Versace Fall-Winter 2019 Advertising Campaign

A nova Campanha Publicitária da Versace manifesta a justaposição entre a estética luxo-grunge vista na pista de outono-inverno 2019.

Donatella Versace, diretora de criação, segue a batida de sua própria bateria para a coleção #VersaceFW19, aumentando o ambiente de rock e royalties.

Chief Creative Officer: Donatella Versace Director: Ferdinando Verderi Stylist: Jacob K Casting Director: Piergiorgio Del Moro, Samuel Ellis Make Up: Pat McGrath Hair Styling: Guido Palau Set Design: Mary Howard Talents: Maike Inga, Anok Yai

Um passeio pela elegante sede do dscout em Chicago, Illinois

Uma equipe de arquitetos da Eastlake Studio projetou recentemente uma nova sede para aplicativos móveis em Chicago, Illinois.

Communal space

“A equipe de pesquisadores, designers, contadores de histórias e cientistas sociais do dscout, conhecidos como“ People Nerds ”, traduz os dados em informações de marketing valiosas. O design de sua nova sede foi inspirado pelos processos criativos e colaborativos que eles usam diariamente. Incorpora numerosas áreas abertas e fechadas, incluindo duas com portas de garagem, e tem uma abundância de superfícies de marcadores e quadros de anúncios para visualização de ideias e reconhecimento de pessoal. O branding brincalhão e a cultura de trabalho descontraída da empresa de tecnologia também foram influentes no conceito de design, particularmente em um espaço de dois andares da Prefeitura, que inclui uma parede de projetor, mesas de jogos, estádios e cabines com detalhes em malha metálica. Um friso de alto impacto dos ícones de assinatura do dscout envolve o teto de 20 pés e acentua a altura do quarto. Adjacente ao grande espaço comunitário, os nerds podem derrubá-lo em uma biblioteca mal-humorada ou nas zonas designadas coletivamente conhecidas como “The Studio”, diz o Eastlake Studio.

dscout-chicago-office-1
Lobby
dscout-chicago-office-2
Communal space
dscout-chicago-office-3
Communal space
dscout-chicago-office-4
Communal space
dscout-chicago-office-5
Meeting pods
dscout-chicago-office-6
Corridor
dscout-chicago-office-8
Think-tank zones
dscout-chicago-office-9
Library
dscout-chicago-office-7
Ceiling

Eric Josjo for ELLE Sweden with Hedvig Palm

Photography: Eric Josjo. Styling: Lisa Lindqwister. Hair: Martina Senke. Model: Hedvig Palm.

Tomas De La Fuente for InStyle Spain with Ingrid Garcia Jonsson

Photography: Tomas De La Fuente. Styling: Sofía De La Cruz. Hair & Makeup: Paula Soroa. Retouch: Emilio Machio. Model: Ingrid Garcia Jonsson.

Microsoft investe US$ 1 bi na empresa de inteligência artificial OpenAI

Juntas, as empresas pretendem desenvolver uma inteligência artificial que poderá resolver qualquer tarefa intelectual de um ser humano

Satya Nadella é presidente executivo da Microsoft

A Microsoft anunciou nesta segunda-feira, 22, um investimento de US$ 1 bilhão no centro de pesquisa OpenAI, fundado por grandes nomes como Elon Musk, executivo da Tesla e da SpaceX, e Sam Altman, presidente executivo da aceleradora Y Combinator. O objetivo da empresa é ajudar no desenvolvimento da inteligência geral artificial (AGI), tecnologia mais inteligente que atual, que poderá resolver qualquer tarefa intelectual de um ser humano.

As empresas pretendem integrar a tecnologia ao Azure, serviço de nuvem corporativo da Microsoft. A parceria também prevê que a Microsoft tenha exclusividade no fornecimento de serviço de nuvem para a OpenAI. 

Em comunicado, a Microsoft e a OpenAI afirmaram que faz parte do plano da nova tecnologia resolver problemas como mudanças climáticas e questões de saúde e educação. “Sistemas modernos de inteligência artificial (IA) funcionam bem em problemas específicos, para os quais receberam treinamentos, mas ter um sistema de inteligência artificial para ajudar a resolver alguns dos problemas mais difíceis que o mundo enfrenta hoje exigirá generalização e domínio profundo de múltiplas tecnologias de IA”, disseram as duas empresas. 

Para a OpenAI, a criação da AGI será “o desenvolvimento de tecnologia mais importante da história humana, com capacidade para moldar a trajetória da humanidade”. 

A OpenAI foi fundada em 2015 como uma entidade não lucrativa e com US$ 1 bilhão  em financiamento de investidores do Vale do Silício. Desde sua fundação, a OpenAI utilizou pesquisadores de inteligência artificial para avançar no campo, como ensinar uma mão robótica a executar tarefas humanas com uso apenas de software, o que reduz o custo e o tempo para se treinar robôs.

O grupo também está focado em segurança e nas implicações da tecnologia de inteligência artificial, pesquisando como os computadores podem gerar reportagens realistas com pouco mais que sugestões de manchetes. A OpenAI também conscientiza pesquisadores para eles considerarem as implicações negativas de seus trabalhos antes da publicação das descobertas.

