Look de beleza pós-festa de Winnie Harlow – bem a tempo da semana de moda | Segredos de beleza | Vogue

A modelo Winnie Harlow compartilha sua rotina de preparação para a New York Fashion Week – junto com sua receita para uma máscara caseira.

Veja Angelina Jolie transformando-se em Malévola em menos de um minuto

O vídeo comprime em menos de um minuto um processo de três horas

Angelina Jolie se transforma em Malévola (Foto: Twitter Walt Disney Studios/ Reprodução)

A contagem regressiva para a estreia de Malévola 2: Dona do Mal já começou: o filme entra em cartaz no Brasil em 18.10, mas enquanto isso não acontece, a Walt Disney Studios acaba de divulgar mais um precioso material de bastidores que promete levar os fãs de Angelina Jolie e sua personagem saída das páginas de contos de fadas ao delírio.

Em um vídeo de efeito timelapse (acelerado), é possível acompanhar toda a transformação de Angelina em Malévola em menos de um minuto – quando, na verdade, o processo levava cerca de três horas diárias. Sentada na cadeira de maquiagem, ela é cercada por maquiadores e hairstylists que fazem seu trabalho, enquanto fotos de bastidores detalham o processo de aplicação de próteses no rosto e a colocação dos famosos chifres da personagem.

Angelina Jolie se transforma em Malévola (Foto: Twitter Walt Disney Studios/ Reprodução)
Angelina Jolie se transforma em Malévola (Foto: Twitter Walt Disney Studios/ Reprodução)
Angelina Jolie se transforma em Malévola (Foto: Twitter Walt Disney Studios/ Reprodução)

Buzz white for Telegraph Magazine with Kesewa Aboah

Photographer: Buzz white. Styling: Sophie Warburton. Hair: Philippe Tholimet. Makeup: Naoko Scintu. Model: Kesewa Aboah.

iPhone 11 tem (quase) todos os mesmos recursos de câmera dos iPhones 11 Pro

As diferenças entre os dois novos modelos foram bem estreitadas nessa geração

Lembram de quando a Apple apresentou o Modo Retrato original, no iPhone 7 Plus, e ele consistia em uma simples técnica para embaçar o fundo de uma imagem e destacar seu objeto principal? Pois é, os tempos mudaram: hoje, as técnicas do Modo Retrato são muito mais apuradas e, em combinação com seu “recurso parente”, o Modo Iluminação de Retrato, temos basicamente um “estúdio fotográfico” dentro de cada novo iPhone.

Os iPhones 11 e 11 Pro não chegam a adicionar nenhum recurso inédito no “mini-estúdio” instantâneo criado pela Apple; ainda assim, é necessário fazer algumas considerações acerca das suas semelhanças e diferenças.

Para contexto, voltemos um ano no tempo: na leva anterior de iPhones, a Apple resolveu diferenciar os aparelhos com uma certa limitação de recursos fotográficos. O iPhone XR tinha apenas três opções no Modo Iluminação de Retrato, e sua câmera não era capaz de identificar objetos ou animais no Modo Retrato; os iPhones XS e XS Max, por outro lado, tinham cinco opções no Modo Iluminação de Retrato e já eram capazes de reconhecer objetos e animais.

A boa notícia é que, na nova linha, não existe mais essa diferenciação: o iPhone 11 tem exatamente as mesmas capacidades fotográficas dos iPhones 11 Pro, com todas as opções do Modo Iluminação de Retrato e a capacidade de reconhecer não apenas pessoas, mas também animais e objetos para aplicar o Modo Retrato.

Exemplo de foto tirada no com o efeito High-Key Mono

Além disso, é bom notar que o iOS 13 traz uma nova opção ao Modo Iluminação de Retrato. Trata-se do estilo High-Key Mono, que aplica um fundo branco e um estilo preto e branco de alto contraste às imagens, da mesma forma que muitos fotógrafos profissionais gostam de fazer (e gastam muito dinheiro com equipamento para isso). Vale notar que o novo estilo também estará disponível para iPhones mais antigos, como o X, o XS e o XS Max.

