Lisa Bella Donna | The Mothership

Bem-vindo a bordo da Mothership: a frota interconectada de Lisa Bella Donna, composta por sete poderosos Mother-32, dois DFAMs percussivos e uma Matriarca parafônica.

Este vídeo é um vislumbre da miríade de possibilidades sônicas que o ecossistema mãe de Moog pode oferecer a músicos de todos os níveis. Assista e ouça enquanto Lisa Bella Donna libera o vasto potencial desses instrumentos, demonstrando o quão estrondoso o som pode ser quando conectados.

“O sistema de sequenciadores nesta configuração é algo muito especial e revela muito mais do que aparenta quando você se interessa. Depois, há o SOUND. Esses sintetizadores podem mover o ar de maneira séria e oferecem a flexibilidade de 10 osciladores de oitava, filtragem Moog ricamente clássica e VCAs que podem oferecer dinâmica musical e resistência quando você desejar. ” – Lisa Bella Donna

Jess LaFrankie Exclusively for Fashion Editorials with Lauren Mueller

Photographer: Jess LaFrankie. Hair & Makeup: Amy Kenny. Model: Lauren Mueller.

Kim Kardashian relaxou regras com filhos para tornar quarentena “divertida”, diz site site Hollywood Life

Socialite está deixando que filhos fiquem acordados até mais tarde e comam mais doces

Kim Kardashian e Kanye West com os quatro filhos (Foto: Instagram)

A socialite Kim Kardashian vem mudando as regras de sua casa para seus quatro filhos durante a quarentena por conta da pandemia do novo coronavírus.

Kim revelou que está dando alguma liberdades adicionais para North, 6 anos; Saint, 4 anos; Chicago, 2 anos; e Psalm, 11 meses. “Ficar acordado até mais tarde e recebendo doces extras”, revelou uma fonte ao site Hollywood Life.

“Kim está fazendo todo o possível para transformar esse momento desafiador em algo divertido e positivo para os filhos”, destacou o informante. “Ela normalmente é muito rigorosa com rotinas, horas de dormir e esse tipo de coisa, mas relaxou totalmente as regras para os filhos”.

Kim Kardashian e família (Foto: Reprodução/Twitter)
Kim Kardashian e família (Foto: Reprodução/Twitter)

A fonte ainda explicou que Kim acredita que o período vem tornando a família mais unida. “Eles estão realmente se divertindo muito juntos. Mesmo que eles não possam ir a lugar algum, estão fazendo o melhor com a família”.

Nas últimas semanas, a socialite vem falando sobre a sua rotina durante o período de quarentena, estando com os quatro filhos em sua casa.

“Existem tantos dias que nem penteio meu cabelo ou tomo banho e é um diferente tipo de missão quando você está agora cuidando da educação em casa dos seus filhos e descobrindo tudo isso”, destacou a socialite, em entrevista ao site Refinery29.

A socialite Kim Kardashian (Foto: Instagram)
A socialite Kim Kardashian (Foto: Instagram)

Conheça o novo escritório do CSG em Chicago

A empresa de software CSG contratou recentemente a empresa de arquitetura Eastlake Studio para projetar seu novo escritório em Chicago, Illinois.

csg-chicago-office-3
Reception

“O posicionamento cuidadoso da cor da empresa – um vermelho poderoso – e fortes elementos de marca moldaram o design do novo local de trabalho. Começando na área de recepção e no espaço do lounge, usamos o tom vívido em acabamentos e móveis, e o equilibramos com neutros nítidos e madeira clara.

csg-chicago-office-2
Reception

Trabalhamos com a equipe de branding da CSG para colocar murais motivadores em textos e fotos em corredores despretensiosos e na área da prefeitura com muito tráfego, onde os painéis acústicos de teto relembram a geometria do logotipo da CSG. O vermelho também foi usado na guarnição de portas e nuvens no teto do escritório aberto para quebrar o espaço de trabalho principal.

csg-chicago-office-4
Lounge

As memórias de cubos altos e nichos escuros no espaço anterior do CSG tornaram a luz natural uma das principais preocupações da administração. Nosso plano priorizou o lado leste com um amplo corredor para trabalho remoto e reuniões casuais, onde os funcionários podem aproveitar a luz do sol e as vistas da cidade circundante. Reutilizando parte dos móveis da empresa, bem como o tratamento acústico existente, algumas salas de reuniões e infraestrutura de servidores nos ajudaram a permanecer dentro do nosso orçamento, sem sacrificar os elementos de design mais importantes que comunicam os valores da CSG aos hóspedes e clientes “, diz Eastlake Studio.

csg-chicago-office-5
Lounge
csg-chicago-office-6
Lounge
csg-chicago-office-7
Lounge
csg-chicago-office-8
Conference room
csg-chicago-office-9
Open-plan workspace
csg-chicago-office-10
Coffee point
csg-chicago-office-11
Coffee point

24 Hours With Winnie Harlow in Quarantine (@ Home) | Vogue

A estrela da modelagem Winnie Harlow compartilha seus segredos de beleza em casa e a maneira certa de comer graviola nesta espiada exclusiva em sua rotina de folga. Veja Winnie no FaceTime com Tory Lanez, comendo algumas frutas jamaicanas e jogando um jogo noturno de Cadoo.

