Leitor eletrônico deve ficar restrito a nicho

Scroll down to content

Mesmo com o impulso da varejista americana Amazon, os e-readers nunca chegaram a ser um dispositivo de massa
Por Bruno Romani – O Estado de S.Paulo

Jeff Bezos, presidente executivo da Amazon, com o leitor eletrônico Kindle

Lançados em meados da década de 2000, os leitores eletrônicos (ou e-readers) fizeram muita gente questionar se o livro de papel estava com os dias contados. Em seu auge, disputavam com os tablets um espaço nas lojas e nos bolsos dos consumidores. Hoje, porém, seu destino parece ainda mais cruel que o previsto para iPads e seus similares. “Tem gente que ainda compra telefones de flip e leitores de DVD. Por que não teria gente que compra e-readers?”, brinca a analista Mikako Kitagawa, da consultoria Gartner. 

Na visão dela e de outros analistas, os leitores eletrônicos estão fadados a entrar para o nicho dos fascinados por tecnologias antiquadas. A principal delas é o e-ink, nome dado às telas dos e-readers: uma inovação que tentava imitar o livro de papel, sem cansar a vista como fazem as luzes azuis emitidas por PCs e smartphones. Quem primeiro trouxe a tendência ao mercado foi a Sony, em 2006, mas quem melhor representou esse ideal foi o Kindle, da Amazon

Mesmo com o impulso da varejista americana, os e-readers nunca chegaram a ser um dispositivo de massa. No ápice, em 2011, a líder de mercado Amazon chegou a vender 23,2 milhões de unidades. Cinco anos depois, a marca era de apenas 7,1 milhões, em um declínio que pode ser sentido em toda a categoria. E a queda pode aumentar: segundo projeções do portal de informações Statista, a receita com a venda de leitores eletrônicos pode cair para US$ 160 milhões em 2025 – em 2018, foi de US$ 460 milhões. 

No Brasil, o volume é muito pequeno: apenas 18 mil unidades foram vendidas em 2019, segundo consultoria de mercado Euromonitor. A projeção da empresa é que esse número caia para 14 mil em 2024. 

Mas há quem acredite que a categoria não vá sumir por completo. “Mesmo com o declínio, o e-reader vai continuar existindo por conta da Amazon, que é a maior vendedora de e-books do mundo”, explica Gustavo Camargo, analista de marketing do instituto de tecnologia Sidi. Faz sentido: em um ambiente tecnológico em que o hardware está perdendo protagonismo para os serviços, contar com um dispositivo com jeitão de ultrapassado é detalhe. O que importa é o que ele permite consumir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: