Samsung anuncia Galaxy Note 10 no Brasil; preço começa em R$ 5.299

Na versão mais cara, aparelho chega a custar R$ 6.799. Pela primeira vez, o Galaxy Note chega ao mercado com dois tamanhos diferentes.

Galaxy Note 10 na cor aura glow. Aparelho começa a ser vendido a partir do dia 23 de agosto. — Foto: Divulgação/Samsung

Samsung anunciou nesta segunda-feira (2) a chegada do smartphone topo de linha Galaxy Note 10 ao Brasil. O celular foi anunciado globalmente no último dia 7 de agosto. A partir desta segunda já é possível fazer o pedido do aparelho, que chega às lojas no próximo dia 20.

Esse é o principal lançamento da empresa no ano e, pela primeira vez, o aparelho chega em duas medidas diferentes, Galaxy Note 10 e Galaxy Note 10+.

O novo Galaxy Note vem para o Brasil com mais funções na caneta S Pen. As telas chegam maiores, com 6,3 polegadas (para o modelo Note 10) e 6,8 polegadas (no modelo Note 10+). Este é também o maior aparelho da linha já lançado pela Samsung. A versão mais básica tem 8GB de memória RAM e armazenamento de 256GB, mas as versões mais parrudas têm 12GB de RAM e 512GB de armazenamento interno, que pode ser expandido.

Veja os preços no Brasil:

  • Note 10, com 8GB de RAM e 256GB de armazenamento: R$5.299
  • Note 10+, com 12GB de RAM e 256GB de armazenamento: R$ 5.999
  • Note10+, com 12GB de RAM e 512GB de armazenamento: R$ 6.799

Os dois primeiros modelos estarão disponíveis nas cores Aura Glow e Preto. O último, apenas na cor branca.

O display segue o modelo apresentado no Galaxy S10, com um “buraco” para a câmera frontal, perto do topo. Essa câmera tem resolução de 10 megapixels. Os Note também contam com reconhecimento ultrassônico de digital na tela e têm processadores de 8 núcleos.

Entre as principais novidades está uma atualização na interface DeX, que permite conectar o aparelho a um computador. Melhorada, essa funcionalidade promete abrir uma tela no computador com os aplicativos do celular para fácil acesso, podendo até arrastar e mover documentos e arquivos ou receber notificações. A empresa também trouxe novidades para conectar o Note 10 diretamente no Windows, com um comando simples nas configurações.

Também pela primeira vez, o smartphone chega sem a saída para fone de ouvido.

Ficha técnica

  • Tela: 6,3 e 6,8 polegadas
  • Resolução da tela: Full HD+ (Note 10) e Quad HD+ (Note 10+)
  • Câmera principal: tripla no Note 10, com 16, 12 e 12 megapixels; e quádrupla, no Note 10+, com 16 MP, 12 MP, 12 MP e 3D
  • Câmera frontal: 10 megapixels nos dois modelos
  • Memória RAM: 8 GB e 12GB
  • Armazenamento: 256 GB ou 512 GB
  • Capacidade da bateria: 3.500 mAh e 4.300 mAh

Tomas de la Fuente for Glamour Spain with Bianca Balti

Photography: Tomas De La Fuente. Styling: Mónica Oliver. Hair: Gabriele Trezzi. Makeup: Lorena Leonardis. Producer: Belen Bobia. Retouch: Emilio Machio. Model: Bianca Balti.

Jennifer Lopez dá aula de pole dance em clipe de novo filme: “Qualquer garota pode fazer”

Produção conta a história real de strippers que deram golpe em milionários de Wall Street

A cantora Jennifer Lopez aparece dando uma aula de pole dance para a atriz Constance Wu em uma prévia recém-divulgada do filme policial ‘As Golpistas’ (2019). A cena revelada pelos produtores do longa mostram Lopez ensinando alguns dos movimentos praticados por ela à nova funcionária do estabelecimento no qual trabalha sua personagem.

“Qualquer garota pode fazer”, diz a personagem de Lopez, Ramona, à sua aprendiz na cena.

Hoje aos 50 anos, a Lopez é a protagonista do longa baseada na história real de um grupo de strippers que deu uma série de golpes em seus clientes de Wall Street.

Dirigido pela cineasta Lorene Scafaria, ‘As Golpistas’ ainda conta no elenco com as atrizes Constance Wu, Julia Stiles e Lili Reinhart, e também com a cantora Cardi B. O lançamento do filme está marcado para setembro de 2019.

Recentemente, Lopez expôs em uma entrevista sua tensão com os figurinos sexy utilizados por sua personagem no longa.

“Não era como seu eu estivesse em um palco com meia calça e meia arrastão, essas são roupas sexy. No filme é outro nível, você está lá nua”, disse a artista.

