Blue Ivy, aos sete anos, entra para lista dos mais ouvidos da Billboard Hot 100

Filha de Beyoncé e Jay-Z faz participação em ‘Brown Skin Girl’

Beyoncé & Blue Ivy – ‘Brown Skin Girl’

Aos sete anos de idade, Blue Ivy Carter já conquistou um grande feito no mundo da música. A primogênita de Beyoncé e Jay-Z apareceu pela primeira vez na concorrida lista dos mais ouvidos “Billboard Hot 100”.

Na 76ª posição, a música “Brown Skin Girl” é interpretada por Beyoncé, SAINt JHN & Wizkid e tem a participação especial de Blue Ivy. A menina canta os primeiros versos: “Garota de pele marrom/Sua pele é como pérolas/A melhor coisa do mundo/Eu nunca negociei você com ninguém”, em tradução livre. 

A participação de Blue Ivy não termina no vocal: ela é creditada também na composição da música. A faixa é parte do novo álbum de Beyoncé, “The Lion King: The Gift” (O rei leão: o presente), que a artista considera como “uma carta de amor à África”. 

Lupita Nyong’o publicou em sua conta do Instagram agradecendo Beyoncé pela canção. Ela celebrou na rede: “Thank you Beyoncé for this Gift!!” (Obrigada, Beyoncé, por esse presente!!). A modelo Naomi Campbell também se pronunciou sobre a música em seus Stories na rede social, ao mostrar estar escutando a faixa. Ambas são citadas na letra de “Brown Skin Girl”. 

Apesar de muito jovem, Blue Ivy também já participou do clipe de Spirit, gravado ao lado da mãe. A música faz parte da trilha sonora do live-action do filme “Rei Leão”, em que a cantora interpretou a leoa Nala. 

Anastasia Fursova for Elle Ukraine with Alin Kremlin

Jumper Jil Sander Trousers Maison Margiela Blouse Rokh Boots Maison Margiela

Photography: Anastasia Fursova. Styling: Julia Terentyeva. Hair: Nataliya Eremina. Makeup: Angelika Baklaha. Model: Alin Kremlin at Nagorny Models.

Model: Alin Kremlin at Nagorny Models.
Clothes Jil Sander Boots Maison Margiela
Model: Alin Kremlin at Nagorny Models.
Model: Alin Kremlin at Nagorny Models.
Model: Alin Kremlin at Nagorny Models.
Headwear Urban Outfitters Dress Ganni Trousers Ganni Jumper Y3 Belt Erica Cavallini Shoes Jil Sander
Headwear Urban Outfitters Dress Ganni Trousers Ganni Jumper Y3 Belt Erica Cavallini Shoes Jil Sander
Headwear Urban Outfitters Dress Ganni Trousers Ganni Jumper Y3 Belt Erica Cavallini Shoes Jil Sander
Blouse MM6 Maison Margiela
Blouse MM6 Maison Margiela
Blouse MM6 Maison Margiela
Dress Balenciaga Jacket Kenzo Shoes Gucci
Dress Balenciaga Jacket Kenzo Shoes Gucci
Dress Balenciaga Jacket Kenzo Shoes Gucci
Dress Balenciaga Jacket Kenzo Shoes Gucci
Dress Balenciaga Jacket Kenzo Shoes Gucci
Dress Balenciaga Jacket Kenzo Shoes Gucci
Overalls Maison Margiela Top Gentryportofino Boots Mulberry
Overalls Maison Margiela Top Gentryportofino Boots Mulberry
Blouse Roch Dress Jil Sander Trousers Navro Boots Mulberry
Model: Alin Kremlin at Nagorny Models.
Jacket P.A.R.O.S.H. Dress MRZ
Jumper Balenciaga Blouse Equipment Skirt Equipment Shoes Maison Margiela
Jumper Jil Sander Trousers Maison Margiela Blouse Rokh Boots Maison Margiela
Jacket Balenciaga Trousers Balenciaga Dress Saint Laurent Shoes Balenciaga
Jacket Balenciaga Trousers Balenciaga Dress Saint Laurent Shoes Balenciaga
Jacket Victoria Beckham Trousers Victoria Beckham Top Flow the Label Shoes Jil Sander
Jacket Victoria Beckham Trousers Victoria Beckham Top Flow the Label Shoes Jil Sander
Model: Alin Kremlin at Nagorny Models.

