Suicídio de apresentadora de TV Caroline Flac acende busca por regras mais rígidas na mídia britânica

Caroline Flack foi encontrada em seu apartamento no sábado
KATE HOLTON

Caroline Flack

O suicídio de Caroline Flack, uma das estrelas de TV mais famosas do Reino Unido, levou quase 350.000 pessoas a assinar uma petição exigindo leis mais duras sobre a maneira como os tabloides tratam as celebridades.

Flack, de 40 anos, ex-apresentadora do popular reality show Love Island e vencedora da versão britânica de Dancing with the Stars, foi encontrada morta em seu apartamento em Londres no sábado (15), após cometer suicídio.

Ela deixou o cargo de apresentadora depois de ser acusada de agredir o namorado em dezembro, o que ela negou.

A morte de Flack provocou um debate sobre a maneira como a imprensa britânica de tabloides, conhecida por suas táticas agressivas de reportagem, cobre celebridades e o nível de veneno que pode ser direcionado a pessoas nas mídias sociais. Ela já havia falado sobre sua batalha contra a depressão.

A petição, assinada por 346.000 pessoas às 12h10 (horário de Brasília) desta segunda (17), pede a proibição do uso de citações anônimas, invasão de privacidade, publicação de informações privadas e divulgação dos registros médicos ou de saúde de um indivíduo.

“Isso evitará danos pessoais, suicídio, abuso de substâncias e problemas de saúde mental”, segundo a petição. “Vamos nos unir e de uma vez por todas fazer uma mudança.”

O programa Love Island voltará ao ar na segunda-feira à noite, após dois dias sem transmissão, informou a emissora ITV, e incluirá uma homenagem à ex-apresentadora.

Miss Alemanha 2020 é eleita por júri formado só por mulheres e sem prova de biquíni

Edição foi marcada por novidades, como inclusão de candidatas de até 39 anos

Leonie von Hase, 35, foi escolhida a Miss Germany 2020
Leonie von Hase, 35, foi escolhida a Miss Germany 2020 – DW/P.Seeger

A empresária Leonie von Hase, 35, foi eleita Miss Alemanha 2020 neste fim de semana, desbancando as candidatas Lara Runarsson, 22, e Michelle-Anastasia Masalis, 23, que ficaram em segundo e terceiro lugar, respectivamente, além de outras 13 mulheres.

Nascida na Namíbia, Von Hase era a participante mais velha entre as finalistas do concurso neste ano, cujo lema foi “Empoderando mulheres autênticas”. Ela é mãe de uma criança de três anos.

“Há muito tempo as mulheres não se interessam em lutar por um padrão convencional de beleza”, disse Von Hase ao site da Miss Alemanha. “Minha percepção de uma mulher ‘bonita’ é a força, o caráter e a autenticidade que ela irradia.”

O evento aconteceu no último sábado (15) no Europa Park Arena, perto de Freiburg, no sul da Alemanha. Pela primeira vez nos 93 anos de história do evento, um júri formado somente por mulheres decidiu a vitória de Von Hase, representante do estado de Schleswig-Holstein. Cada um dos 16 estados da Alemanha envia uma candidata para a final do Miss Alemanha.

A edição deste ano teve também outras novidades: ela permitiu a participação de mulheres casadas e mães, e elevou o limite de idade em dez anos para incluir mulheres de até 39 anos. A idade mínima é de 18 anos. Além disso, não houve uma prova em que as candidatas precisam trajar biquínis para exibir seus corpos, considerada sexista por ativistas feministas.

O show no Europa Park Arena foi ancorado pelo casal de celebridades Jana e Thore Schölermann e contou com a participação do cantor e compositor Kelvin Jones.