Na mesma entrevista, ela disse não ter se arrependido em nenhum momento de ter topado o convite para estrelar a produção: “Você vai lá e assina para ser uma atriz e viver esse papel… Uma vez que você topa, você aceita fazer isso da melhor forma possível, eu atuo para entrar na mente das pessoas e explorar a nossa humanidade das mais varias formas possíveis”. 

Em parceria com a Apple, Burberry lança app de comunicação com clientes VIP

É como um Business Chat, só que com muito mais mimos

A relação entre a grife de moda Burberry e a Apple sempre foi estreita: desde que Angela Ahrendts deixou o cargo de CEO da primeira e assumiu o papel de vice-presidente sênior de varejo (cargo que deixou recentemente) na segunda, as empresas vêm colaborando em uma série de ações, como o uso de iPhones para filmar/fotografar um desfile na semana de moda de Londres e um canal da marca britânica dentro do Apple Music. Agora, temos mais um exemplo dessa colaboração.

Como informou a Vogue Business, a Burberry lançou recentemente um novo app, chamado R Message, destinado a colocar “clientes selecionados” da grife em contato direto com a marca. O app foi desenvolvido em parceria com a Apple e usa a mesma infraestrutura do Business Chat do iMessage, embora não exija que os usuários abram o mensageiro da Maçã para utilizá-lo.

O R Message está atualmente em fase de testes, mas funcionará somente por sistema de convites — isto é, apenas clientes de alta visibilidade ou com uma conta bancária bem privilegiada poderão usufruir dos seus benefícios, como agendamento de atendimento personalizado, recebimento de recomendações pessoais e prioridade na compra de determinados itens. É possível fechar compras diretamente pelo app, também, por meio da integração com o Apple Pay.

A parte interessante é que o R Message tem integração direta com o aplicativo interno da Burberry, então vendedores e atendentes têm acesso imediato a itens como inventário, estatísticas e tabela de preços. Com isso, a comunicação com os clientes torna-se muito mais tranquila e a possibilidade de fechar vendas sobe consideravelmente.

Se você for apenas um cliente mero mortal da Burberry, ainda poderá se comunicar com a marca — ela foi uma das primeiras a adotar o Business Chat do iMessage, afinal de contas. Você só não obterá acesso a esses mimos e benefícios exclusivos do R Message.

VIA 9TO5MAC

‘Te Amo, Agora Morra’: documentário retoma caso de jovem que incentivou namorado a cometer suicídio

Michelle Carter é acusada de enviar dezenas de mensagens exigindo ação de Conrad Roy, morto em um estacionamento
Thaís Ferraz – O Estado de S.Paulo

Cena do documentário ‘Te Amo, Agora Morra: O Caso de Michelle Carter’ Foto: HBO

No dia 13 de julho de 2014, o jovem Conrad Roy foi encontrado morto no estacionamento de um supermercado Kmart em Fairhaven, Massachusetts, vítima de envenenamento com monóxido de carbono. Aos 18 anos, Roy havia cometido suicídio dentro de sua própria caminhonete, após receber mensagens de incentivo de sua namorada, Michelle Carter.

O caso ganhou manchetes em todo o mundo e Michelle, à época com 17 anos, foi descrita no tribunal como uma garota solitária e carente, sem amigos, que teria incentivado o namorado ao suicídio apenas para chamar atenção e atrair simpatia. A história é retomada no documentário Te Amo, Agora Morra: O Caso de Michelle Carter, que estreia nesta terça-feira, 3 de setembro, às 22 horas, na HBO.

Roy e Michelle se conheceram em 2012, por intermédio de uma tia do garoto. Embora morassem em cidades diferentes, iniciaram um namoro. Separados por 56 km, se encontraram presencialmente apenas cinco vezes, desenvolvendo a maior parte do relacionamento via celular. 

Roy sofria de depressão severa e manifestava com frequência o desejo de se matar. Em suas últimas semanas de vida, recebeu dezenas de mensagens de incentivo de Michelle, que perguntava insistentemente sobre os seus planos. “Você vai fazer isso hoje?” e “você está pensando demais” são alguns dos textos enviados pela garota e obtidos pela polícia. Foi ela, também, quem sugeriu o método de suicídio.

No dia da morte de Roy, os dois trocaram mensagens. Em um momento, Roy teria saído do carro, já ocupado pelo monóxido de carbono, e ligado para Michelle, dizendo estar com medo. “Eu o mandei voltar para o carro”, disse a garota para uma colega de escola. Michelle foi condenada a 15 meses de prisão. 

Dirigido por Erin Lee Carr (Mommy Dead and Dearest), o documentário é dividido em duas partes. Na primeira, que vai ao ar nesta terça-feira, a história é construída principalmente a partir de fatos estabelecidos e argumentos da acusação. Na segunda, que será transmitida no dia 10, a produção traz à tona o surpreendente argumento da defesa de Michelle.