‘La casa de papel’ quebra recordes de audiência da Netflix

GABRIELA ANTUNES

Parte 3 de La Casa de Papel bate recordes de audiência da Netflix pelo mundo

A terceira parte de “La casa de papel”, lançada no dia 19 de julho, foi assistida por mais de 34 milhões de usuários da Netflix em seus primeiros sete dias de exibição. Segundo informações da “Variety”, esse índice faz da série a produção falada em língua não-inglesa mais vista da plataforma na sua semana de estreia.

Além disso, no Brasil e em outros lugares do mundo – como Espanha, França, Itália, Argentina e Chile – a atração se tornou a série original mais assistida da Netflix de todos os tempos, mesmo consideradas as produções faladas em inglês.

Essa performance transforma a atração em um dos maiores sucessos da Netflix. Mais de 70% – ou cerca de 24 milhões – dos espectadores da nova temporada de “La casa de Papel” assistiram a todos os oito episódios em até uma semana. A efeito de comparação, 18.2 milhões de assinantes terminaram a terceira temporada de “Stranger things” no mesmo período.

A Netflix já confirmou a quarta temporada da série. 

MC Soffia lança single sobre protagonismo negro

Música já está disponível em todas as plataformas digitais e faz parte do primeiro EP da jovem rapper de 15 anos
CLAY BRITO

Novo single da Mc Soffia: “É o hype” (Foto: Divulgação)

MC Soffia lançou hoje, 02, seu novo single“É o hype”. A canção,que já está disponível em todas as plataformas digitais, fala sobre o protagonismo negro e como ele pode incomodar a sociedade: “As ‘preta’ e os ‘preto’ no hype… quebrando a sociedade”, diz a letra. 

A música foi feita em parceria com o produtor do grupo Recayd Mob, o Lucas Spike, e abusa da batida Trap (o estilo de instrumental do Rap).

Mês passado a cantora lançou “Money”, cuja letra desconstrói o estereótipo dos negros pobres e trabalhadores. As duas músicas fazem parte do primeiro EP da rapper: o “Soffisticada”, que será lançado em breve.

Mc Soffia foi uma das ganhadoras da categoria “Gente Que Faz”, no Prêmio Geração Glamour 2018.

The L Word: Generation Q ganha data de estreia em dezembro

Primeira temporada terá oito episódios
JULIA SABBAGA

Cartaz da sequência de ‘The L word’ (Foto: Showtime)

The L Word: Generation Q, a nova versão de The L Word, anunciou a sua estreia para 8 de dezembro. A primeira temporada contará com oito episódios [via The Wrap].

De acordo com a sinopse revelada pela Showtime, a sequência “continua a seguir as vidas de Bette Porter (Jennifer Beals), Alice Pieszecki (Leisha Hailey) e Shane McCutcheon (Katherine Moennig), junto a novas personagens como Dani Nùñez (Arienne Mandi), Micah Lee (Leo Sheng), Finley (Jacqueline Toboni), Sophie Suarez (Rosanny Zayas) e Gigi (Sepideh Moafi) em aventuras que envolvem amor, corações partidos, sexo, obstáculos e sucessos em L.A”. 

Marja-Lewis Ryan (6 Balões) será showrunner e produtora executiva da nova versão.

Ilene Chaiken, criadora da primeira versão, estará envolvida como produtora executiva, ao lado de nomes como Jennifer BealsKatherine Moennig e Leisha Hailey, que integraram o elenco anterior.

Enola Holmes | Millie Bobby Brown mostra visual como irmã de Sherlock Holmes

Henry Cavill deve interpretar o icônico investigador
JULIA SABBAGA


Millie Bobby Brown revelou em seu Instagram o visual para as filmagens de Enola Holmes, longa que focará na irmã mais nova de Sherlock Holmes.

No filme, após o desaparecimento de sua mãe, a irmã criança de Sherlock e Mycroft Holmes foge para se tornar uma fugitiva e detetive particular.  

Henry Cavill deve interpretar o icônico investigador Sherlock Holmes e o longa deve contar também com Helena Bonham Carter (Clube da Luta) como a mãe dos personagens.

Harry Bradbeer (Killing Eve) dirige e Jack Thorne (Extraordinário) escreve o roteiro, que adapta a série literária Os Mistérios de Enola Holmes de Nancy Springer.

Os livros, que começaram a ser publicados em 2006, acompanham a jovem Enola enquanto ela faz suas investigações. O primeiro deles é intitulado The Case of the Missing Marquess.

