefeitura de Milão vai inaugurar, a partir de 2 de julho, sua primeira casa para acolher jovens gays, lésbicas, travestis e transexuais discriminados por suas famílias devido à orientação sexual.

O anúncio foi feito nesta terça-feira, 18, pelo Conselheiro para Políticas Sociais, Saúde e Direitos da cidade italiana, Pierfrancesco Majorino, durante coletiva de imprensa da apresentação da Semana do Orgulho LGBT 2019.

A proposta é semelhante a da organização Casa 1, que atua no centro da cidade de São Paulo. Fundada em 2015 e lançada no ano seguinte, o projeto conta com três frentes de ação: república de acolhida, centro cultural (com atividades culturais e educativas) e clínica social (com atendimentos psicoterápicos, médicos e terapias complementares).

Em Milão, o apartamento disponibilizado pela cooperativa Spazio Libero na área das Forças Armadas poderá acomodar até três pessoas por um período máximo de seis a oito meses.

Durante esse tempo, os moradores terão à sua disposição apoio psicológico e jurídico e um serviço de orientação profissional e doméstica para guiá-los em direção à autonomia por meio de um projeto personalizado.

Como parte das iniciativas promovidas pela administração de Milão, será inaugurada na Casa de Direitos, no final deste mês, uma central de ajuda contra todas as formas de discriminação, que atuará em quatro áreas: deficiência e fragilidade, violência de gênero, migração e orientação sexual.

Além disso, Milão decidiu destinar 500 mil euros dos fundos da Lei 285/1997 para campanhas de informação e educação sexual nas escolas para apoiar a cultura de prevenção no combate a doenças sexualmente transmissíveis.

Michelle Obama enfrenta James Corden em jogo de queimada em Londres

Partida teve a presença de Harry Styles e Mila Kunis no programa ‘The Late Late Show with James Corden’

Michelle Obama enfrenta James Corden em um jogo de queimada em Londres. Foto: Reprodução/The Late Late Show

A ex-primeira-dama dos Estados Unidos Michelle Obama foi convidada para participar de um esquete do programa The Late Late Show with James Corden. Durante a entrevista, o apresentador a desafiou para participar de uma partida de queimada.

“Eu chamei alguns dos meus melhores amigos para me ajudar e eu estou muito confiante que o time Reino Unido…eu não quero dizer que vai destruir o time dos Estados Unidos. Mas nós vamos destruir o time dos Estados Unidos”, declarou James Corden. Michelle não titubeou: “Eu fiz algumas ligações e vamos apenas dizer que este time vai comer o adversário como café da manhã”!.

No time americano, a ex-primeira-dama recrutou Mila Kunis, Melissa McCarthy, Lena Waithe, Allison Janney e Kate Hudson. “Você não acreditaria em como foi fácil fazer com que as pessoas fizessem isso”, diz Michelle Obama quando a equipe dos Estados Unidos foi anunciada. “Tudo o que eu tinha a dizer era: ‘Você vai jogar uma bola no James Corden'”, ironizou Michelle.

No time britânico, Harry Styles, Benedict Cumberbatch, John Bradley e Reggie Watts estiveram com o apresentador. “Quando James Corden te liga, inicialmente você ignora a ligação e aí ele continua ligando”, disse Harry Styles.

No fim da partida, Estados Unidos de Michelle Obama levou a melhor. “O que importa é que nós mostramos às crianças que se exercitar pode ser divertido”, concluiu James Corden.

Assista ao vídeo: