Oito pequenas marcas de joias ou bijoux que você precisa conhecer

Confira uma seleção de produtores brasileiros que criam peças autorais e cheias de personalidade
VÍVIAN SOTOCÓRNO

Colar de latão com banho de ouro 24K e acabamento em ouro vintage, Paula Marques (R$ 670) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação/ Colagem: Julia Filgueiras)

Paula Marques (@paulamarques1971)
Ex-braço direito de Clô Orozco na Huis Clos (grife da qual ela chegou a assumir a direção criativa após a morte da estilista), Paula Marques ficou conhecida pelas peças que misturam referências arquitetônicas a materiais de pegada industrial como parafusos e juntas metálicas. Agora, tem olhado mais para a natureza, como no colar com formas orgânicas e texturizadas que remetem a conchas e arabescos.

Colar de madrepérola, Arqvo (R$ 325) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação)
Colar de madrepérola, Arqvo (R$ 325) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação)

Arqvo (@arqvo_)
Criada há pouco mais de um ano, a marca já emplacou dois grandes hits entre a turma paulistana: os brincos descombinados de conchas e pérolas barrocas, que se esgotaram rapidamente no Shop2gether, e um brinco inspirado em rede de pesca no qual pérolas parecem flutuar ao redor do rosto de quem o usa. “Gosto de trabalhar com assimetrias para transmitir a ideia de que o imperfeito é bonito”, conta a designer Camila Alves, ex-integrante da equipe de estilo da Lool.Promote health. Save lives. Serve the vulnerable. Visit who.int

Colar de porcelana modelada e esmaltada à mão e elos de prata com banho de ouro, Paola de Orleans e Bragança (R$ 1.300) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação)
Colar de porcelana modelada e esmaltada à mão e elos de prata com banho de ouro, Paola de Orleans e Bragança (R$ 1.300) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação)

Paola de Orleans e Bragança (@paolaorleansebraganca)
“O trabalho manual transformou minha vida, me fez perceber a importância de criar métodos e processos mais sustentáveis”, conta a designer sobre as joias de porcelana que vem criando há dois anos. As peças, que não seguem coleções e ganham pintura com esmalte ou aplicação de pedras preciosas, são minuciosamente desenvolvidas e levam mais de uma semana para serem finalizadas.

Brincos de prata com banho de ouro e ametista, bordado à mão com fios de algodão egípcio, Maria Frering (R$ 3.900) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação)
Brincos de prata com banho de ouro e ametista, bordado à mão com fios de algodão egípcio, Maria Frering (R$ 3.900) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação)

Maria Frering (@mariafrering_jewelry)
Foram meses de estudo para chegar à técnica de bordados em ponto-cruz sobre o metal que é a assinatura da marca de Maria – e que hoje são desenvolvidos por mulheres treinadas por ela através da COOPA-ROCA, negócio social que integra e capacita artesãs têxteis de baixa renda em cidades do Rio de Janeiro. Pedras brasileiras complementam as joias com exuberante explosão de cores, que já ganharam trunkshow no Moda Operandi.

Brincos Olga, de prata com banho de ouro, Paola Vilas (R$ 1.380) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação)
Brincos Olga, de prata com banho de ouro, Paola Vilas (R$ 1.380) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação)

Paola Vilas (@paolavilas)
Tão delicioso quanto admirar as joias da designer é mergulhar em todo o seu universo completamente artsy, que passa por sua maneira de se vestir e até de cozinhar e pela casa-conceito da marca recém-inaugurada nos Jardins, em São Paulo. As peças, à venda lá fora no Net-A-Porter e no Moda Operandi, são praticamente mini esculturas surrealistas, caso do brinco hit que homenageia Olga Picasso.

Brincos de prata com banho de ouro e vidro reciclado, Aluf (a partir de R$ 622 a unidade)  (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação/ Colagem: Julia Filgueiras)
Brincos de prata com banho de ouro e vidro reciclado, Aluf (a partir de R$ 622 a unidade) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação/ Colagem: Julia Filgueiras)

Aluf (@aluf___)
Foi ainda durante a faculdade de moda, em 2017, que a estilista Ana Luisa Fernandes começou a fazer experimentos com porcelana, material-base das primeiras joias da Aluf, que acabaramficando conhecidas antes mesmo das roupas da marca. “Me empenho na busca por matérias-primas únicas, não começo desenhando a forma, e sim estudando um novo material”, conta ela, que agora vem trabalhando com vidro reciclado (caso dos brincos ao lado). “A inovação que está ocorrendo no mercado de moda neste momento, com a valorização do propósito e da sustentabilidade, se deve muito aos pequenos produtores.”