Este será apenas o começo do reinado para a empresária, que foi coroada pela vencedora do ano passado, Nadine Berneis. Von Hase vai aparecer na capa da revista feminina JOY e ganhou um carro Golf, uma série de produtos de beleza e uma seleção de sapatos. DW

Rumor: Apple fará evento no dia 31 de março para lançar “iPhone 9” e outras novidades

Além do novo iPhone‌ de baixo custo, rumores indicam que a Apple planeja lançar vários outros produtos nos próximos meses, incluindo modelos atualizados do iPad Pro e um MacBook Pro de 13 polegadas atualizado.

Os rumores apontam para lançamentos importantes da Apple para breve. E se há lançamentos importantes, precisamos de um evento para isso. Pois o site alemão iPhone-Ticker acredita [Google Tradutor] que tal evento acontecerá no fim de março, sendo a data mais provável 31/3.

Segundo o veículo, a informação foi dada por fontes dentro da empresa; nesse caso, se o evento acontecer mesmo em 31/3 (uma terça-feira), as novidades (de hardware) deverão chegar às lojas na sexta-feira seguinte, 3 de abril.

É bom termos sempre um pé atrás com notícias assim, principalmente vindo de uma fonte com pouco histórico. Mas se a informação for mesmo verdadeira, tal evento poderá ser bastante movimentado.

Isso porque, segundo o analista Ming-Chi Kuo, a Apple poderá lançar até sete produtos nesse começo de 2020, incluindo o “iPhone 9”novos iPads Pro, um MacBook de 13″ (ou 14″) com teclado tesoura, novos fones de ouvido sem fio, os aguardados acessórios de rastreamento e até uma base carregadora sem fio.

Se o evento acontecer mesmo no dia 31/3, é bem provável que o iOS 13.4 (que já está em testes) seja liberado na mesma semana, a fim de oferecer suporte a todas essas novidades.

Vale lembrar que realizar um evento em março para apresentar novos produtos não é algo atípico quando estamos falando da Apple. Em 2018 ela apresentou o iPad de sexta geração em um evento educacional; já em 2019 ela realizou um evento para lançar o Apple Card e os seus serviços Apple News+Apple Arcade e Apple TV+ (que só chegaria mais tarde, mas foi oficialmente apresentado no evento).

Tudo aponta para novidades mesmo em março de 2020 — a não ser que o Coronavírus atrapalhe os planos da Maçã.

VIA MACRUMORS

Conheça o novo escritório em Austin do Britt Design Group

A empresa de design de interiores Britt Design Group mudou-se recentemente para um novo escritório em Austin, Texas, que eles mesmos projetaram em colaboração com a empresa de arquitetura Mark Odom Studio.

Exterior

“A idéia por trás do WELL Design é uma visão geral dos ocupantes do escritório e como ocupamos e usamos o espaço”, diz Laura Britt, fundadora do Principal Britt Design Group. Ao projetar o novo espaço de escritório, a equipe usou a integração tecnológica dos sistemas AV e de iluminação, permitindo a máxima flexibilidade do espaço. Vários tamanhos e tipos de áreas de trabalho e de reuniões oferecem suporte a uma ampla gama de atividades e oferecem uma oportunidade de movimentação entre espaços durante o dia de trabalho, e uma sala de bem-estar proporciona um descanso tranquilo. “Janelas grandes fornecem a conexão da equipe ao ar livre e à luz do sol controlada por um sistema interno de sombreamento. As plantas de interior ao vivo suportam a conexão biofílica e a purificação do ar, e os espaços ao ar livre mobilizados incentivam o trabalho ou pausas com os benefícios do sol e do ar fresco ”, diz Britt Design Group.

Workroom

“Este edifício de escritórios recentemente concluído também exemplifica a construção e o design da WELL. A entrada de luz natural no prédio de dois andares foi um dos elementos mais importantes. As vistas são emolduradas por grandes janelas de dois lados opostos, permitindo que os usuários experimentem a paisagem urbana movimentada (frente) e a bastante solidão da paisagem do quintal (traseira). “O lobby principal é a principal entrada para a interação entre escritórios … a paisagem do quintal é o mesmo conceito. “Apresentar áreas de interação social é essencial para grande parte do nosso trabalho. O edifício pretendia ter um único usuário por andar, para que os usuários pudessem experimentar a execução contínua da janela de todos os ângulos do edifício ”, diz Mark Odom Studio.