YouTube deixará de mostrar números exatos de inscritos no canal

Seguindo a tendência do Instagram, que está testando o fim das curtidas, a plataforma de vídeos quer diminuir a preocupação de criadores de conteúdo com números

YouTube vai esconder número preciso de assinantes de canais 

A partir deste mês o YouTube deixará de mostrar o números exato de inscritos em canais da plataforma. A contagem passará a mostrar apenas números aproximados: se um canal tem 6.344.700 inscritos, esse total será abreviado para 6,34 milhões. O YouTube segue a tendência de outras plataformas: atualmente o Instagram está testando o fim da contagem em sete países, incluindo o Brasil, e o Facebook também está estudando esconder as curtidas

O serviço de vídeos do Google anunciou a mudança em maio deste ano. Em comunicado nesta sexta-feira, 30, o YouTube disse que a mudança aborda preocupações de criadores de conteúdo sobre estresse e bem-estar. “Esperamos que isso ajude os criadores de conteúdo a contarem suas histórias, com menos pressão em relação a números”, disse a empresa. 

Contas com menos de mil inscritos continuarão com a exibição exata dos números. 

Alguns usuários criticam o fim dos números de audiência. No caso do Instagram, após a implementação da mudança, algumas pessoas começaram até a burlar as restrições. Toda essa movimentação ocorreu mesmo com o Instagram sendo apontado como a pior rede social para a saúde mental dos usuários.

Depois do Instagram, Facebook também estuda esconder as curtidas

Teste do recurso foi avistado na versão para Android da rede social; empresa confirma teste

Facebook está estudando acabar com as curtidas

Depois do Instagram, o Facebookpode também começar a testar esconder o número de curtidas das publicações. A pesquisadora Jane Manchun, que tem um longo histórico na antecipação de novidades no site, detectou o recurso na versão para Android do app da rede social. 

Ao site TechCrunch, a rede social confirmou que está testando o fim da contagem de ‘likes’, mas a novidade ainda não está disponível para os usuários. 

Atualmente, o Instagram, que pertence ao Facebook, está testando o fim da contagem em sete países, incluindo o Brasil.  A empresa explicou a medida dizendo que não quer que as pessoas sintam que estão em uma competição. “Nossa expectativa é entender se uma mudança desse tipo poderia ajudar as pessoas a focar menos nas curtidas e mais em contar suas histórias”, diz.  O Facebook pode estar observando a plataforma da mesma maneira. 

No anúncio da medida, influenciadores e usuários brasileiros ficaram preocupados. Após a implementação, alguns começaram até a burlar as restrições. Toda essa movimentação ocorreu mesmo com o Instagram sendo apontado como a pior rede social para a saúde mental dos usuários.  Em 2017, um estudo da agência de saúde pública do Reino Unido considerou o Instagram a pior rede social para a saúde mental e o bem estar das pessoas.

O provável fim dos likes na rede social, marca também o fim de uma era. Neste ano, as curtidas completaram 10 anos, e o modelo ajudou a moldar o comportamento dos usuários e o modelo de negócios da internet atual. 

O comercial do Google Play para o “Mario Kart” mobile é muito mais do que os olhos veem

Você com certeza não está preparado para o nível de easter egg que “Start Your Engines” esconde em seu cenário
Por Pedro Strazza

Nintendo recentemente confirmou ao mundo que a versão para os celulares de“Mario Kart” enfim vai ser disponibilizada, depois de alguns meses de atraso para últimos ajustes. Com o lançamento de “Mario Kart Tour” marcado para o próximo dia 25 de setembro e a versão beta já aberta para inscrições, o Google Play resolveu lançar um comercial para divulgar o game, o que é justo se considerar que o app do jogo já nasce com toda a cara de fenômeno no meio mobile.

O que fascina na peça criada pela TBWA\Chiat\Day Los Angeles para a loja de aplicativos do Google, porém, não é o que ela promove diretamente e sim o que ela esconde nas bordas. Com pouco mais de um minuto, o anúncio relativamente simples e intitulado “Start Your Engines” esconde uma variedade um tanto impressionante de referências discretíssimas que aumentam o seu tom de celebração geral da franquia – e é bem provável que você não pegue metade delas na primeira visualização.

Mas antes de mais nada é necessário ver o comercial, cuja premissa é basicamente uma materialização das famosas corridas do game com smartphones alheios. Confira acima o vídeo na íntegra e abaixo sua versão de 30 segundos.