Colar com aplicação de pedras naturais (citrino, fluorita, ametista e quartzo de cristal) sob resina com banho de ouro, Annaka (R$ 1.180) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação)
Colar com aplicação de pedras naturais (citrino, fluorita, ametista e quartzo de cristal) sob resina com banho de ouro, Annaka (R$ 1.180) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação)

Annaka (@annakarinalins)
Durante anos, o ateliê de Anna Karina Lins, na Gávea, foi uma espécie de segredo bem guardado entre as fashionistas cariocas, que buscavam ali o trabalho autoral da joalheira acostumada a desenhar bijoux para marcas como Andrea Marques, Printing e Eva. Ex-visual merchandising (ela já foi responsável pela loja de Karl Lagerfeld na Rue Saint-Honoré, em Paris), Anna Karina foi uma das pioneiras em moldar acrílico à mão no Brasil. “Enquanto grandes grifes precisam se preocupar em agradar a maior quantidade de pessoas possíveis, os pequenos produtores podem se arriscar mais.

Brincos pintados por Maíra Senise com acrílica e esmalte de unha sobre metal e resina, Gansho (R$ 1.300) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação)
Brincos pintados por Maíra Senise com acrílica e esmalte de unha sobre metal e resina, Gansho (R$ 1.300) (Foto: Daniel Geller, Nathalie Bohm e Divulgação)

Gansho (@gan.sho)
Prestes a ganhar e-commerce próprio, a label de Fernanda Rabello levou o termo “joias artsy” a outro nível ao convocar artistas plásticos brasileiros para criarem as mini obras que protagonizam os brincos e pingentes da série Mini e uma noites – a peça ao lado, por exemplo, foi pintada por Maíra Senise, filha de Daniel Senise. “A piração em materiais, o trabalho artesanal e o bom humor são o mais especial da minha marca”, conta Fernanda, que no momento faz experimentos com vidro, resina, matérias orgânicas, água e cristal – aguardemos!

Colaborou: Giovanna Gama

Conheça o novo escritório minimalista da Takeda em Lodz, na Polônia

A empresa farmacêutica global Takeda contratou a empresa de design de interiores The Design Group para projetar seu novo escritório em Lodz, na Polônia.

takeda-lodz-office-9
Open office

“Um elemento distintivo do escritório são as divisórias pretas dos vidros que lembram o interior de uma casa tradicional japonesa. Os materiais de acabamento cinza e branco correspondem à simplicidade do pressuposto, enquanto os sistemas visíveis pintados em branco superam levemente a elegância minimalista, referindo-se às tendências contemporâneas dos interiores industriais ”, afirma The Design Group.

  • Location: Lodz, Poland
  • Date completed: 2017
  • Size: 10,763 square feet
  • Design: The Design Group
takeda-lodz-office-1
Reception
takeda-lodz-office-2
Meeting room
takeda-lodz-office-3
Meeting room
takeda-lodz-office-4
Open office
takeda-lodz-office-5
Kitchen
takeda-lodz-office-6
Kitchen
takeda-lodz-office-7
Kitchen
takeda-lodz-office-8
Hallway
takeda-lodz-office-10
Kitchen
takeda-lodz-office-11
Phone booth

Fashion news: as novidades da semana

De looks Gucci para o jogo virtual Tennis Clash a um projeto colaborativo de vitrines da Louis Vuitton, atualize-se a seguir
GIOVANNA GAMA

Malwee (Foto: Divulgação)

Malwee e outras 154 empresas assinam pacto com a ONU
Após assinar o Pacto Global da Organização das Nações Unidas em prol do clima em outubro passado, a Malwee reforça seu compromisso com a ONU, e assina novo pacto mundial. O foco desta vez será a retomada econômica pós Covid-19 e como os governos incluirão medidas de combate às mudanças climáticas. No novo comunicado, assinado por 154 empresas de todo o mundo, pedem medidas para assegurar seus objetivos de sustentabilidade antes de 2050. 

