Sofá branco: 4 dicas e cuidados que você precisa saber antes de comprá-lo

Com os cuidados certos e algumas dicas de limpeza, o móvel terá tudo para ser o protagonista da sala por muito tempo. Veja como!
POR RAFAEL BELÉM | FOTOS DIVULGAÇÃO

Amado por muitos, temido por tantos, o sofá branco é um móvel que sempre atrai olhares na decoração. Curinga, a peça ganha ainda mais força na cor branca e se encaixa perfeitamente em diversos estilos de ambientes. Mas, apesar de poderoso, o tom claro espanta quem tem crianças e animais em casa – ou quem simplesmente teme que o estofado perca sua beleza e vitalidade com o passar do tempo. 

Manter o estofado branco com o aspecto de novo pode não ser uma tarefa tão simples, mas com os cuidados certos e algumas dicas de limpeza, o móvel terá tudo para ser o protagonista da sala de estar por muito tempo. Expert em rotina doméstica e técnicas de limpeza, Lucy Mizael compartilhou com Casa Vogue os segredos para deixar a peça sempre impecável. 

Confira 4 dicas e cuidados que você precisa saber antes de comprar um sofá branco:

1. Impermeabilizar é obrigatório!

Sofás foram feitos para se jogar, conversar, deitar – então que assim seja! Para usar o móvel à vontade no dia a dia, sua impermeabilização é um dos cuidados obrigatórios. “O ideal é que a peça seja impermeabilizada assim que comprada. Essa é a melhor forma de deixar um sofá branco, ou de cores claras, sem manchas”, aconselha Lucy. “Assim, a sujeira não penetra na espuma”. 

Dica: tenha sempre em mãos uma espuma de limpeza a seco para higienizar o móvel quando necessário. 

2. Crie uma rotina de higienização

Para garantir que seu estofado fique sempre vívido na sala, criar uma rotina de limpeza para ele é fundamental. De acordo com a personal, o ideal é aspirá-lo pelo menos uma vez por semana e higienizá-lo com bicarbonato de sódio. “Se for um sofá menos utilizado, como o de uma sala de visitas, a limpeza pode ser feita a cada 15 dias”, recomenda a personal. 

Dica: espalhe uma solução de bicarbonato de sódio puro com as mãos por todo o sofá, deixando agir por 30 minutos. Aspire o móvel para finalizar.

3. Considere utilizar capas de proteção

Em casas com crianças e animais de estimação, as capas serão as melhores amigas do seu estofado. Filhos pequenos e pets são uma combinação perigosa, principalmente para os modelos brancos. “Nesses casos, para evitar uma tragédia, o jeito é providenciar capas. Hoje já é possível encomendar modelos que não prejudicam a estética do modelo e nem a decoração”, diz. “Só a impermeabilização pode ser insuficiente quando se tem muitas crianças ou animais em casa”.

4. Soluções caseiras são permitidas, mas com cautela

Para limpezas mais profundas e completas, é sempre indicado que se contrate empresas especializadas na manutenção e higienização de estofados. Algumas soluções caseiras, no entanto, podem ser utilizadas como segunda opção, desde que aplicadas cuidadosamente. “A espuma de limpeza a seco é a melhor opção. Mas tenha atenção: ao menor sinal de água, a sujeira sai da espuma e impregna no tecido, o que pode formar manchas indesejadas”, explica. “Para limpeza caseira, misture sabão neutro ou de coco com bicarbonato até formar uma pasta. Aplique-a na mancha e deixe agir por 10 minutos”. 

Carmen Rose Exclusively for Fashion Editorials with Alli Coe

Photography: Carmen Rose. Styling: Rosie DesChanel. Hair & Makeup: Josie Hanuska. Model: Alli Coe at Priscillas Models

Alessandra Negrini diz que não sabe o que é maturidade e está mais ‘freestyle’ com o tempo

Atriz está atualmente com projeto de série e de novo filme

Alessandra Negrini – Maurício Nahas/Divulgação

Prestes a completar 49 anos, a atriz Alessandra Negrini afirma ainda não saber bem o que é maturidade, mas diz que tem mudado com o passar do tempo e que deixou de ser uma pessoa tensa como antes. “Hoje, deixo a vida me levar um pouco mais e isso é bom. Estou mais freestyle”. 

O segredo, segundo a atriz, é estar aberta ao novo e ser um aprendiz até o fim da vida, seja nos relacionamentos, no trabalho ou na relação com os filhos. A reflexão foi feita em entrevista à revista Joyce Pascowitch, que terá Negrini na capa na edição de agosto. 

A atriz também falou sobre a maternidade, destacando a saída de casa do filho mais velho, Antônio, 22, filho de sua relação com Murilo Benício, 47, e a parceria que mantém com a caçula, Betina, 15, fruto de seu casamento com o cantor Otto, 51. “É uma das melhores coisas da vida. Não tem um dia que a gente não dance juntas na cozinha”.

Longe das novelas desde “Orgulho e Paixão” (Globo, 2018), a atriz está com alguns projetos em andamento, como a série nacional da Netflix, “Cidades Invisíveis”, e o filme “Acqua Movie”. “A gente nunca sabe quando vai poder fazer cinema de novo. Mas sabe, tem um lado bonito da arte: ela resiste”, afirma.

Dona do Snapchat lançará novos óculos que tiram fotos

Os Spectacles 3 terão câmeras duplas para adicionar profundidade e dimensão a fotos e vídeos
Por Agências – Reuters

A terceira versão dos óculos do Snapchat custará US$ 380

Snap, empresa dona do Snapchat, anunciou nesta terça-feira, 13, que lançará uma nova versão dos óculos Spectacles, que tiram fotos, gravam vídeos e depois enviam o conteúdo diretamente para o app, conhecido por suas imagens que somem após 24 horas. O novo dispositivo chegará ao mercado ainda este ano por US$ 380. 

Trata-se de mais uma iniciativa da empresa na área de realidade aumentada. Entretanto, a nova versão de Spectacles terá edição limitada e será produzida em menor quantidade do que nos modelos anteriores. Os óculos também serão mais caros: a segunda versão do aparelho custa US$ 200. 

Os Spectacles 3 terão câmeras duplas para adicionar profundidade e dimensão a fotos e vídeos. Depois de enviar o conteúdo para o Snapchat, os usuários podem adicionar novas luzes, paisagens e efeitos tridimensionais às imagens, disse a Snap.

A Snap teve problemas para ganhar dinheiro com os Spectacles e registrou US$ 40 milhões em óculos não vendidos em 2017. Na semana passada, a Snap disse que captaria US$ 1,1 bilhão em dívidas para financiar investimentos adicionais em realidade aumentada, conteúdo e possíveis aquisições.

Katy Perry é acusada de assédio sexual por ator Josh Kloss do clipe ‘Teenage Dream’

‘Ela abaixou minhas roupas íntimas o quanto pôde para mostrar meu pênis às pessoas à nossa volta’, afirmou Josh Kloss, que participou de clipe da cantora

Katy Perry e Josh Kloss, ator que acusa a cantora de assédio sexual, em clipe de ‘Teenage Dream’ Foto: YouTube / @KatyPerryVEVO

A cantora Katy Perry está sendo acusada de assédio sexual pelo ator Josh Kloss, que participou do clipe de sua música Teenage Dream, lançado em agosto de 2010, há nove anos. 

Ele postou um desabafo em seu perfil no Instagram afirmando que, durante uma festa de aniversário, a cantora teria supostamente abaixado a roupa de Josh e mostrado suas partes íntimas a pessoas presentes no local, sem seu consentimento.

“Ela [Katy Perry] era legal e simpática. Quando outras pessoas estavam por perto, ela era fria e chegou a chamar o ato de me beijar de ‘nojento’ para todo o set durante a filmagem. Agora eu estou bastante envergonhado, mas continuei dando meu máximo, enquanto minha ex estava ocupada me traindo e minha filha era apenas uma criança engatinhando. Eu sabia que tinha que aguentar por ela”, começou Josh Kloss.

Em seguida, continuou: “Depois do primeiro dia de gravações, Katy me convidou para um clube de strip em Santa Barbara. Eu recusei e disse: ‘tenho que voltar ao hotel e descansar, porque este trabalho é tudo que eu tenho neste momento’.”

