Fred Meylan for Grazia Italy with Maja Mayskar

Photography: Fred Meylan. Styled by: Tamara Gianoglio. Hair & Makeup: Elena Pivetta. Model: Maja Mayskar.

Umur Ozcan for Schön Magazine with Daan Blaauwendraad

Photographer: Umur Ozcan. Stylist: Aras Kilic. Hair Stylist: Yunus Dever. Makeup: Guneş Ark Model: Daan Blaauwendraad at Option Istanbul.

Naomi Campbell diz que sofreu racismo em hotel no sul da França

‘Eles não me deixaram entrar junto com um amigo, porque sou negra’

Modelo britânica Naomi Campbell

A modelo britânica Naomi Campbell, 49, contou que sofreu racismo em um hotel no sul da França. A declaração foi dada em entrevista à revista francesa Paris Match.

“Eu estive recentemente em uma cidade no sul da França onde fui convidada a participar de um evento em um hotel que não revelarei o nome. Eles não me deixaram entrar junto com um amigo, porque sou negra. O cara na entrada disse que o lugar estava lotado, mas deixou outras pessoas entrarem”, relatou ela. 

A situação aconteceu durante o Festival de Cinema de Cannes. Naomi Campbell afirmou que são esses “momentos chocantes” que a incentivam a continuar se expressando sobre o assunto, para que mais pessoas possam escutá-la

A britânica foi a primeira modelo negra a aparecer nas capas da revista Vogue francesa e da Time Magazine. Ela também foi a primeira modelo negra a figurar na importante capa de setembro da Vogue norte-americana. 

Em entrevista recente à Reuters, Campbell disse que a diversidade racial na moda aumentou nos últimos anos, mas a indústria não pode tratá-la como uma tendência para as passarelas.

“De muitas maneiras [a indústria da moda mudou], mas principalmente na diversidade. Finalmente parece ter sido absorvida, mas agora esperamos que não seja por uma tendência, como as roupas que estão em alta por uma temporada, e em baixa na outra, isso não vai acontecer”, afirmou na ocasião.

Coletivo desenvolve primeiro banco de imagens LGBT+ do Brasil

Plataforma foca na representatividade desse público e busca mudar a forma como é visto na publicidade

A plataforma Tem Que Ter traz fotos de pessoas LGBT+ em situações comuns do dia a dia. Foto: Urich Santana/Tem Que Ter

Representatividade é importante em todos os espaços e agora não há mais desculpas, pelo menos em termos de publicidade ou trabalhos de divulgação, para não incluir pessoas LGBT+ sem estereótipos. Isso porque o coletivo gaúcho Viva Voz lançou recentemente o primeiro banco de imagens brasileiro focado na representatividade LGBTI+, o Tem Que Ter.

As fotos, de autoria de cinco fotógrafos parceiros, mostram pessoas em situações comuns do dia a dia, o que evita a representação de forma estereotipada.

A ideia, segundo as idealizadoras descrevem, partiu do fato de que a representatividade LGBTI+ é quase nula na propaganda brasileira. Quando há alguma manifestação nesse sentido, que foge do padrão heteronormativo, os estereótipos são reforçados. 

Por isso, o grupo resolveu questionar e também ajudar a dar visibilidade para homens e mulheres homossexuais, bissexuais, trans, intersexo e todas as expressões possíveis de gênero.

“Nosso projeto busca transformar a maneira como a população LGBTI+ é representada na publicidade brasileira, reforçando a visibilidade da existência de corpos e sujeitos diversos através da quebra de estereótipos”, diz a descrição no site.

Segundo Brainstorm 9, o Tem Que Ter foi um dos 14 trabalhos contemplados com bolsas no SaferLab, iniciativa da SaferNet Brasil em parceria com o Google.org e a Unicef Brasil para estimular a criação de projetos contra o discurso de ódio na internet.

As fotos podem ser baixadas gratuitamente por meio do www.temqueter.org.

Não é o Bradley Cooper! Gaga é vista aos beijos com Dan Horton

Cantora foi clicada em um restaurante de Los Angeles com o engenheiro de som

Lady Gaga e Dan Horton (Foto: Grosby Group)

Lady Gaga tem um novo amor e não é Bradley Cooper. Apesar de a cantora ter sido apontada como pivô de separação do ator com Irina Shayk, ela provou que sua vida afetiva anda muito bem, obrigada, com o engenheiro de som Dan Horton.

