Megan Rapinoe, artilheira e melhor jogadora da Copa do mundo, abre a Re-inc, marca de roupas sem gênero com colegas de seleção

Conheça a Re-inc, marca de roupas sem gênero criada por quatro colegas do time campeão mundial

Campeãs mundiais e fundadoras da RE-INC Tobin HeathChristen Press e Meghan Klingenberg e Megan Rapinoe (FOTO: REPRODUÇÃO/FACEBOOK)

Artilheira, craque da Copa do Mundo feminina de futebol de 2019, uma das maiores vozes no debate sobre inclusão de mulheres no esporte e, agora, empresária. Essa é Megan Rapinoe. Aos 34 anos, a estrela da seleção norte-americana tetracampeã do mundo acaba de anunciar o lançamento da Re-inc, marca de roupas sem gênero, “criada para repensar o status quo, olhando para a equidade, criatividade, progresso e arte”.

Fundada com as colegas de time Tobin HeathChristen Press e Meghan Klingenberg, a Re-inc por enquanto está vendendo somente dois modelos de camisetas. Uma, de tamanho normal, por US$ 125 (R$ 480), e outra, cropped, por US$ 75 (R$ 290). Segundo o site da empresa, as camisetas serão vendidas de maneira limitada, até a chegada da nova coleção. “Criada para a sua identidade única. Não há jeito correto de usar”, diz a descrição do produto.

Além de ser uma das maiores atletas do futebol, Rapinoe também ficou conhecida por falar o que pensa. Casada com a estrela da WNBA, Sue Bird, a atacante é uma ativista da causa LGBTQ+. Em diferentes situações, afirmou que como americana gay não se sentia representada por sua bandeira atualmente. Durante a Copa do Mundo, inclusive, manifestou-se publicamente contra Donald Trump, chegando a discutir com o presidente norte-americano por meio do Twitter ao longo do mundial.

No negócio fundado com as colegas, a causa se mantém. “Somos quatro campeãs que aprenderam a lutar na seleção feminina de futebol. A lutar por grandeza, por nossa identidade e pelos nossos valores”, diz o site da empresa.

“Ao longo dos próximos anos, vamos transformar o mercado de moda, criando experiências para ajudar não-binários a se expressar. Tudo que construímos é pensado com base na nossa comunidade, um grupo de milhares de pessoas que corajosamente quebra normas e padrões com o que acredita. Por que só resistir quando podemos repensar?”, indaga a apresentação da marca.

Lauren Schulz Exclusively for Fashion Editorials with Krini Alejandra

Model: Krini Alejandra at Chadwick Models

Photographer: Lauren Schulz. Stylist: Molly King. Hair & Makeup: Max May. Model: Krini Alejandra at Chadwick Models.

Black outfit Mariam Seddiq
Black outfit Mariam Seddiq
Black outfit Mariam Seddiq
Dress Lonely Eyewear Carolina Lemke x Kim Kardashian Heels Tony Bianco Belt Pfeiffer
Black outfit Mariam Seddiq
Top Maggie Marilyn Pant Mariam Seddiq Bracelet APM Monaco
Top Maggie Marilyn Pant Mariam Seddiq Bracelet APM Monaco
Top Maggie Marilyn Pant Mariam Seddiq Bracelet APM Monaco
Model: Krini Alejandra at Chadwick Models
Model: Krini Alejandra at Chadwick Models

Walter Isaacson suavizou palavras de Steve Jobs sobre Tim Cook em biografia

Biógrafo afirmou ainda que o Apple Park é o único “bom design” da Maçã nos últimos 15 anos
MACMAGAZINE

Montagem com fotos de Steve Jobs e Tim Cook

Steve Jobs nunca foi exatamente conhecido por ser o cara mais comedido do mundo. Quando a questão tratava dos seus colegas na Apple, entretanto, ele sempre foi um gentleman — até porque, logicamente, blindar seus executivos significava proteger a própria empresa. Em particular, entretanto, esse comportamento não era tão presente assim — mesmo se referindo ao futuro CEO da Maçã. Biógrafo afirmou ainda que o Apple Park é o único “bom design” da Maçã nos últimos 15 anosSteve Jobs nunca foi exatamente conhecido por ser o cara mais comedido do mundo. Quando a questão tratava dos seus colegas na Apple, entretanto, ele sempre foi um gentleman — até porque, logicamente, blindar seus executivos significava proteger a própria empresa. Em particular, entretanto, esse comportamento não era tão presente assim — mesmo se referindo ao futuro CEO da Maçã.

Em entrevista recente ao programa “Squawk Box”, da CNBC, o biógrafo de Jobs, Walter Isaacson, afirmou ter “suavizado” algumas declarações do cofundador da Apple em relação a Tim Cook. Segundo Isaacson, Jobs dizia que Cook “não era um cara dos produtos”, mesmo sendo capaz de fazer de tudo dentro da Maçã.

Eu suavizei um pouco no livro — no livro, Steve fala sobre como Cook pode fazer de tudo. Mas em um momento ele olhou para mim e falou: “mas Tim não é uma pessoa dos produtos.”

