‘Basta um peteleco para o seu castelo de cartas cair’, diz Taís Araújo

Em casa com o marido e os filhos, a atriz chora ao falar dos aprendizados e angústias da quarentena
Mônica Bergamo

Taís Araújo é fotografada pelo marido, Lázaro Ramos, no jardim de sua casa, em Humaitá, no Rio Foto Lázaro Ramos Lázaro Ramos

A atriz Taís Araujo se lembra perfeitamente do dia em que tudo mudou por causa do novo coronavírus. Era 12 de março e ela se preparava para viajar aos EUA com o marido, Lázaro Ramos.

A vida andava em alta velocidade. Taís era uma das estrelas da novela “Amor de Mãe”, da TV Globo. Ele lançaria o filme “Medida Provisória” no SXSW Film Festival, no Texas.

“A gente estava super feliz. Pensamos ‘vai ser ótimo pegar um aviãozinho, ver outras pessoas, outros ambientes’. E o evento ia ser importante para ele [Lázaro]”, relembra ela.

De repente, eles tiveram que pisar no freio: o festival, como milhares no mundo, tinha sido cancelado por causa da disseminação da Covid-19.

Os dois tentaram seguir, em menor velocidade. Pegaram os filhos João Vicente, 8, e Maria Antônia, 5, e passaram o fim de semana em Paraty, no Rio. Mas as informações começaram a despencar na cabeça do casal: o Brasil já registrava 77 casos confirmados da Covid-19, e 1.400 suspeitos.

Lázaro começou a ficar preocupado. “Pede para o Zé [José Luiz Villamarim, diretor de “Amor de Mãe”] parar de gravar.” Nem precisou. No domingo (15), o diretor ligou para Taís: a novela estava suspensa. E o mundo finalmente parou —ou o mundo que Taís, e milhares de brasileiros, conhecia até então.

“Neste dia, eu percebi que a coisa era séria. Porque a gente nunca deixa de gravar uma novela. A gente fica doente e vai gravar doente”, relembra.

O casal e as crianças entraram em casa e nunca mais saíram —foram apenas uma vez de carro à TV Globo para tomar vacina contra a gripe.

Taís ajeita a câmera do Zoom para falar com a coluna. Está de cabelo preso, sem maquiagem alguma, em seu quarto. As mãos estão com marcas vermelhas e roxas, de tanto lavar roupas e louças.

“Não tá fácil”, diz a atriz. A residência do casal, em Humaitá, no Rio, tem cinco suítes. Quatro funcionários trabalham lá. Todos estão de quarentena, recebendo seus salários.

Na conversa, Taís se diverte, ri. Mas também chora.

A CASA

Estamos só eu, Lázaro e as crianças, há 33 dias sozinhos [neste domingo serão 41 dias]. Eu limpo banheiro, jardim, cachorro. Ele cozinha. As crianças lavam o prato, o copo. Se não lavar, fica sujo.

Eu não estava acostumada [com serviços de casa] porque desde os 15 anos trabalho fora. Não tinha intimidade. Fiz uma imersão, comecei a estudar a minha casa. Fiz pesquisas na internet: como limpa o banheiro, por onde começa. Encontrei dicas ótimas.

Eu me achei ridícula. Ao mesmo tempo me senti bem, me aprimorando nesse lugar. Tem sido importante. Primeiro, para valorizar as profissionais que fazem o serviço doméstico. E valorizar esse vínculo. Depois, para conhecer a nossa própria casa.

É simbólico você cuidar das suas coisas, das coisas dos seus filhos. É uma delícia, é maravilhoso? Não. Tem coisas de que eu gosto mais e outras de que eu gosto menos.

Eu sou workaholic, então me joguei. Nos primeiros 26 dias, não tinha tempo para mais nada. Só lavava roupa, banheiro, quintal, cozinha. Até que o Lázaro me chamou e disse: para. A gente não vai conseguir fazer tudo. A quarentena não pode virar isso.

DOAÇÕES

Além de passar o dia limpando, eu fiquei desesperada para ajudar. Passava o dia no computador, destinando recursos para a Cufa, a Uneafro, a Comunitas, a Gerando Falcões.

MARIDO, FILHOS E LIVROS

Depois dessa primeira fase, procurei um livro para ler. Na verdade, três livros. Vamos ver qual deles me “pega”.

Estou começando “Mulheres que Correm com os Lobos” [da autora Clarissa Pinkola Estés], o “Sapiens” [de Yuval Noah Harari] e “Amada”, do Toni Morrison. E escolhi também uma série para ver.

