‘Existem microtorturas cotidianas’, diz Lea T sobre ser trans na Itália

Modelo brasileira também afirmou que existe transfobia em seu país natal
AGÊNCIA – ANSA

Desfile da Água de Coco, na sala de eventos do Mercado Municipal de São Paulo, em agosto Foto: Hélvio Romero/ Estadão

A modelo e ativista brasileira Lea T afirmou na sexta-feira, 22, que a Itália ainda precisa “fazer muito” para garantir o respeito aos direitos das pessoas transexuais.   

A declaração foi dada em Milão, durante o lançamento de uma campanha contra a transfobia promovida pela marca de produtos capilares Pantene.   

“Na Itália, como em todo o mundo, ainda há muito a se fazer. Nós não temos nenhum direito, nem ao trabalho, nem ao amor, somos vulneráveis em tudo, e não existem leis para nós. Não somos representadas em nada”, disse a modelo, que é filha do ex-jogador brasileiro Toninho Cerezo.   

Lea T também citou a situação no Brasil, onde “há grandes problemas de transfobia” – em 2018, o país registrou 163 assassinatos de pessoas trans, segundo relatório da ONG Transgender Europe. “Na Itália, talvez não nos matem, mas existem microtorturas cotidianas”, completou a modelo. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.