Animal Crossing é o novo hit da quarentena – entenda o hype por trás do jogo de videogame que conquistou a moda

No jogo sensação da Nintendo é possível usar looks de grifes como Valentino e Marc Jacobs

A Valentino criou 20 looks femininos e masculinos do verão 2020 em versão virtual para o Animal Crossing (Foto: Reprodução/Instagram)

Em tempos de quarentena é explicável que games como Animal Crossing, da Nintendo, façam tanto sucesso. O quinto título da série, “Animal Crossing: New Horizons”, foi lançado em 20 março e é um hit absoluto – foram mais de 13 milhões de cópias vendidas nas primeiras seis semanas. No jogo que se encaixa na categoria role-playing games (RPG) e está disponível para Nintendo Switch, os usuários se “transportam” para uma ilha deserta, onde criam e customizam seu próprio paraíso, além de convidar seus amigos para visitá-lo – quase como um escape em meio à pandemia. Também há os vários personagens animais (daí o nome). 

O avatar é personalizado conforme deseja o jogador, podendo até mesmo usar roupas de grife – razão pela qual o jogo se tornou tão popular no círculo da moda. Entre as adeptas estão as modelos Gigi HadidKendall Jenner e Karlie Kloss. “No mundo do Animal Crossing, como na vida real, moda e decoração são também elementos importantes para os jogadores expressarem seus gostos pessoais e individualidade”, disse Aya Kyogoku, diretora de jogo do Animal Crossing, à Vogue britânica. 

Look criado por Kara no Animal Crossing inspirado numa produção do desfile de verão 2019 da Valentino (Foto: Reprodução/ Instagram/ Antonio Barros)

São os próprios jogadores que criam os looks, que podem ser disponibilizados por meio de QR codes e também compartilhados nas redes sociais. Foi assim que contas no Instagram como  @AnimalCrossingFashionArchive, comandada pela fotógrafa e compositora baseada em Hong Kong Kara Chung, de 28 anos, ganhou holofotes da noite para o dia.

Passando a quarentena em Manila, onde cresceu, ela joga de 3 a 4 horas de Animal Crossing por dia. Começou a compartilhar na rede social os looks criados para o seu avatar depois de receber a imagem de um moletom Supreme que um de seus amigos (@SupremeNookYork) fez na rede. Desde então, posta as produções que cria inspiradas nas passarelas de marcas como ValentinoPrada e Chanel. “Você não está exatamente representando o item real. Você está apenas dando uma noção disso”, disse Kara. “É satisfatório dizer: eu amo essa marca e pelo menos meu personagem do vídeo game pode usá-la”. 

540Looks virtuais de Marc Jacobs (Foto: Reprodução/Instagram)

Os design virtuais têm chamado atenção das grifes. A Valentino foi uma que procurou Kara para uma parceria. Foram criadas 20 roupas animadas para mulheres e homens do verão 2020 e pre-fall 2021 – pense em vestidos fluorescente, jaquetas puffer, chapéu com logo e mais. “Um novo tipo de sessão de fotos ganha vida por meio de @kara__chung do @animalcrossingfashionarchive”, escreveu a grife em vídeo postado no Instagram. Quem também fez uma colaboração com a fotógrafa foi Marc Jacobs – seis das peças preferidas da marca ganharam versão virtual. 

Já a designer nova-iorquina Sandy Liang teve uma pop-up virtual, onde era possível fazer download de peças da sua coleção atual e passada recriadas em parceria com Paige Rubin, head luxury buyer do What Goes Around Comes Around. A pop-up fez tanto sucesso que tinha uma fila de mais de 100 pessoas esperando para passar por lá. Enquanto o fim da quarentena ainda está indefinido, é fato que você pode se divertir (e sonhar) virtualmente. 

Sandy Liang armou uma pop-up no Animal Crossing (Foto: Reprodução/Instagram)
Sandy Liang armou uma pop-up no Animal Crossing (Foto: Reprodução/Instagram)

Comercial “Saltar”, dos AirPods, vence premiação do ADC Annual Awards

Na publicidade recente da Apple, os dispositivos de áudio geralmente têm rendido os comerciais mais interessantes — basta lembrar do premiadíssimo “Welcome Home”, dirigido por Spike Jonze e estrelando FKA Twigs.