O ator contou que viu Katy Perry mais algumas vezes em seguida, logo após ela ter terminado seu casamento com o ator britânico Russell Brand.

Em certa ocasião, durante uma festa de aniversário do diretor de figurino de Katy Perry, Johnny Wujek, Josh Kloss afirma que levou um amigo que estava “morrendo para conhecer a cantora” ao local.

“Eu a vi e a abracei, e ela ainda era minha ‘crush’ [paixão]. Mas quando me virei para apresentar meu amigo, ela abaixou meu agasalho e minhas roupas de baixo o quanto pôde para mostrar a alguns de seus amigos e às pessoas à nossa volta, meu pênis. Você pode imaginar o quão patético e envergonhado eu me senti?”, desabafou Josh.

Na sequência, o ator explicou o motivo de ter publicado o seu desabafo tantos anos após o ocorrido: “Eu digo isso agora porque a nossa cultura está provando que homens com poder são perversos. Mas mulheres com poder também são asquerosas.”

A revista Variety contatou representantes de Katy Perry, que se recusaram a comentar sobre o assunto.

Após a publicação, diversos comentários de fãs de Katy Perry foram feitos em tom crítico a Josh Kloss. O ator fez uma publicação, horas depois, em referência ao fato, exaltando outra personalidade com quem já contracenou em outro trabalho, Kim Kardashian.

“Para os jovens corajosos defendendo sua rainha aqui. Eu elogio seus corações por trás dos comentários, que procuram proteger alguém que vocês idolatram. Kim Kardashian e Kris Jenner, essas duas mulheres são muito mais poderosas do que Katy Perry e me trataram com respeito. Talvez vocês devessem dar a elas sua lealdade”, escreveu. 

Por fim, em outra postagem, Josh Kloss ressaltou: “Não quero fama por isso.”

“Neste aniversário [do clipe], o tempo passou e me fez perceber que agora é a hora de pôr para fora e deixar ir embora. Nem mais um dia ouvindo: ‘como foi [contracenar] com Katy Perry?”, desabafou.

Relembre o clipe de Teenage Dream, de Katy Perry, que conta com a participação de Josh Kloss:

Produtor Dan Lin de ‘Aladdin’ sugere possível sequência do filme

Dan Lin disse que estão ouvindo os desejos dos fãs e sentem que tem mais história para contar

Os atores Mena Massoud e Will Smith em ‘Aladdin’. Foto: Daniel Smith/Walt Disney Pictures

O filme live-action Aladdin, da Disney, estreou com arrecadação de US$ 105 milhões só na América do Norte, faturou mais de US$ 1 bilhão nas bilheterias mundiais e já se fala de uma possível sequência.

O indício veio de um dos produtores do longa-metragem, Dan Lin.

“Ainda não posso falar muito sobre a continuação, mas saiba que estamos ouvindo os desejos dos fãs de ver outro filme de Aladdin e sentimos que há mais história para contar”, disse ele, nesta segunda-feira, 12, ao Insider.

Nos anos 1990, a Disney fez duas sequências do filme original: Aladdin – O retorno de Jafar e Aladdin e os 40 Ladrões. “Eu posso dizer que, diferente do primeiro filme de Aladdin, não vamos fazer apenas um remake direto”, completou Lin. “Estamos vendo qual é a história certa para contar.”

O produtor disse que está analisando todas as diferentes ideias que foram lançadas no passado para contar a história certa para os fãs e para que eles possam seguir em frente. “Eu não posso dizer muito”, reafirmou Lin. “Eu quero que seja uma surpresa o que queremos fazer a seguir.”