Jeff Williams é visto por funcionários como o próximo CEO da Apple

Executivo está no topo da linha de sucessão ao cargo máximo da Apple
MacMagazine

Conheça o novo herdeiro da Apple, Jeff Williams, que é “a coisa mais próxima de Tim Cook”

No começo deste mês, o Wall Street Journal publicou um perfil sobre o COO1 da Apple, Jeff Williams, investigando o que fazia do executivo a escolha mais provável como o próximo CEO2 da companhia. Agora, Mark Gurman, da Bloombergtambém analisou como a figura de Williams é vista internamente, pelos próprios funcionários da gigante de Cupertino.

Citando fontes anônimas da equipe de design da Apple — a qual era liderada por Jony Ive, que anunciou a sua saída da companhia no mês passado —, Gurman conta que os funcionários da Maçã confiam em Williams e que até uma reunião semanal da equipe de design chamada “revisão de novos produtos” foi batizada de “revisão de Jeff”, uma vez que é a ele que os funcionários precisam impressionar.

Além de assumir parte dos compromissos com o setor de design da Maçã, Williams lidera toda a cadeia de fornecedores da Apple, o AppleCare, a divisão de saúde da companhia e o desenvolvimento do Apple Watch — o qual deu algumas dores de cabeça para a Maçã (e Williams), em 2015.

Mais do que enaltecer as tarefas do executivo, o artigo da Bloomberg também equipara a figura de Williams à do atual CEO da empresa, Tim Cook.

Ele [Jeff Williams] é o mais próximo que temos na empresa com Tim Cook, e quer saber mais, se você acha que Cook está fazendo um bom trabalho, então [ele] será uma boa escolha.

Ainda de acordo com Gurman, toda a empresa tem uma “cadeia de comando discreta” e com a Apple não é diferente, com Williams logo atrás de Cook. Isso existe no caso de algo acontecer com o CEO da empresa (da mesma forma como aconteceu com Steve Jobs) e alguém precisar assumir o controle imediatamente.

O grande ponto de interrogação é se a Apple permanecerá inovadora, uma vez que apenas alguns executivos da companhia são da “era de ouro” da empresa, a qual reunia, principalmente, Jobs e Ive — contou Michael Gartenberg, ex-funcionário de marketing da Apple.

Não é preciso ser necessariamente um visionário para ser CEO da Apple, desde que haja um visionário na empresa com o qual o CEO possa trabalhar. Tim Cook tinha Jony Ive. A questão é, com a saída de Ive, quem será o visionário da empresa que poderá orientar a próxima grande novidade?

Problemas na criação do Apple Watch

A reportagem da Bloomberg também destaca um momento problemático e particularmente importante da influência de Williams na criação do Apple Watch. Nos meses que antecederam o lançamento oficial da primeira geração do gadget, em 2015, alguns funcionários da companhia que estavam testando o dispositivo apontaram problemas de reação alérgica ao níquel usado no chassi do relógio.

Resultado: quando soube do problema, o executivo optou por descartar todo o estoque de relógios que a Apple já havia produzido e comprou outro material para substituir o níquel. Na mesma época, outros testers da companhia também notaram que o Taptic Engine do Apple Watch estava sujeito a falhas causadas pela corrosão do componente; nesse caso, Williams decidiu dar as “poucas milhares de unidades” do relógio para os sortudos funcionários.

Williams também teve que lidar com a “decepção” das vendas do primeiro Apple Watch Edition (que custava a partir de US$10.000), assim como Ive, que mergulhou de cabeça na criação da primeira geração dogadget. Vale lembrar que o modelo de luxo foi descontinuado em 2016 e oferece suporte apenas até o watchOS 4.

Jeremy Choh Exclusively for Fashion Editorials with Maggie Laine

Model: Maggie Laine at IMG Models.

Photography: Jeremy Choh. Stylist: Jana Bartolo. Hair: Luana Coscia. Makeup: Cat Smith. Model: Maggie Laine at IMG Models.

House of Holland dress available from The Iconic
Simon Miller Capo Striped Cotton Dress Available at THE OUTNET
Ganni dress available from Mode Sportif
Fendi Leather Dress Available at THE OUTNET Reliquia Jewellery
Fendi Leather Dress Available at THE OUTNET Reliquia Jewellery
Simon Miller Capo Striped Cotton Dress Available at THE OUTNET
House of Holland available from The Iconic Seafolly bottoms New Guard jacket from Stylerunner / Reliquia earrings
House of Holland available from The Iconic Seafolly bottoms New Guard jacket from Stylerunner / Reliquia earrings
Chosen top available Tuchuzy Lonely Lingerie briefs Chosen overskirt available at Tuchuzy
Chosen top available Tuchuzy Lonely Lingerie briefs Chosen overskirt available at Tuchuzy
Poppy Lissiman eyewear Kate Sylvester top and trouser Alice in the Eve jacket at General Pants
Kate Sylvester top and trouser Alice in the Eve jacket at General Pants
Incu Clothing top Dolce and Gabbana bra from The Luxe Base Diesel Skirt
Jil Sander Coated Striped Woven Blouse Available at THE OUTNET New Guard skirt available from Stylerunner Lonely Lingerie bra
House of Holland dress available from The Iconic