Outro ponto que une os novos iPhones está na tecnologia Deep Fusion, que usa aprendizado de máquina para aprimorar ainda mais as fotos tiradas pelos aparelhos capturando várias imagens e analisando cada uma delas pixel por pixel. Poderia-se supor, com base na apresentação de ontem, que o recurso (o qual será liberado futuramente, com uma atualização de software) fosse exclusivo dos iPhones 11 Pro — ele foi comentado durante a apresentação dos aparelhos mais caros, afinal. Mas não: ele também estará disponível no iPhone 11, como pode-se confirmar no texto oficial de apresentação do aparelho.

Com isso, conclui-se que, em termos de recursos, o iPhone 11 está basicamente em pé de igualdade com os iPhones 11 Pro no quesito câmera. A exceção óbvia fica por conta da terceira lente, teleobjetiva (2x), dos aparelhos topos-de-linha; os 11 Pro contam também com uma dupla estabilização óptica de imagem, enquanto o aparelho mais barato tem estabilização óptica simples. De resto, tudo igualzinho — o que é ótimo.

QuickTake vs. disparo sequencial

Ainda nesse assunto, vamos falar sobre o recurso QuickTake, que permite aos usuários começar a captura de um vídeo instantaneamente tocando e segurando no botão de disparo do app Câmera — e cujo nome, aliás, é uma referência à pouco lembrada câmera digital da Apple, lançada em 1994 e cancelada em 1997 após três versões.

Em primeiro lugar, é bom notar que a funcionalidade, ao que tudo indica, será exclusiva dos novos iPhones. Essa também é uma informação a ser confirmada, mas pelo tom da Apple ao apresentar o recurso, é bem provável que não o vejamos em aparelhos antigos.

QuickTake

Quando a Maçã apresentou o QuickTake, outra dúvida surgiu rapidamente na cabeça dos usuários: e o disparo sequencial, como fica? Afinal, o ato de segurar o botão de disparo é, nos iPhones antigos, usado para capturar várias fotos em sequência. Teria a Apple aberto mão de uma funcionalidade tão elementar? Bom, felizmente não — muito embora agora o disparo sequencial exija um passo extra.

Explico: nos novos iPhones, ao segurar o botão de disparo, você ganha algumas opções. Se você manter seu dedo imóvel, o aparelho começará a capturar um vídeo e interromperá a filmagem quando você soltá-lo. Arrastando o dedo para a direita, você pode “travar” a filmagem — isto é, seguir capturando o vídeo sem o dedo encostado na tela. Por fim, arrastando o dedo para a esquerda é que você poderá realizar os disparos sequenciais como sempre fez.

E então, gostaram da mudança ou preferiam como era antes? [MacMagazine]

VIA CULT OF MAC

Escândalo de Felicity Huffman levanta a questão: até onde você iria para conseguir uma boa faculdade para o seu filho?

Atriz, que ficou famosa por “Desperate Housewives”, está sendo julgada por pagar fraude das notas da filha e garantir seu acesso a universidades de ponta

Felicity Huffman deixando uma audiência em maio, em Boston, quando assumiu a culpa (Foto: Getty Images)

Em março de 2019, estourou na imprensa americana um escândalo envolvendo pais de classe média alta e classe alta que teriam pago para fraudar as notas dos filhos nos SATs, espécie de ENEM usado como critério de seleção de muitas universidades nos Estados Unidos. Entre os acusados, estava Felicity Huffman, atriz que teve sua ascensão ao participar de Desperate Housewives e que está no elenco da minissérie-sensação Olhos que Condenam. Segundo a acusação, ela participou de um esquema para falsificar os resultados de sua filha mais velha, Sophia.SAIBA MAIS

De acordo com o que foi descoberto, Huffman fez uma doação de US$ 15 mil para a Key Worldwide Foundation, fachada de uma rede especializada em fraudes e que trabalha com diversos centros onde os estudantes são examinados. Assim, as respostas de Sophia foram alteradas, após a jovem as ter submetido, a fim de conseguir um resultado melhor do que o verdadeiro – sua nota adulterada foi 1420, 400 pontos acima do que ela havia alcançado no PSAT (espécie de treinamento para a prova oficial).

