Gucci opta por um modelo de negócios mais sustentável

Grife de luxo buscar tornar sua cadeia de produção carbono-neutro
Elizabeth Paton, The New York Times

Marcas que produzem a moda de luxo estão assumindo a responsabilidade pelo preço que o setor impõe ao mundo. Foto: Valerio Mezzanotti para The New York Times

A corrida para tornar-se a marca  de moda mais sustentável já começou. Quando Gabriela Hearst apresentou a sua coleção de verão 2020 na Semana da Moda de Nova York, ela a definiu como uma “inovação no setor”. A estilista, famosa por seus tricôs de caxemira, não estava se referindo  aos seus looks mais recentes.

Gabriela disse que produziu o primeiro desfile carbono-neutro, em um momento em que a vigilância da pegada ambiental da semana da moda alcança novos patamares.

Pouco depois, a Gucci, a grande potência da moda de luxo, anunciou que também assumiu uma maior responsabilidade pelo preço que a sua companhia impõe ao planeta. Marco Bizzarri, diretor executivo da Gucci, informou que a marca realizou um desfile carbono-neutro na semana da moda de Milão em meados de setembro.

A Gucci “compensou tudo, das emissões produzidas nas viagens dos seus mil convidados e 900 funcionários, incluindo modelos, equipe de produção e funcionários da própria companhia, usando madeira reciclada no palco e convites de papel certificados pelo Conselho de Manejo Florestal (FSC na sigla em inglês)”  disse Bizzarri.

A Gucci é a primeira marca de moda a ganhar o ISO 20121, a certificação para o seu desfile, ele disse, referindo-se a um padrão de gestão de eventos sustentável da Organização Internacional de Normatização.

A companhia já monitora o seu consumo de água e energia elétrica, e o lixo, que são compensados pela Keting, o seu grupo controlador francês.

A Gucci tornou toda a sua cadeia de suprimentos completamente carbono-neutra, segundo Bizzarri. A companhia compensou todos os gases do efeito estufa de fornecedoras e fabricantes de matérias-primas de terceiros que produzem para a marca, bem como as suas operações diretas.

Tornar-se carbono-neutra não significa que a companhia tenha parado de produzir emissões prejudiciais. A compensação do carbono significa compensar financeiramente pelas emissões que uma empresa produz, cancelando as emissões de gás do efeito estufa em algum outro lugar do mundo. O dinheiro pago para comprar compensações apoia programas destinados a reduzir as emissões.

Atualmente, mais de 90% de todas as emissões da Gucci se originam de sua cadeia de suprimentos e fontes de matérias-primas, informa um documento da companhia.

Sua nova iniciativa tem sido possível graças a dados coligidos de mais de mil fornecedoras nos cinco continentes, destinados à declaração de lucros e perdas ambientais, com a finalidade de aprimorar a análise da pegada ambiental da companhia e estudar onde ela pode tornar-se mais eficiente.

Em 2015, a Gucci lançou uma iniciativa para a redução das suas emissões de gases do efeito estufa em 50% até 2025. Em 2018, havia reduzido estas emissões em 16%, ou 35% da sua atual pegada ambiental. Ela contribuirá com recursos igualmente distribuídos em todas as iniciativas da ONU para a proteção das florestas em países como Peru e Indonésia.

“Sabemos que não é perfeito, mas não podemos ficar somente esperando as inovações tecnológicas para melhorar a crise do clima”, afirmou Bizzarri. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.