Selcuk Danyildiz for Harper’s Bazaar Turkey with Valeria Rudenko

Photographer: Selcuk Danyildiz at ppristanbul. Fashion editor: Tugce Kilincli. Hair & Makeup Artist: Murat Akbulut. Model: Valeria Rudenko.

Felipe Cohen fala sobre ‘Tardinha’, sua exposição na Galeria Millan

O artista plástico Felipe Cohen está com a exposição ‘Tardinha’ na Galeria Milan. Nesta entrevista para o Estado da Arte, Cohen fala de suas influências, do planejamento e da execução das obras que compõem a exposição
Estado da Arte

Foto: Filipe Berndt

Está em cartaz, na Galeria Millan (Rua Fradique Coutinho, 1360), a exposição individual do artista plástico Felipe Cohen. Intitulada Tardinha, a exposição de Cohen traz três grupos de trabalhos: esculturas em granito, relevos e vitrines (madeira, vidro e pedras), todos em diálogo com a paisagem natural.

Nesta entrevista para o Estado da Arte, Felipe Cohen fala sobre suas motivações para esses trabalhos, explicitando as relações com o alto modernismo brasileiro, com a arquitetura e com a música de uma época que marcou a história de nossa cultura.

Separada e há 4 anos sem álbum, Adele pode lançar novas músicas, diz revista

De acordo com a ‘People’, cantora pode lançar material novo em breve

Adele (Foto: Reprodução)

Adele, que está solteira desde abril, depois que chegou ao fim seu relacionamento de 7 anos com o ex-financista e fundador de um grupo de ajuda humanitária Simon Konecki, pode divulgar músicas inéditas em breve.

De acordo com a revista People, que falou com fontes próximas da cantora britânica, ela já se sente pronta para liberar novas canções depois do fim de seu casamento. Ela e Simon são pais de Angelo, de 6 anos. 

“Ela definitivamente está pronta física e mentalmente para promover novas músicas. Parece que isso vai acontecer ainda este ano. Ela fala sobre 2018 como um ano muito difícil e  disse no passado que criar novas músicas é quase como uma terapia”, disse um informante.

Não é novidade essa possibilidade de material inédito de Adele, que não lança um disco há quatro anos. Em abril, a colunista Katie Hind, do Daily Mail, garantiu que Adele ia lançar um novo disco ainda em 2019.

O último álbum de Adele foi 25, em 2015, e ganhou três Grammys em 2017: Música do Ano e Performance do Ano, com a canção Hello, e Melhor Álbum Pop. [Léo Gregório]

Pôster de Coringa destaca críticas positivas: “O filme do ano”

Falta exatamente um mês para a estreia do filme de origem do Coringa estrelado por Joaquin Phoenix, e o marketing da Warner Bros vai esquentando.

Nesta quarta-feira (4), o estúdio divulgou uma versão diferente de um dos pôsteres do filme de Todd Phillips, mas com uma diferença crucial: este está cheio de críticas positivas e notas máximas, colecionadas após sua passagem pelo Festival de Cinema de Veneza.

O filme do Coringa, da DC, tem ainda Robert De Niro, Bill Camp (Operação Red Sparrow, A Grande Jogada), Frances Conroy (American Horror Story, Castle Rock), Brett Cullen (42, Narcos), Glenn Fleshler (Billions, Barry), Douglas Hodge (Operação Red Sparrow, Penny Dreadful), Marc Maron (Maron, GLOW), Josh Pais (Motherless Brooklyn, Going in Style), e Shea Whigham (O Primeiro Homem, Kong: A Ilha da Caveira).

Todd Phillips (Se Beber, Não Case!) dirige o filme e também assina o roteiro ao lado de Scott Silver (O Vencedor). A produção ainda conta com o astro Bradley Cooper. [OC]

A designer francesa, de origem espanhola, Laura Gonzales fala sobre seu trabalho e inspirações

Eleita Designer do Ano pela feira Maison & Objet, Laura Gonzalez fala sobre seu trabalho e inspirações
MARCELO LIMA – O ESTADO DE SÃO PAULO

A designer francesa, de origem espanhola, Laura Gonzales Foto: Ambroise Tezenas

Aos 37 anos, a arquiteta Laura Gonzalez é uma das mais proeminentes profissionais em atuação, hoje, na cena francesa. Conhecida em toda Europa por suas inspiradas misturas de cores e estampas, ela acaba de ser eleita designer do ano pela tradicional feira francesa Maison & Objet. Uma distinção de peso no cenário da arquitetura de interiores internacional. “Não tenho medo de misturar, de ousar, de propor coisas”, conforme ela afirmou nesta entrevista exclusiva ao Casa, direto de Paris.

