Para Eric Schmidt, ex-presidente do Google, empresas precisam de ajuda contra a China

Scroll down to content

O executivo Eric Schmidt acredita que os Estados Unidos precisarão ajudar as empresas de tecnologia na corrida pelo mercado de inteligência artificial
Por Lucas Agrela

Os líderes do Vale do Silício podem estar confiando demais no setor privado para garantir a liderança global dos EUA em novas tecnologias. Credit…Charles O’Rear/The Image Bank, via Getty Images

Para Eric Schmidt, ex-presidente do Google, as grandes empresas de tecnologia precisam de ajuda do governo americano para combater o avanço das companhias chinesas na corrida pela dominância do mercado de inteligência artificial e outras tecnologias globalmente importantes. Em uma carta aberta no jornal americano The New York Times, Schmidt disse acreditar que esse seria um jeito de os Estados Unidos competirem de maneira séria contra a China, uma vez que os americanos precisam contar apenas com o setor privado para atingir inovação tecnológica — algo que não acontece na China.

Segundo dados do estudo Global AI Index, da empresa de mídia britânica Tortoise, os Estados Unidos lideram o setor de inteligência artificial, mas a China está em segundo lugar e possui uma estratégia de governo que marca 100 pontos no ranking, enquanto os Estados Unidos pontuam apenas 68,5 nesse quesito.

Schmidt almeja incentivar o governo americano a fazer mais parcerias com empresas nacionais e a viabilizar novas formas de captação de recursos para pesquisa de tecnologias inovadoras, além de oferecer treinamento melhor do que o atual para pesquisadores. Além disso, o executivo estimula a criação de uma empresa que concorra com a Huawei, que atua em inteligência artificial, por exemplo, no campo de visão computacional, com reconhecimento de imagens de pessoas ou placas de veículos.

Para Schmidt, além dessa série de reformas, os Estados Unidos precisam regular de forma pioneira a inteligência artificial, o que pode ajudar o país a desenvolver negócios que utilizem essa tecnologia que promete ser o pivô da quarta revolução industrial na economia mundial. “Tendências importantes não estão ao nosso favor. A liderança americana no setor de inteligência artificial, por exemplo, é precária. Essa tecnologia irá abrir novas oportunidades em todas as áreas, da biotecnologia ao setor bancário, e ela também deve ser prioridade para o Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Liderar globalmente o setor de inteligência artificial é essencial para o crescimento da nossa economia e para a proteção da nossa segurança”, escreve Schmidt.

O Brasil está entre os atrasados na tendência de inteligência artificial. O país figura na 44ª posição do ranking Global AI Index com problemas sérios em todos os itens essenciais para o desenvolvimento tecnológico de um país perante essa tendência global, como profissionais talentosos, infraestrutura, ambiente operacional, pesquisa, desenvolvimento, estratégia de governo e ambiente comercial.

Eric Schmidt é o fundador da Schmidt Futures e presidente da Comissão de Segurança Nacional de Inteligência Artificial e do Conselho de Inovação em Defesa. Ele é o ex-presidente e CEO da Google.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: