Aos 85 anos, Judi Dench estrela capa da Vogue britânica e faz história

A atriz vencedora do Oscar contou que não existe a possibilidade dela se aposentar

Judi Dench para British Vogue (Foto: Reprodução @Nick_Knight)

Judi Dench fez história nesta segunda-feira (04.05) ao estampar a capa da Vogue britânica e se tornar a pessoa mais velha a estrelar a capa que conta com mais de 104 anos de publicações. Com 60 anos de carreira, a atriz de 85 anos está radiante no clique feito por Nick Knight para a edição de junho. 

Em entrevista à revista, feita antes da pandemia estourar no mundo, a atriz vencedora do Oscar também interrompeu qualquer conversa sobre se aposentar. Dame Jude brincou: ‘Não, não, não, não. Não use essa palavra, Giles [Hattersley]. Não nesta casa. Aqui não. Lave sua boca!”

Judi está atualmente se auto-isolando em casa durante a pandemia do COVID-19, que matou 28.734 pessoas e infectou 191K somente no Reino Unido. Ela disse: “tenho certeza de que sinto como todos os outros, é difícil compreender esses tempos sem precedentes.”

Judi Dench para British Vogue (Foto: Reprodução @Nick_Knight)

Na matéria de capa ela ainda fala sobre amor e casamento (ela teve quatro noivados), seu amplo repertório de prêmios (incluindo 11 BAFTAs e um Oscar) e um breve encontro com o rap, oferecendo um mensagem de esperança no momento em que mais precisamos. Leia a entrevista completa com @GilesHattersley neste link

M0D44 Spring/Summer 2020 Lookbook

A marca M0D44, com sede em Kiev, lançou seu lookbook Primavera / Verão 2020. A coleção é uma mistura “não ótima, não terrível” de estética industrial, ruído visual pós-soviético, bagunça no leste europeu e tendências ocidentais. O sotaque é feito nos gráficos. Cada impressão é um produto 100% de reciclagem visual. Um monte de figuras, palavras, frases, símbolos, sinais e elementos foram coletados, retrabalhados e reciclados para mostrar os pensamentos do M0D44 sobre futuras profissões e situação atual.

Antes de lockdown, Kylie Jenner ganhava R$ 6,5 milhões por post

Irmã caçula de Kim Kardashian já foi nomeada a bilionária mais jovem do mundo

Antes do início do lockdown (uma medida para conter o avanço do novo coronavírus) na Califórinia, Kylie Jenner, de 22 anos, estava faturando US$ 1,2 milhão (cerca de R$ 6,5 milhões) por post em seu Instagram. Com 173 milhões de seguidores, a irmã caçula de Kim Kardashian promove, de forma seletiva, de bonecas do desenho “Frozen” a produtos de bem-estar. Os números foram revelados pela Hopper HQ, uma ferramenta do aplicativo.PUBLICIDADEPromote health. Save lives. Serve the vulnerable. Visit who.int

De acordo com o jornal britânico “The Mirror”, não é possível saber se Kylie continuará a somar grandes quantias depois da pandemia, que afetou a economia global. A moça, aliás, não fez parcerias desde o lockdown, mas seguiu promovendo sua marca de beleza.

No ano passado, Kylie foi nomeada a bilionária mais jovem do mundo pela revista “Forbes”, o que se repetiu este ano. Segundo o “The Mirror”, ela é uma das 2.095 pessoas no planeta com uma fortuna no valor de 10 dígitos. Afinal, sua empresa vale cerca de US $ 1,2 bilhão.

Intel compra aplicativo Moovit por US$ 900 milhões para lançar táxis autônomos

Empresa quer disputar mercado de mobilidade urbana que deve movimentar US$ 160 bilhões em 2030
Reuters

O aplicativo Moovit oferece aos usuários opções de transporte público nas cidades

JERUSALÉM – A Intel comprou a desenvolvedora israelense de aplicativos de transporte Moovit por cerca de US$ 900 milhões, num movimento para que a gigante de chips dispute o mercado de táxis autônomos a partir de 2022, informou a empresa nesta segunda-feira.

A Moovit permanecerá independente, enquanto sua tecnologia e os dados coletados de mais de 800 milhões de usuários em 102 países serão integrados à unidade de veículos autônomos da Intel, Mobileye.