Os dois foram flagrados na tarde desta quarta-feira (31) aos beijos em um restaurante de Los Angeles. Usando blusa preta e shorts, Gaga andou pelo corredor do local e, quando chegou próxima do amado, deu um beijão sem se preocupar com os olhos – e os flashes – de plantão.

Os rumores do novo affair começaram na última terça-feira (30), quando a Revista People revelou que os dois foram vistos em clima de intimidade na hora do jantar, e posteriormente teriam se beijado.

É a primeira vez que Gaga é vista se relacionando novamente após o término do noivado com Christian Carino, em meados de fevereiro. Na época da cerimônia do Oscar, inclusive, a imprensa internacional chegou a especular que ela teria tido um romance com Bradley Cooper, seu parceiro em Nasce Uma Estrela, por conta da forte química que os dois mostraram tanto no filme quando na apresentação, na premiação.

Suposto romance com Bradley Cooper
Recentemente, inclusive, após Bradley Cooper e Irina Shayk anunciarem o rompimento do relacionamento, especulou-se que Gaga teria supostamente sido o pivô. The Sun divulgou nota em meados de junho alegando que a separação teria sido motivada justamente por conta dos ciúmes que a modelo teve com o ator e a cantora.

Uma fonte próxima da família revelou ao veículo que o relacionamento entre eles começou a ficar minado na época em que ele começou a rodar o filme. “Começou a desmoronar quando no início das filmagens. Ela o acusou inúmeras vezes de traí-la com sua co-estrela”, explicou. “Desde então, Irina não conseguiu mais confiar em Bradley”.

Além disso, segundo o The Sun, o casal vinha brigando constantemente por causa da cantora. A modelo teria ficado desconfortável com o vínculo estreito que eles formaram, e ele que teria “passado muito tempo com Gaga em horários estranhos”.

Os rumores ficaram ainda mais fortes, no início do ano, quando Gaga anunciou o término de seu noivado com Christian Carino. A cantora sempre  insistiu ser apenas uma boa amiga de Bradley. Referindo-se à sua atuação sensual no Oscar, em uma entrevista, ela disse: “Sim, as pessoas viram amor. E adivinhe? Isso é o que queríamos que vocês vissem”.

Lady Gaga e Dan Horton (Foto: Grosby Group)
Lady Gaga e Dan Horton (Foto: Grosby Group)

Charlotte de Witte (KNTXT Stage) | Tomorrowland Belgium 2019 – W1

Charlotte de Witte (KNTXT Stage) | Tomorrowland Belgium 2019 – W1

Pelle Lannefors for L’Officiel Ukraine with Amanda Hermansson

Photographer: Pelle Lannefors. Stylist: Maria Barsoum. Hair Stylist: Erika Svedjevik. Makeup artist Josefina Zarmén. Model: Amanda Hermansson at Nisch Management.

Trailer do terror ‘The Lighthouse’ traz Robert Eggers e Willem Dafoe enlouquecendo

Filme com direção de Robert Eggers tem estreia prevista para outubro

Willem Dafoe e Robert Pattinson em The Lighthouse (2019) (Foto: Divulgação)

O primeiro trailer de The Lighthousepromete que o filme será simplesmente perturbador.

Dirigido por Robert Eggers – que fez o elogiado A Bruxa (2015) –, o novo longa-metragem de terror é ambientado no século XIX, e foi feito em preto e branco. Nele, o jovem Ephraim Winslow (papel de Robert Pattinson) é contratado para ajudar Thomas Wake (interpretado por Willem Dafoe) na manutenção de um farol. Enquanto vivem sozinhos na pequena e remota ilha, os personagens escondem (e descobrem) segredos, se embebedam e, ao que tudo indica, vão à loucura.

Robert Pattinson e Willem Dafoe em The Lighthouse (Foto: Divulgação)

No trailer, também é possível perceber um toque de fantasia horripilante: um rápido take traz o que parece ser uma sereia sob a água, enquanto outro mostra Ephraim sendo estrangulado por uma espécie de polvo.

Em entrevista ao The Interview, Willem Dafoe – que recebeu uma indicação ao Oscar de Melhor Ator neste ano por No Portal da Eternidade (2018) – revelou que as gravações do filme não foram fáceis. “As condições eram tão severas que [eu e Pattinson] mal nos falávamos fora das cenas”.

