Jony Ive, o mago do design do iPhone e do iPad, deixa a Apple

Jony Ive, o mais famoso designer do mundo, responsável por projetos icônicos da Apple, deixa a empresa para formar seu próprio estúdio, o LoveFrom
Por Maurício Grego

Jony Ive e o CEO Tim Cook, da Apple: design premiado (Apple/Divulgação)

São Paulo — A notícia tem sabor de fim de uma era: Jonathan “Jony” Ive, o festejado Chief Designer Officer da Apple (e provavelmente o designer mais famoso do mundo), está saindo da empresa para montar seu próprio estúdio, chamado LoveFrom.

Ive trabalhou por mais de 20 anos na Apple, onde liderou o desenho de produtos como iPod, iPhone, iPad, MacBook e iMac. Prestigiado dentro e fora da empresa, ele terá a fabricante do iPhone como primeira cliente de seu estúdio.

A Apple confirmou a notícia num comunicado à imprensa. A empresa informa que, agora, os chefes do design serão Evans Hankey, vice-presidente de desenho industrial, e Alan Dye, vice-presidente de desenho de interfaces.

Jony Ive nasceu na Inglaterra, país que, em 2012, o condecorou com uma de suas maiores honrarias, a de Cavaleiro Comendador da Ordem do Império Britânico (KBE na sigla em inglês). Em 1992, ele se mudou para a Califórnia e começou a trabalhar na Apple, enquanto Steve Jobs ainda tentava fazer decolar sua marca de computadores NeXT.

Ao retornar à Apple, em 1996, com a compra da NeXT pela Apple, Jobs recrutou Ive para ajudá-lo a levar a empresa numa nova direção. O apego de Jobs ao lado estético dos aparelhos eletrônicos combinava perfeitamente com o estilo criativo-refinado de Ive.

Numa entrevista à revista Time em 2014, Ive descreveu assim a afinidade que tinha com Jobs: “Quando olhávamos objetos, o que nossos olhos viam fisicamente e o que percebíamos mentalmente era a mesma coisa. Fazíamos as mesmas perguntas, tínhamos a mesma curiosidade sobre as coisas.”

Por décadas, Ive liderou o laboratório de desenho industrial da Apple. É uma área secretíssima na sede da empresa em Cupertino, na Califórnia. Só os altos executivos e a pequena equipe de Ive têm acesso ao local. Lá dentro, nasceram os projetos de várias gerações de produtos de enorme sucesso.

Ive falou ao jornal Financial Times sobre sua saída da Apple. Disse que sente que já completou os projetos importantes que queria realizar lá. Então, é hora de sair. Ive relembrou uma reunião que teve com Steve Jobs muitos anos atrás, da qual veio a ideia do nome de seu novo estúdio:

“Ele disse que uma das motivações fundamentais era que, quando você faz alguma coisa com amor e carinho, ainda que você nunca se encontre com as pessoas para quem você está fazendo aquilo, e você nunca venha a apertar a mão delas, ao fazer algo com carinho você está expressando sua gratidão à humanidade, à espécie.”

“Eu me identifiquei muito com essa motivação e fiquei emocionado com a descrição dele. Então, minha nova empresa se chama LoveFrom. O nome fala sucintamente por que eu faço isso.”

Bye, bye garrafas plásticas? Vem aí a água em latinha da PepsiCo

A mudança se aplica à Aquafina, marca de água mais vendida nos Estados Unidos, seguida pela Dasha, da Coca-Cola
Por Craig Giammona, da Bloomberg

Latas de alumínio da Pepsico: produto será testado em estádios e restaurantes. (Pepsico/Reprodução)

A gigante PepsiCo deve começar a vender água em latinhas de alumínio em vez de garrafas de plástico como uma opção para clientes como estádios e restaurantes, disse uma fonte da PepsiCo nesta quinta-feira. 

Se a nova embalagem emplacar, a Pepsico pode virar um case bem sucedido de empresa que abandona o plástico. A mudança se aplica à Aquafina, marca de água mais vendida nos Estados Unidos, seguida pela Dasha, da Coca-Cola.

As latas de alumínio são mais comuns e fáceis de serem reutilizadas do que as garrafas plásticas. Também são menos propensas a acabarem nos oceanos.

A PepsiCo também está fazendo uma transição de sua marca de água engarrafada mais cara, a LIFEWTR, para embalagens 100% recicladas até o fim de 2020 nos EUA. 

Outra marca da casa, a Bubly, de água gaseificada, já é distribuída principalmente em latas, mas também é vendida em garrafas plásticas de 600 ml, segundo a PepsiCo.

As mudanças devem eliminar mais de 8 toneladas de plástico virgem, de acordo com a empresa.