Niles Fitch, de This is Us, será o primeiro príncipe negro live-action da Disney

Ator será um dos protagonistas do filme Secret Society of Second Born Royals
GABRIEL AVILA

Niles Fitch será o primeiro príncipe negro da Disney em live-action. Conhecido por viver a versão jovem de Randall Pearson em This is Us, o ator será um dos protagonistas de Secret Society of Second Born Royals, filme sobre um grupo formado por membros de famílias reais que precisam manter o mundo seguro com seus superpoderes. O ator celebrou o projeto em seu Twitter:

“Dêem boas-vindas ao primeiro príncipe negro da Disney”

Secret Society of Second Born Royals conta a história de Sam (Peyton Elizabeth Lee), uma adolescente que é a segunda na linha de sucessão ao trono de Illyria. Ela só deixa de ficar à sombra de sua irmã mais velha Eleanor (Ashley Liao) quando é convocada para um grupo secreto formado por membros de outras famílias reais que usa dons especiais para manter a paz no mundo. Confira abaixo fotos inéditas da produção revelada pela EW:

Secret Society of Second Born Royals chegará ao Disney+ entre junho e setembro de 2020.

Feito para as ruas, Apple Watch faz 5 anos ‘pegando poeira’ na quarentena

Relógio inteligente comemora cinco anos de lançamento em meio à pandemia do novo coronavírus, mas ainda possui futuro promissor na categoria de vestíveis
Por Guilherme Guerra – O Estado de S. Paulo

Apple Watch foi introduzido como versão tech de relógio suíço, mas acabou virando parceiro para atividades físicas e saúde

O Apple Watch, relógio inteligente da Applecomemora cinco anos de lançamento nesta sexta-feira, 24. Anunciado em setembro de 2014, o dispositivo chegou às lojas – e as ruas – dos EUA em 24 de abril em 2015. É um aniversário ingrato, longe de ser digno como a recém-comemorada primeira década de iPad. Por causa do isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus, o meu relógio, antes sempre preso ao meu pulso, está na gaveta há mais de um mês.

Foi por causa dessa aposentadoria forçada que notei o quanto o Watch, da categoria de aparelhos vestíveis (os wearables), se tornou um produto para ser usado em público, em movimento. Exemplifico. Na rua, recebo no pulso as notificações de e-mails e mensagens, poupando que eu tire meu celular do bolso. Consigo inclusive responder alguém enquanto subo no ônibus ou atravesso de uma calçada para outra, levando meu pulso à boca. Consigo também checar o  calendário e a previsão do tempo a um ou dois cliques com o dedo. É prático e simples, como se espera de um bom vestível. Mas isso perde sentido se estou confinado em casa, com o celular à mão o tempo todo.

A redução da usabilidade neste período de confinamento social é da própria natureza da categoria de vestíveis, da qual pertencem o Apple Watch (a partir de R$ 1,9 mil)o Huawei Watch GT 2 (a partir de R$ 1,5 mil) e Samsung Watch Active 2 (R$ 1,8 mil), entre muitos outros. Ainda não dá para saber o quanto a pandemia prejudicou a venda dos wearables, mas os estoques vazios de iPads no mercado chinês são um indício do que as pessoas procuram quando estão isoladas em casa.

OK, tudo bem, não vou exagerar. Tenho usado meu Apple Watch uma vez ao dia, num intervalo de 30 a 40 minutos, quando faço treinos funcionais e pratico ioga em casa. Por calcular batimentos cardíacos em tempo real e queima de calorias, o relógio inteligente se tornou indispensável para atividades físicas, por menores que sejam. Ainda assim, é muito pouco para um dispositivo que virou uma extensão do meu corpo. 

Queda de braço

Quem fez questão de investir nessa área foi Tim Cook, o atual presidente e escolhido pelo fundador Steve Jobs para substituí-lo no cargo em 2011, a um mês de sua precoce morte. Mas o mérito só veio após uma vitória na guerra de braço entre Cook e sir Jonathan Ive, designer da Apple entre 1992 e 2019 e principal parceiro de Jobs na criação de sucessos como o iPod (2001), iPhone (2007), a linha Mac e, claro, o Apple Watch. 