Enola Holmes ainda não tem data de estreia.

Escândalos sexuais mancham a imagem da indústria do K-pop

No centro do escândalo está Lee, do grupo Big Bang, conhecido como Seungri, e a boate Burning Sun, da qual é em parte proprietário
Min Joo Kim, The Washington Post

Seungri, no centro, ex-membro da popular banda de kpop Big Bang Foto: AP Photo/Ahn Young-joon

SEUL – Ídolos caídos, vítimas angustiadas, fãs se sentindo traídos e carreiras arruinadas. Este é o custo, até agora, dos escândalos sexuais que vêm abalando o mundo reluzente do K-pop, força motriz da exportação musical da Coreia do Sul. Alguns dos grandes nomes dessa indústria foram acusados nos últimos meses de drogarem e estuprarem mulheres e administrarem uma rede de prostituição. Muitos dos acusados negam as acusações.

Mas isto não abafou o choque sentido pelos fãs do K-pop – a maioria meninas adolescentes – que têm boicotado seus heróis na que se tornou uma versão sul-coreana do movimento #MeToo. Mais de 200.000 pessoas assinaram petição dirigida ao gabinete da presidência do país exigindo uma investigação completa do caso.

A desonra está forçando os sul-coreanos a abandonarem sua concepção bem estabelecida da indústria de música local que criou uma base global de fãs das suas estrelas jovens e da sua imagem bem apresentada e cuidadosamente cultivada.

“Não consigo acreditar que o meu ídolo explorava mulheres de maneira tão escabrosa e degradante”, disse Cho Yeon-joo, que admirava o grupo K-pop chamado Big Bang e chegou a faltar às aulas para assistir aos seus concertos.

Notícias de crimes sexuais envolvendo o cantor do Big Bang,  Lee Seung-hyun,  acabaram com uma década de amor que Cho nutria pela banda, disse ela.

O K-pop – uma combinação de danças sincronizadas, trajes cintilantes, músicas atrativas e sua performance no palco –  é extremamente popular na Coreia do Sul e também a principal marca cultural do país.

Mas as acusações contra os cantores ameaçam a imagem de pessoas inofensivas que tornou o K-pop tão entusiasmante.

Os danos à ideia de uma indústria de reputação ilibada deve abalar a imagem do Hallyu como um todo, declarou o jornal JoongAng Ilbo em um editorial em março, usando o termo para a chamada onda coreana de produtos que abrangem até regimes elaborados para cuidar da pele. As ações de empresas de entretenimento listadas em bolsa mais expostas ao escândalo despencaram à medida que as acusações começaram a ser noticiadas.

No centro do escândalo está Lee, do grupo Big Bang, conhecido como Seungri, e a boate Burning Sun da qual ele é em parte proprietário, situada no bairro de Gangnam, em Seul. Os promotores alegam que o clube era um refugio para uso de drogas e que ele oferecia serviços de prostituição para clientes VIP.

Lee é investigado com base em acusações de prostituição, uso de drogas para abusar de mulheres e de filmá-las praticando  atos sexuais sem o consentimento delas. O caso foi remetido aos promotores no mês passado, mas não foi anunciada nenhuma data para início do processo legal.

“Devia ter agido com mais responsabilidade” disse ele ao público em um concerto no início do ano. “Espero que vocês desfrutem do show…Sou grato a vocês e me desculpem”.

O escândalo se ampliou, abrangendo inúmeros artistas de k-pop, que supostamente participavam de um grupo de chat na Internet que compartilhava vídeos de atos sexuais, segundo informou a mídia sul-coreana.

E outras estrelas do K-pop, incluindo Roy Kim, cantor e compositor que se formou recentemente na Universidade de Georgetown, estão sendo investigadas pela polícia sul-coreana por compartilharem uma foto explícita no grupo de chat.

“Em primeiro lugar peço desculpas aos meus fãs e ao público por causar preocupação”, disse Kim a jornalistas em abril. “Eu enfrentarei com confiança  a investigação”.

O diretor executivo da gravadora de Lee, YG Entertainment, renunciou ao cargo no mês passado e também se desculpou junto aos fãs depois de ser acusado de encobrir as acusações contra cantores do selo. A polícia também afirma que ele aliciou prostitutas para investidores estrangeiros.