O preço pago foi quase o dobro da avaliação de US$ 500 milhões que a Moovit recebeu em sua última captação de investimentos, em 2018.

— A Moovit é uma aquisição que preenche algumas lacunas muito críticas que estamos avançando — afirmou o presidente-executivo da Mobileye, Amnon Shashua, à agência Reuters.

O objetivo inicial, disse ele, é montar uma pequena frota de táxis sem motoristas em países como Israel, França e Coreia do Sul.

O aplicativo Moovit é popular por ajudar passageiros e turistas a encontrar o melhor caminho para um destino, mostrando rotas de transportes públicos, ciclovias e opções de caronas.

Uma vez integrado à Mobileye, o aplicativo será uma plataforma para chamar táxis autônomos e os dados em tempo real garantirão que os veículos sejam distribuídos em áreas de alta demanda, disse Shashua.

Mercado de US$ 160 bilhões

A Intel prevê que os táxis autônomos serão um mercado de US$ 160 bilhões até 2030. A decisão de comprar agora, quando grande parte da economia mundial está parada devido à pandemia de coronavírus, decorre da capacidade da Mobileye de prever com mais precisão quando sua tecnologia estará pronta, disse Shashua. E a meta é 2022.

— Para uma empresa como a Intel, que tem um plano muito ordenado de como o futuro deve se desenrolar, o coronavírus não deve ser um revés. Pelo contrário, você deve olhar para a crise e encontrar oportunidades — disse Shashua.

A Moovit captou US$ 133 milhões de investidores como Intel, BMW iVentures e Sequoia Capital. Em 2018, recebeu US$ 50 milhões em uma rodada de investimentos liderada pela Intel Capital.

A Intel já fez investimentos significativos em Israel, incluindo a aquisição da Mobileye por US$ 15,3 bilhões em 2017. Em dezembro, comprou a empresa israelense de inteligência artificial Habana Labs por US$ 2 bilhões.

Apple lança atualização do MacBook Pro por preços a partir de R$ 13,2 mil

Incluindo o teclado Magic, a atualização no modelo de 13 polegadas do dispositivo ainda não está à venda no Brasil

Apple lançou nesta segunda-feira, 4, uma versão atualizada do seu MacBook Pro de 13 polegadas, com teclado Magic e o dobro de armazenamento. Ainda não é possível comprar um exemplar no site oficial da marca no Brasil, mas, com os preços divulgados, o dispositivo por aqui não sai por menos de R$13,2 mil. O aparelho já está à venda nos Estados Unidos. 

A atualização incorpora elementos já lançados na versão maior do MacBook Pro, de 16 polegadas, como o teclado Magic, que contém 1 milímetro de deslocamento das teclas e uma sensação de estabilidade. Além disso, o dispositivo também conta com Touch Bar e Touch ID, que melhoram a performance e funcionalidade do teclado. 

Isso significa o fim do teclado Butterfly, também na versão de 13 polegadas. O teclado anterior foi bastante criticado pelos usuários, por problemas relacionados à digitação – incluindo caracteres que se repetem inesperadamente, teclas que não aparecem ou que parecem grudentas e não respondem de forma consistente.

Em relação à performance, o MacBook Pro oferece processadores Intel Core de quatro núcleos de 10ª geração com velocidades Turbo Boost de até 3.9GHz. Segundo a Apple, quem estiver atualizando de um MacBook Pro de 13 polegadas com um processador de núcleo duplo terá desempenho até 2,8 vezes mais rápido.

O armazenamento começa já com o dobro da geração anterior, com drive de estado sólido (SSD) indo de 256GB a 1TB e opções e 8GB ou 16GB de memória. Assim como no último MacBook Pro lançado, o novo dispositivo continua usando os conectores Thunderbolt 3/USB-C além de ter uma entrada para fones de ouvido. 

Sem previsão de lançamento no Brasil, o site já anuncia os preços pelos quais serão possíveis adquirir a nova versão do MacBook Pro. Para a versão mais simples, com 1,4 GHz e armazenamento de 256GB, o dispositivo sai por R$ 13,2 mil. Já para quem quer um pouco mais de armazenamento, o modelo com 512GB custa R$ 15,2 mil. A versão mais cara, com 2,0 GHz e 1TB, sai por R$ 22,5 mil, segundo o site da Apple. 