Eu e o Lázaro conversamos bastante. Como vamos nos relacionar 24 horas por dia? A convivência excessiva é mais desagradável do que agradável. A gente vai ter embate, nem sempre vai ser legal. Se deixar, fico dando ordem o tempo inteiro para as crianças. Corre o risco de eu virar só uma autoritária. Não vou criar conexão nem com meus filhos. Fizemos então um cronograma, com dias e horários para cada serviço da casa. Reservamos tempo para atividades com as crianças, e a hora de eu e o Lázaro vermos um filme juntos, por exemplo. Para ter uma rotina de casal. Não dá pra dizer “amor, o casamento a gente retoma depois da quarentena [risos]”.

A gente está num momento muito instável que pode gerar situações não muito agradáveis. Precisamos ficar atentos para não degringolar toda e qualquer relação.

MEDOS

Está todo mundo com muito medo. Medo de pegar a doença. De morrer. Medo de alguém que amamos morrer.

Eu tenho uma irmã médica. Ela é obstetra. E nos avisou: eu ainda não fui chamada. Mas, se o sistema colapsar, todos seremos. Temos medo pelos nossos empregos.

Eu entendo todos os meus privilégios: despensa cheia, casa confortável, estamos em uma empresa [Globo] que tem um respiro e pode aguentar. Mas é um medo que vai muito além do meu núcleo familiar.

MEUS PAIS

Os meus pais [Ademir, 75, e Mercedes, 72] estavam separados há 20 anos. Ela aceitou ele de volta por esse tempo. Eu falei: “Mãe, pelo amor de Deus. Vocês vão me matar de preocupação”. Eu mando comida todos os dias para ele.

COMO SERÁ

Como será a vida depois? Eu tenho a sensação de que tudo vai mudar. A gente vai sair diferente disso. Não temos como adivinhar. Estamos no meio de um processo. Mas eu espero que consigamos descomplicar, simplificar.

De uma coisa eu sei que não preciso: uma casa desse tamanho. Mesmo.

Quando a gente comprou a casa, ela dizia respeito às nossas vitórias. Era a concretude das nossas conquistas. De dois negros que venceram pelo trabalho, pelo estudo, pela dedicação, num país em que tudo estava ao contrário pra gente. E a gente queria dividir tudo isso com a nossa família, com os nossos amigos, receber todo mundo aqui.

Quando compramos, andamos pela casa inteira. Na área de serviço, o Lázaro dizia “eu saí daqui”. A mãe dele foi empregada doméstica. Ele chorava, eu chorava.

[Taís começa a chorar] Mas o símbolo das nossas conquistas não precisa ser uma casa. A gente não precisa disso tudo. Isso já foi. Tudo vai ressignificar agora. O mundo não quer mais saber de nada disso.

Quando a natureza dá esses sinais, ela fala: “Você depende do outro, sim”. Um depende do outro, independentemente de sua origem.

Que diferença faz se você nasceu em Higienópolis [bairro de classe média alta de São Paulo] ou em Heliópolis? Basta um peteleco para o seu castelo de cartas cair.

O SILÊNCIO

O silêncio na minha rua é tanto que eu ouço as vozes dos vizinhos, o barulho dos animais: tucano, passarinho, macaco.

É um outro sinal, de que temos que desacelerar. Havia um excesso de tudo. De desigualdade. De falta de respeito.

O meu olhar positivo diz que tudo isso vai servir para ressignificar os nossos valores.

A SÉRIE

Eu tenho visto pouquíssimas notícias porque elas me adoecem um pouco. Uma alienação relativa é necessária.

Mas a reflexão também. A serie “Aruanas” [que vai estrear na TV Globo depois de ter sido exibida no Globoplay, serviço de streaming da emissora, e de ter sido exibida em 150 países] vai passar todas as terças, no lugar do Big Brother Brasil.

Ela fala sobre o desmatamento. Os números são gigantescos.

Eu interpreto uma advogada de uma ONG. Um jornalista investigativo chama a organização para fazer uma denúncia. E é encontrado morto na mala de um carro.

O roteiro é incrível. Tem suspense, tem assassinato. Fala sobre a preservação da vida dos ativistas, sobre o genocídio indígena. Sobre a preservação da floresta.

A gente só pensa na cura do novo coronavírus. E a cura está dentro da mata. Nesse momento, ter uma série que fala da importância da Amazônia e mostra que a nossa vida está ali dentro, que a cura está ali dentro, é muito importante.

QUERO GELATINA

[A filha de Taís entra no quarto com a cara toda pintada de batom. Pede uma gelatina].

Ela tá com fome. Ainda tem isso. Eles [os filhos] comem o dia inteiro [risos].

[Taís se levanta e vai para a cozinha. É sábado. Ela consulta o cronograma pendurado no armário] Hoje eu vou lavar as roupas das crianças, lavar a cozinha e também o quintal. O Lázaro Ramos vai cozinhar. Amanhã, limparemos os quartos.

Mônica Bergamo
Jornalista e colunista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.