La Casa de Papel | Atores Úrsula Corberó e Miguel Herrán estampam capa da revista GQ España

GQ España libera edição estrelada por Miguel Herrán e Úrsula Corberó de graça para o público
NICOLAOS GARÓFALO

Astros de La Casa de Papel, fenômeno da NetflixÚrsula Corberó e Miguel Herrán, que vivem Tóquio e Rio, respectivamente, ganharam destaque na edição de abril da versão espanhola da revista GQ. Principal atração da revista, Corberó e Herrán posaram para fotos e deram entrevista em uma edição que conta ainda com nomes como Post Malone e Rob Lowe (9-1-1: Lone Star) – confira a edição completa.

Entre as fotos feitas por Nico Bustos, a dupla passeia por Madrid, se abraça e se beija, lembrando alguns de seus momentos em La Casa de Papel.

A parte 4 de La Casa de Papel estreia na Netflix nesta sexta-feira, 3 de abril. Agora, os ladrões terão de encarar inimigos dentro e fora do Banco da Espanha. Saiba qual a melhor forma de ficar em dia com a série.

La Casa de Papel mostra um grupo de desconhecidos que se reúne e organiza um assalta à Casa da Moeda da Espanha. A terceira temporada mostra os integrantes aproveitando os frutos do roubo, até que a prisão de um dos assaltantes obriga os ladrões a se juntarem mais uma vez.

Howl Like A Wolf

Musa photographed by Konstantin Sorokin and styled by Ekaterina Budanova, in exclusive for Fucking Young! Online.

Photographer: Konstantin Sorokin @sorokin_k
Stylist: Ekaterina Budanova @fashionkatya
Videographer: Tatyana Bueva @kissa_zool
Muah: Tatyana Trushina @trutatan
Model: Musa @aboulfeitdj
Photo Assistant: Rinat @hey_rinat_
Styling Assistants: @eee_kraskovskaya @marusha.d @pantaziq
BRANDS: Alisa Kuzembaeva, Alkhanashvili, Vertigo, Citizen_A, Fasterisqu, IR’S, Blue Velvet Vintage

Preocupada com efeitos da pandemia, Coca-Cola interrompe todas as campanhas publicitárias no Brasil

Medida segue decisão progressivamente global da companhia e vale para todas as marcas; Coca-Cola também anunciou doação de US$ 120 milhões aos esforços de contenção do coronavírus
Por Pedro Strazza

Coca-Cola Brasil anunciou na última segunda (30) a suspensão de todas as campanhas publicitárias no país durante a pandemia do coronavírus. Válida para todas as marcas da companhia no território, a decisão foi tomada para permitir que se foque na veiculação de mensagens de conscientização e prevenção da doença e vale “por tempo indeterminado”.

“Nosso foco neste momento está em garantir a segurança e o bem-estar dos nossos associados e comunidades” escreve a empresa em comunicado veiculado em suas redes sociais, no qual ela confirma que a prioridade da vez também passa por “contribuir com bebidas e itens necessários aos trabalhadores da saúde” e dar apoio a “comunidades vulneráveis” à doença. Junto do anúncio, a Coca-Cola reafirmou que vai doar 120 milhões de dólares aos esforços de combate ao coronavírus ao redor do globo.

Confira o comunicado na íntegra abaixo.

A medida segue um padrão que a companhia tem tomado ao redor do globo, com divisões da empresa em territórios como Portugal, Reino Unido e a Tailândia já tendo confirmado a suspensão. Na terra da rainha, um porta-voz da empresa chegou a declarar ao The Drum que a empresa teria chegado a essa decisão depois de considerar que “não seria apropriado ou consistente com os desafios ou incertezas atuais dos consumidores” manter o marketing planejado para o ano.

A suspensão ainda não foi confirmada nos Estados Unidos, país de origem da companhia, mas a Coca já vem promovendo em diversos pontos do território ações de conscientização da pandemia, incluindo aí a promoção do distanciamento social em seu outdoor na Times Square de Nova York.