Motoristas de Uber serão obrigados a utilizar máscaras nos EUA

Medida foi aprovada por executivos e deve abranger outros países além dos Estados Unidos; aqui no Brasil, prática virou obrigatória em Estados como São Paulo

Uber enfrenta redução de até 80% em corridas em alguns mercados

Uber vai pedir para que seus motoristas usem máscaras comuns em alguns países, como medida de segurança no serviço de transporte compartilhado. Segundo informações deste domingo, 3, do canal de televisão americano CNN, a medida foi aprovada em uma reunião na última semana por executivos da empresa. Por enquanto, a medida começa a ser praticada em alguns países, como os EUA – aqui no Brasil, vale lembrar, o uso de máscaras para motoristas e passageiros está se tornando obrigatório em alguns Estados, como São Paulo. 

Para garantir que as regras serão cumpridas, o Uber está desenvolvendo uma tecnologia para identificar se os motoristas estão seguindo o protocolo antes de aceitar uma corrida, segundo uma fonte próxima ao assunto contou à CNN. A empresa já possui um sistema de identificação facial em tempo real e trabalha para adaptar a ferramenta.

“À medida que os países reabrem, o Uber se concentra na segurança e segue com cautela. Hoje, continuamos pedindo aos passageiros que fiquem em casa, se puderem, enquanto transportam suprimentos de segurança para os motoristas que estão fazendo viagens essenciais. Ao mesmo tempo, nossas equipes estão se preparando para a próxima fase de recuperação, onde todos teremos um papel a desempenhar “, disse o chefe de comunicações de segurança da Uber, Andrew Hasbun, em comunicado à CNN.

Assim que a nova política de segurança começar, o Uber também vai trabalhar para oferecer máscaras aos motoristas, mas, segundo as informações, os trabalhadores terão que utilizar o equipamento tendo ou não recebido o item da empresa. 

‘Complô contra a América’: o livro encanta, a minissérie decepciona

PATRÍCIA KOGUT

‘Complô contra a América’ (HBO) (Foto: Divulgação)

Em “Complô contra a América”, de 2004, o escritor Philip Roth explora a possibilidade da chegada de um fascista à Casa Branca nas eleições de 1940, em plena Segunda Guerra. Para isso, se vale de uma figura real, a do primeiro homem a voar sozinho sobre o Oceano Atlântico sem escalas. Charles Lindbergh era um herói nacional e, até um certo momento, não disfarçou sua simpatia pelo regime nazista. Roth viajou na História paralela para construir esse enredo. Imaginou o que teria acontecido se Lindbergh, como candidato republicano, tivesse derrotado Franklin D. Roosevelt. Agora, a HBO lançou a adaptação da literatura. São seis episódios com a assinatura de David Simon (com Ed Burns), o criador de “The wire”, uma das séries mais importantes da chamada era de ouro da TV.

Como quase toda a obra do escritor, essa tem forte presença autobiográfica. Acompanhamos uma família judia em Newark, Nova Jersey, onde Roth cresceu e ambientou muitos de seus livros. Eles têm dois filhos, ainda crianças: Philip e Sandy. O elenco é estrelado: Winona Ryder vive Evelyn e John Turturro interpreta o rabino Lionel Bengelsdorf. A cenografia e os figurinos, além da fotografia, impressionam. É tudo preciso e cuidadoso.

Mas é justamente esse apreço pelo formalismo, por ironia, que embaça o brilho do resultado. Na obra de Roth, o leitor recebe um convite para imaginar algo distante da realidade. A adaptação, ao contrário, se apega à missão de reconstituí-la nos detalhes. “Complô contra a América” não é ruim, longe disso. Mas decepciona.

