Por que Victoria Beckham é obcecada pelo hidratante Weleda Skin Food

Não é a primeira vez que a designer declara seu amor por este creme de farmácia. Mas agora ele fez isso novamente, revelando novos usos
ANA MORALES
VOGUE ESPANHA

Victoria Beckahm (Foto: Reprodução Instagram)

A declaração de amor de Victoria Beckham por um dos cremes multiuso mais emblemáticos das farmácias começou há muito tempo, com uma frase semelhante a esta: “Eu uso tantos tubos de Weleda Skin Food que eu adoraria que fizessem embalagens maiores”. Desde então, a designer não se cansa de afirmar que o creme do tubo verde é uma de suas grandes obsessões de beleza. Ela disse que o usa como um creme para o corpo e até contou ao Into the Gloss que o mistura com óleo de coco para hidratar a pele e prolongar o bronzeado.

Mas voltamos a falar sobre a designer e sua obsessão com este creme porque nas últimas semanas – em plena campanha para promover sua própria linha de maquiagem – ela falou novamente sobre os benefícios do Skin Food. Primeiro, através de sua conta no Instagram, onde compartilhou alguns stories dizendo que o usa para hidratar as mãos e prolongar o bronzeado do verão (mas desta vez sem misturar com óleo de coco). “Gosto do produto há muito tempo, especialmente agora que estou tentando prolongar o bronzeado do verão. Deixa a pele super hidratada. É grosso e eu amo usá-lo em todo o meu corpo ”, disse em alguns de seus stories caseiros.

Hidratante Skin Food, da Weleda, é o preferido de Victoria Beckham (Foto: Divulgação)

Mas, além disso, foi um dos produtos usados ​​nos bastidores de seu desfile primavera-verão 2020, em que houve uma ode total e absoluta à pele bonita e sem efeito de maquiagem. Foi usado para massagear as mãos das modelos, mas em outros desfiles das semanas internacionais de moda, sabemos que ele também foi usado para hidratar a pele do rosto das modelos antes da maquiagem. Um exemplo? A maquiadora Jenny Coombs no desfile da Phoebe English, aquecendo uma pequena quantidade desse creme na palma das mãos e aplicando-o no rosto das modelos com toques suaves e massagem facial incluída.

E é que o nível de popularidade deste creme é tão alto – Beckham e outras celebridades como Julia Roberts e Kate Bosworth são parcialmente culpadas pelo hype – que seus usos foram reinventados ao extremo como os de outros cremes como Biopel ou Eight Hours de Elizabeth Arden. E não apenas entre as celebridades, como também entre os maquiadores que o usam até como iluminador nas maçãs do rosto com a pele já maquiada ou para criar um olho glossy.

Estilista Patricia Granha, do Jardim Secreto Atelier lança coleção de vestidos de noiva que podem ser transformados após o casamento

Patrícia Granha criou uma coleção prêt-à-porter de vestidos que podem ser transformados em peças para o dia a dia no prazo de um ano após o casamento

Vestidos da coleção Prêt-à-Porter de Patricia Granha (Foto: Murilo Medina/Divulgação)

Foi-se o tempo em que o vestido de noiva era usado apenas uma vez e ficava no guardado guarda-roupa por anos, apenas ocupando espaço. Preocupada em estimular o consumo consciente na moda bridal, a estilista Patricia Granha, do Jardim Secreto Atelier, em São Paulo, lança pela primeira vez uma coleção de vestidos com pronta entrega que poderão ser repaginados após o casamento.

A proposta funciona da seguinte forma: no período de um ano depois da cerimônia, a noiva pode retornar ao ateliê e transformar o vestido em alguma outra peça para usar no dia a dia  – seja uma saia, uma blusa, um vestido curtinho ou até mesmo uma calça. 

