Scarlet Hayes by Fashion Photographer Icon David Bailey for Tatler UK April 2020

A revista LOVE descreve a modelo em ascensão Scarlet Hayes como a melhor garota Hedi Slimane, “uma rosa inglesa com a aura de uma parisiense”. O ex-estudante de arte é estilizado por James Brown usando Gucci, Saint Laurent e muito mais para uma história de moda capturada pelo ícone do fotógrafo David Bailey na edição de abril de 2020 da Tatler UK. / Cabelo e maquiagem de Sally O’Neill.

Autocuidado durante o isolamento: um guia de 7 etapas

De técnicas de respiração à meditação – a ex-editora de moda Chloe Isidora compartilha seu guia de sete passos para criar a receita perfeita de autocuidado para além do isolamento
CHLOE ISIDORA
VOGUE INTERNACIONAL

Um guia de autocuidado em 7 passos (Foto: MARCUS SCHÄFER / TRUNK ARCHIVE)

Todos nós estamos lidando com avassaladoras ondas de ansiedade e medo no momento, quando as preocupações com a nossa saúde e bem-estar financeiro e de nossos entes queridos (e do planeta como um todo) atingem níveis de tensão jamais vistos. Mas, no meio desse caos, as próximas semanas oferecem uma oportunidade coletiva de autocuidado radical e exercício do amor próprio, que são capazes de nos equipar com ferramentas espirituais que ficarão conosco para sempre.

Antes de listarmos as práticas específicas que você pode adotar em casa, vamos esclarecer o que queremos dizer quando falamos de “autocuidado” (o termo oferece muito mais do que velas com aroma de patchouli durante um período difícil). Em sua definição mais pura, praticar o autocuidado envolve colocar rituais em prática – e por isso leia-se adicionar à rotina hábitos que nos darão apoio e força. Ao realizar um ritual, estamos nos pedindo o exercício da atenção plena, e com isso vem uma profunda vontade de honrar e respeitar a nós mesmos, prática tão válida para todos nós nesse momento.

À medida que você dedica um tempo da sua vida para esses rituais, uma boa regra é criar sua própria receita de autocuidado com três etapas: nutrição do corpo, nutrição da mente e nutrição da alma. Lembre-se, nossos corpos podem estar em quarentena, mas nossos espíritos ainda podem voar.

De uma ex-membro da indústria da moda que se tornou profissional de wellness, aqui está nosso guia completo para criar uma prática de autocuidado que o levará a um lugar de equilíbrio e harmonia em tempos difíceis.

1. Nutra seu corpo através do movimento
Uma das melhores maneiras pelas quais podemos acalmar energias intensas, como medo ou ansiedade, é através da atividade física. Comece sintonizando o que seu corpo precisa uma ou duas vezes por dia. Esteja atento a como você está se sentindo e escolha um movimento que lhe pareça confortável naquele momento, seja dançando pela sala com a sua música favorita (deixando seu corpo fluir e siga seu próprio ritmo livremente pelo tempo que você quiser) , uma prática de ioga suave ou um treino caseiro de alta intensidade. As opções são infinitar – e vale até passar alguns minutos apenas se sacudindo. 

Quando sacudimos todas as partes do corpo aliviamos o estresse e tensão físicos, movendo energia através de nossos músculos e liberando as emoções que estão prontas para serem descartadas. Não é incomum sentir um desconforto auditivo e até um zumbido, que nos círculos de cura é chamado de ‘chi’, também conhecido como energia da força vital. Aproveite! E lembre-se de observar suas emoções enquanto se move para a quietude. Depois, sem julgamento, pergunte-se se algo parece diferente agora.

2. Nutra sua mente, começando com sua respiração
Você não está sozinho se acha que sua atenção é frequentemente desviada enquanto tenta meditar ou “redefinir” seu pensamento. Quando se trata de autocuidado, a mente costuma relutar em ser domada. Mas, surpreendentemente, isso não é apenas um sintoma da era moderna. Algumas das melhores técnicas para acalmar a mente têm milhares de anos, ou seja, nossos ancestrais enfrentavam muitos dos mesmos problemas – e é aí que entra a respiração.

Nossa respiração é uma das ferramentas mais poderosas que temos para reequilibrar e encontrar bem-estar a qualquer momento; estabelecendo a respiração, enviamos um sinal para a mente se sentir mais calma. Com uma técnica de respiração profunda, você pode restaurar uma sensação de bem-estar sob demanda. Comece deitado em uma posição confortável. Idealmente, você estará no chão para permitir que o diafragma se solte e os músculos abdominais relaxem, com um travesseiro baixo embaixo da cabeça ou nos joelhos para obter suporte adicional. Em seguida, coloque uma mão sobre o coração e repouse a outra sobre o estômago. Lentamente, respire fundo e profundamente levando o ar para sua barriga, contando até cinco antes de soltar. Repita.