Conheça a sede moderna da Adobe em San Jose, Califórnia

A empresa global de software Adobe contratou recentemente a empresa de arquitetura HGA para redesenhar sua nova sede em San Jose, Califórnia.

adobe-san-francisco-office-8
Open-plan workspace

“Instalada em um arranha-céu construído em 1998, a Adobe percebeu que sua sede em San Jose precisaria de atualizações incrementais que se ajustassem à sua cultura e visão. Uma série de charettes de design com a equipe de marca representou dois temas arquitetônicos principais: as “Montanhas de Santa Cruz” e “California Coastal”, que foram adaptadas a vários aspectos da história da Adobe. Oportunidades para o envolvimento da comunidade, bem como obras de arte foram desenvolvidas semelhantes a esses temas, ao mesmo tempo que adotam o espírito da Adobe de ser “consistente globalmente, mas relevante localmente”.

Cada instalação gráfica ou de arte da parede está diretamente ligada ao tema da natureza do piso, mas em muitos casos também faz referência à ciência e à inovação por trás de seus produtos. Os símbolos da interface digital da Adobe foram integrados ao trabalho artístico impresso, adicionando momentos de prazer ao mesclar imagens com os produtos de design da Adobe. Para incentivar o envolvimento dos funcionários, cada andar inclui um quadro personalizado perto da sala de descanso contendo pranchetas móveis. Esse espaço permite que os funcionários mostrem projetos pessoais, itens de inspiração, fotos da equipe e informações da comunidade / evento. Isso se alinha à iniciativa #adobelife, que mostra vislumbres da vida dos funcionários da Adobe.

As equipes também contrataram dois artistas, Erik Otto e Hannah 3 Sitzer para criar um grande mural em cada andar. Cada um deles foi desafiado a expressar suas respostas pessoais aos temas “Montanhas de Santa Cruz” e “Litoral da Califórnia”, mostrando o processo criativo por trás da arte. Essas instalações de mídia mista incluíam uma variedade de objetos artesanais e encontrados (madeira flutuante, tecido de vela etc.) combinados para criar uma grande instalação ao longo do corredor principal.

A estratégia de design abrangente mescla arte e ciência – referenciando o ambiente local e adicionando uma camada de admiração e inovação verdadeira à marca da Adobe. Assim como a equipe de design (e os artistas comissionados) experimentaram materiais exclusivos e alavancaram os produtos de ponta da Adobe, a idéia é que os funcionários e colaboradores da Adobe continuem inovando e empregando novas idéias em seu próprio trabalho. ”

adobe-san-francisco-office-9
Elevators
adobe-san-francisco-office-1
Collaborative space
adobe-san-francisco-office-2
Collaborative space
adobe-san-francisco-office-3
Collaborative space
adobe-san-francisco-office-4
Lounge
adobe-san-francisco-office-6
Collaborative space
adobe-san-francisco-office-7
Collaborative space
adobe-san-francisco-office-10
Lounge
adobe-san-francisco-office-11
Breakout space
adobe-san-francisco-office-14
Lounge
adobe-san-francisco-office-13
Cafeteria
adobe-san-francisco-office-5

O escudo facial ‘isphere’ da Plastique Fantastique lembra os quadrinhos de ficção científica dos anos 50

Considerando o efeito da pandemia de COVID-19 na vida cotidiana moderna e na interação humana, a Plastique Fantastique criou a ‘isphere’, uma máscara esférica transparente que protege todo o rosto. O design icônico é influenciado pelos quadrinhos de ficção científica dos anos 50 e pelas criações dos movimentos utópicos dos anos 60.

artists wearing isphere
all images by marco barotti

‘Esse vírus é muito democrático: se espalha para além das fronteiras, não tem preferência por gênero, status social, cultural ou econômico.‘ Ações plastique fantastique. Com esses pensamentos em mente, o projeto isphere de código aberto foi introduzido para que todos possam produzi-lo, desenvolvê-lo e melhorá-lo, a fim de se proteger contra o coronavírus.

Gesundbrunnen station in Berlin
isphere in atrium
Wedding Station in Berlin

Os designers colaram dois hemisférios ocos transparentes e fizeram um buraco na cabeça. dispositivos adicionais podem dar um toque único a qualquer esfera: ele pode ter um para-sol, uma camada espelhada, um microfone integrado, um alto-falante ou um snorkel. O isphere é um objeto engraçado e sério que estimula a abordagem dessa situação excepcional.

how to make isphere

Project info:

Name: Isphere
Designers: Plastique Fantastique (Marco Canevacci & Yena Young)