“Comecei inserindo hábitos sustentáveis dentro de casa e quis transpor isso para o meu ambiente de trabalho. Usar um vestido de noiva apenas uma vez é um grande desperdício”, explica Patrícia. “Este projeto representa o mindset da minha vida: fazer mais com menos.” 

O minimalismo dá o tom na coleção que conta com 10 modelos de vestidos, que têm tiragem limitada e são numerados. “Desta forma, eu vou manter a exclusividade que sempre foi importante no meu ateliê”, diz Patricia, que trabalha há mais de 10 anos com peças feitas sob medida. 

Rihanna fala sobre novo álbum e Donald Trump na Vogue americana

Cantora e empresária é capa da edição de novembro da publicação

Rihanna na capa da edição de novembro da Vogue americana (Foto: Ethan James)

Rihanna não é nenhuma novata às capas da Vogue: em seu currículo ela tem 13 – incluindo edições múltiplas e uma para a Vogue Brasil. Mesmo assim, a cada vez que ela posa para a revista, o entusiasmo é o mesmo.

Para a edição de novembro da Vogue americana, Rihanna volta a estrelar a capa da publicação. A conversa com a jornalista Abby Aguirre é animada: vai de sua dominação na moda, lingerie, maquiagem e beleza a política.

Seu tão aguardado próximo álbum, também não ficou de fora do bate-papo: “Venho tentando voltar para o estúdio, mas não é como se eu pudesse me trancar por um tempo prolongado como eu tinha o luxo de poder fazer antes. Sei que tenho alguns fãs bem aborrecidos que não entendem os bastidores de como tudo isso funciona”, diz Riri, ao ser perguntada sobre uma possível data de lançamento de seu nono álbum.

Falando sobre o que deve vir por aí, Rihanna revela que seu som virá inspirado pelo reggae, mas sem clichês ou nada típico como se está acostumado a ouvir quando se pensa no gênero: “Mas você definitivamente vai sentir esses elementos em todas as faixas”, afirma. “O reggae corre no meu sangue. Não importa o quanto tempo estive longe dessa cultura ou do ambiente em que cresci, ele nunca vai embora. É sempre igual. Mesmo tendo explorado outros gêneros musicais, era hora de voltar a fazer algo que ainda não havia feito completamente como um conjunto de obra.”

Quem tem medo de Rihanna deixar a música para se dedicar às suas tantas empreitadas bem-sucedidas, porém, pode relaxar. Ela nega que um dia vá se aposentar da carreira: “Música é como falar em códigos com o mundo, em que eles entendem. É a linguagem estranha que me conecta com eles [seus fãs]. Eu estilista, a mulher que cria maquiagens e lingerie, tudo isso começou com música. Foi minha primeira ligação com o mundo. Cortar isso seria como cortar minha comunicação. Todas essas outras coisas florescem em cima dessa fundação.”

Logo o assunto fica mais sério, e Rihanna fala sobre política. Afirmando que sim, negou uma proposta para se apresentar no Super Bowl em solidariedade ao atleta Colin Kaepernick e seu protesto na liga norte-americana de futebol americano, ela é direta: “Eu não ousaria. Para quê? Quem ganha com aquilo? Não a minha gente. Eu não poderia ser vendida. Há coisas naquela organização [a NFL] com as quais não concordo de jeito nenhum, e não estava disposta a me colocar a seus serviços de forma alguma.”

Rihanna, que usou seu Twitter para publicamente condenar a resposta de Donald Trump aos tiroteios em El Paso e Dayton, nos Estados Unidos, diz que os episódios foram “devastadores”: “As pessoas estão sendo assassinadas por máquinas de guerra que podem comprar legalmente. Isso não é normal. Isso nunca, jamais deveria ser normal. E o fato de que isso poderia ser classificado de forma diferente por conta da cor da pele de alguém? É um tapa na cara. É completamente racista”, declara. “Coloque um homem árabe com a mesma arma naquele mesmo supermercado e não haverá nenhuma possibilidade de Trump sentar ali e falar que é um problema de ‘saúde mental'”, continua, sem perder o fôlego: “O ser humano mais mentalmente doente na América atualmente parece ser o presidente.”