A briga era para saber como e para quem vender o Watch. Ao contrário de Cook, menos preciosista e mais atento às vontades do consumidor, Ive idealizou um relógio que unisse tecnologia ao mundo da moda e do luxo, similar ao apelo nostálgico dos arrojados relógios suíços analógicos vendidos por milhares de dólares. 

Por discordâncias com Tim Cook, Jony Ive passou a frequentar menos o escritório da Apple a partir de 2015
Por discordâncias com Tim Cook, Jony Ive passou a frequentar menos o escritório da Apple a partir de 2015

(Importante dizer: o relógio foi o primeiro lançamento da companhia após a morte de Jobs, o homem que fez a Apple ser a Apple. Segundo analistas de mercado, um eventual fracasso em vendas significaria um futuro não tão brilhante para a companhia. Não foi o que aconteceu, como já sabemos.)

Foi assim a apresentação do Watch ao mundo em 2015, chegando a estampar capas de revistas do mundo fashion. A campanha foi tanta em 2015, que ficou famosa a imagem em que a cantora Beyoncé usa um Apple Watch Edition de ouro 18 quilates, valendo US$ 17 mil dólares (no Brasil, custava “meros” 135 mil reais). Fracasso de vendas, a versão foi discretamente descontinuada no ano seguinte. 

O foco em atividades físicas e saúde ganhou força desde então por ser mais vendável. O relógio finalmente perdeu a alcunha de “iPhonezinho de 38 milímetros” porque se tornou mais independente do smartphone. Cook lançou no ano seguinte outro sucesso de venda em vestíveis, os AirPods, ao mesmo tempo em que batia recordes a venda de celulares e serviços, outro novo foco da sua gestão. E Ive, derrotado e com cada vez menos força dentro da companhia, anunciou a saída da Apple em junho de 2019 – o que à época soou repentino, mas hoje parecia inevitável. 

Se o Apple Watch sobreviveu até aqui, conquistou a liderança de mercado e dita tendências na categoria de vestíveis, foi por causa da visão de negócios de Cook, e não pelo ode ao luxo pelo qual Ive nutria. Além disso, o relógio discretamente tem antecipado tendências que chegam anos depois nos iPhones, a menina dos olhos da empresa: carregamento sem fio, tela OLED, modo noturno, resistência à água e ausência de entrada para fones de ouvido. Isso não é pouca coisa.

Essas férias do meu Apple Watch não são porque cansei de usá-lo, muito pelo contrário. Não consigo mais me imaginar sem um smartwatch, o que só comprova o seu mérito como produto. O problema é que em casa, trancado, ele é tão útil quanto uma carteira para carregar documentos e cartões. Mas, até o fim da quarentena, ficará como as minhas calças jeans: esperando a hora correta de sair na rua.

No Filter with Naomi: Jackie Aina

Jackie Aina on “No Filter with Naomi”

Beyoncé faz doação de US$ 6 milhões para ajudar vítimas de coronavírus

Cantora foca destino da renda para organizações de melhoria de bem-estar mental
JULIA SABBAGA

Beyoncé se uniu a uma iniciativa com o fundador do TwitterJack Dorsey, para doar um total de US$ 6 milhões para diferentes iniciativas de combate ao coronavírus nos EUA. Em um comunicado em seu site oficial, a cantora ressaltou a necessidade de comunidades carentes e enfatizou doações para organizações focadas em bem-estar mental. 

“Comunidades não-brancas tem sofrido em proporções épicas pela pandemia de coronavírus. Muitas famílias vivem em áreas impróprias com casas que tornam o distanciamento social impossível. Comunidades que já não tem financiamento para educação, saúde e moradia agora encaram taxas alarmantes de infecção e fatalidades. E estas comunidades não tem acesso a testes ou sistema de saúde”, diz o comunicado oficial. 

O destino da renda, segundo a cantora, é “para organizações baseadas nas próprias comunidades, UCLA e a Aliança Nacional de Doenças Mentais para fornecer serviços de bem-estar mental em Houston, Nova York, Nova Orleans e Detroit”. Encerrando o comunicado, Beyoncé pediu um ajuda de todos: “Estes são tempos sem precedentes e nós vamos fazer um esforço coletivo para fazer diferença”.

No final de semana passado, Beyoncé participou do festival Together At Home, que arrecadou US$ 127,9 milhões em prol dos trabalhadores na linha de frente da luta contra o coronavírus – confira como foi o festival.

Durante toda a carreira, Beyoncé colecionou mais de 100 milhões de álbuns vendidos ao redor do mundo, 23 Grammys e uma apresentação histórica no Coachella, que se tornou a performance mais assistida ao vivo no YouTube.