Agora, para manter a tradição, mais uma peça publicitária da Maçã foi laureada: o comercial dos AirPods “Bounce” (“Saltar”) recebeu dois Cubos de Ouro, prêmios máximos do ADC Annual Awards. A premiação, mantida pelo grupo One Club for Creativity, existe desde 1921 e é a mais antiga do mundo da publicidade.

Os Cubos de Ouro recebidos pelo comercial foram nas categorias de Vídeo Curto e Efeitos Especiais; a propaganda recebeu também o prêmio de Melhor Disciplina na produção de motion, filmes e jogos. Além disso, a Apple ganhou o prêmio de Cliente do Ano, enquanto a TBWA\Media Arts Lab, agência de publicidade da Maçã, levou para casa a distinção de Agência do Ano.

O CEO da One Club for Creativity, Kevin Swanepoel, elogiou o comercial da Maçã:

“Bounce” é um exemplo impressionante de um trabalho inovador e criativo. Trata-se do epítome da excelência na construção e inovação cinematográfica, que é a base pela qual nossos prêmios são julgados, e um comercial merecedor da honraria de “Melhor da Premiação”, como o melhor trabalho criativo do último ano.

A Maçã ganhou ainda mais um Cubo de Ouro: o de Motion Graphics pelo vídeo “Wonderful Tools”, exibido na keynote de setembro passado.

VIA APPLE WORLD TODAY

Tenet | Protagonista John David Washington diz que filme de Nolan vai ditar a próxima década do cinema

John David Washington também reagiu ao trailer divulgado esta semana
CAMILA SOUSA

John David Washington diz que ‘Tenet’ de Christopher Nolan ditará a próxima década da produção cinematográfica

Em uma entrevista dentro do Fortnite, John David Washington, protagonista de Tenet, afirmou que o filme de Christopher Nolan pode mudar tudo no cinema nos próximos anos (via The Playlist):

“Já estamos familiarizados com os filmes do Nolan, mas isso é algo totalmente diferente. Parece ele está prestes a nos conduzir pelos próximos 10, 15 anos de cinema”.

Além disso, Washington ficou surpreso em como o trailer só revela “algumas migalhas de informações” sobre a produção.

Tenet mostra uma organização capaz de inverter o fluxo do tempo e que usa esse poder para salvar pessoas de perigos eminentes. Liderado por John David Washington, o elenco conta ainda com Robert Pattinson (Crepúsculo), Elizabeth Debicki (Guardiões da Galáxia Vol. 2), Kenneth Branagh (Dunkirk), Aaron Taylor-Johnson (Vingadores: Era de Ultron), Dimple Kapadia (O Que o Coração Deseja) e Clémence Poésy (Harry Potter).

Tenet ainda tem lançamento no Brasil marcado para 16 de julho.

Para fashionistas, pandemia não é desculpa para pijama virar uniforme

Donatella Versace, Costanza Pascotalo, Sabrina Sato e outras personalidades se ‘montam’ para ficar em casa
Gilberto Júnior

Isabeli Fontana: look quarentena Foto: Reprodução/Instagram

Costanza Pascolato não deixou de se arrumar um dia sequer nessa quarentena — ainda que seja para ficar no sofá de seu apartamento, em São Paulo. “É uma questão de autoestima e segurança; um ato fundamental. Gosto de estar em ordem para mim mesma”, diz a consultora de moda. Assim como ela, os estilistas Marc Jacobs e Donatella Versace, a cantora Madonna e a apresentadora Sabrina Sato estão indo além do pijama nesse período de distanciamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus.

Sabrina Sato: Look Quarentena Foto: Reprodução/Instagram

“Desde a primeira semana de isolamento, eu criei uma rotina, me adequando principalmente aos horários da Zoe (sua filha de 1 ano): acordo cedo, tomo banho e me troco para o café da manhã com a família. Passo por várias situações que me exigem estar mais produzida, inclusive reuniões com empresas por aplicativos para arrecadar fundos para quem está precisando de ajuda nesse momento”, comenta Sabrina, que já usou peças das grifes Reinaldo Lourenço, Coven, Lollita e Fabiana Milazzo. “A moda tem a função de tocar, emocionar, escapar, fazer sonhar. Mas também precisa refletir seu tempo. O mundo está mudando e a indústria precisa acompanhar esse movimento com responsabilidade socioambiental.”