Como muitas outras empresas, a Coca-Cola certamente vem sendo afetada pela pandemia. Em questão de marketing, só para ficar no exemplo, a marca viu grandes eventos que patrocina serem adiados ou cancelados, incluindo aí a Premier League, a Eurocopa e óbvio, os Jogos Olímpicos de Tóquio.

O Poço | 5 HQs para ler após assistir ao novo suspense da Netflix

Provocador, filme espanhol da Netflix tem temática parecida com HQs clássicas
GABRIEL AVILA

Após uma estreia discreta, o filme espanhol O Poço se tornou uma das produções mais comentadas lançadas pela Netflix em 2020. Dirigido por Galder Gaztelu-Urrutia, o suspense causou verdadeira fascinação no público graças à sua trama envolvente, carregada de comentários sociais repletos de simbolismo com pitadas de gore. Abaixo listamos 5 HQs para aqueles que procuram leituras com temática similar ao do longa:

O PERFURANEVE

Capa brasileira de O Perfuraneve
Divulgação/Editora Aleph

O Poço acompanha Goreng (Ivan Massagué), um homem que está confinado na prisão vertical que dá nome ao filme. O local tem uma curiosa mecânica baseada em uma farta mesa de alimentos que desce diariamente, andar por andar, alimentando seus detentos. Não é preciso muito tempo no local para que Goreng descubra que a prática cria uma enorme disparidade, já que os andares de cima se refestelam em um banquete, deixando menos que migalhas para os que estão abaixo. Esta premissa é muito similar à de O Perfuraneve, clássico quadrinho francês que narra uma distopia em que o mundo foi tomado por uma terrível Era do Gelo que obriga o que restou da humanidade se abrigar no trem Perfuraneve. Com mais de mil vagões, o veículo é dividido em três comboios separados que separam grupos de pessoas por sua classe, reservando os primeiros para os ricos, que levam uma vida confortável e luxuosa, enquanto os últimos abrigam um número incontável de pessoas sem condições básicas para a sobrevivência. O protagonista é Proloff, ocupante dos vagões do fundo, que é pego pelas autoridades enquanto tentava embarcar em uma acomodação mais privilegiada.

Assim como O Poço imagina um futuro fantasioso para falar sobre a sociedade atual, O Perfuraneve usa a distopia para tratar a capacidade humana de prejudicar a si mesma. Descrito por seu roteirista Jacques Lob como “uma narrativa dura, amarga e sufocante”, a história tece comentários sobre como o egoísmo e a indiferença podem ter resultados catastróficos.

O Perfuraneve foi publicado no Brasil pela Editora Aleph.

BATMAN: ASILO ARKHAM – UMA SÉRIA CASA EM UM SÉRIO MUNDO

Capa brasileira de Batman: Asilo Arkham
Divulgação/Panini

Asilo Arkham – Uma Séria Casa em um Sério Mundo acompanha uma visita do Batman ao famoso hospital psiquiátrico para conter uma rebelião liderada pelo Coringa que, auxiliado por outros inimigos do Homem-Morcego, tomou conta da instalação fazendo os funcionários de refém. Em troca das vítimas, o Palhaço do Crime exige apenas que o herói faça um tour pelo local, tarefa que inicialmente parece simples, mas esconde um grande jogo mental que faz com que o Cavaleiro das Trevas duvide de sua própria sanidade.

Ao contrário de Goreng, que entra no Poço por livre e espontânea vontade, o Batman vai ao Arkham para garantir a segurança dos funcionários. Mesmo que com motivações distintas, a dupla lida com conflitos similares, já que uma vez dentro do cárcere, ambos são confrontados com suas próprias noções de moralidade e sanidade. Além do afiado roteiro de Grant Morrison, que reflete sobre a figura do Homem-Morcego e coloca em cheque toda a sua rigidez, o quadrinho cria uma sensação claustrofóbica graças à surreal arte de Dave McKean, que dá vida a uma versão distorcida e desesperadora do Asilo e seus ocupantes.

As edições mais recentes de Asilo Arkham foram publicadas no Brasil pelas editoras Panini e Eaglemoss.

