Imagens de drone oferecem uma visão estranha do Apple Park e Cupertino em meio ao desligamento do COVID-19

Chance Miller – Mar. 23rd 2020 4:17 pm PT

Um novo vídeo de drone oferece uma visão assustadora do Apple Park e da área circundante durante a pandemia de coronavírus em andamento. O Apple Park está em grande parte deserto, à medida que a Apple muda para o trabalho da política doméstica e o Condado de Santa Clara impõe um abrigo em ordem.

O vídeo do drone é de Duncan Sinfield, que você deve se lembrar dos inúmeros vídeos de drones que vimos durante o processo de construção do Apple Park. O vídeo de hoje oferece uma visão geral do Apple Park, do Steve Jobs Theater e da área circundante de Cupertino – e praticamente não há ninguém à vista.

Os funcionários da Apple estão trabalhando em casa em grande parte durante a pandemia de coronavírus. Como tal, o campus do Apple Park está praticamente deserto e o Apple Park Visitor Center está fechado. Além disso, o Condado de Santa Clara está atualmente sob um abrigo, que inclui a cidade natal de Apple, Cupertino. Ou seja, as empresas não essenciais encerraram até pelo menos 7 de abril.

Em outros lugares, as lojas da Apple em todo o mundo – fora da China – estão fechadas até novo aviso. A Apple também se comprometeu a doar milhões de suprimentos médicos para ajudar os profissionais de saúde em todo o mundo durante a pandemia de coronavírus.

Prada anuncia que usará fábrica para produzir máscaras e macacões

A empresa de moda informou a decisão em meio a um pedido do governo de Toscana, na Itália, que tem reportado um grande números de casos do novo coronavírus
JOÃO PEDRO MALAR – O ESTADO DE S.PAULO

A empresa irá produzir mais de cem mil máscaras para profissionais de saúde Foto: Divulgação

Prada, uma das principais marcas de moda do mundo, anunciou que utilizará uma de suas fábricas na Itália para produzir 80 mil macacões médicos e 110 mil máscaras, que serão enviados para profissionais da área de saúde. A medida ocorre após um pedido do governo da Toscana, região italiana afetada pela pandemia do novo coronavírus.

As máscaras e macacões serão produzidos na fábrica da empresa em Perugia, região central da Itália, e serão enviados para a Toscana, em partes, até o dia 6 de abril.

A medida da empresa não é um caso único na Europa. Diversas marcas de moda da Espanha anunciaram na semana passada que irão disponibilizar suas fábricas e oficinas para a produção de máscaras e macacões para profissionais da área de saúde.

Grifes de luxo ajudam no combate à propagação do coronavírus

Bulgari e Dolce & Gabbana financiam pesquisas; confira as maiores doações do segmento de alto consumo
Por Ivan Padilla

Moncler doa 10 milhões de euros para novo projeto hospitalar em Milão

Marcas de luxo costumam dedicar parte de sua receita e considerável esforço de marketing no apoio a causas culturais, sociais e ambientais. Para ficar em um exemplo recente, logo depois do incêndio na catedral de Notre Dame, em Paris, os grupos LVMH e Kering anunciaram a doação de 300 milhões de euros para projetos de reconstrução. Com a crise causada pelo surto de coronavírus, algumas grifes estão agora direcionando esforços para ajudar a impedir a propagação da doença.

A Bulgari, marca centenária de joias fundada em Roma, fez uma doação ao departamento de pesquisa do hospital Lazzaro Spallanzani, onde uma equipe formada por três pesquisadoras — Maria Rosaria Capobianchi, Francesca Colavita e Concetta Castilletti — conseguiu isolar o vírus em menos de 48 horas. A quantia não foi divulgada, mas permitiu a aquisição de um microscópio de ultima geração, fundamental para os estudos, de valor estimado em 100.000 euros.

A Dolce & Gabbana, outra grife italiana, anunciou também uma doação para o desenvolvimento de pesquisas para a Universidade Humanitas, em Milão, na Itália, um dos centros de estudo do coronavírus. “Apoiar pesquisas científicas é um dever moral para nós. Esperamos que nossa contribuição ajude a resolver esse dramático problema”, disseram, em comunicado, os fundadores da marca Domenico Dolce e Stefano Gabbana. O norte da Itália tem sido uma das regiões mais afetadas pela covid-19.

