Pierpaolo Piccioli on “No Filter with Naomi”

Pierpaolo Piccioli with Naomi on “No Filter”

Greg Adamski for Mojeh Magazine with Madu Garcia

Photography: Greg Adamski. Styling: Natascha Hawke. Hair Style & Makeup: Manuel Losada. Retouch: Dominik Herman. Model: Madu Garcia.

Kaley Cuoco, de ‘The Big Band Theory’, ganha porquinhos; vídeos

Atriz, que viveu Penny na série de TV, foi presenteada com animais, que ficarão em sua fazenda

Kaley Cuoco adota porquinhos (Foto: Reprodução/Instagram)

A atriz Kaley Cuoco, que ficou famosa por viver a Penny em The Bing Bang Theory, encantou a web ao aparecer com dois porquinhos que foram adotados por ela e ficarão na fazenda da família.

Kaley Cuoco adota porquinhos (Foto: Reprodução/Instagram)

“Tive a maior surpresa da quarentena hoje! Obrigada, @traceywade10, por esses dois porquinhos para adoção! Meu coração não aguenta. Oi, Leeroy e Wilbur (obrigada, @haulinhooves e @cassinator144 por transportá-los com segurança. Qualquer ser de quatro patas será sempre muito bem-vindo à nossa fazenda!”, postou Kaley. (Por Léo Gregório)

Kaley Cuoco adota porquinhos (Foto: Reprodução/Instagram)
Kaley Cuoco adota porquinhos (Foto: Reprodução/Instagram)

Para sempre Nairóbi | La Casa de Papel | Netflix Brasil

Já assistiu a quarta temporada de La Casa de Papel? Então você deve tá assim, que nem euzinha, toda inconsolável. Eu sei que é difícil se despedir de uma personagem tão incrível, por isso preparei uma homenagem para celebrar a vida e memória dessa rainha do matriarcado! Maestro, deixa as lágrimas rolarem.

Givenchy e Clare Waight Keller: estilista sai da marca francesa

By Miles Socha on April 10, 2020

Durante seus três anos como diretora artística, a designer exibiu um visual masculino-feminino e trouxe a alta costura de volta à tona..

A estilista britânica, que catapultou a proeminência internacional de Givenchy – e a dela – ao vestir Meghan Markle para suas núpcias reais em 2018, sai da marca francesa no final de seu contrato inicial.

Sua última coleção foi o pronto-a-vestir feminino do outono de 2020, desfilado em 1º de março durante a Paris Fashion Week.

O empreendimento ressalta uma tendência para períodos mais curtos em marcas tradicionais e prepara o terreno para mais uma reinvenção na histórica casa de alta costura, controlada pela gigante de luxo LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton desde 1998.

“Focar um mundo baseado na alta costura tem sido um dos destaques da minha jornada profissional”, disse Waight Keller em comunicado compartilhado primeiro com a WWD.

“Eu compartilhei tantos momentos incríveis com os brilhantes ateliês e equipes de design da Givenchy: seu talento e dedicação excepcionais permanecerão para sempre em minhas memórias. Meus sinceros agradecimentos a cada um dos heróis e heroínas desconhecidos nos bastidores, por sua contribuição do produto às comunicações e ao varejo, e a todos os membros da equipe global, parceiros e fornecedores no meio ”.

A Givenchy disse que anunciaria uma nova “organização criativa” em uma data posterior.

Dada a ausência de um diretor artístico e o fechamento de fábricas em meio ao surto de coronavírus, a Givenchy cancelou sua coleção de mulheres antes da primavera e não produzirá uma coleção de alta costura no outono de 2020. A empresa planeja preparar uma coleção de homens grandes – combinando pré-primavera e pista – para venda em seus showrooms em junho.

Enquanto isso, o prazo de validade de suas coleções da primavera de 2020 e do outono de 2020 deve ser estendido em suas próprias butiques, observou um porta-voz.

Waight Keller foi a primeira mulher a liderar a Givenchy desde que foi fundada em 1952. Depois que o fundador Hubert de Givenchy se aposentou em 1995, a casa viu uma porta giratória dos designers: John Galliano, Alexander McQueen e Julien MacDonald. Tisci assumiu o selo em 2005, colocando-o de volta no mapa do design com sua ousada moda gótica durante um período estelar de 12 anos.