Nova coleção de móveis da designer baiana Stephanie Andrade

Roda Viva é o nome da nova coleção de móveis da designer baiana Stephanie Andrade, que retorna a São Paulo após temporada de estudos em Milão
MARCELO LIMA – O ESTADO DE SÃO PAULO

A designer Stephanie Andrade com sofá e móveis da sua mais recente coleção Foto: André Toledo Araújo

O mestrado no Instituto Marangoni, em Milão, colocou para sempre o design na rota da arquiteta Stephanie Andrade. “Lá tive a oportunidade de trabalhar com diversas marcas e, diretamente, com diretores de arte e profissionais que eu jamais sonharia encontrar”, conta ela que, desde o ano passado, voltou ao Brasil determinada a solidificar sua carreira como designer e paralelamente atuar como arquiteta. Sua mais recente coleção, Roda Viva é símbolo deste movimento de retorno. São três banquetas, um banquinho, um banco e um sofá que empregam madeira curva em sua formulação. À primeira vista, um trabalho simples, mas ainda de difícil execução. “Tive de contratar um profissional que fazia volantes de carro de madeira. Tudo para melhor explorar o círculo, forma geométrica que me fascina e que considero a síntese desta coleção”, como afirmou ela nesta entrevista ao Casa. 

Detalhe do trançado em sua cadeira de madeira curva Foto: André Toledo Araújo

Qual o conceito por trás da linha Roda Viva?
Penso que ela simboliza o meu retorno ao Brasil, mas, mais do que minha volta, acho que oferece uma interpretação do que sou, ou seja, uma mistura de muitas culturas. Sou baiana, batizada, mas no dia de Yemanjá. Quando ainda era pequena, minha família saiu de Salvador para morar na Europa, depois fui estudar em Milão e agora retorno a São Paulo. Então cresci nessa mistura de candomblé, barroco, renascimento, modernismo. A coleção nasce desse mix cultural. De sincretismo baiano e de racionalismo europeu. Do uso da fibra natural, mas a partir de conceitos da Bauhaus, só que abrasileirados. Do manual que se torna geométrico.

A partir de quais materiais e técnicas artesanais ela foi desenvolvida?
As peças foram feitas de madeira tauari torneada à mão, com a viva intenção de fazer referência à nossa tradição artesanal, porém com um toque de leveza, geometria e movimento não muito usuais em móveis do tipo. Além do couro e da fibra trançada de tucum, que vem do nordeste, e representam a riqueza dos insumos naturais do nosso País.

Quais questões movem sua criação hoje?
Muito se fala da exploração do geométrico, do desenho gráfico que sugere uma terceira dimensão. Porém, devo admitir que meu tema preferido hoje é o design circular, ou seja, a vertente da produção contemporânea que se propõe a afetar o mínimo possível o meio ambiente, e a diminuir ao máximo a produção de resíduos, visando as futuras gerações. Neste sentido, o plástico representa um problema concreto. Ele é fixo, rígido, e, apesar de parecer menos nocivo do que uma cidade toda feita de concreto, com o ritmo atual de consumo acabou se tornando um dos nossos principais problemas ambientais. Daí a importância de repensar seu uso e descarte.

Uma das cadeiras da coleção Roda Viva Foto: André Toledo Araújo

Maquiagem perde espaço para produtos de cuidado com a pele

Busca por tratamentos para a face cresce; especialistas dizem que recomendação de procedimentos médicos na internet gera risco
Heloísa Negrão

Jana Rosa e Julia Petit enquanto gravam vídeo sobre produtos para cuidados com a pele – Reprodução/@janarosa/Instagram

SÃO PAULO – “A gente envelheceu”, diz Jana Rosa, 34, quando questionada por que cremes e cuidados faciais começaram a fazer sucesso nas redes sociais, ganhando um espacinho no mundo dos vídeos curtos de automaquiagem.

Para Jana, tanto as influenciadoras como as suas seguidoras —que passaram os últimos dez anos aprendendo a se maquiar assistindo vídeos no YouTube— estão com mais de 30 anos e, com as primeiras rugas, veio o interesse nos cremes.

O mercado de cuidados faciais está aquecido no Brasil e no mundo —fortemente marcado pelas tendências e marcas coreanas. No Brasil, as buscas por “skincare” (cuidados com a pele, em português) —que vem se tornando um jargão na área— cresceram 22% entre 2017 e 2018, segundo pesquisa do Google. O crescimento foi ainda maior no YouTube, de 71% no mesmo período. 

Jana é dona da conta do Instagram Bonita de Pele e do canal do YouTube de mesmo nome. Juntando as duas plataformas ela tem mais de 300 mil seguidores. Ao lado de Julia Petit e Victoria “Vic” Ceridono, ela faz parte do time das influenciadoras digitais que começaram a falar de moda, beleza e maquiagem há pouco mais de dez anos no Brasil.