As doações acontecem mesmo em um momento de forte prejuízo para o setor. O segmento de luxo sofreu uma queda de 23% e perdas de 152 bilhões de dólares, segundo o índice MSCI Europe Textiles, Apparel & Luxury Goods, que mede as ações das principais empresas nos 15 maiores mercados. Para as marcas, investir em filantropia é uma questão de imagem, claro. Mas as ações também podem ajudar os mercados a se recuperar, principalmente a China, maior país consumidor hoje de itens de luxo, junto com os Estados Unidos.

Acompanhe as principais ações das marcas de alto consumo na luta contra o coronavírus.

Moncler — 10 milhões de euros
A marca conhecida pelas clássicas jaquetas acolchoadas destinou o montante para a construção de um novo hospital em Milão, com 400 vagas de terapia intensiva. “Milão é uma cidade que já nos deu muito. Não podemos abandoná-la nesse momento”, disse Remo Ruffini, CEO da marca.

LVMH — 2,2 milhões de dólares
O maior grupo de luxo do mundo fez a doação para a Cruz Vermelha na China, em janeiro. O conglomerado prometeu ainda mais ajuda para a compra de suprimentos médicos. Em março, anunciou que as linhas de produção de cosméticos de suas marcas iriam fabricar álcool em gel, item essencial para higienização preventiva, e encomendaria 40 milhões de máscaras da China para distribuir na França.

Grupo Richemont — 1,4 milhão de dólares
O grupo suíço de relojoaria, que tem em seu portfólio Cartier, Montblanc, Panerai, Van Cleef & Arpels e Chloé, prometeu a doação para a China, sem especificar para que medidas. As vendas do conglomerado na região da Ásia já haviam sido comprometidas no ano passado pelos protestos em Hong Kong.

Giorgio Armani — 1,25 milhão de euros
O estilista Giorgio Armani destinou a verba para ajuda doméstica, para diversos hospitais e instituições no norte da Itália

Kering — 3 milhões de dólares
O grupo de luxo, com grifes como Gucci, Yves Saint Laurent e Alexander McQueen, destinou 1 milhão de dólares para a Cruz Vermelha da China. Também doou 2 milhões de dólares para ações diversas na França, como a compra de 3 milhões de máscaras de proteção da China. Também teria destinado verba não especificada para um fundo de pesquisas do Instituto Pasteur.

Hermès — 700.000 dólares
A grife francesa, ainda sob controle familiar, está apoiando a Fundação Soong Ching Ling, que apoia os médicos que estão combatendo a doença na China.

Donatella Versace — 200.000 euros
A diretora artística da Versace e sua filha fizeram a contribuição ao hospital San Rafaelle, de Milão, que sofria superlotação de pacientes infectados pelo coronavírus.

10 museus para visitar online durante a quarentena

Do Brasil até o Japão, confira dicas de museus para visitar sem que seja preciso de sair de casa durante a pandemia do coronavírus
Por Maria Eduarda Cury

Museus: visite acervos de arte sem sair de casa (Getty Images/Reprodução)

Para diminuir o contágio de coronavírus, diversos grandes museus e galerias de arte de todo o mundo fecharam suas portas por tempo indeterminado. Mas isso não significa que visitar esses locais é totalmente inviável: por meio da internet, diversos museus disponibilizam visitas virtuais e experiências interativas para os usuários que não podem comparecer presencialmente. Confira, abaixo, uma lista dos museus que adotam esse modelo de visita:

Pinacoteca do Estado de São Paulo

Para evitar a disseminação do coronavírus em São Paulo, a Pinacoteca está entre a lista dos museus que fecharam as portas pelo próximo mês. Mas isso não significa que é impossível visitar suas obras. Por meio do Google Arts & Culture, o usuário pode visitar as principais salas da Pinacoteca, com visão 360º sem sair de casa.

Metropolitan Museum of Art

Um dos mais famosos museus da cidade de Nova York, nos Estados Unidos, o Metropolitan Museum of Art – conhecido como MET – oferece uma experiência completa por meio de seu website oficial. Nele, é possível ter uma visão 360 graus dos principais locais do museu, como o corredor principal, além de visualizar fotos e descrições sobre as obras.