Donatella Versace: Look Quarentena Foto: Reprodução/Instagram

Para o psicólogo e pesquisador da comunicação humana da UFMG Cláudio Paixão, o “se enfeitar” é bem visto desde que seja um exercício para si mesmo, não para simplesmente agradar aos outros ou com o objetivo de ostentação. “O isolamento pode ser uma oportunidade para experimentar sem que terceiros nos observem ou avaliem. Se sempre usou barba, agora é a chance de mudar. Por que não tentar um penteado diferente? Ou maquiagem? Caso goste, leve para o cotidiano quando a situação estiver controlada. A construção de uma produção incrível talvez auxilie a pessoa a lidar com esse caos”, comenta Paixão.

No campo das possibilidades, o psicólogo ressalta que a moda é uma ferramenta para manter a sanidade: “Estar bem com nós mesmos é extremamente positivo para a cabeça.” Costanza acrescenta: “Na quarentena, passei a vestir mais roupas coloridas para dar uma animada na vida.”

Hilfiger Collection Pre-Fall 2020

The Pre-Fall 2020 HILFIGER COLLECTION capsule for men combines elevated, Californian laid-back style with American craft and rock-n-roll spirit.

Hana Kimura, participante do reality Terrace House, morre aos 22 anos

Kimura também era lutadora profissional
CAMILA SOUSA

Hana Kimura, lutadora profissional participante do reality da Netflix Terrace House, morreu aos 22 anos (via The Wrap). A informação foi confirmada pela Stardom Wrestling, organização de luta que Kimura fazia parte:

“Fãs de Stardom, sentimos muito em informar que nossa Hana Kimura morreu. Por favor, sejam respeitosos e deem algum tempo para as coisas serem processadas. Mantenham seus pensamentos e orações com a família e amigos dela. Agradecemos pelo seu apoio neste momento difícil”.

O Twitter oficial do reality Terrace House também se manifestou, afirmando que estão “sem palavras” ao saber a notícia e afirmando que as exibições dos próximos capítulos do programa estão suspensas.

A causa da morte de Hana Kimura não foi divulgada, mas o The Wrap chama a atenção para o fato de que a artista era vítima de bullying nas redes sociais, o que deixou fãs preocupados com sua segurança nas últimas semanas.

Kimura participou da temporada atual de Terrace House, disponível na Netflix. No reality, seis pessoas diferentes são colocadas para viver juntas em uma casa. A lutadora entrou para o programa no episódio 20 da temporada recente, “Três Flores”, em que conhece os demais participantes.

Startup Globe que aluga apartamentos por hora explode na quarentena

Disponível apenas nos EUA, Globe ganha espaço com usuários que precisam ficar uma ou duas horas longe da família ou do colega de apartamento – e não se importam em pagar por isso
Por Katherine Rosman – The New York Times

Globe, startup que permite alugar quarto por hora, faz sucesso na quarentena

Há muitas marcas que estão se dando bem com o novo “estilo de vida” da quarentena. A Netflix é uma delas. Serviços de entrega de refeições também. Mas existe uma, nos Estados Unidos, da qual muita gente ainda não ouviu falar: a Globe. Seu público-alvo são todas aquelas pessoas que estão cansadas das pessoas com as quais vivem. Criada em junho do ano passado por Emmanuel Banfo, de 30 anos, e Eric Xu, de 36 anos, o Globe é uma versão “diária, paga por hora” do Airbnb

O Globe é para quem não consegue mais, no meio deste período de isolamento social, passar um segundo sequer ouvindo as “piadas corporativas” do marido numa reunião do Zoom. Ou não aguenta mais o colega de apartamento fazendo barulho ao comer cereal. 

Todos precisam de pausas – e como não dá para ir para o trabalho, um espaço de coworking ou a um café, é possível alugar uma sala no Globe. Ou um apartamento inteiro, de uma vez, por algumas horas. Não é possível passar a noite em nenhum desses locais e, por conta do coronavírus, o usuário tem de mandar uma foto para mostrar que não está com febre. “Em um período em que as pessoas estão à beira de um ataque, uma vez que ninguém imaginou que ficaríamos tanto tempo juntos, nós damos um alívio às pessoas”, diz Bamfo. 

Foi o caso de Brittney Gwynn, de 32 anos, que está em quarentena com seu namorado no Brooklyn. “Nosso amor é sem limites, mas estamos passando tempo demais juntos e estávamos sempre numa pilha de nervos”, disse ela. Gerente de projetos de uma empresa de arte online, ela descobriu o Globe no ano passado, quando buscava um local para uma festa luxuosa com colegas de trabalho. 