Júlia, pioneira nos tutoriais de maquiagem, lançou em maio a marca Sallve. Para ela, a decisão de começar uma marca com um hidratante facial era a nitidamente a melhor escolha. “Quando as pessoas prestam mais atenção em si fazendo maquiagem, elas vão inevitavelmente querer cuidar da pele”, diz.

Nos Estados Unidos, Kylie Jenner (do reality show “Keeping Up With The Kardashians”) lançou em maio uma linha completa de cuidado para a pele. Eleita pela revista Forbes como a pessoa mais jovem a atingir um patrimônio bilionário com sua marca de batons, a aposta de Jenner em skincare é um dos sintomas do novo boom dos creminhos. 

“Eu sempre falei sobre creme. Mas era assim: vídeo sobre cuidados com a pele, silêncio [das seguidoras]. Vídeo sobre batom, milhares de curtidas e comentários”, afirma Vic Ceridono, do blog Dia de Beauté. Ela diz que o interesse das seguidoras em assuntos dermatológicos também cresceu nos últimos dois anos. 

O assunto também tem atraído maquiadores. “Antes, quando abríamos aula sobre estudo aprofundado de pele, vinham seis alunos. Na minha última turma tinha 20!”, afirma Simone Barcelos, dona da Escola Madre, especializada em maquiagem.

Luana Serodio, cofundadora da loja virtual Beleza Na Web, também contabiliza o crescimento na procura por tratamentos faciais. Ela afirma que as vendas de cosméticos para o rosto cresceram 500% nos últimos dois anos.

“Com o boom da maquiagem, a mulherada começou a usar mais produtos e sentiu a necessidade de cuidar mais da pele. Uma coisa está muito ‘linkada’ à outra”, afirma. Assim como Jana, Luana também conclui que as jovens “loucas por maquiagem da internet no início dos anos 2000 viraram mulheres de 30 anos loucas por skincare”.

Além da maquiagem, a onda de cuidados e autoaceitação também impulsiona a busca por cremes. “É um cenário no mundo inteiro, que nada tem a ver com beleza, mas que faz com que as pessoas tenham mais vontade de se cuidar”, afirma Júlia, da Sallve.

Se as redes sociais ajudam no crescimento do skincare, foi delas também que surgiu a moda anterior, que pregava peles perfeitas, sem poro ou linhas de expressão.  

Fabiana Gomes, maquiadora da M.A.C., sempre preferiu maquiagem natural, que não mascara a mulher. “Eu tenho vontade de limpar as pessoas”, afirma sobre a moda da “maquiagem reboco”.

GLOSSÁRIO SKINCARE

O que é o quê no mundo dos cuidados com a pele

  1. MaquiagemUsada tanto para cobrir manchas e afinar o nariz e o rosto, como de forma mais lúdica, colorir lábios e pálpebras
  2. Rotina de skincareConjunto de produtos usados todo dia para cuidar da pele
  3. Máscara facialTécnica antiga de passar 20 minutos com camada de creme no rosto se revitalizou com produtos embebidos em panos, com glitter ou que viram espuma em contato com o ar
  4. TônicoUsado entre o sabonete e o hidratante, ajuda a remover os últimos resíduos e restabelece o equilíbrio do pH da pele. Pode ser hidratante ou adstringente
  5. HidratanteCreme que aumenta a absorção de água ou reduz a evaporação dela pela pele
  6. SérumCom textura de gel, possui concentração alta de substâncias que hidratam, clareiam manchas ou reduzem rugas

“Essa estética é muito prejudicial para a mulher. É aquele ideal do feminino, caricatura da mulher. Não se deve transformar alguém em outra pessoa para ela se sentir bonita.”

O blog da jornalista e empresária Bruna Tavares acabou de completar uma década. As imagens dos seus olhos e lábios maquiados fazem sucesso há anos. A fama se estende à linha de maquiagem assinada por ela, uma das mais vendidas da Sephora. 

Bruna é uma das mães dos tutoriais de maquiagens fortes que têm marcado as redes sociais nos últimos anos. Quando os 30 anos chegaram, ela passou a se preocupar mais com a pele. 