Art Institute of Chicago

O Art Institute of Chicago, museu de belas artes em Chicago, Illinois, é destaque pela sua coleção de obras do Impressionismo – e muitos podem se lembrar da cena em que os personagens do filme “Curtindo a Vida Adoidado” visitam o museu. Pelo portal oficial do museu, é possível explorar a galeria de quadros, realizar uma visita virtual e experienciar ações interativas para peças específicas.

Museu d’Orsay

O Museu d’Orsay, localizado em Paris, França, é um museu conhecido por ter um acervo de obras da Europa e dos Estados Unidos feitas durante os séculos 18 e 19. O Google Arts & Culture oferece uma visita virtual de suas principais salas, além de um acervo digital de todos os seus quadros, divididos em categorias.

Museus Vaticanos

Localizados na Cidade do Vaticano, os Museus apresentam uma galeria de obras de arte e esculturas que, há séculos, estão sendo colecionadas pelas autoridades da Igreja do Vaticano. Em seu site oficial, o usuário pode explorar visitas virtuais pelos locais, além de ter acesso a detalhes sobre as galerias de arte presentes. 

Galeria Uffizi

Focado em esculturas criadas entre os séculos 12 e 17, o museu de Florença atrai turistas por ter um grande acervo de nomes como Leonardo da Vinci, Michelangelo, Rafaello, Caravaggio e Botticelli – cada um com sua sala própria. Também pelo Google Arts & Culture, é possível explorar as principais galerias e percorrer os corredores do museu.

Museu da Acrópole

Localizado em Atenas, na Grécia, o Museu da Acrópole apresenta um acervo arqueológico das construções da Acrópole de Atenas. Além disso, o museu também dispõe de uma galeria de obras de arte que serviram de inspiração para o mundo moderno. Conheça o museu pela visita virtual do Google Arts & Culture.

Ohara Museum of Art

O Museu de Arte Ohara, localizado em Kurashiki, no Japão, é popular por ter sido a primeira galeria de arte ocidental feita no país. Inicialmente focado em obras francesas, o museu hoje contém obras de diversos países. Por meio do Google Arts & Culture, é possível acessar a galeria de obras e ter uma visão ampla dos corredores do museu.

National Museum of Modern and Contemporary Art

Localizado na Coreia do Sul, o National Museum of Modern and Contemporary Art possui quatro prédios no país – Gwacheon, Deoksugung, Seul e Cheongju – e conta com um grande acervo de arte moderna produzida nacionalmente. A galeria completa e visitas para as principais exibições estão disponíveis por meio do site oficial do museu.

Yad Vashem Museu do Holocausto

Com diversas fotografias, obras e objetos que existiram durante a Segunda Guerra Mundial, o Yad Vashem, em Israel, é um dos principais pontos de pesquisa para turistas e historiadores que desejam conhecer a vida de quem existiu no país durante o Holocausto. O usuário pode explorar o museu tanto pelo seu site oficial, como pela visita virtual do Google Arts & Culture. 

Coronavírus interrompe filmagens de Bollywood e trabalhadores temporários têm futuro incerto

Na Índia, há mais de 500 mil trabalhadores que recebem por dia
ROLI SRIVASTAVA

Agentes de segurança em frente a cinema de Nova Déli – Saumya Khandelwal/Reuters

MUMBAI (ÍNDIA) – Milhares de trabalhadores temporários que constroem cenários para a indústria cinematográfica indiana ou que fazem figuração atrás de estrelas consagradas ficaram sem emprego, depois que todos os trabalhos de Bollywood foram suspensos, em uma tentativa de combater o surto de coronavírus.

Existem mais de 500 mil trabalhadores de Bollywood que recebem por dia, de acordo com os sindicatos, e a maioria agora enfrenta um futuro incerto com a interrupção do setor de cinema e televisão do país de 19 a 31 de março.

A paralisação levou a Associação de Produtores da Índia a anunciar um fundo de ajuda para aqueles com pagamentos diários —o que inclui extras—, em um raro olhar para a força de trabalho invisível ou subestimada de Bollywood.

“É a primeira vez que os produtores demonstram interesse”, diz Ashok Dubey, secretário geral da Federação dos Funcionários de Cinema da Índia Ocidental.“Uma produtora nos deu 4.000 pacotes de alimentos para distribuir entre os trabalhadores”, afirmou Dubey à Thomson Reuters Foundation.