O escândalo também vem provocando um debate nacional sobre a situação das mulheres em uma das sociedades da Ásia mais desiguais em termos de gênero. A Coreia do Sul está em 115º lugar numa lista de 149 países listados no relatório sobre Global Gender Gap do Fórum Econômico Mundial, publicado no ano passado,  que mede as disparidades de gênero no campo da participação econômica, educação, saúde e capacitação política.

Os atos praticados por essas estrelas do K-pop,  recorrendo a drogas para induzir a prostituição são “um exemplo flagrante de como as mulheres são rotineiramente tratadas como commodities sexuais na cultura machista chauvinista da Coreia do Sul”, disse Kwon-Kim Hyun-young,  focada em estudos sobre as mulheres e professora visitante na Universidade Nacional de Artes da Coreia.

“As garotas na Coreia do Sul crescem admirando e amando as boy-bands K-pop. O comportamento misógino dos rapazes do K-pop que desfrutam de apoio popular e financeiro de seus fãs, a maioria mulheres, é uma hipocrisia chocante e um ato de traição”, disse ela.

Em maio, centenas de mulheres se reuniram diante da boate Burning Sun exigindo uma rigorosa investigação do escândalo. As organizadoras da manifestação acusaram  a YG Entertainment de lucrar com uma rede de boates que sistematicamente abusou e explorou mulheres.

Em resposta à petição enviada ao presidente Moon Jae-in, o delegado de polícia Min Gab-ryong, afirmou que a força policial que ele comandou realizou uma investigação durante três meses para acabar com crimes contra mulheres, o que levou a 920 prisões. A polícia “continuará a adotar medidas rígidas para reprimir comportamentos ilícitos que são de preocupação imediata no tocante à segurança das mulheres”, afirmou.

Cho, hoje com 26 anos de idade, afirmou que tem lembranças carinhosas do grupo dos seus anos de adolescência. Mas que nunca mais enxergará seus antigos ídolos da mesma maneira.

“As boy bands ainda são esplêndidas. Mas os escândalos sexuais em que se envolveram me deixaram tão traumatizada que nunca mais voltarei a gostar delas”, disse ela.

Ariana Grande lança ‘Boyfriend’, música em parceria com o duo Social House

Na madrugada desta sexta-feira (2), cantora divulgou clipe da canção, que atingiu mais de 4 milhões de views nas primeiras horas do dia.

Ariana Grande com o duo Social House no clipe de “Boyfriend” — Foto: Reprodução/Instagram

Após contagem regressiva nas redes sociais e divulgação de pequenos trechos da parceria, Ariana Grande lançou a música “Boyfriend”, que gravou junto ao duo pop americano Social House.

A faixa chegou com um videoclipe, lançado na madrugada desta sexta-feira (2) e atingiu mais de 4 milhões de visualizações nas primeiras horas.

O clipe mostra um casal, que não assume o namoro oficialmente, mas nenhuma das partes admite que a outra se relacione com outras pessoas. As crises de ciúme no clipe revelam momentos furiosos, que contrastam com o visual angelical de Ariana no vídeo.

“Você não é meu namorado, eu não sou sua namorada, mas você não quer me ver com ninguém mais, e eu não quero te ver com ninguém”, cantam Ariana. Mikey Foster, integrante do Social House faz o papel do “namorado” no vídeo. Já Charles Anderson é o terapeuta e melhor amigo do casal na trama musical.

Homeland | Oitava e última temporada ganha data de estreia em fevereiro

Ano terá doze episódios no total
JULIA SABBAGA

Photo: Sifeddine Elamine/Showtime

A oitava e última temporada de Homelandteve sua data de estreia marcada para 9 de fevereiro de 2020. O último ano concluirá a história dos personagens em 12 episódios [via Deadline]. 

Com previsão anterior de estreia para junho, a temporada foi adiada após decisões de gravações no exterior. Nos episódios, Carrie Mathison (Claire Danes) estará se recuperando do confinamento em uma gulag russa. Seu corpo está se curando, mas sua memória continua fragmentada, o que causa problemas para Saul (Mandy Patinkin), que agora serve como conselheiro de segurança nacional para o Presidente Warner (Beau Bridges). 

Anteriormente, a atriz Claire Danes já havia cravado o ano final do programa. Na mesma época, Gansa também disse que seriam seus episódios finais – mesmo que a série fosse continuar sem ele.

Homeland é transmitida no Brasil pelo canal pago Fox Premium 1, com todas as temporadas disponíveis também no serviço de streaming Fox App.