O que, na sua opinião, torna o seu trabalho tão identificado com os desejos do público?
Desde que comecei, e mesmo agora, não penso tanto com a receptividade dos meus projetos. Minha preocupação é encontrar harmonia. A partir disso é possível fazer o público entender tudo. Sinto que as pessoas estão entediadas de cores muito concentradas, assim como de variações de preto, branco ou cinza. Como em outras áreas, acho que as pessoas querem voltar a desfrutar de uma maior autenticidade, de escolhas mais tranquilizadoras. Misturar cores e estampas com materiais brutos pode, também, produzir bons resultados. Uma vez que você imprime harmonia aos seus projetos, fica mais fácil as pessoas se identificarem com eles.

Ambiente mistura estampas tendo o bege como base Foto: Didier Delmas

Mix & Match – expressão vinda da moda que indica uma composição obtida pela mistura de várias estampas ou elementos, tendo uma cor como base – é um procedimento muito comum em seu trabalho. Mas, além de habilidade, o que é fundamental para bem aplicar a técnica?
Como eu disse antes, você precisa criar harmonia e, sem dúvida, ela pode ser criada a partir de coisas muito diferentes. A inspiração para isso pode ser encontrada em qualquer lugar. Nos livros, em viagens, na internet, até na culinária! Cada lugar é diferente, cada um tem uma alma diferente. Por isso, tanto para criar quanto para reformar, é muito importante levar em consideração o DNA de cada local. É o caminho mais seguro para imprimir originalidade a um projeto.

Existe sempre algo de cenográfico, de impactante, na maioria de seus projetos, principalmente naqueles relacionados a espaços comerciais e públicos. E nos domínios da casa, em uma sala de estar, por exemplo, quais elementos seguramente produzem maior efeito?
Não me agrada dar conselhos sem ter em mãos um projeto concreto. Tudo é uma questão de sensibilidade, mas, ainda assim, é essencial estar atento a alguns fatores, tais como a importância da luz, o equilíbrio das formas, a variação de texturas, além da escolha criteriosa de materiais e tecidos. É preciso considerar ainda que é importante acrescentar algo do cliente, de realmente pessoal, a cada projeto. Cabe ao designer de interiores equilibrar todos esses fatores.

Poltrona desenhada pela profissional para a LG Foto: Romain Laprade

Andreas Ortner for ELLE Germany with Ymre Stiekema

Photography: Andreas Ortner. Styling: Pia Leoni Knoll. Styling Assistance: Tinka Knoll. Hair & Makeup: Marita Thoma-Politou. Model: Ymre Stiekma.

Trinny Woodall, stylist das famosas causa polêmica ao usar saia com etiqueta e devolver para a loja

“Preciso não sujar a roupa”, afirmou a apresentadora do “Esquadrão da Moda” britânico

Stylist das famosas causa polêmica ao usar saia com etiqueta e devolver para a loja (Foto: Reprodução)

Considerada como um guru da moda por muitas celebridades, Trinny Woodall causou polêmica nas redes sociais ao usar uma saia sem tirar etiqueta e depois tentar devolver em uma das lojas Zara, localizada no Reino Unido. 

De acordo com o jornal Daily Mail, ela usou a saia branca em um programa de televisão e brincou que ainda estava com etiqueta.

“Preciso não sujar a roupa, pois pretendo devolver depois. Comprei online, mas não tenho certeza se quero ficar. Fico ou não?”, disse aos seus seguidores.

Ela, que apresentava o badalado programa What Not to Wear, a versão britânica do brasileiro Esquadrão da Moda, foi criticada por seguidores e consultores de moda.

Amazon testa pagamentos com reconhecimento de mãos, diz jornal New York Post

De acordo com o jornal New York Post, a ferramenta será usada na rede de supermercados Whole Foods; é esperado que a tecnologia comece a ser lançada em 2020 nos Estados Unidos

O sistema da Amazon identifica a mão do cliente sem que ele precise tocar em aparelhos

É possível que, em breve, pessoas consigam pagar a conta de um supermercado sem cartão ou dinheiro, usando apenas as mãos. De acordo com o jornal New York Post, a Amazon está testando um sistema chamado de Orville que escaneia a mão do cliente na hora do pagamento – a ideia é que o recurso seja usado na rede de supermercados Whole Foods. 

A reportagem afirma que a empresa está usando a ferramenta em seus escritórios, para os funcionários testarem a compra automática em máquinas que vendem salgadinhos e refrigerantes. É esperado que a tecnologia comece a ser lançada na rede Whole Foods em 2020 nos Estados Unidos. 

Segundo o jornal, o sistema identifica a mão do cliente sem que ele precise tocar em aparelhos: o computador é capaz de reconhecer o tamanho e a forma da mão do cliente. Feito o reconhecimento, o valor da compra é descontado do cartão de crédito do usuário. O cliente não precisa estar com seu smartphone no momento da compra.