Ainda neste ano, deve lançar uma base. “Hoje a tendência é uma pele mais leve. Você faz uma pele bem construída, mas sem o rebocão. Continua sendo uma maquiagem de pele forte, mas que não seja aparente, que não marca”. 

Bruna conta que as leitoras e consumidoras mais jovens também têm desejado skincare. “Aquelas muito jovens têm pele oleosa e se preocupam com espinhas; as de 25 e 30 já começam a se preocupar com as primeiras linhas finas, porque veem que acumula produto [base ou corretivo]”.

Um dos produtos mais vendidos da Bruna Tavares é o sérum BT Mermaid (R$56), que possui ácido hialurônico e promete deixar a pele hidratada para receber a maquiagem.

O consumo de produtos de skincare é diferente da maquiagem, já que seu uso deve ser diário para ter efeito e os preços mais são elevados. Mas assim como um batom pode custar entre R$ 5 e R$ 150, um creme à base de vitamina C vai de R$ 75 (30 ml, Payot) a R$ 300 (30 ml, Biossance). O hidratante antioxidante da Sallve custa R$ 89,90 (35 g).

A maquiadora Daniela da Mata criou a hashtag #skincaredaspretas para falar sobre o assunto com as suas seguidoras. Ela é dona de uma escola de maquiagem especializada em peles negras. 

Daniela diz que ainda tem muito a ser explicado e explorado nesse mercado. Enquanto algumas seguidoras questionam o que é skincare, outras acham que não precisam usar protetor solar, diz.

Por conta desse vácuo de conhecimento, há preocupação com a propagação de informações incorretas. Embaladas pela lógica das maquiagens, as influenciadoras passaram a indicar de cremes hidratantes a procedimentos estéticos —em muitos casos, patrocinadas pelas marcas.

Jana Rosa e Vic Ceridono  afirmam terem noção da responsabilidade e que sempre alertam as seguidoras de que é preciso falar com um dermatologista antes de comprarem os produtos que recomendam. “Com esse boom, as meninas receitam ácido e procedimentos estéticos sem medo”, afirma Jana Rosa.

Lu Ferreira, do blog Chata de Galocha, diz que fica impressionada com o retorno das seguidoras. “Quando eu falo que fiz um laser na pele, ou qualquer outro procedimento, elas enlouquecem. Querem saber exatamente o nome, tipo etc. Eu respondo que elas devem procurar um dermatologista”, afirma.

A dermatologista Sylvia Ypiranga, do Departamento de Cosmiatria da Sociedade Brasileira de Dermatologia, diz não haver problema na divulgação, pelas influenciadoras, de produtos que não precisam de prescrição médica. 

“Quando se fala sobre a importância de limpar, tonificar, hidratar e proteger, por exemplo, é OK do ponto de vista educativo”, afirma.

Para a dermatologista, o problema está nos tratamentos para doenças de pele, como casos graves de acne e melasma. “São casos clínicos e o tratamento que é indicado para uma pessoa pode não ser bom para outra”, afirma.

Décor do dia: sala de jantar com piso geométrico e inspiração industrial

Projetado por Felipe Hess, espaço tem boas ideias para integrar ambientes com muito estilo
POR AMANDA SEQUIN | FOTO FILIPPO BAMBERGHI/ARQUIVO CASA VOGUE

Há inúmeras vantagens em apostar em ambientes integrados – além de favorecer a iluminação natural e facilitar a circulação para quem gosta de receber amigos, o recurso ainda permite brincar com pisos diferentes para setorar os espaços e, com criatividade, nascem combinações cheias de personalidade. É o caso da sala de jantar deste apartamento em São Paulo, cheio de raridades do design italiano e brasileiro, projeto de Felipe Hess

ladrilho hidráulico cinza-claro e azul-petróleo preenche os arredores da cozinha e da mesa de jantar e faz a transição deixando alguns dos revestimentos se sobressaírem na direção do estar de piso escuro. No ambiente, destaque para algumas peças do acervo da moradora: a cadeira de balanço do casal Eames, o pufe Up 2000, design de Gaetano Pesce para B&B Italia, e a mesa da De Padova. Na parede ao fundo, gravura dos anos 1970, na Loja Teo.