Robert Pattinson também já foi confirmado como o novo ator a encarnar o Batman nos cinemas – uma decisão que não agradou muitos fãs do herói.

The Lighthouse deve estrear no Brasil em outubro. Veja o trailer abaixo:

Por que você deve parar de buscar felicidade no trabalho

Pesquisa mostra que priorizar o propósito traz uma sensação maior e mais frequente de bem-estar

SEGUNDO PESQUISA, NOVE ENTRE DEZ PESSOAS ESTARIAM DISPOSTAS A TROCAR UMA PORCENTAGEM DE SEUS GANHOS AO LONGO DA VIDA POR UM TRABALHO COM MAIS PROPÓSITO (FOTO: THINKSTOCK)

Se o ser humano passa em média 90 mil horas de sua vida trabalhando, é melhor que ele encontre uma profissão que lhe faça feliz, certo? Não necessariamente, ao menos segundo artigo publicado por Susan Peppercorn, na Harvard Business Review. A  executiva e autora do livro “Abandone seu crítico interno no trabalho: estratégias baseadas em evidências para prosperar em sua carreira”,  crava: “Se você definir a felicidade como seu objetivo principal, pode acabar sentindo o contrário. A felicidade (como todas as emoções) é um estado fugaz, não permanente. Uma solução é tornar o propósito sua verdadeira vocação”.

Pesquisas corroboram o ponto de vista de Susan e confirmam que tornar o trabalho mais significativo é uma das formas mais poderosas de aumentar a produtividade, o envolvimento e o desempenho dos funcionários.

Um levantamento realizado pela Harvard Business Review em parceria com a The Energy Project com cerca de 12 mil executivos de diferentes empresas mostra que aqueles que enxergam algum propósito em sua atividade sentem 1,7 vez mais satisfação no trabalho, tornam-se 1,4 vez mais engajados, e, portanto, têm três vezes mais chances de  permanecer no emprego atual. Já um estudo mais recente, comandado pelo professor de Harvard Shawn Achor, descobriu que nove entre dez pessoas estariam dispostas a trocar uma porcentagem de seus ganhos ao longo da vida por um trabalho com mais propósito.

Segundo Susan, viver com propósito não torna uma pessoa, necessariamente, feliz no curto prazo. Atividades do tipo podem ser até mesmo mais estressantes e financeiramente menos compensadoras. Mas ter um propósito faz com que o ser humano passe a contribuir com os outros e, ao mesmo tempo, honre sua identidade e seus valores pessoais, o que quase sempre aumenta a sensação de bem-estar no trabalho de forma constante e duradoura.

E como “virar essa chave”? Fazer do propósito a sua prioridade no trabalho? Susan indica quatro passos práticos que podem ajudar nessa missão:

1. Escreva um diário de atividades
Identifique projetos e tarefas que fazem você se sentir profundamente satisfeito (e não só no curto prazo) e anote quais são e o que você fez neles. Você pode se sentir realizado ao fazer apresentações para seus clientes ou ao orientar e treinar funcionários mais jovens, por exemplo. Todo tipo de atividade vale o registro.

2. Alinhe seus valores ao escolher o que priorizar
A ideia é colocar seus valores em primeiro lugar. Se o autodesenvolvimento for um valor central para você, por exemplo, não se contente apenas com os poucos momentos que você consegue sair da rotina e se aprofundar em algum tema. Invista em rituais diários, como ouvir podcasts, fazer um curso ou se juntar a um grupo de mentores.

3. Concentre-se nos relacionamentos
Contribuir com o bem-estar do outro está fortemente ligado à criação de propósito no trabalho. Por isso, é importante priorizar a relação com seus chefes e colegas de trabalho para além do cumprimento das tarefas em si.

4. Valorize o trabalho dos outros
No mesmo espírito de solidariedade, ajudar as pessoas que trabalham com você a identificar as atividades que eles realizam de forma autêntica e significativa ajuda aumentar a sensação de bem-estar e fortalece a ideia de propósito como uma prioridade. No livro Alive at Work, de Daniel Cable, a sugestão é que você chame um colega para conversar, compartilhe uma história em que ele fez o melhor trabalho possível e depois peça para ele retribuir.