A Amazon já tem uma loja futurista, a Amazon Go, que não usa caixas ou atendentes: os usuários escaneiam mercadorias com o celular e pagam a conta por meio de um aplicativo. 

A tecnologia levanta preocupações com privacidade. A pesquisadora de ética e tecnologia Stephanie Hare, disse ao New York Post que provavelmente a Amazon decidiu optar por reconhecimento de mãos e não de rostos para o recurso ser menos invasivo. Entretanto, se a ferramenta for de fato lançada, a proteção de dados continuará sendo uma questão, uma vez que os usuários vão entregar informações sensíveis a uma empresa. 

Scarlett Johansson apoia Woody Allen contra denúncias de abuso da filha

© Pedro Prado Scarlett Johansson apoia Woody Allen contra denúncias de abuso da filha

A atriz Scarlett Johansson rompeu o piquete virtual do movimento #MeToo para defender o cineasta Woody Allen em entrevista de capa da revista The Hollywood Reporter. Estrela de três filmes do cineasta nos anos 2000, ela disse acreditar na inocência do diretor em relação à denúncia da filha, Dylan Farrow, de que ele a teria molestado quando tinha um relacionamento com sua mãe, a atriz Mia Farrow.

Johansson trabalhou com Allen em “Match Point” (2005), “Scoop – O Grande Furo” (2006) e “Vicky Cristina Barcelona” (2008), numa fase criativa que representou o renascimento da carreira do diretor em contato com paisagens europeias. “Eu amo Woody. Eu acredito nele e trabalharia com ele a qualquer momento”, declarou a estrela.

“Eu vejo Woody sempre que posso, e tive conversas com ele sobre isso. Eu fui muito direta com ele, e ele foi muito direto comigo. Ele mantem a sua inocência, e eu acredito nele”, completou.

Johansson reconhece que esta não é uma opinião capaz de vencer concurso de popularidade em Hollywood neste momento. Vários astros de filmes de Allen, como Marion Cotillard, Mia Sorvino, Greta Gerwig, Colin Firth e até Rebeca Hall, com quem Scarlett contracenou em “Vicky Cristina Barcelona”, expressaram arrependimento por trabalhar com o diretor, e ele entrou em litígio com a Amazon, que se recusou a lançar seu filme mais recente, “Um Dia de Chuva em Nova York” (2019), e optou por descumprir contrato firmado de distribuição de novos projetos.

“É difícil, porque as pessoas estão muito envolvidas [em ativismo] no momento, e isso é compreensível. As coisas precisavam mudar, e então as pessoas estão muito apaixonadas, têm muitos sentimentos e estão com raiva, o que faz sentido. É um momento muito intenso”, definiu.
As acusações, porém, não são novas, apesar de ganharem mais força após Dylan Farrow aproveitar o movimento #MeToo para desenterrar suas denúncias, reafirmando ter sido molestada quando criança por Allen, há cerca de três décadas.

Allen sempre negou tudo, creditando a acusação à lavagem cerebral promovida pela mãe da jovem, Mia Farrow. Outro de seus filhos, Moses Farrow, confirma a versão de Allen, que não foi condenado quando o caso foi levado a tribunal em 1990, durante a disputa da guarda das crianças. A denúncia, porém, fez com que perdesse a guarda dos filhos, objetivo de Mia Farrow.

O mais importante a destacar é que ele nunca foi acusado de abuso ou assédio por nenhuma outra mulher, tendo levado várias atrizes a vencerem o Oscar por desempenhos em seus filmes. Mesmo as que juram jamais voltar a trabalhar com ele não tem nada negativo a relatar, além do extremo distanciamento do diretor. São meio século de carreira sem uma queixa sequer.

Sem outras histórias que reforcem a acusação, o caso se resume à recordação de Dylan, aos sete anos de idade, durante o período tenso de separação entre Mia Farrow e Woody Allen, que trocou a ex pela filha adotiva dela, Soon-Yi (que não era adotada por Allen, como Dylan). Foi realmente um período polêmico e escandaloso, mas Allen e Soon-Yi se casaram, estão juntos desde então e também adotaram duas filhas que parecem adorar os pais.

O fato é que os amigos de Woody Allen diminuíram muito após o ressurgimento das denúncias, mas alguns mais antigos, como Diane Keaton, e outros que reconhecem a contribuição de Allen para suas carreiras, como Penelope Cruz, ficaram do lado do diretor. Cruz, que venceu o Oscar por “Vicky Cristina Barcelona”, voltará inclusive a trabalhar com o diretor em seu próximo filme, atualmente em produção na Espanha.

O último filme rodado por Allen, “Um Dia de Chuva em Nova York”, chega ao Brasil em 26 de dezembro.