Reception
Conference room
Library
Workroom
Outdoor garden

CEO da Amazon anuncia fundo de US$ 10 bilhões contra mudanças climáticas

Fundo pretende financiar ONGs, pesquisas e projetos que pensem formas de reduzir o aquecimento global.

O jornal Washington Post é um investimento pessoal de Jeff Bezos, e não da Amazon

O homem mais rico do mundo e presidente-executivo da Amazon, Jeff Bezos, anunciou nesta segunda-feira (17) a criação do “Bezos Earth Fund”, um fundo de US$ 10 bilhões que apoiará projetos que lutam contra a mudança climática.

Segundo o post de Bezos em uma de suas redes sociais, o fundo vai financiar cientistas, ativistas, ONGs e “qualquer esforço que ofereça uma possibilidade real de ajudar a preservar e proteger o mundo”, afirmou. O objetivo, segundo ele, é também tornar coletivas ações positivas de grandes e pequenas empresas, países, organizações globais e indivíduos.

Apesar do alto valor destinado ao fundo, os US$ 10 bilhões não correspondem nem a 10 por cento da fortuna acumulada por Bezos, que, atualmente, está estimada em US$ 131 bilhões.

No final do ano passado, Bezos fez uma doação de quase US$100 milhões para fundações que prestam apoio às pessoas em situação de rua.

Jeff Bezos

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, é o homem mais rico do mundo, segundo o ranking de 2019 da revista Forbes. Ele tem um patrimônio de US$ 131 bilhões. Nascido há 55 anos em Albuquerque, Novo México (EUA), Bezos trabalhou preparando hambúrgueres na rede de fast food McDonald’s durante a juventude.

Algumas curiosidades sobre Jeff Bezos:

  • Ele também é dono de outros negócios, como o jornal Washington Post e a empresa de foguetes Blue Origin.
  • Ele foi um dos primeiros investidores de negócios inovadores, como a Uber e o Airbnb.
  • Ele já foi eleito o pior chefe do mundo pela Confederação Sindical Internacional em 2014.
  • Bezos é desafeto de Donald Trump. O presidente americano diz que suas empresas não pagam todos os impostos devidos.

Andrew Weatherall, DJ e produtor, morre aos 56 anos

Os representantes de Weatherall disseram em comunicado que ele teve uma embolia pulmonar
AP, O Estado de S.Paulo

Andrew Weatherall, DJ e produtor inglês, morreu aos 56 anos Foto: Bart Heemskerk/Dekmantel Festival

O músico, produtor e DJ britânico Andrew Weatherall, que ajudou a trazer os sons de acid house ao público de massa, morreu aos 56 anos. Os representantes de Weatherall disseram em comunicado que ele morreu nesta segunda-feira em um hospital de Londres, devido a uma embolia pulmonar.

“Ele estava sendo tratado em um hospital, mas infelizmente o coágulo sanguíneo atingiu seu coração. Sua morte foi rápida e pacífica”, diz o comunicado.

Weatherall nasceu em Windsor, perto de Londres, e começou sua carreira como DJ em um clube noturno. Em seguida, fundou a gravadora Boy’s Own Recordings e o projeto de produção Bocca Juniors.

Ele era respeitado por seus remixes de músicas de artistas como Happy Mondayse New Order, além de produzir o icônico álbum do Primal Scream Screamadelica, em 1991. Weatherall colocou várias camadas no som da banda de rock, além de um toque de dança que resultou em um dos albuns britânicos mais aclamados e celebrados dos anos 1990.

O autor de Trainspotting, Irvine Welsh, disse que estava “consternado” com a notícia da morte de Weatherall. “Gênio é uma palavra amplamente usada, mas não consigo pensar em outra coisa que o defina”, escreveu Welsh no Twitter.