Walter Isaacson

O biógrafo seguiu, afirmando que escolheu deixar de fora algumas dessas críticas mais duras por elas virem “de alguém que ama”, equilibrando a necessidade de informar seus leitores com a possibilidade que elas teriam de magoar alguém. Ainda assim, como lembrou Benjamin Mayo, do 9to5Mac, a crítica sobre Cook não ser “um cara dos produtos” está lá no livro, sim:

“A declaração de Isaacson faz parecer que ele não pôs o comentário de Jobs sobre Cook na biografia porque o julgou muito cruel, mas a citação do ‘Tim não é um cara dos produtos’ está definitivamente escrita lá.”

Isaacson falou também, na entrevista, sobre a relação quase simbiótica entre Jobs e Jony Ive. Segundo o biógrafo, os dois tinham um ritual diário em Cupertino, em que Jobs entraria no laboratório ultrassecreto do núcleo de design da empresa e pedia que todos os profissionais saíssem, deixando-o a sós com Ive. Os dois, então, sentavam-se a uma mesa e discutiam absolutamente todos os aspectos do design de produto criados naquele dia: “Eles sentiam não só o telefone, mas o plugue, as entradas, a maneira que os fios se enrolavam sobre as coisas”, afirmou o escritor.

Os últimos anos de Jony Ive na Apple
Sobre a polêmica matéria do Wall Street Journal, que expôs o suposto desinteresse de Ive pelos produtos da Apple nos últimos três anos, Isaacson comentou que tudo ali soa como verdadeiro, afirmando que Cook não negou especificamente nada escrito na reportagem e que Ive não se pronunciou sobre ela.

O biógrafo, aliás, continua sendo um grande crítico da Apple sob o comando de Cook. Segundo Isaacson, o único design realmente excelente criado pela Maçã nos últimos 15 anos foi o Apple Park: “Jony Ive e Steve Jobs se certificaram de conhecer cada curva de cada painel de vidro e, por causa daquele maravilhoso prédio circular, não existe uma única peça de vidro reta por lá — esse nível de detalhe.”

Os rumores sobre Ive se bandeando para os lados da arquitetura são corroborados pelo escritor: de acordo com Isaacson, por conta da obsessão em erguer o Apple Park da forma mais perfeita possível, talvez até como um tributo a Jobs, Ive deixou de lado outros produtos da empresa. Por exemplo: a Apple TV era um produto sobre o qual Jobs falava há mais de uma década, mas a Maçã foi postergando a evolução do equipamento de forma que só agora, com o mercado consolidado, ela está ganhando alguma atenção por parte da empresa.

Eu acho que eles poderiam ter criado uma Apple TV maravilhosa, um produto que integrasse totalmente o hardware, o software e o conteúdo. Foi isso que Steve fez em todos os outros segmentos que ele entrou, do iPhone ao iPod. Eles poderiam ter criado uma câmera que seria realmente uma peça incrível de design.

Walter Isaacson
Uma parte da entrevista de Isaacson pode ser vista nesse vídeo:

VIA APPLEINSIDER

Disney divulga 2º trailer de ‘Malévola: Dona do Mal’

Filme chega aos cinemas brasileiros em 18 de outubro de 2019

Jolie é protagonista e produtora executiva do filme, Foto: Divulgação

A Disney divulgou nesta segunda-feira, 8, o trailer oficial de Malévola: Dona do Mal. O filme é uma continuação da trama lançada em 2014 e será novamente protagonizado por Angelina Jolie.

O vídeo, de pouco mais de dois minutos, mostra a fada de chifres incomodada com a possível perda de sua afilhada, a futura rainha Aurora (Elle Fanning), que pretende se casar com o príncipe Philip (Harris Dickinson).

Assista ao segundo trailer:

As duas vão enfrentar novos inimigos na nova aventura, a fim de proteger os seres mágicos da terra dos mouros. Desta vez, fadas da mesma espécie de Malévola aparecerão na história.

Malévola: Dona do Mal chega aos cinemas em 18 de outubro de 2019. A obra está sob a direção de Joachim Ronning, responsável por Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar.

Veja abaixo o primeiro, divulgado em maio deste ano:

Expert em linguagem corporal afirma que Middleton não está confortável em foto de batizado de Archie

Internautas também observam: ‘É definitivamente um sorriso forçado da nossa Kate’

A foto oficial do batizado de Archie Foto: Chris ALLERTON / SUSSEXROYAL / AFP

Um gesto vale mais que mil palavras. Segundo uma expert em linguagem corporal, Kate Middleton parece estar “pronta para fugir” na foto oficial do batizado de Archie, filho de Meghan Markle e do príncipeHarry , seu cunhado. Nas redes sociais, internautas também observaram que a duquesa de Cambridge e o príncipe William estão “desajeitados e tensos” no clique, feito no Castelo de Windsor.

“Com uma Camilla (Parker-Bowles, casada com o príncipe Charles, avô do bebê real) muito descontraída e alegre na foto, Kate se senta na outra ponta, com um sorriso parcial no rosto. Sua atitude pode ser vista como constrangimento, mas também pode mostrar um desejo de diminuir sua posição e não ofuscar o casal feliz”, diz Judi James, a especialista em linguagem corporal, que também notou o desconforto de William.