3. Aceite o poder restaurador do descanso
Muitos de nós não estão acostumados a esse nível de “não fazer nada” e pode ser mais do que um pouco estranho a princípio não estar sempre atrasado na rotina. Pela primeira vez você tem permissão total para dormir, recuperar e deixar seu corpo recalibrar. Definir uma intenção de aceitação pode ajudar. Chore se precisar chorar, ria se tiver vontade de rir – e depois solte-o. Indiscutivelmente o melhor conselho é ajustar-se a um estado de descanso sem esforço, e a mente te seguirá.

4. Levante sua voz
Cantar é uma maneira muito eficaz de acalmar sua mente e elevar seu espírito, estimulando a sensação de que podemos dissolver nossas preocupações. Também pode ser um meio de se sentir menos sozinho, através de comunidades on-line como a Gather, dirigida por Mollie Mendoza e Sam Garrett, e a musicista Regina (@reginarhythm) que compartilha poderosas sessões de canto e bateria online.

5. Experimente uma automassagem
Se você está se isolando sozinho ou simplesmente precisa se desligar, tente trazer amor e atenção ao seu corpo com uma massagem nutritiva que auxilia seus músculos, a pele e o sistema imunológico através da drenagem linfática do corpo. Escolha um óleo natural e comece a trabalhar sistematicamente no seu corpo, começando pelos pés (prestando atenção a todos os dedos dos pés), e suba fazendo pressão a cada músculo e articulação. O objetivo é cobrir cada centímetro de pele e, ao fazê-lo, enviar amor e gratidão ao seu corpo, reconhecendo tudo o que ele faz por você.

6. Se você fizer apenas um ritual de autocuidado hoje, medite
Existem muitas formas de meditar e temos muita sorte por todo o acesso que temos às meditações guiadas on-line. Siga @jayshetty e @sahdsimone para um treinamento de choque do amor próprio, @drjoedispenza para uma inclinação acadêmica sobre orientação espiritual ou @alomoves para uma meditação mais iogue. Se você tiver acesso a um espaço externo, pode ser particularmente útil invocar a quietude e a firmeza da terra em suas meditações, tirando os sapatos e andando devagar e com atenção, observando como se sente.

7. Exercite a gratidão
A gratidão é o maior presente que podemos dar a nós mesmos e aos que estão ao nosso redor para um toque milagroso no dia a dia. Coloque uma mão em seu coração, depois fale em voz alta e sinta tudo pelo que agradece.

Quem são os verdadeiros influenciadores dessa nova era online?

Apesar da necessidade e da recomendação de usarmos máscaras para nos proteger e proteger o outro, as máscaras, como o perdão do trocadilho, vêm caindo dia após dia
JU FERRAZ (@JUFERRAZ)

Quem são os verdadeiros influenciadores dessa nova era online? (Foto: Getty Images/EyeEm)

Quem são os verdadeiros influenciadores dessa nova era online? A gente já vivia essa vida virtual há algum tempo, mas tudo se acentuou durante a quarentena, que ainda estamos vivendo. Qual influenciador de antes (ou de durante essa fase) deve permanecer quando tudo isso passar? Pois vai passar. Eu não tenho essas respostas, mas tenho a minha vivência e de mudanças que ocorreram em mim. 

Apesar da necessidade e a recomendação de usarmos máscaras para nos proteger e proteger o outro, as máscaras, como o perdão do trocadilho, vêm caindo dia após dia. E sem as máscaras metafóricas, fica mais fácil de a gente ver quem sim, quem não e quem nunca.

De uma hora pra outra tivemos de ressignificar tudo. Tivemos de entender que o eu, o ego, não poderia mais ser o principal elemento de um influenciador, mas, sim, de que forma o eu pode ajudar próximo. E, mais do que isso, tivemos de entender que só vamos seguir vivos se pensarmos como comunidade.

Os influenciadores que têm me influenciado durante a quarentena não são aqueles que estão preocupados com a barriga que cresceu, com o cabelo branco que nasceu ou com a unha que descascou e não sabe como fazer para viver sem a unha feita. Os influenciadores dessa nova era podem até continuar sendo os influenciadores que já existiam, mas aqueles que entenderam, e de forma rápida, o seu novo papel no mundo.

