Meleca de caracol faz milagres na pele da modelo inglesa Emily Ratajkowski. Saiba tudo sobre o tratamento aqui

Emily Ratajkowski 

Você é dessas que faz tudo para ter uma pele perfeita? Emily Ratajkowski também. Apesar da modelo já ter uma ótima genética, ela não abre mão de cremes e tratamentos inovadores para manter o rosto sempre impecável. Mas uma recente revelação da gata nas redes sociais chamou a atenção de seus seguidores.

Ao responder alguns fãs sobre sua rotina de beleza, Emily contou que aplica em seu rosto um ingrediente que a maioria das pessoas sentiria nojo: secreção de caracol. Como muita gente, a modelo tem reclamado da mudança em sua pele após desde o início da quarentena. “Minha pele ficou cheia de espinhas”, lamentou.

Para resolver o problema, ela tem usado produtos com retinol, além de uma substância à base de caracol que vem fazendo maravilhas. “Agora estou usando esse incrível produto à base de secreção de caracol, sim, caracol”, garantindo a seus fãs que testou e aprovou.

Apesar do uso do caracol ser comum na França, geralmente na gastronomia, a secreção produzida por eles é muito usado pela indústria coreana de cosméticos. O queridinho da vez da bela Emily é o COSRX, formulado com 96% de secreção de caracol, e teria o poder de reparar tudo, desde áreas secas e acne até manchas de pigmentação. Apesar de usar ingrediente de origem animal, a marca garante que é ‘cruelty free’. Vai encarar? [Glamurama]

Aves de Rapina | Arte traz Arlequina com traje inspirado em uniforme original

Design acabou sendo usado por Renee Montoya na batalha final do longa
NICOLAOS GARÓFALO

Instagram/Warner Animation

Greg Hopwood, artista conceitual por trás de Aves de Rapina: Arlequina e Sua Emancipação Fantabulosa, revelou uma nova imagem de uma versão do macacão usado por Margot Robbie no filme. Segundo o designer, as cores, inspiradas na versão original da personagem de Batman: A Série Animada, não condiziam com o tom do longa de Cathy Yan, que ficou mais colorido (via CBR).

Vale lembrar que um design parecido acabou sendo usado por Renee Montoya (Rosie Perez) na batalha final de Aves de Rapina, embora apenas por baixo de suas roupas de civil – confira abaixo:

Variação não utilizada do visual heroico da Arlequina. Não combinou com o tom do filme, mas eu sempre amei as cores originais dela

Além do visual de Arlequina, Hopwood também compartilhou uma versão alternativa da Caçadora, personagem interpretada por Mary Elizabeth Winstead – veja abaixo:

Aves de Rapina acompanha a jornada de Arlequina (Margot Robbie) após o término de sua relação com o Coringa. Com diversas gangues de Gotham em seu encalço, o caminho da Palhaça acaba se cruzando com o de Canário Negro (Jurnee Smollett-Bell), Renee Montoya (Rosie Perez) e Caçadora (Mary Elizabeth Winstead), mulheres que também estão em busca de sua liberdade. 

O longa arrecadou US$ 201,8 milhões no mundo, partindo de um orçamento de US$ 84,5 milhões. O filme já está disponível em plataformas on demand no Brasil.

Liga da Justiça | Snyder Cut não passará por filmagens adicionais

Segundo jornalista, orçamento liberado pela HBO Max deve ser dedicado à finalização de efeitos visuais e gravação de diálogos adicionais
NICOLAOS GARÓFALO

Apesar de ter liberado entre US$ 20 e 30 milhões para que Zack Snyder termine sua versão de Liga da Justiça, a HBO Max não permitiu que o diretor comandasse filmagens adicionais do filme. Segundo Umberto Gonzalez, jornalista do TheWrap, o orçamento designado pela plataforma deve ser designando para efeitos visuais e gravação de vozes para diálogos adicionais, além da trilha sonora.