Uma das principais realizações de Waight Keller foi trazer a alta costura de volta à passarela; Tisci optou por apresentações estáticas, ou as espalhou pelos shows de seus homens – e estabeleceu a Givenchy como a marca preferida para as ocasiões mais elegantes de Markle, incluindo a Royal Ascot. Ela também continuou o impulso da marca no tapete vermelho.

Ela adotou uma abordagem eclética da imagem de Givenchy, primeiro explorando o território masculino-feminino em suas coleções e campanhas publicitárias, depois recrutando a jovem estrela pop Ariana Grande como embaixadora e, em seguida, um par mais velho e improvável: Marc Jacobs e Charlotte Rampling.

Sidney Toledano, presidente e CEO do LVMH Fashion Group, agradeceu a Waight Keller “por sua contribuição ao último capítulo de Givenchy.

“Sob sua liderança criativa e em grande colaboração com seus ateliês e equipes, a maison se reconectou com os valores fundamentais de Hubert de Givenchy e seu senso inato de elegância. Desejo a Clare tudo de bom em seus futuros empreendimentos ”, disse ele.

Waight Keller usava em grande parte uma marca de alta costura e aristocrática de bom gosto, ocasionalmente repleta de resistência ou subversão – um toque de látex aqui, uma mochila gigante em forma de asa ali. Ela dedicou seu desfile de alta costura no outono de 2018 ao fundador, que morreu naquele ano aos 91 anos, comemorando “sua elegância e graça eternas” e referenciando suas “criações icônicas, técnica e léxico pessoal”.

Popular com a imprensa da moda, ela ganhou críticas entusiasmadas por seus desfiles, principalmente pela alta costura, com o rtw de suas mulheres entre uma variedade de referências dos anos 80 e 90 e uma variedade de estilos, desde jeans devastados e alfaiataria modernista a vestidos de babados.

Ela melhorou o perfil da divisão masculina da Givenchy, incluindo looks de alta costura para ele na passarela e marcando uma aparição como designer convidada na feira Pitti Uomo, em Florença, em junho de 2019. No entanto, a marca não avançou significativamente com artigos de couro, a categoria principal e lucrativa da qual dependem muitas marcas de luxo.

Waight Keller conquistou o prêmio de estilista britânica do ano para roupas femininas no Fashion Awards de 2018 em Londres e fez parte da lista Time 100 List em 2019.

Quando ela chegou a Givenchy, a designer deixou claro que o romance boho de seus seis anos na Chloé, seu trabalho anterior, não era sua verdadeira casa do leme.

“Como eu sou percebido aqui em Paris é realmente muito diferente do que eu sou como pessoa e como designer”, ela disse na noite de sua estreia na alta costura em março de 2017. “Comecei nos anos 90 vestindo preto por cerca de 10 anos. O que tem sido realmente emocionante aqui, sinto que coloquei muito de mim de volta. “

O designer britânico juntou-se à Chloé em 2011 após um período de seis anos projetando a Pringle of Scotland. Uma mulher calma e de fala mansa, com um sorriso pronto, Waight Keller trouxe uma mão firme e firme a Chloé, rejuvenescendo seus negócios de acessórios e rtw e recebendo críticas amplamente positivas de suas coleções.

Ela era uma figura popular e acessível entre os escalões superiores da moda e fez amizades com personalidades como Karl Lagerfeld, Pierpaolo Piccioli e Jacobs, de Valentino.

Com uma sólida formação em malhas e roupas masculinas, Waight Keller serviu como designer sênior de mulheres na Gucci durante a era Tom Ford, e também trabalhou na Ralph Lauren e Calvin Klein.

Durante seus últimos dias em Givenchy, ela acessou sua conta do Instagram, que conta com 432.000 seguidores, para documentar alguns destaques dos bastidores de acessórios e sessões de fotos.

Seu próximo passo não pôde ser aprendido imediatamente.

Givenchy recebeu recentemente um novo presidente e CEO, Renaud de Lesquen, que anteriormente detinha os mesmos títulos na Dior Americas.