Segundo o jornal britânico “The Mirror”, os irmãos se desentenderam no ano passado. Harry e Meghan, inclusive, decidiram criar um escritório à parte de William e Kate e foram morar na Frogmore Cottage, deixando assim o Palácio de Kensington, onde todos conviviam.

O desconforto de William e Kate Foto: Chris ALLERTON / SUSSEXROYAL / AFP

Nas redes sociais, a pose do duque e da duquesa de Cambridge também virou assunto. “Isso é definitivamente um sorriso forçado da nossa Kate”, disse um internauta. “Acho engraçado que o príncipe William esteja se esforçando para não sorrir”, destacou outro. “Foi o batizado de Archie, mas eu gostaria que William e Kate não tivessem aparecido. Que casal desajeitado. Eles não poderiam sequer fingir que estão felizes.”

Saiba mais sobre o batizado

O batizado de Archie aconteceu nesse sábado numa cerimônia íntima, na capela de Windsor. Para manter a privacidade (segundo fontes, apenas 25 pessoas foram convidadas, incluindo amigos próximos do casal), a imprensa ficou do lado de fora da residência real. As primeiras imagens foram divulgadas na conta oficial do duque e da duquesa de Sussex. No clique principal, Archie aparece cercado de membros da família.

“O duque e duquesa de Sussex estão felizes em compartilhar a alegria deste dia com familiares e com o público que os apoiaram incrivelmente desde o nascimento de seu filho. Eles agradecem pela gentileza em receber seu primeiro filho e celebram esse momento especial”, diz a legenda das duas fotos, assinadas por Chris Allerton.

Seguindo a tradição, Archie usou uma túnica de seda e renda toda costurada à mão, que é uma réplica da roupa feita pela bordadeira real Janet Sutherland, em1841, para o batismo da filha mais velha da rainha Vitória. Desde então, modelos semelhantes foram usados em dezenas de batizados da realeza, inclusive no de William e Harry.

rainha Elizabeth II , bisavó de Archie, não compareceu à cerimônia. Ele teria outros compromissos.  De acordo com a imprensa internacional, Tiggy Legge Bourke, antiga babá de Harry, é a madrinha de Archie.

Archie, filho do príncipe Harry e Meghan Markle, foi batizado neste sábado, aos 2 meses. A cerimônia foi discreta, apenas para membros da família real e amigos próximos

No Brasil, venda de vestíveis sobe 51,6% no 1º trimestre, diz IDC

Segundo consultoria, setor de relógios inteligentes e fones de ouvido Bluetooth chegou à marca de 87,9 mil unidades vendidas no País

O Apple Watch ganhará novas funções de saúde

O setor de dispositivos vestíveis – que compreende uma vasta gama de aparelhos, de relógios inteligentes a fones de ouvido Bluetooth – subiu 51,6% em vendas de unidades no primeiro trimestre de 2019, na comparação com o mesmo período do ano passado. É o que apontam números divulgados pela consultoria IDC Brasil nesta segunda-feira, 8. Segundo o levantamento, o mercado chegou à marca de 87,9 mil unidades entre janeiro e março deste ano. 

Segundo Renato Meireles, analista de mercado em Mobile Phones & Devices da IDC Brasil, a categoria está ganhando maior projeção no Brasil, com grandes fabricantes investindo no lançamento de produtos no mercado nacional e consumidores mais interessados em saber e ter um vestível. No ano passado, o mercado representou 241,3 mil unidades – em crescimento de 44,2% na comparação com 2017. “O mercado está ficando mais estruturado”, apontou Meirelles, em nota enviada à imprensa. 

Os dispositivos mais simples, basicamente voltados ao uso para fitness e saúde (contagem de passos, monitoramento de sono), estão cada vez mais dividindo o espaço com produtos mais robustos e com especificações melhores, que oferecem funções como capacidade de baixar aplicativos de terceiros, notificação e realização de chamadas, recursos mais aprimorados como controle de glicemia e batimento cardíaco, e GPS mais preciso.

Em 2018, as vendas de dispositivos básicos corresponderam a 110,4 mil unidades, com crescimento de 7,2% em relação a 2017, enquanto os equipamentos mais inteligentes chegaram a 130,9 mil unidades, um aumento de 103,3%. No primeiro trimestre de 2019, esse movimento se confirmou, com crescimento de 19,5% no número de dispositivos básicos, com 39,3 mil unidades vendidas, e de 93,7% na categoria superior, com 48,6 mil unidades. 

Para crescer, o mercado precisa reduzir custos de fabricação e importação – hoje, a vasta maioria desses aparelhos vem de fora do Brasil. No primeiro trimestre, o preço médio dos dispositivos básicos ficou na casa de R$ 1.069; já o de aparelhos mais robustos, como os relógios inteligentes, foi de R$ 2.156. “Com a consolidação mercado, a tendência é de uma gradual massificação”, aposta Meirelles. Para todo o ano de 2019, a projeção é de um crescimento de 91% nas vendas em relação a 2018, com um volume de vendas estimado em 461,7 mil unidades.