Durante a quarentena, ela prestou bastante atenção até ver se algum apartamento próximo se tornava disponível – e não hesitou em alugar um espaço por US$ 100 por apenas duas horas. “Trouxe meus lenços antibactericidas. Limpei a mesa e a maçaneta, o interruptor de luz e qualquer área do apartamento em que estive”, disse ela. Enquanto esteve no apartamento, fez uma conferência do trabalho por 45 minutos. Depois relaxou por mais uma hora. 

Antes do Globe, Emmanuel Bamfo já havia tentando um negócio na área de aluguel de “curtissimo prazo”. Ele e dois amigos da Universidade de Washington tinham criado o Recharge, uma startup que ligava profissionais que faziam bicos com quartos de hotéis vazios. A ideia era que essas pessoas – motoristas de aplicativo, entregadores – pudessem tirar um cochilo ou tomar um banho nos quartos, quando estivessem longe de casa. A ideia era boa, mas os funcionários de hotéis protestaram por ter de limpar os quartos muitas vezes. 

Bamfo, então, decidiu expandir o conceito para qualquer pessoa que precisasse de um lugar para relaxar. Na outra ponta, qualquer pessoa que quisesse ganhar uma grana com suas casas. E se juntou com outro amigo dos tempos de faculdade, Eric Xu, que trabalhava como engenheiro no Reddit. Em seus primeiros meses, o Globe ia bem: havia oferta e demanda, mas faltava descobrir como o negócio poderia escalar. E aí veio o coronavírus

Hoje, o Globe tem 5,5 mil anfitriões e 10 mil usuários que têm acesso às ofertas. Enquanto isso, mais de 100 mil pessoas esperam por uma chance de se tornar usuário da plataforma, disse Bamfo. Destes, 20 mil fizeram o pedido desde o início de março. Segundo a empresa, seu maior problema agora é que há poucas empresas colocando suas casas e apartamentos à disposição para estranhos, no meio de uma pandemia.

Funcionário de uma startup em San Francisco, Abe Disu, de 24 anos, é um dos anfitriões do Globe. Ele já alugou sua casa cerca de 70 vezes entre agosto de 2019 e abril deste ano, ganhando cerca de US$ 50 por hora, já descontados os custos de limpeza. Em março, ele recebeu um kit com máscaras, luvas, álcool em gel e termômetros para os usuários do serviço mostrarem que não estavam com o coronavírus. Ele chegou a alugar o espaço duas vezes. Mas, conforme também teve de trabalhar em sua casa, ele parou de oferecê-la. “O tempo que não estou em casa ficou bem limitado”, disse. 

Agora, o Globe espera atrair mais gente como Matt Earnest, de 37 anos, que gerenciava propriedades na região de São Francisco. Ele costumava oferecê-las em sites como o Airbnb, mas passou a negar turistas por medo de contágio. No entanto, ele acredita que pessoas locais, usando os lugares por duas ou três horas, oferecem menos risco. “Quero ser responsável e esse tem sido um jeito útil de complementar a renda perdida”, disse. 

Em abril, ele teve seis agendamentos, faturando entre US$ 100 e US$ 150. Entre os usuários, havia uma mulher cujo namorado tinha sido demitido – ela não se sentia confortável fazendo chamadas de negócio na frente dele. E um homem que queria um lugar melhor que a sua casa para fazer uma reunião profissional via Zoom. “Aqui em São Francisco, muita gente tem quatro ou cinco colegas de apartamento. E é fácil um lugar desses virar um chiqueiro quanto todos estão trabalhando de casa”, disse Earnest. 

Oliver Page, de 27 anos, usou o Globe pela primeira vez em abril, depois de esperar por um lugar por dois meses. Empreendedor de Miami, Page disse que precisava de uma pausa de seu primo. “Somos sócios, dividimos um apartamento… é quase como se fôssemos um casal do coronavírus agora”, disse. Quando um apartamento em seu condomínio apareceu no app, ele gastou US$ 75 para ficar uma hora e meio sozinho. “Fiz algumas chamadas e adorei ter um tempo só pra mim. Estar dentro de casa com alguém é um pouco chato, né?” / TRADUÇÃO DE BRUNO CAPELAS