Um executivo suave, porém discreto, de Lesquen está no cargo de Nova York há quatro anos e anteriormente atuou o mesmo período de tempo como presidente da Dior China. Antes disso, ele passou 10 anos na L’Oréal em Paris, como presidente e CEO da YSL Beauté, e antes como presidente global da Giorgio Armani Beauty.

Um olhar sobre a carreira de Clare Waight Keller na Givenchy

Givenchy Couture Fall 2018
Pixelformula/Sipa/Shutterstock
Givenchy Couture Fall 2018
Pixelformula/Sipa/Shutterstock
Givenchy RTW Fall 2020
Delphine Achard/WWD
Givenchy Couture Spring 2020
DELPHINE ACHARD/WWD
Rihanna
Earl Gibson III/Shutterstock
Hunter Schafer
Anthony Harvey/Shutterstock
Zoe Saldana
Broadimage/Shutterstock
Cate Blanchett
Matt Baron/Shutterstock
Meryl Streep
David Fisher/Shutterstock
Lady Gaga
Matt Baron/Shutterstock
Meghan Duchess of Sussex wearing Givenchy.
Shutterstock
Meghan Duchess of Sussex wearing Givenchy.
Tim Rooke/Shutterstock
Meghan Duchess of Sussex wearing Givenchy.
Beretta/Sims/Shutterstock
Meghan Duchess of Sussex wearing Givenchy.
Shutterstock
Meghan Duchess of Sussex wearing Givenchy at the Dublin airport.
Tim Rooke/Shutterstock
Meghan Duchess of Sussex wearing Givenchy while opening the new Mersey Gateway Bridge.
Tim Rooke/Shutterstock
Meghan Markle wedding dress Royal Wedding 2018
REX/Shutterstock
Meghan Markle wedding dress Royal Wedding 2018
REX/Shutterstock
Meghan Markle wedding dress Royal Wedding 2018
REX/Shutterstock

Apple e Google criarão juntas tecnologia de rastreamento para conter avanço do coronavírus

Empresas vão trabalhar para que iOS e Android possam ‘conversar’ por Bluetooth para monitorar a disseminação da covid-19
Por Bruno Romani – O Estado de S. Paulo

Apple e Google vão permitir que iOS e Android ‘conversem’ para conter avanço do coronavírus 

Rivais no mundo dos celulares, Apple e Google decidiram juntar forças para criar uma tecnologia capaz de monitorar o avanço do coronavírus. As empresas fizeram um anúncio conjunto nesta sexta, 10, sobre um programa amplo de colaboração para que suas plataformas móveis, respectivamente, iOS e Android, possam ‘conversar’ para rastrear a disseminação do vírus. 

A ideia é usar o Bluetooth e os contatos na agenda dos smartphones para detectar automaticamente a proximidade entre pessoas – o Bluetooth é a tecnologia escolhida por ser voltada para comunicação sem fio em curtas distâncias, o que seria ainda mais preciso que projetos que utilizam torres de telefonia celular. A tecnologia de baixo consumo de Bluetooth permite também preservar a bateria do aparelho, algo semelhante ao usado em projetos de internet das coisas (IoT).    

O projeto será implementado em duas fases: na primeira, ambas lançarão APIs que poderão ser embutidas em aplicativos feitos tanto para iOS quanto para Android por agências de saúde e outros parceiros do projetos. Com isso, ao instalar esses apps, o telefone utilizará o Bluetooth para detectar se o usuário se aproximou de pessoas possivelmente contaminadas. A primeira fase deve ser concluída no mês de maio. Os aplicativos de saúde pública passarão por um processo de aprovação para obter acesso a essas APIs. 

Na segunda fase, o trabalho seria extendido de maneira mais avançada nos próprios sistemas operacionais das empresas. A funcionalidade está prevista para os “próximos meses”. Quando isso acontecer, a ‘conversa’ entre sistemas poderá acontecer por diferentes aplicativos, e não apenas onde as APIs foram instaladas.  As empresas dizem que o projeto deve ser encerrado ao final da pandemia. Ainda não há informações específicas para o Brasil. 