Kim Kardashian elogia ativista do clima Greta Thunberg e torce por encontro

‘Uma jovem corajosa e incrível’, declara empresária em entrevista à Reuters
AGÊNCIA – REUTERS

Kim Kardashian concede entrevista à Reuters em Yerevan. Foto: Vahram Baghdasaryan/Photolure via REUTERS

Kim Kardashian cobriu de elogios a ativista do clima Greta Thunberg nesta terça-feira, 8. “Uma jovem corajosa e incrível”, afirma a empresária, que também compartilha a preocupação da adolescente sueca a respeito da mudança climática

Kim Kardashian, de 38 anos, disse que adoraria jantar com Thunberg, que no mês passado disse a líderes mundiais na abertura de uma conferência do clima da Organização das Nações Unidas (ONU) que eles roubaram sua infância com “palavras vazias”. Depois do discurso, a adolescente foi alvo de críticas nas redes sociais.

“Ela é uma jovem realmente incrível, muito valente e corajosa por enfrentar esses adultos que às vezes são tão assustadores. E ela ser tão direta e honesta é exatamente o que precisamos”, ressaltou Kardashian à Reuters em uma entrevista exclusiva concedida durante visita à Armênia.

“A mudança climática é uma problema sério”, disse Kardashian, que participa do Congresso Mundial de Tecnologia da Informação (WCIT) na capital armênia, Yerevan. 

A empresária quer conversar com os pais de Thunberg e dividir as ideias da jovem ativista como empreendedora das redes sociais. “Falar em uma grande plataforma convida muitas opiniões e personalidades diferentes e como eles (pais) lidam com isso”, questiona Kardashian.

Os ancestrais de Kim são armênios e ela aproveitou a visita para batizar três de seus quatro filhos na catedral de Echmiadzin, a principal do país, na segunda-feira, 7. Ela acrescentou que todos os integrantes de sua família são muito cuidadosos em relação ao meio ambiente e defendeu outras personalidades, como o príncipe Harry e Meghan Markle, que foram criticados por usarem jatos particulares.

Falando sobre planos para seus negócios, que incluem produtos de beleza e roupas, Kim Kardashian disse que está pensando em abrir uma fábrica e investir na Armênia, que seus ancestrais deixaram para os Estados Unidos no início do século 20. “Estou animada porque hoje à noite tenho uma reunião e vou falar sobre investimentos futuros e abrir uma fábrica aqui e como realmente trazer esse negócio para a Armênia”, informou.

Kim, que tem mais de 60 milhões de seguidores no Twitter, disse que está muito determinada a concluir seus estudos como advogada, embora isso seja “um desafio” devido à sua agenda apertada. Ela quer promover a contratação de ex-presidiários por empresas para que possam retornar ao mercado de trabalho.

“Algumas das pessoas (mais) iluminadas que eu já conheci, pessoas mais inteligentes, pessoas que conhecem melhor a lei, são pessoas que passam algum tempo na prisão”, ressaltou Kardashian, que no passado falou sobre seu apoio a uma reforma do sistema de justiça criminal.

Paulina Wesolowska Exclusively for Fashion Editorials with Paulina Kube

Photography: Paulina Wesolowska. Model Paulina Kube Silent Models.

Gucci abre inscrições para o seu projeto Changemakers

O projeto faz parte de uma série de iniciativas da marca italiana em prol da diversidade e inclusão em todos os setores da moda

Gucci Changemakers (Foto: Divulgação)

Gucci acaba de dar o pontapé inicial de seu mais recente projeto social, o Changemakers, anunciado no último mês de março como parte das inúmeras iniciativas da marca em prol da diversidade e inclusão em todos os setores da moda.