Tim Burgess, vocalista do The Charlatans, twittou: “Estou em choque e muito triste em ouvir que o viajante cósmico

Andrew Weatherall nos deixou. Foi um prazer conhecê-lo e compartilhar bons momentos. Descanse, amigo.”

Livro ‘Videogame, a Evolução da Arte’ destrincha história do videogame e defende maior reconhecimento artístico

Autor afirma que marginalização é ruim num mundo cada vez mais colonizado pela lógica dos jogos
Eduardo Sombini

Cena do jogo ‘Shadow of the Colossus’ – Flickr/Reprodução

No começo de “Shadow of the Colossus”, lançado pela Sony em 2005, um jovem de cabelo comprido, usando uma capa e uma espada mágica, leva a cavalo, rumo a um templo, o corpo de uma menina sacrificada.

Para ressuscitá-la, o jogador precisa atacar 16 gigantes com feições de animais e personalidade pacífica. A cada golpe, os colossos urram e lutam para sobreviver —e quando finalmente são mortos, o jogo não oferece um mecanismo tradicional de recompensa, como música ou efeitos visuais para produzir uma sensação de êxtase.

Ao contrário, o protagonista desmaia e uma trilha sonora sombria toca depois da queda de cada colosso.

Passar para a fase seguinte é deixar um animal sacrificado para trás, em uma espécie de tourada melancólica. Algo muito distante dos estímulos eufóricos ao vencer inimigos vistos em outros jogos.

“‘Shadow of the Colossus’ é uma experiência estética elevada e é interessante por perverter os signos dos videogames até então”, avalia João Varella, autor do livro “Videogame, a Evolução da Arte”, publicado pela editora Lote 42.

O autor recorre à obra como uma evidência do principal argumento do livro: videogames são uma expressão artística densa, assim como a literatura e o cinema, apesar de serem normalmente vistos como produtos rasos de entretenimento.

Ao longo de 28 capítulos —cada um é um ensaio sobre um jogo que marcou as quase cinco décadas de história dos videogames— Varella registra os principais gêneros, desenvolvedores e estratégias narrativas e visuais.

Por isso, não há um relato linear no livro, fazendo com que algumas questões permeiem diversos capítulos, como a recusa a uma visão purista que separa a criação artística das lógicas econômicas.

Enxergar os videogames como indústria é, para o autor, “absolutamente necessário para perder a ingenuidade”. Varella é também fundador da Lote 42 e da Banca Tatuí.

“Não vejo como analisar a história de qualquer expressão artística sem considerar o mercado. Como o videogame é a mais recente das expressões culturais, ele chega em um contexto mais próximo da globalização”, diz.

Para ele, videogames não são vistos com a mesma legitimidade cultural que outras linguagens porque persiste a ideia de que são entretenimento para crianças e adolescentes. Outro fator seria a ênfase dada a jogos de ação e violência. “A lógica de matar ou morrer é um jeito de gerar imersão, e ficou meio difícil dissociar os videogames dessa ideia.”

A conexão entre videogames e violência, para Varella, leva à estigmatização dessa linguagem e a tentativas de censura, como no episódio em que “Counter Strike” foi proibido no Brasil, em 2008. “Essas pontes são destruídas, e isso faz com que o videogame não tenha reconhecimento e não seja debatido”, afirma.

A marginalização dos games não poderia ser pior em um mundo que assiste, de acordo com o autor, à colonização das regras do universo dos jogos em outras esferas da vida cotidiana, como as redes sociais.
“A Uber te dá pontos, isso é videogame. O aplicativo de corrida te impõe metas e objetivos, isso é videogame. A cultura de videogame está chegando à cabeça das pessoas. São as pessoas que não estão preparadas para isso.”

Um exemplo desse fenômeno é, para ele, a disseminação dos placares pelo mundo digital, uma das técnicas mais antigas para estimular jogadores. “Os aplicativos usam técnicas de gamificação. Hoje, há mais curtidas, mais compartilhamentos, mais seguidores —isso também é um placar.”