Sobre privacidade, já que há crescentes preocupações sobre o aumento da vigilância no contexto de coronavírus, as empresas afirmaram que o rastreamento só será feito com o consentimento do usuário. Disseram também que publicarão informações sobre o trabalho de modo aberto para que outras pessoas possam analisar.

Quando um aparelho se comunica por Bluetooth com outro, o primeiro emite uma série de números que é ‘lida’ pelo segundo. O objetivo é que pessoas que tenham testado positivo para covid-19 possam conectar essa informação ao número emitido pelo Bluetooth. Assim, outras pessoas podem ficar sabendo se estiveram próximas a quem se contaminou – os sistemas operacionais não identificarão a pessoa contaminada, e sim, informarão ao usuário que o celular de alguém que informou estar contaminado esteve próximo.

Ainda assim, os dados, segundo as empresas, ficarão armazenadas no próprio celular e não serão enviados a servidores nas nuvens – a prática é semelhante ao que a Apple já faz em diferentes ferramentas do iPhone, como o processamento de informações da assistente digital Siri.

Os aparelhos fariam uma leitura de proximidade a cada cinco minutos e armazenariam essas informações num banco de dados com o histórico dos últimos 14 dias, período de incubação do vírus. Caso algum resultados positivo surja no período, o usuário é notificado.    

“Todos nós na Apple e no Google acreditamos que nunca existiu um momento mais importante do que este para trabalharmos juntos com o objetivo de resolver um dos problemas mais urgentes do mundo. Por meio de uma estreita cooperação e de colaboração com os desenvolvedores, governos e prestadores de saúde pública, esperamos usar o poder da tecnologia para ajudar países ao redor do mundo a reduzir a propagação da covid-19 e acelerar o retorno à vida cotidiana”, afirmaram as companhias em comunicado.

O anúncio apareceu também nas contas no Twitter dos presidentes das duas gigantes, Tim Cook (Apple) e Sundar Pichai (Google). 

My Work from Home Beauty Routine Using KKW Beauty

Veja passo a passo uma rotina de maquiagem rápida e natural para ficar em casa. (Com uma participação inesperada de North), estou usando alguns dos meus itens essenciais do KKW Beauty:

-Liquid Concealer in shade 7
-Baking Powder in shade 2
-Crème Contour & Highlight Set in Medium
-Powder Contour & Highlight Palette in Medium
-Classic Shimmers Blush Palette
-Mascara
-Nude 1.5 Lip Liner
-90’s Icon Matte Lipstick
-Brightening Powder in shade 2

Disque Amiga Para Matar | 2ª temporada ganha teaser e data de estreia

Produção é estrelada por Christina Applegate e Linda Cardellini
CAMILA SOUSA

Linda Cardellini e Christina Applegate 

Netflix divulgou o primeiro teaser da 2ª temporada de Disque Amiga Para Matar (Dead to Me), série protagonizada por Christina Applegate e Linda Cardellini. A prévia também revela que os novos episódios chegam em 8 de maio.

A trama é centrada em Jen (Applegate), uma viúva disposta a resolver a morte recente do marido, e Judy (Cardellini), uma mulher otimista que teve suas próprias perdas recentemente. Quando as duas se encontram em um grupo de apoio, elas se tornam amigas improváveis e Judy faz de tudo para esconder um grande segredo.

A primeira temporada está disponível na Netflix.

Selena Gomez tem vários encontros no clipe de “Boyfriend”

Música entrega o álbum Rare
CAMILA SOUSA

00Selena Gomez – Boyfriend (Official Video)

Selena Gomez lançou hoje (10) o clipe de “Boyfriend”, música que integra Rare, seu novo álbum de estúdio. No vídeo, que pode ser visto acima, a cantora tem vários encontros.

O terceiro álbum de Gomez, que traz participações de Kid Cudi e 6LACK, inclui os já revelados singles “Lose You to Love Me” e “Look at Her Now”. Lançado em janeiro, o álbum atingiu o topo das paradas de discos mais vendidos nos EUA, a Billboard 200.

Recentemente, “Lose You to Love Me” se tornou a primeira música de Gomez a atingir o topo das paradas nos EUA. Rare segue o lançamento de 2015 de Gomez, Revival