CAPA PRETA

Capa da HQ Capa Preta
Divulgação/Comix Zone

O principal atrativo de O Poço é seu conceito de usar símbolos para propor reflexões que não entregam respostas fáceis. Por vezes pessimista, a produção espanhola pontualmente mergulha em situações indigestas para, não só levar sua trama adiante, mas também fazer comentários nada otimistas sobre a sociedade. Esses traços podem ser encontrados em Capa Preta, antologia que reúne os premiados primeiros quadrinhos de Lourenço Mutarelli.

O livro compila TransubstanciaçãoDesgraçadosEu Te Amo Lucimar A Confluência da Forquilha, histórias criadas em um momento de grande pesar enfrentado pelo quadrinista por conta de uma crise depressiva causada por uma pegadinha que foi longe demais. Refletindo toda a melancolia e angústia de seu autor, as histórias reúnem personagens atípicos em histórias com tom bizarro que discutem temas como família, religiosidade, arte e desejo em tramas que equilibram desespero e poesia na mesma medida.

Capa Preta foi publicado pela Comix Zone em 2019. Vale lembrar que durante a epidemia do coronavírus, a editora disponibilizou gratuitamente Transubstanciação como parte da campanha para que as pessoas fiquem em casa.

THE WALKING DEAD

Capa brasileira do primeiro volume de The Walking Dead
Divulgação/Panini

O Poço tem como ponto de partida o despertar de Goreng em um ambiente novo e hostil, que o faz repensar questões morais e seu papel neste cenário desolador. O mesmo acontece com Rick Grimes, protagonista de The Walking Dead que, após acordar de um coma, se depara com um mundo dominado por zumbis. As similaridades entre os dois vão além, já que para sobreviver em uma realidade completamente nova, ambos precisam lidar com os piores aspectos da natureza humana.

Se O Poço usa a prisão e suas curiosas mecânicas como plano de fundo para propor uma reflexão sobre a essência da humanidade, The Walking Dead faz o mesmo através do apocalipse zumbi. Ao longo de sua jornada, Rick faz aliados e inimigos que ensinam duras lições sobre como condições adversas podem mudar as pessoas, chegando a transformá-las em assassinos sádicos. Mais do que combater mortos-vivos, o xerife tem como missão restabelecer a sociedade e para precisa lidar com a selvageria ao seu redor, geralmente causada não pelas criaturas, mas pelos próprios vivos.

Atualmente em publicação, The Walking Dead é lançado no Brasil pela Panini.

DEMOLIDOR: O DEMÔNIO DO PAVILHÃO D

Capa brasileira de Demolidor: O Demônio do Pavilhão D
Divulgação/Panini

A prisão foi cenário para uma das mais famosas histórias do Demolidor. Após ter sua idade revelada nos jornais, Matt Murdock passou meses tentando evitar ligação entre sua identidade civil e heróica, até que provas aparecerem e o jogam na cadeia. Se por um lado o herói ficou detido em uma penitenciária comum, distante da futurista mecânica do Poço, lá ele precisou (literalmente) lutar para sobreviver enquanto coloca em cheque suas convicções.

Em O Poço, Goreng inicialmente se recusa a fazer parte desse ciclo até se tornar uma questão de sobrevivência. Já Matt Murdock tenta ao máximo não entrar no jogo daqueles que querem sua cabeça, até ver alguém que ele ama pagar o preço. Encarcerado com inimigos e aliados inesperados, o advogado constantemente se vê conversando com antigos rivais e até alucinações sobre o caminho a tomar, sabendo que sua capacidade de sair vivo diminui a cada segundo.

Demolidor: O Demônio do Pavilhão D foi publicado no Brasil pela Panini.

Por dentro da nova cobertura milionária de Victoria e David Beckham

O casal comprou um apartamento duplex em um condomínio de luxo projetado por Zaha Hadid em Miami, por cerca de R$ 124 milhões

Um dos casais mais queridinhos dos ingleses, o ex-jogador David Beckham e a ex-Spice Girl Victoria Beckham adicionaram mais um imóvel de luxo à sua lista de propriedades: trata-se de uma cobertura duplex de £ 20 milhões de libras (cerca de R$ 124 milhões de reais) em um condomínio de luxo em Miami, nos Estados Unidos. O local é um dos edifícios mais altos da cidade, e foi projetado por ninguém menos do que a arquiteta Zaha Hadid.