Anima Mundi bate meta de R$ 400 mil em crowdfunding e festival está garantido

Tradicional mostra de animação será realizado no Rio e em São Paulo, em julho

27ª edição do tradicional Festival Anima Mundi está confirmada para julho Foto: Reprodução

RIO — Agora é oficial: a 27ª edição do Anima Mundi, tradicional festival brasileiro de animação, está confirmada. No último dia, a campanha de financiamento coletivo criada pela organização alcançou a meta inicial de R$ 400 mil — que viabiliza a realização do evento, no período de 17 e 21 de julho, no Rio, e 24 e 28 de julho, em São Paulo.

O Anima Mundi precisou recorrer ao crowdfunding após perder o patrocínio da Petrobras , que investiu R$ 700 mil na edição do ano passado. A organização da mostra conseguiu arrecadar o valor mínimo de R$ 400 mil em cerca de um mês e meio.

— É impressionante a mobilização e o engajamento das pessoas. Isso desperta o questionamento, mostra que o Anima Mundi não pode não acontecer — comemorou a diretora do festival Aída Queiroz, em entrevista ao GLOBO na véspera.

Para as próximas edições, o Anima Mundi, responsável por revelar alguns dos maiores nomes da animação nacional, como Carlos Saldanha (“A Era do Gelo” e “Rio”) e Alê Abreu (“O menino e o mundo”), voltará a buscar o apoio de empresas, seja com renúncia fiscal ou acordos de patrocínio.

Aída considera que a mobilização orgânica causada pela campanha é uma prova da força do evento, o que pode ajudar na busca de novos parceiros:

— Conseguir esse apoio, essa aceitação, é um patrimônio imaterial. Mostra a percepção que as pessoas têm pelo evento, uma credibilidade. Foi comprovado que é um evento querido pelo público, pelos profissionais e pela imprensa.

IZA e Ícaro Silva vão dublar live-action ‘O Rei Leão’: “Chorando de felicidade”

Filme estreia dia 18 de julho

O Rei Leão chega aos cinemas brasileiros no dia 18 de julho e quem assistir ao filme dublado vai ter a chance de escutar um time de vozes bem conhecidas dando vida aos personagens. IZA (Nala), Ícaro Silva(Simba), João Acaiabe (Rafiki), Graça Cunha (Sarabi), Robson Nunes(Kamari) e outros artistas foram escalados para a produção.

“Quando me ligaram para contar que eu tinha sido escolhido para dublar o Simba eu fingi naturalidade, mas na verdade eu estava chorando de felicidade”, conta Ícaro. “O Rei Leão é um filme que marca emocionalmente todo mundo que assiste pela primeira vez. Foi uma grande emoção poder dublar a Nala e participar dessa nova versão”, explica IZA.

Com estreia marcada para dia 18 de julho, o live-action da animação clássica da Disney tem direção de Jon Favreau (de Homem de Ferro), e acompanha a trama do desenho: Simba é louco pelo pai, o rei Mufasa,mas seu tio tio Scar trama a morte do soberano, colocando a culpa no sobrinho, que envergonhado deixa o local onde nasceu e se exila bem longe dali.

Elenco de dubladores de Rei Leão (Foto: Divulgação)

Henry Cavill deve interpretar Sherlock Holmes em filme sobre a irmã do detetive

Enola Holmes será estrelado por Millie Bobby Brown
GABRIEL AVILA

 Henry Cavill (Photo: Ben Watts)

De acordo com a Variety, Henry Cavill pode interpretar o icônico investigador Sherlock Holmes em Enola Holmes, filme que acompanha as aventuras da irmã do detetive. O ator se junta a Millie Bobby Brown (Stranger Things), que interpretará a personagem título. Ainda de acordo com o site, Helena Bonham Carter (Clube da Luta) pode se juntar ao elenco como mãe dos personagens.

Harry Bradbeer (Killing Eve) dirige e roteiro de Jack Thorne (Extraordinário) escreve o roteiro, que adapta a série literária Os Mistérios de Enola Holmes de Nancy Springer. Enola Holmes ainda não tem data de estreia.

Bradley Cooper e Irina Shayk entram em batalha judicial pela guarda da filha Lea, diz Mirror Online

Bradley quer que Lea fique em Los Angeles com ele, mas a modelo Irina quer se mudar para Nova York permanentemente, diz site

Modelo russa Irina Shayk

A separação de Bradley Cooper e Irina Shayk realmente não foi amigável. O casal se separou no início deste mês depois de quatro anos juntos e agora está tentando descobrir como criar a filha Lea De Seine Shayk Cooper, de dois anos de idade. De acordo com o Mirror Online, Bradley, 44 anos, quer que Lea fique em Los Angeles com ele, mas a modelo Irina, de 33 anos, quer se mudar para Nova York permanentemente.

Uma fonte próxima ao casal disse: “Irina nunca se sentiu em casa em Los Angeles, particularmente em sua casa em Pacific Palisades, porque a mãe de Brad morava lá com eles e isso causava tensão”. A fonte disse ainda que o foco dos dois está em Lea e em suas carreiras.”O bem-estar de Lea está é prioridade nas discussões e, na superfície, eles estão tentando manter as coisas civis pela sua filha”.

O motivo da separação é incerto, mas houve muitas especulações sobre o relacionamento de Bradley com Lady Gaga, em meio a rumores de que Irina repetidamente o acusou de ter um caso com a cantora nos bastidores de ‘Nasce Uma Estrela’. Ambas as partes negaram ser mais do que amigos.

Uma fonte disse ao Radar Online: “O relacionamento de Bradley com Irina começou a desmoronar quando ele começou a filmar com Gaga e ela o acusou inúmeras vezes de traí-la com sua colega de elenco. Desde então, Irina não conseguia confiar em Bradley”. A supermodelo da Victoria’s Secret se sentiu supostamente “ameaçada” pelo relacionamento profissional de Cooper com Gaga.

depois da apresentação cheia de química no Oscar.

Letitia Wright e John Boyega vão estrelar série de Steve McQueen

GABRIELA ANTUNES

Letitia Wright e John Boyega (Foto: AFP)

Atores de duas das franquias mais famosas do mundo, “Star wars” e “Vingadores”, John Boyega e Letitia Wright foram escalados para protagonizar “Small axe“, série de antologia criada por Steve McQueen, diretor de “12 anos de escravidão”. A produção é uma parceria da Amazon com a BBC.

A primeira temporada da atração, que terá seis episódios, contará histórias ambientadas na comunidade de West Indian, em Londres, dos anos 1960 até o início dos anos 1980. Alguns dos temas abordados serão racismo e imigração.

O título da antologia (“Pequeno machado”, em tradução livre) foi retirado de um provérbio jamaicano conhecido em toda a região do Caribe: “Se você é a grande árvore, nós somos o pequeno machado”. É também o nome de uma música de Bob Marley, do álbum “Catch a fire”, de 1973.

Malachi Kirby, Shaun Parkes, Rochenda Sandall, Alex Jennings e Jack Lowden também estão no elenco da série. As gravações começaram essa semana, em Londres. Ainda não há previsão de estreia.

Dirigido por Elizabeth Banks, nova versão de “As Panteras” ganha trailer

Trailer mostra Kristen Stewart, Naomi Scott e Ella Balinska nos papéis titulares
by Matheus Fiore

“As Panteras” surgiu pela primeira vez como série de TV da ABC, na segunda metade dos anos 70. Bastante tempo depois, a série se tornou uma saga cinematográfica de dois filmes, com “As Panteras”, de 2000, e “As Panteras Detonando”, de 2003. Apesar do sucesso, a franquia acabou não tendo continuações, mesmo que até hoje seja lembrada.

Agora, uma nova versão para a história está para chegar aos cinemas. Foi divulgado hoje o primeiro trailer do reboot de “As Panteras”. Com direção de Elizabeth Banks – que também atua no filme –, o novo longa ainda terá no elenco Kristen Stewart, Naomi Scott, Ella Balinska, Patrick Stewart e Djimon Hounsou. Ariana Grande, Lana Del Rey e Miley Cyrus são responsáveis pela trilha sonora.

O trailer introduz superficialmente a história e os personagens e mostra um pouco da ação do filme, que é um dos principais atrativos para a obra. O diferencial em relação à franquia do começo dos anos 2000 é o fato de o novo filme ser dirigido por uma mulher – ambos os da saga anterior foram dirigidos por McG –, algo que abre espaço para um olhar feminino mais atualizado para retratar as personagens. “As Panteras” chega aos cinemas no dia 7 de novembro.

Vingadores: Falcão já veste a camiseta de Capitão América em capa de revista

Anthony Mackie, o Falcão, com camiseta do Capitão América Imagem: Divulgação

Anthony Mackie viveu Sam Wilson/Falcão em seis filmes do universo cinematográfico da Marvel, mas é em Vingadores: Ultimato que acontece um de seus momentos mais memoráveis, quando fica a seu cuidado o escudo do Capitão América, na despedida de um velhinho Steve Rogers. E, pelo menos em capa de revista, ele já usa o símbolo do super-herói.

Mackie assume o protagonismo e a estrela do Capitão América na capa da nova edição norte-americana da Men’s Health, com uma camiseta azul, o símbolo desbotado e cara de confiança. Entre outros temas, ele conta como pediu seu papel por email.

O futuro de Mackie na Marvel está garantido. O ator deve aparecer ao lado de Sebastian Stan em uma série do serviço de streaming Disney+, que contará as aventuras de Falcão e Soldado Invernal após os eventos de Ultimato.

Mas ainda é tudo um mistério. Mackie diz que ainda não leu os roteiros da série. “Eu não sei se estou interpretando o Falcão depois de Steve Rogers transformá-lo no Capitão América, ou antes. Eu só espero pela ligação da Marvel”, brincou. [Maurício Dehò]