Os influenciadores dessa nova era online fazem um trabalho digno, não têm vergonha nem pudor de mostrar suas fraquezas, sua realidade, seus medos e angústias e nem tem medo de dividir seu conhecimento. Os influenciadores dessa nova era entenderam que a influência não é causa, é consequência.

Não estou julgando ninguém. Longe de mim, tenho mil falhas, escorregões e portas que abri de forma errada. Estamos todos aprendendo juntos. Mas o que quero dizer é que quem se abriu para o outro, para as dificuldades do outro e pela necessidade de entendermos que somos seres coletivos, e não únicos, é quem vai seguir me influenciando daqui para a frente.

Quero ser influenciado por mulheres que ajudam outras mulheres, que fazem algo por quem tem menos, por pessoas que querem ajudar o planeta a sobreviver. Quero ser influenciada por pessoas que não tem medo de ser a melhor versão de si, por pessoas que me ajudam e quem eu posso ajudar, por pessoas que não soltam a mão de ninguém.Quero ser influenciada por gente que vai nos ajudar a sair dessa e não por quem vai nos fazer afundar ainda mais. Sigamos.

Deveriam as roupas vir com etiquetas informando a pegada de carbono?

Conheça a proposta da marca de sapatos que rotula carbono assim como calorias são rotuladas em alimentos
FERNANDA SIMON

Roupas e acessórios começam a trazer rótulos com pegada de carbono (Foto: Rogério Cavalcanti/Arquivo Vogue)

A relação com a natureza, tanto do indivíduo como do coletivo, ganhou maior notoriedade perante à pandemia global da Covid-19. Em busca de um futuro mais desejável, a discussão sobre a sustentabilidade na moda se aprofunda, e as marcas, em busca de caminhos para acelerar as mudanças tão urgentes, apresentam possíveis soluções e arriscam atitudes inovadoras. Um caso interessante é a proposta da marca Allbirds que incentiva a rotulação da pegada de carbono em produtos como roupas e calçados.

Tim Brown, um dos criadores da marca que já está no mercado há quatro anos com um histórico de ações mais ecológicas, em entrevista para a Vogue americana, contou que incentiva a rotulação da pegada de carbono em produtos como roupas e calçados, comparando o conceito à maneira como alimentos são rotulados por calorias, e diz: “Ninguém realmente entende o que é caloria, mas a usa como orientação para tomar decisões”, e complementa: “Mas não é a única razão pela qual escolhemos o que comemos. Não é isso que estamos sugerindo: não estamos dizendo que você deve parar de tomar sorvete. Estamos dizendo que você deve estar ciente do impacto e das escolhas que faz, para poder fazer as melhores.”

A Allbirds foi a primeira marca de moda a informar a pegada de carbono de cada tênis, acreditando ser esse gesto uma ação de conscientização para consumidores, visto que muitos ainda não pensam sobre os impactos dos produtos que adquirem. Portanto, Brown espera que, se cada sapato, jaqueta ou bicicleta for rotulada por sua pegada de carbono, possa influenciar o comportamento do consumidor.

O comprometimento das marcas é essencial para a redução da emissão de carbono e reverter a crise climática, portanto o consumidor também deve estar engajado. “É preciso pensar no carbono em termos de como você viaja, come e compra – tudo isso se soma”, diz Brown e acrescenta: “Trata-se de entender como as pequenas ações e decisões que tomamos contribuem para as emissões globais que precisamos reduzir coletivamente.”

A maneira como marcas encontram de comunicar as suas filosofias e jornadas em prol da moda mais sustentável pode colaborar com a transformação do setor como um todo, pois informações compartilhadas de aprendizados podem até gerar competição positiva. Brown, por exemplo, acredita que “todos nós precisamos trabalhar incrivelmente para criar produtos com impacto zero. Esse problema não será resolvido apenas pela Allbirds, será resolvido compartilhando informações e apoiando uns aos outros.”

Mudanças urgentes são necessárias, portanto, a iniciativa da rotulação pode impulsionar tanto um maior conhecimento sobre emissão de carbono, trazendo essa conversa mais próxima do consumidor, como incentivando outras marcas a fazerem o mesmo. Inclusive, Brown acredita que o momento atual da pandemia, nos proporciona reconhecer o poder de quem deseja ajudar, dizendo: “Dá esperança ver como as pessoas podem trabalhar juntas de forma tão impressionante. Não é hora de apontar quem está fazendo certo ou errado: todos são bem-vindos a essa conversa.”