Varella avalia que a implicação mais importante desse processo é que há estímulos ocultos que orientam o comportamento das pessoas, daí a urgência de entender as engrenagens dos videogames.

“Isso vai nos condicionando. Vai nos dizendo o que é certo e o que é errado. É normal gostar de ganhar ‘likes’, só que muita gente entrou nesse jogo sem entender que era um jogo, sem saber que tem gente querendo usar uma lógica de mercado. [As plataformas] querem que você fique mais tempo lá porque vai ver mais anúncio, e mais anúncio significa mais dinheiro.”

VIDEOGAME, A EVOLUÇÃO DA ARTE

  • Preço R$ 50
  • Autor João Varella
  • Editora Lote 42

Pooja Mor – The Masculine is Feminine – Air France Madame January 2020 By Gianluca Fontana

The Masculine is Feminine  —   Air France Madame January 2020   —   www.airfrance.com
Photography: Gianluca Fontana Model: Pooja Mor Styling: France De Jerphanion Hair: Benedicte Cazau-Beyret Make-Up: Tiziana Raimondo Art Director: Giorgio Martinoli

Pelo segundo ano consecutivo, iFood é patrocinador oficial do Carnaval de SP

Foodtech levará a diferentes pontos da cidade os iFood Parks – espaços que reunirão restaurantes parceiros da plataforma e diversas ativações
Soraia Alves

iFood patrocina pelo segundo ano consecutivo o Carnaval de São Paulo, além de preparar ações especiais para os consumidores que estarão na cidade para a festa. A foodtech levará a diferentes pontos da cidade os iFood Parks – espaços que reunirão restaurantes parceiros da plataforma e diversas ativações.

Nos locais, o público vai encontrar uma curadoria iFood com grandes marcas e opções para todos os gostos: de fast food a comida saudável, passando por itens refrescantes – como salada de frutas e açaís. Na Praça Gentil Falcão, na Berrini, as opções serão Itzza, The Doug Haus, Balada MixAll in e San Lorenzo Gelateria. Na Praça Armando de Sales Oliveira, no Ibirapuera, o público irá encontrar os cardápios de Vip Sushi, Arabek, Pizza Crek, Cabana e Mexicaníssimo. Já na Praça Portugal, nº 20 (esquina Rebouças com Henrique Schaumann), em Pinheiros, Vinil Burger, Saj Açaí Concept estarão prontos para atender aos visitantes.

Os pedidos poderão ser feitos e consumidos no local ou por meio da tecnologia “Pra Retirar”. O serviço promete agregar maior praticidade na hora de comer. Para pedir, basta ter o app do iFood baixado e, em um dos iFood Parks, acessar a lista de restaurantes disponíveis via QR Code. Quando o pedido estiver pronto, o cliente será avisado pela plataforma para retirá-lo em mãos no restaurante selecionado. O pagamento também deve ser efetuado pelo app na opção cartão de crédito.

“O Carnaval é uma das festas mais democráticas do país. No iFood, trabalhamos com diversos tipos de culinária e opções para todos os bolsos – e é exatamente esse conceito que levaremos para a festa neste ano. Os usuários já estão acostumados com o iFood entregando comida em suas casas e locais de trabalho, e o nosso propósito é utilizar a tecnologia para agregar praticidade e comodidade aonde quer que eles estejam, inclusive na rua, no meio de um bloco de Carnaval”,  explica Ana Cláudia Oliveira, Gerente de Trade Marketing e Eventos do iFood.

Nos iFood Parks, o público também poderá interagir com uma roleta de prêmios. A marca também irá distribuir itens iFood em mais de 20 blocos do Carnaval paulistano para fazer a alegria dos usuários. Entre os brindes, estão viseiras, cordinhas de óculos e pochetes. Já a pochete térmica, queridinha do público no último Carnaval, poderá ser encontrada apenas nas roletas dos iFood Parks.