Não haverá nenhum tipo de refilmagem com nenhum ator [para o Snyder Cut]”, disse Gonzalez no podcast oficial do veículo. “Snyder queria filmar e pretendia rodar fotografia adicional, mas a HBO Max disse ‘não, não vai acontecer. Vamos dar dinheiro para pós-produção, efeitos visuais, trilha sonora e até ADR [“reposição automática de diálogo”, em inglês] mas sem nenhuma refilmagem nesse longa”.

Por conta do suicídio de sua filha, Zack Snyder abandonou o projeto em 2016. Joss Whedon assumiu as filmagens depois da saída, mas a reação negativa em torno do filme estimulou os rumores em torno da versão original do longa, já que muito material planejado pelo cineasta não entrou na versão final, além do tom ser inconsistente. O filme foi lançado em novembro de 2017 e arrecadou cerca de US$ 657 milhões no mundo, enquanto esteve em cartaz.

Desde então surgiu a campanha Release The Snyder Cut, que pedia pela mitológica versão do diretor. Não só o público mais fiel apoiou, mas também os atores, como Jason Momoa (Aquaman). Recentemente a campanha foi divulgada pelos fãs em cartazes ao redor da Califórnia, financiados pelos próprios seguidores. Comovidos pelo suicídio da filha de Snyder, que o afastou do projeto da DC, o movimento ajudou a arrecadar mais de US$ 100 mil para prevenção do suicídio, com fãs se mobilizando pela causa.

A versão de Zack Snyder de Liga da Justiça foi enfim confirmada em maio de 2020, durante uma live de perguntas-e-respostas após uma sessão comentada de Homem de Aço (2013). O lançamento está previsto para 2021 no streaming HBO Max.

Priyanka Chopra, Kourtney Kardashian, Iris Law, Irene Kim, Tracee Ellis Ross, Winnie Harlow e + compartilham seus melhores segredos de beleza | Vogue

Do esfoliante labial caseiro de Kourtney Kardashian à receita da máscara de cabelo da família de Priyanka Chopra, aqui está tudo o que você precisa saber sobre cuidados com a pele e os cabelos de bricolage. Com Iris Law, Irene Kim, Tracee Ellis Ross, Winnie Harlow, Princesa Nokia, Camille Rowe e muito mais.

Francesco Vincenti for Harper’s Bazaar Thailand with Eftagine Fevilien

Photography: Francesco Vincenti. Styling: Lucio Colapietro. Hair: Lorenzo Barcella. Makeup: Sissy Belloglio. Model: Eftagine Fevilien.

Série sobre Jeffrey Epstein mostra rede que deu suporte a pedófilo

JEFFREY EPSTEIN: PODER E PERVERSÃO****
Onde Disponível na Netflix
Direção Lisa Bryant

Produção escancara como acordo entre homens poderosos esconde crimes e silencia mulheres
Úrsula Passos

O financista Jeffrey Epstein em foto para o registro de agressores sexuais do estado de Nova York New York State Division of Criminal Justice Services/via Reuters

Um pedófilo, estuprador e traficante de menores que se passa, durante anos, por um bilionário boa-pinta e filantropo cheio de amigos influentes não consegue tal imagem sozinho.

Mais do que mostrar a trajetória de crimes e trambiques de Jeffrey Epstein, o grande trunfo do novo seriado documental da Netflix é evidenciar a rede de apoio e de consentimento de homens poderosos que possibilitou que Epstein se safasse por tanto tempo, silenciando e destruindo mulheres pelo caminho.

O ricaço jantava com prêmios Nobel, viajava de jatinho para sua ilha privada no Caribe com um ex-presidente americano e um príncipe inglês como convidados e, enquanto isso, aliciava adolescentes e as estuprava, por vezes emprestando as meninas a seus camaradas para o mesmo fim. Seu poder, seu dinheiro e seus amigos garantiram que dispusesse de jovens garotas como se dispõe de mercadorias.

Ao explicar toda a história do estuprador em série, de jovem que forjou um diploma a milionário que fez fortuna com trapaças e morreu na prisão, ouvindo jornalistas, ex-patrões, investigadores e advogados, a série consegue traçar o perfil do criminoso arrogante e autoconfiante que se vê acima da lei.

Ao dar amplo espaço para os relatos das sobreviventes, permite que o espectador não só fique enojado ou revoltado com como tudo isso pôde acontecer sob as barbas de tanta gente, mas que tome contato com o lado muitas vezes apagado de histórias como essa.

Escutando mulheres comuns, muitas delas à época adolescentes, descrevendo a complicada teia de medo, privação, impotência, deslumbre e engano na qual se enredaram, é possível um vislumbre de todo o sistema que permite que aconteçam os abusos.

Nos anos 2000, uma repórter descobriu que duas irmãs haviam sido molestadas por Epstein, mas seu editor evitou que o caso, só a ponta do iceberg, viesse a público.

Poucos anos depois, uma investigação policial tentou jogar luz sobre os crimes, mas um acordo na justiça deixou que ele só dormisse por alguns meses numa cadeia cheia de benesses e que suas vítimas fossem tratadas por prostitutas.

Ao construir a narrativa em camadas temporais, porém, o seriado confunde o espectador, que se esforça para guardar nomes, rostos e datas em meio a tantos vaivéns.

Quando começaram as surgir as primeiras acusações contra Harvey Weinstein, foi possível notar que, como bonecas recortadas em papel dobrado —imagem sugerida por uma das sobreviventes na série—, uma mulher que fala puxa outra.

No caso Epstein não foi diferente. Sem surpresa, os dois confraternizaram diversas vezes. E com eles, muitos outros. ​

Google ainda não planeja trabalho remoto após a crise de coronavírus

Em entrevista à revista americana Wired, Sundar Pichai afirmou que ainda é muito cedo para saber se o Google poderia adotar trabalhos remotos depois da crise

Para o pós-pandemia, Google quer avaliar questões como produtividade para saber se é possível implementar equipes de trabalho remoto

Depois de Mark Zuckerberg opinar sobre trabalho remoto após a pandemia de coronavírus, foi a vez de Sundar Pichai, presidente do Google, compartilhar o que pensa sobre o assunto. Em entrevista à revista americana Wired, o executivo afirmou que sabe que o mundo pós covid-19 será diferente, mas que não é possível definir como serão as atividades.

Embora não descarte mudanças, Pichai ressalta que ainda é muito cedo para pensar em como podem ser as dinâmicas de trabalho depois da crise e que será necessário avaliar diversos pontos de vista, como produtividade. O Facebook, por exemplo, anunciou nesta quinta-feira, 21, que espera que até metade de seus 50 mil funcionários trabalhem de casa em até 10 anos.

“Acho que não vamos sair disso (crise) e voltar para onde estávamos antes de tudo isso começar. Então, espero que nos adaptemos, mas ainda é muito cedo para dizer quanto. Desde o início, estou empolgado que isso esteja funcionando bem. Mas é isso baseado em todos nós nos conhecendo e tendo as interações regulares que já tivemos. Quão produtivos seremos quando diferentes equipes que normalmente não trabalham juntas tiverem que se reunir para o brainstorming, o processo criativo?”, afirmou Pichai

He Cong by Jumbo Tsui for Numéro China May 2020

Photographer : Jumbo Tsui
Stylist : Sharon Chiu
Hair Stylist : Bon Fan Zhang
Makeup Artist : Clive.x
Model : He Cong

Giorgio Armani Made to Measure Spring/Summer 2020 Campaign

Monégasque dirige o piloto Charles Leclerc em “Made to Measure” nova campanha da Giorgio Armani, shot by John Balsom.