Changemakers é dividido em 3 passos: o Changemakers Fund (que vai investir US$ 5 milhões em ONGs especializadas em apoiar a comunidade afro-americana e comunidades negras de forma mais abrangente), um programa de bolsas de estudos de US$1.5 milhão (com bolsas de US$ 20 mil para estudantes interessados em moda) e uma iniciativa voluntária que abrange toda a empresa. 

Esta semana, a marca anunciou que acaba de abrir as inscrições para o Changemakers Fund e para o programa de bolsas de estudos – ambos aceitando inscritos na América do Norte até 31.12 pelo site oficial do programa.

Para divulgar o lançamento do Changemakers, a Gucci recrutou o cineasta Satchel Lee, que dirigiu um curta protagonizado por membros de comunidade falando sobre suas experiências e a importância de se incentivar a mudança, a diversidade e a inclusão para todos. O curta é narrado pela poeta e copresidente do conselho do programa Changemakers, Cleo Wade.

“A mudança não acontece na teoria, ela acontece na comunidade. Estamos dando vida à iniciativa Gucci Changemakers, trazendo não somente fundos, mas também tempo, energia e assistência a comunidades que histórica e sistematicamente tiveram recursos escassos e foram negligenciadas por muito tempo”, diz Wade no vídeo, que você assiste abaixo:

Naomi Campbell encontra Vivienne Westwood | British Vogue

Vivienne Westwood e Naomi Campbell estarão para sempre ligadas por um momento na história da passarela: quando a supermodelo caiu de vertiginoso salto na pista de Westwood em Paris em 1993 (e reagiu jogando a cabeça para trás em gargalhadas). Mas eles têm outras coisas em comum também. Nomeadamente, uma paixão compartilhada por ativismo e filantropia. Assista ao vídeo para ver as amigas de longa data discutindo a injustiça social e a ameaça das mudanças climáticas – e também o que realmente causou a queda mais famosa da moda …

Jackie Kennedy ficou horrorizada com namoro entre o filho e Madonna

Em livro de memórias, cantora Carly Simon diz que ex-primeira-dama se preocupava com as relações de John Kennedy Jr.
O Globo

Jackie Kennedy Onassis, John F. Kennedy Jr. e Caroline Kennedy Foto: The LIFE Picture Collection

Que ninguém duvide que Jacqueline Kennedy era uma mãe zelosa. É isso que a cantora Carly Simon, muito amiga da ex-primeira-dama americana, quer provar em algumas partes de seu livro de memórias sobre a amizade entre as duas. Num trecho de “Touched by the Sun: My Friendship with Jackie” (“Tocada pelo sol: minha amizade com Jackie”, em tradução livre), ela conta que a ex-mulher de John Kennedy não gostou muito de uma certa namorada do filho mais velho, John Kennedy Jr, morto em 1999 num acidente de avião. O nome dela? Madonna .

“Jackie (1929-1994) estava decidida a colocá-lo no caminho certo”, diz Carly. “Ela não aprovou algumas mulheres – ficou horrorizada com Madonna”.

Carly também fala das relações extra-conjugais de John Kennedy, morto em 1963 com um tiro, em Dallas. Segundo a cantora, Jackie sabia que ele “cometia erros estúpidos”, mas que “ele a amava muito mais”.

Casamento com Onassis

Já viúva de Kennedy, Jacqueline se casou com o bilionário grego Aristóteles Onassis, em 1968.

“Ela dizia que ele era muito sexy – que cantava para ela no iate e a levava para lugares lindos para fazer amor”, diz Carly. “Mas, de certa forma, eu nunca soube se ela estava defendendo sua própria decisão ou se realmente o amava.”

DeMarcus Allen for L’EDITO Magazine with Rayane Brown

Photography: DeMarcus Allen. Styled by: Simon Gensowski. Hair by: Olivier Henry. Makeup: Elsa Olson. Stylist Assistant: Pauline Robin-Boniface. Model: Rayane Brown.