Em maio, a atriz se declarou culpada perante o tribunal e isentou a filha e o marido, o também ator William H. Macy, de qualquer envolvimento no processo. À época, ela declarou: “admito minha total culpa e, com profundo arrependimento e vergonha sobre o que eu fiz, aceito toda a responsabilidade pelas minhas ações e aceitarei as consequências que se desdobrarão a partir delas. Estou envergonhada pela dor que causei à minha filha, à minha família, aos meus amigos, aos meus colegas e à comunidade educacional. Eu gostaria de me desculpar a eles e, especialmente, aos alunos que se esforçam todos os dias para entrar na faculdade e aos pais que fazem sacrifícios tremendos para apoiar seus filhos de forma honesta. Minha filha não sabia das minhas ações, e, com minha postura equivocada e profundamente errada, eu a trai. Levarei essa transgressão em relação a ela e ao público para o resto da minha vida. Meu desejo de ajudar minha filha não é desculpa para ir contra à lei ou apelar para a desonestidade.”

Para tentar entender o que levou uma figura proeminente a apelar para a ilegalidade, é fundamental prestar atenção à sua última frase: Huffman acreditou (ou acredita) que, se o objetivo é ajudar seus filhos, tudo é válido. Inclusive burlar a lei. Embora ela tenha manifestado seu arrependimento e sua culpa – pela qual pode ser condenada, nesta sexta-feira (13.09) a um mês na prisão, 12 meses de liberdade vigiada e uma multa de US$ 20 mil –, não há garantia de que, como mãe, ela não incida em outras estratégias moralmente, eticamente e legalmente condenáveis para beneficiar suas duas filhas (inclusive, ela admitiu ter cogitado repetir o esquema em prol da caçula, Georgia, mas acabou desistindo).

O que você teria feito no lugar da Felicity Huffman? Acredita que vale tudo pela felicidade ou sucesso dos filhos?

Collab de Virgil Abloh com IKEA ganha preview durante a LFW

Coleção de móveis será lançada oficialmente em novembro

Linha MARKERAD, criada por Virgil Abloh para a IKEA (Foto: Divulgação)

O estilista Virgil Abloh está prestes a lançar uma collab de itens (ultradesejáveis!) para casa com a empresa varejista sueca IKEA. A coleção MARKERAD terá móveis minimalistas com um quê fashionista e poderá ser vista e testada especialmente durante os dias 15 e 16 no Shorts Gardens, Covent Garden, em plena Semana de Moda de Londres.

Linha MARKERAD, criada por Virgil Abloh para a IKEA (Foto: Divulgação)

O espaço temporário será montado com itens-desejo como a bolsa “Sculpture” Frakta e o relógio “Temporary” da coleção. É claro que todo o conceito foi projetado para ser bastante instagramável.

O espaço no Shorts Gardens, em Covent Garden (Foto: Divulgação)

A linha completa também inclui um tapete nada convencional com estampa de recibo de compras e até uma cadeira feita com batente de porta reaproveitado. “Trata-se de elevar os ícones anônimos e cotidianos que usamos sem perceber. Quando colocamos o batente da porta em uma das pernas de uma cadeira comum, criamos algo inesperado – uma interrupção ”, define Virgil. Todos os itens estarão à venda a partir de novembro. Queremos já!