A federação, cujos membros incluem 30 sindicatos cinematográficos, há muito tempo exige pagamento pontual de salários e melhores condições de trabalho para os contratados no dia a dia, acrescentou. Sete pessoas morreram e mais de 400 testaram positivo para Covid-19 na Índia, de acordo com o Ministério da Saúde. REUTERS

Regan Cameron for Harper’s Bazaar UK with Romy Schonberger

Photography: Regan Cameron. Styled by: Miranda Almond. Makeup: Anita Keeling. Model: Romy Schonberger.

Por dentro da casa cheia de taxidermia de Dita Von Teese | Open Door | Architectural Digest

Hoje, o AD leva você a um covil da realeza burlesca – a casa da incomparável Dita Von Teese. Dita mudou-se para o seu Inglês Tudor de 1927 há alguns anos e revitalizou as paredes outrora brancas com todas as suas cores favoritas, algumas exibindo recordações da era de ouro de Hollywood. Seus olhos para roupas vintage surpreendentemente se traduziram em um senso de decoração destacado por obras de arte vibrantes, bric-a-brac vintage e antiguidades encantadoras. Um exemplo perfeito? Ela pegou um conjunto de sala de jantar encontrado em um mercado de pulgas e estofou as cadeiras com seu tecido favorito de um hotel Jacques Garcia em Paris. De acordo com o seu proprietário singular, peças de taxidermia vintage decoram a sala de estar, adicionando um toque exótico à vibração maximalista.

Taiwan usa 'cerca eletrônica' para garantir respeito à quarentena

Sistema de geolocalização inserido em celulares vai mostrar para o governo se cidadãos estão mesmo ficando em suas casas; multa pode chegar a US$ 32 mil para quem violar ordem
Por Agências – Reuters

Taiwan tem adotado medidas diferentes para se proteger

Considerado exemplo global na forma como está sendo efetivo no combate ao coronavírus, o governo de Taiwan está lançando um novo método para ter certeza de que seus cidadãos estão respeitando a quarentena. Trata-se de uma “cerca eletrônica”: um sistema de monitoramento de localização, a partir dos celulares dos usuários, para ter certeza de que elas estão mesmo em suas casas. 

Em todo o mundo, governos estão combinando tecnologia e esforços humanos para garantir que as quarentenas estão funcionando. O sistema de Taiwan, porém, é pioneiro ao usar monitoramento via celular para isso. “O objetivo é fazer com que as pessoas parem de se movimentar por aí e disseminem o coronavírus”, disse Jyan Hong-wei, chefe do departamento de ciberssegurança de Taiwan, que lidera esforços para trabalhar com operadoras de telecomunicações no combate ao vírus. 

Os sistemas monitoram os sinais de telefone para alertar a polícia e autoridades locais se quem está em quarentena deixarem seu endereço ou desligarem os telefones. Segundo Jyan, as autoridades entrarão em contato ou visitarão quem disparar um alerta dentro de 15 minutos. As pessoas também vão receber chamadas duas vezes por dia, para garantirem que não evitem o rastreamento ao deixar seus telefones em casa. 

Em países ocidentais, sistemas assim costumam gerar grandes protestos por sua supervigilância, mas isso não aconteceu até aqui em Taiwan, que só teve 196 casos do vírus. Ou quase. “É um pouco assustador o que o governo está fazendo”, disse uma atendente de voo em Taipé, que foi posta em quarentena de 14 dias após retornar da Europa em março. “Eu perdi uma chamada. Me disseram que a polícia viria até mim se eu perdesse outra. Estou sendo tratada como um prisioneiro.” Quem violar a quarentena poderá ser multado em cerca de US$ 32 mil. 

Muitos países asiáticos estão se prevenindo como podem para evitar uma alta no número de casos da covid-19, especialmente depois do que aconteceu na Europa. Em Hong Kong, quem está em quarentena tem de usar uma pulseira inteligente com rastreamento de localização. 

Em Singapura, o governo está usando mensagens de texto para falar com as pessoas – cada mensagem tem um link, no qual é preciso clicar para se provar que está em casa. Enquanto isso, a Coreia do Sul e Israel estão usando tecnologia de satélite para investigar a trajetória das pessoas e descobrir onde e como elas foram infectadas. 

#FiqueEmCasa #StayAtHome