Assistiu, achou bonitinho e não viu nada demais na peça? Bom, olhe mais atentamente. Além da piadinha de cada celular representar um dos corredores tradicionais do jogo, o comercial na verdade é um grande baú de referências à mitologia do circuito de corridas de “Mario Kart” e à própria Nintendo, começando logo no primeiro plano que traz um táxi da companhia “Lakitu’s NYC Taxi” estacionado numa tal Rainbow Road e próximo a um tal Koopa Cafe, menções diretas a personagens e pistas de “Mario Kart”.

A partir desta constatação não é lá muito difícil pirar com “Start Your Engines”, até porque o vídeo vive deste nível de easter egg escondido em todos os cantos. Tem de tudo, de atendente do café vestido de Mario a parte escrita na porta do café que faz referência ao ano de criação do primeiro “Mario Kart”, passando por abajur de Toad e gato com pingente da estrelinha. Até o nome da escola dona das escadarias onde o menino está sentado é uma referência!

Um apartamento em São Paulo com cara de galeria de arte

Parece casa com quintal e tem atmosfera de galeria, mas é um apartamento envolto por muito verde. Assinado pelo escritório Suite Arquitetos, o amplo projeto em São Paulo emana liberdade e valoriza peças assinadas
TEXTO CAROL SCOLFORO | PRODUÇÃO MANUELA FIGUEIREDO | FOTOS FRAN PARENTE

Na mudança de uma casa para o apartamento no bairro da Vila Nova Conceição, em São Paulo, a família tinha um medo compreensível: perder a conexão coma natureza e a sensação de liberdade que permeavam o estilo de vida anterior. Apesar dos admiráveis 350 m² do imóvel recém-adquirido, a planta era antiga e toda compartimentada, “com várias salinhas”, segundo conta a arquiteta Daniela Frugiuele. Ao lado dos sócios Filipe Troncon e Carolina Mauro, do Suite Arquitetos, ela vislumbrou um novo destino para a propriedade.

Um apartamento em São Paulo com cara de galeria de arte (Foto: Fran Parente)

O trio imaginou ambientes amplos e maximizados, para que os moradores avistassem as copas das árvores e sentissem um clima de casa. Com este mesmo objetivo, surgiram os jardins internos que cercam alguns dos recintos e ajudam a compor a paisagem natural junto às janelas. A ideia trouxe fluidez, luminosidade e um passeio interessante em meio à coleção de arte e de peças de design da família.

Um apartamento em São Paulo com cara de galeria de arte (Foto: Fran Parente)
Um apartamento em São Paulo com cara de galeria de arte (Foto: Fran Parente)

Paredes que escureciam o ambiente vieram abaixo e apenas os pilares estruturais foram mantidos para criar o amplo living. Agora, sala de estar, varanda e sala de jantar estão conectadas. Quando se abrem as portas camarão, surge a copa. Do outro lado está a biblioteca do marido, advogado. Acomodar adequadamente no apartamento os dois grandes acervos dos donos – artes e livros – era um dos desafios da empreitada. 

Um apartamento em São Paulo com cara de galeria de arte (Foto: Fran Parente)

“Diante de tantos títulos, desenhamos uma estante leve, com chapas finas e nichos em destaque”, diz Daniela. O sofá é outra criação dos três arquitetos, e consegue aliar tom neutro e personalidade para compor o ambiente junto aos quadros de Mira Schendel e Burle Marx. A vasta coleção de arte da moradora, que teve início há 12 anos, foi contemplada com pontos de destaque, apesar do número reduzido de paredes. A presença dos painéis de marcenaria que camuflam as portas de entrada, do lavabo e do home theater, por exemplo, impede que se pendure ou apóie quadros ali. Mas, no final, tudo encontrou seu lugar.

Um apartamento em São Paulo com cara de galeria de arte (Foto: Fran Parente)

“Posicionar bem as obras de arte é uma parte muito importante do projeto. Elas são como um elemento da arquitetura. Gosto muito quando a coleção tem significado para os clientes, e esse era o caso”, conta Daniela.  Com criatividade, as peças surgem em locais inusitados: repare na árvore com raízes expostas de Jorge Mayet, suspensa próxima ao pilar da sala de jantar, capaz de hipnotizar em meio às folhagens do jardim. “Me encanta a harmonia que a exposição dos trabalhos assumiu. É um acervo vivo, ao qual sempre trago novidades”, diz a moradora, sem esconder o carinho especial pelos quadros de Mira Schendel, que deram início ao colecionismo.

O design de interiores pensado em detalhes é mais um elemento marcante neste lar. Mesmo quando a intenção é criar espaços com tons neutros, caso do quarto do casal, há uso de elementos que saem do óbvio, como texturas, tramas e marcenaria distinta. “O projeto foi muito feliz ao traduzir a sensação de morar em casa e ao fazer as coleções conviverem tão bem. Isso traz leveza à vida”, pontua a proprietária. Um verdadeiro oásis em plena cidade.