Segundo o jornal The Sun, o condomínio é equipado com um heliponto, piscina, spa, e área de ginástica. Com 230 metros de altura, a cobertura do casal oferece, claro, uma ótima vista da cidade. Cada apartamento é equipado com um cofre descrito como sendo de altíssima segurança. No interior do duplex, de cinco quartos, a décor é neutra e as grandes janelas de vidro valorizam a luz natural do clima ensolarado da região. Veja as fotos:

Andreas Ortner for Harper’s Bazaar Turkey with Anna Zarske

Photography: Andreas Ortner. Styling: Birgit Schlotterbeck. Hair & Makeup: Peggy Kurka. Model: Anna Zarske.

Gregory Harris for WSJ Magazine with Binx Walton

Publication: WSJ. Magazine. Photos & Video: Gregory Harris. Styling: Elin Svahn. Hair: Mustafa Yanaz. Makeup: Niamh Quinn. Casting: Piergiorgio Del Moro. Model: Binx Walton

Airbnb cria fundo de US$ 250 mi para anfitriões afetados pela covid-19

Alguns anfitriões poderão ter auxílio de até US$ 5 mil mensais

Airbnb cria fundo para ajudar anfitriões afetados pela pandemia 

Airbnb anunciou nesta segunda, 30, a criação de um fundo global de US$ 250 milhões para assistir anfitriões afetados pela pandemia de coronavírus. O montante será destinado a cobrir parte dos prejuízos causados por cancelamentos de hospedagem. 

A empresa explica que para as reservas feitas até 14 de março, e com check-in entre 14 de março e 31 de maio de 2020 com cancelamento elegível, o anfitrião receberá 25% do valor a que teria direito. Os pagamentos começarão a ser realizados em abril. 

A companhia criou um segundo fundo de US$ 10 milhões para os anfitriões mais bem avaliados e mais experientes da plataforma, chamados de super anfitriões. O subsídio pode chegar a US$ 5 mil por mês para os super anfitriões que disponibilizam a residência onde moram e que dependem da hospedagem para pagar o aluguel ou o financiamento desse mesmo imóvel. 

“Nossos funcionários começaram este fundo com doações que somam US$ 1 milhão, e eu e os demais fundadores, Joe e Nate, estamos contribuindo pessoalmente com os US$ 9 milhões restantes”, afirmou em nota Brian Chesky Chesky, presidente do Airbnb.

Procurada pela reportagem, a companhia não revelou detalhes do funcionamento da ajuda para anfitriões brasileiros. 

Conselho do Uber fica sem fundadores da empresa após saída de Garrett Camp

Após 10 anos, executivo anunciou que está deixando a posição para se dedicar à área de estratégias de produtos e design

Garrett Camp (direita) deixou o conselho do Uber 

Garrett Camp não faz mais parte do conselho administrativo do Uber. O cofundador da empresa anunciou nesta segunda-feira, 30, que está deixando a posição para se dedicar à área de estratégias de produtos e design. A informação veio em um post pessoal de Camp na plataforma Medium. 

“Decidi mudar de um diretor administrativo para um observador administrativo, e me concentrar na área de estratégia de produto. Continuarei trabalhando com a Dara [Khosrowshahi] e as equipes de liderança em produtos e tecnologia para debater novas ideias, renovar planos e projetos e continuar inovando em escala. Temos uma equipe forte e diversificada e estou confiante de que todos irão navegar bem durante esses tempos turbulentos”, disse Camp.

Camp, juntamente com Travis Kalanick, foi um dos fundadores do Uber há 10 anos, quando o aplicativo foi lançado em São Francisco, nos Estados Unidos, e desde então tem desempenhado papéis no mais alto conselho da empresa.