#CamouflageChallenge: combinar o look com a casa é a moda do momento no Instagram

Há tanto tempo de quarentena, os fashionistas já estão se sentindo parte da sua casa e resolveram criar o desafio na rede social de combinar a roupa com a decoração

Giovanna Battaglia (Foto: Reprodução)

Se você já está em casa em quarentena há mais de um mês, provavelmente já fez uma série de atividades – de exercícios físicos por aplicativos e lives ou uma nova receita – e está procurando algo novo para experimentar. Foi exatamente o que fizeram alguns fashionistas. A moda agora é combinar o look com a casa (desafio que ganhou até hashtag própria, a #CamouflageChallenge, proposta pela designer italiana Viola Arrivabene) – afinal, estamos passando tanto tempo no nosso lar que já nos sentimos parte dele. 

Giovanna Battaglia já tinha entrado na brincadeira: isolada no apartamento do século 19 na ilha de Djurgården, em Estocolmo, que foi restaurado por ela e pelo marido (o empreendedor sueco do ramo imobiliário Oscar Engelbert), a editora de moda tem brincado de #camHOMEuflage (como ela batizou) ao usar looks coordenados com as cortinas de sua casa. Já Allie Michler escolheu combinar com a roupa de cama, enquanto Taylor Angino vestiu uma produção com estampa de zebra, assim como seu tapete. A seguir, veja as combinações e divirta-se! 

Allie Michler: Looks combinando com a casa  (Foto: Reprodução )
Allie Michler (Foto: Reprodução)
Fillippo Fiora: Looks combinando com a casa  (Foto: Reprodução )
Fillippo Fiora (Foto: Reprodução )
Sabrina Burda: Looks combinando com a casa  (Foto: Reprodução )
6Sabrina Burda (Foto: Reprodução )
Tabitha Simmons: Looks combinando com a casa  (Foto: Reprodução )
Tabitha Simmons (Foto: Reprodução)
Taylor Angino: Looks combinando com a casa  (Foto: Reprodução )
Taylor Angino (Foto: Reprodução )

Décór do dia: sala de estar integrada com a varanda

Área externa e interna de apartamento praticamente se unem neste apartamento assinado pelo arquiteto Renato Mendonça
POR RAFAEL BELÉM | FOTO RAUL FONSECA

Você é do time que transformou a varanda em uma novasala de estar durante a quarentena? Com o isolamento, as sacadas viraram o principal ponto de escape para quem mora em apartamentos. Por isso mesmo, é importante pensar na melhor forma de deixá-las bem equipadas e propícias para os momentos de descompressão do dia a dia. Neste projeto assinado pelo arquiteto Renato Mendonça, a ideia foi apostar na integração perfeita entre as áreas internas e externas por meio da decoração.

“Ter a sensação de estar do lado de fora dentro de casa é algo ainda mais importante nos dias atuais! Melhor ainda com soluções que podemos fazer sozinhos. Para integração total dessa varanda, a primeira decisão foi a retirada da porta de correr, ampliando o espaço e tornando o uso da churrasqueira ainda mais convidativo”, explica o profissinal. “Para criar a atmosfera de área externa, sobrepomos o piso frio com um deck amadeirado além de diversas plantas e mesinhas em tora natural”. Para a produção, destaque para o Sofá Tok&Stok, cadeiras da By Art Design e deck da Leroy Merlin. Que tal?

Apple começa a vender novo iPhone SE no Brasil a partir de R$ 3,7 mil

Aparelho traz ‘coração de iPhone 11’ em ‘embalagem de iPhone 8’; celulares estão sendo vendidos exclusivamente pela internet

O novo iPhones SE

Apple começou a vender a nova versão do iPhone SE no Brasil nesta quinta-feira, 30. Anunciado no início de abril e com preços que variam entre R$ 3,7 mil e R$ 4,5 mil, o aparelho traz algumas especificações atualizadas, com “coração de iPhone 11″, mas embutidas em design que remete ao iPhone 8, lançado pela empresa em 2017. Com as lojas do varejo físico fechadas, o celular pode ser comprado apenas pela internet, no site da Apple e também em outras varejistas e operadoras. 

O aparelho também é uma volta da empresa aos celulares de tela pequena. Ele conta com painel de 4,7 polegadas, tamanho adotado pela última vez pela empresa no iPhone 8 em 2017. A linha SE faz referência aos celulares “populares” da empresa  – a última vez que um aparelho SE foi lançado foi em 2016, quando o design ainda fazia referência ao iPhone 5. A linha SE, segundo a companhia, visa ter um aparelho mais barato, de alta performance e de tamanho menor. A Apple afirma que apostou no tamanho de 4,7 polegadas por notar sua popularidade junto aos clientes – desde o iPhone 6, teriam sido vendidos 500 milhões de unidades com esse tamanho.