Linha MARKERAD, criada por Virgil Abloh para a IKEA (Foto: Divulgação)
Linha MARKERAD, criada por Virgil Abloh para a IKEA (Foto: Divulgação)
Linha MARKERAD, criada por Virgil Abloh para a IKEA (Foto: Divulgação)

Rival da Netflix, Apple TV+ chega ao Brasil por R$ 10 mensais

Serviço será lançado em 1º de novembro no País e em outros 100 mercados; séries e filmes exclusivos incluem atrações com Jennifer Aniston e Jason Momoa
Por Giovanna Wolf, Bruno Capelas e Bruno Romani – O Estado de S. Paulo

Apple TV+ vem para brigar pelo mercado de serviços de streaming

A Apple anunciou em evento nesta terça-feira, 10, novas informações sobre seu serviço de streaming Apple TV+: o rival da Netflix chega ao Brasil em 1º de novembro, por R$ 10, em uma assinatura para a toda família (até seis pessoas). Na mesma data, a plataforma será lançada em mais de 100 países por US$ 5. A empresa anunciou também que quem comprar um iPhone, iPad, Mac ou Apple TV, tem um ano de assinatura gratuita do Apple TV+.

Três séries já tinham sido anunciadas para o Apple TV+Dickinson, com Hailee Steinfeld sobre a escritora Emily Dickinson, For All Mankind, que contará uma história sobre a corrida espacial, e a sitcom The Morning Show, que terá o trio Reese Witherspoon, Steve Carrell e Jennifer Aniston. Nesta terça, a Apple também anunciou uma série pós apocalíptica, chamada See, estrelada por Jason Momoa, o astro de Aquaman Game of Thrones

O Apple TV+ vem para brigar pelo mercado de serviços de streaming. A Disney também está na disputa: seu novo serviço de streaming, o Disney+,  custará US$ 7 mensais ou US$ 70 por ano. A plataforma terá séries e filmes exclusivos de algumas das franquias de entretenimento mais populares do mundo, numa tentativa de desafiar o domínio digital da Netflix.

Alexi Lubomirski for Harper’s Bazaar UK with Kristen Stewart

Photographer: Alexi Lubomirski. Styling: Miranda Almond. Hair: Adir Abergel. Makeup: Jillian Dempsey. Model: Kristen Stewart.

Uber demite centenas de pessoas das áreas de engenharia e produtos

O período é delicado para o Uber, que está tentando ganhar posição como empresa de capital aberto

Em julho, o Uber demitiu 400 pessoas da sua equipe de marketing

A vida não está fácil para o Uber. O aplicativo de transporte anunciou centenas de demissões nesta terça-feira, 10, nas áreas de engenharia e produtos, de acordo com o site TechCrunch. Ao todo, 435 pessoas foram demitidas, o que representa 8% de cada departamento. É a segunda onda de demissões nos últimos meses: em julho, a empresa demitiu 400 pessoas da sua equipe de marketing em vários escritórios ao redor do mundo.

Uber disse que as demissões fazem parte de um projeto de “redefinir e melhorar o trabalho do dia a dia”. Em comunicado, a empresa disse: “Hoje, estamos fazendo algumas mudanças para colocar a companhia de volta aos trilhos, o que inclui a redução do tamanho de algumas equipes para garantir que tenhamos uma equipe apropriada de acordo com nossas principais prioridades”. 

O período é delicado para o Uber, que está tentando ganhar posição como empresa de capital aberto.  A empresa fez sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) em maio deste ano – o Uber estreou na Bolsa de Valores de Nova York com ações negociadas em US$ 42, abaixo do seu preço de IPO, que era de US$ 45. 

Nos últimos meses, a empresa vem registrando grandes prejuízos. No seu balanço do segundo trimestre, o Uber registrou uma perda de US$ 5,2 bilhões e teve receita de US$ 3,2 bilhões, abaixo das expectativas dos analistas. O resultado do segundo trimestre mais do que quintuplicou as perdas de US$ 878 milhões que a companhia registrou no mesmo período do ano passado. 

O Uber diz que tem mais de 27 mil funcionários ao redor do mundo.