Nos EUA, o aparelho custará a partir de US$ 400, US$ 50 mais caro que o valor de entrada do iPhone 8, que ainda fazia parte do portólio oficial da empresa até o início do mês. Com o anúncio, o iPhone 8 está aposentado – agora, fazem parte do portfólio oficial iPhone XR, iPhone 11, iPhone 11 Pro e iPhone 11 Pro Max, além do novo SE.  O iPhone 8 continuará à venda apenas por parceiros com o aparelho ainda em estoque. 

Ao Estado, em conferência com jornalistas de diferentes países, a empresa afirmou que pretende continuar vendendo o iPhone XR – no Brasil, as faixas de preço do aparelho se sobrepõe às do SE. A ideia, segundo a companhia, é oferecer diferentes tamanhos de tela e preços. Isso pode explicar o motivo para o novo SE, com apenas um tamanho de tela, substituir os dois aparelhos, um deles com tela de 5,5 polegadas, da linha iPhone 8. O iPhone XR tem tela de 6,1 polegadas. 

Com design já conhecido, a principal novidade do dispositivo é o chip A13 Bionic, presente na família iPhone 11, o que garante alto desempenho. Segundo a Apple, em apresentação para jornalistas, o componente garante quatro vezes mais capacidade do que o chip A9, presente na primeira geração do SE.  

Ele conta, porém, com oponentes mais antigos e simples, como o sensor digital Touch ID e um painel de LCD (resolução de 1.334 x 750 pixels)  – já a linha 11 tem tela de OLED. O novo aparelho também não tem o Face ID, recurso de reconhecimento facial para desbloqueio de tela e segurança, presente nos últimos modelos. 

O conjunto de câmera traseira tem lente única de 12 MP – já o iPhone 11 Pro conta com um sistema de três lentes, enquanto o iPhone 11 tem apenas duas lentes. A última vez que a Apple fez um iPhone com apenas uma lente na traseira foi no iPhone XR, lançado em 2018. 

A câmera do iPhone SE é uma grande angular com abertura f/1.8 e zoom digital de 5x. Já a câmera frontal tem 7 MP e abertura f/2.2. No software, todas as opções do modo Estúdio, populares entre clientes da empresa, estão disponíveis, incluindo o modo retrato. Aqui, a Apple conta com o A13 Bionic para potencializar a qualidade das imagens. O processador tem uma unidade dedicada ao processamento de inteligência artificial, técnica que pode ser aplicada na geração de fotos melhores. É por isso, disse a empresa aos jornalistas, que a companhia optou por uma única lente, indo na contramão da indústria, que já vê celulares intermediários com câmeras duplas. 

Entre as opções de armazenamento estão 64 GB, 128 GB e 256 GB.   

Casa no Japão reformada pelo estúdio Murayama + Kato Architecture tem buraco no teto transformado em mezanino

Casa no Japão tem buraco no teto transformado em mezanino 

O projeto de reforma de uma casa de 20 anos, cujo caráter mais exclusivo é uma grande janela e telhado inclinado voltado para o sul. A proposta é inserir outro teto com um espaço super elíptico a 1,8 m de altura no piso superior, onde ficam a sala de estar, a sala de jantar e a cozinha.
Esse teto cria não apenas o espaço acima e abaixo disso, mas também funciona como elemento estrutural e ambiental, o que permite remover a órtese existente e deixar o vento entrar na parte superior da janela.
Esse teto também existe como um objeto máximo / autônomo no contexto existing. Portanto, a forma forte deste teto / vazio poderia reagir à situação circundante, física e metafisicamente.

天井の楕円 / Ceiling and Ellipse

Date : 2018.10
Type : House
Location : Kodaira, Tokyo
Floor : 88.36㎡
Consultant : Mika Araki, onder de linde
Contractor : SS
Photo : Kenta Hasegawa, Shinkenchiku-sha
Press : 新建築住宅特集 2019年2月号, CASA BRUTUS No.230, 日経アーキテクチュア2019.2-14号

Bibi Cornejo Borthwick for WSJ Magazine with Nicole Kidman

Photography: Bibi Cornejo Borthwick. Styling by: Elin Svahn. Hair: Didier Malige. Makeup: Susie Sobol. Actress: Nicole Kidman.