 (Foto:  )
Gucci Open (Foto: Divulgação)

Gucci lança looks para o jogo Tennis Clash, da Wildlife
Gucci Open é o nome da novidade da grife italiana, que acaba de anunciar a sua parceria com o jogo Tennis Clash, criado pela Wildlife. No game de tênis vitural, jogadores poderão encontrar, a partir do dia 18 de junho, looks exclusivos da Gucci. Os outfits incluem roupas, chapéus, meias e sapatos, e durante os torneios será possível acessar o site da marca, para comprar os itens em versão “real”.

 (Foto:  )
Lady Dior (Foto: Divulgação)

Clássicos da Dior ganham novas roupagens
A Dior acaba de lançar novas versões das suas três bolsas icônicas: a Lady Dior, a Saddle e a Diorama. Após o look ultra-fosco preto, as queridinhas da grife francesa ganham versões na mesma textura “mate”, porém em outras cores como cinza, azul índigo, vermelho cereja, cru e laranja.

 (Foto:  )
Vitrine da Louis Vuitton em Paris (Foto: Divulgação)

Louis Vuitton lança projeto colaborativo de vitrines
A Louis Vuitton convidou funcionários e colaboradores, junto com os seus seus filhos para participar da concepção criativa das vitrines da maison. A iniciativa, batizada “The Rainbow Project” incentivou os participantes a criarem, de forma colaborativa, suas próprias versões de um arco-íris. Cada cidade selecionou contribuições locais para decorarem as fachadas da marca pelo mundo.

 (Foto:  )
Strap New Light da Schutz (Foto: Divulgação)

Schutz inaugura loja temporária digital
A Schutz lança a Sneaker Pop Up Store. 100% digital, o projeto foca em entregas programadas e drops semanais com modelos de sneakers novos todas as quintas-feiras. Entre os produtos estão kits de cadarços, charms e pins para criar um sapato personalizado. O primeiro modelo a ser lançado é o Strap New Light, já disponível no e-commerce da marca, que tem entrega para todo o Brasil. 

 (Foto:  )
Brinco da coleção Blossom de Jack Vartanian (Foto: Divulgação)

Jack Vartanian lança peças com pedras únicas do acervo da marca
Jack Vartanian lança a sua nova coleção, Blossom, inspirada pelo recomeço e pela flora de Campos de Jordão – especialmente a flor Brinco de Princesa. Além dos seus tradicionais banhos em ródio e em ouro 18k, tem também peças em banhos únicos nas cores rosa e verde (o segundo também e conhecido como green lacquer), e com pedras únicas do acervo da marca. 

Afetado pela crise, Ebanx demite 62 funcionários

‘Unicórnio’ de Curitiba disse que vários de seus parceiros foram afetados pela crise do coronavírus, o que se refletiu na empresa

Ebanx fez demissões por causa do coronavírus 

primeira crise das startups brasileiras bateu à porta de outro importante nome do ecossistema nacional. A curitibana Ebanx, que processa transações financeiras digitais, anunciou que no último dia 18 de maio desligou 62 de sua equipe de 780 funcionários.

“Começamos 2020 prontos para um ano de crescimento e novos projetos, mas a crise da covid-19 também se refletiu no Ebanx. Vários dos nossos clientes foram impactados”, afirmou a empresa em nota. Alguns dos parceiros da empresa estão Airbnb e Uber. A primeira já anunciou corte de 25% nos funcionários em todo o mundo, enquanto o Uber revelou na terça, 26, que demitiu 150 pessoas no Brasil dentro seu pacote global de cortes.   

O Ebanx é um dos 11 unicórnos brasileiros, empresas com avaliação de mercado acima de US$ 1 bilhão, e não é o único afetado no seleto grupo. QuintoAndarLoggi, Gympass e Stone já haviam feito cortes nos últimos meses. Além deles, entre outros nomes afetados pelo coronavírus estão os bancos digitais Neon e C6 Bank e as startups mineiras MaxMilhas e RockContent. Já a americana Eventbrite, de eventos, fechou suas portas no Brasil. 

O Ebanx afirmou que dará auxílio financeiro e extensão do plano de saúde e dos vales alimentação/refeição, além de manter e um programa de recolocação.

Um olhar sobre o novo escritório da Pernod Ricard em Hong Kong

A empresa francesa de bebidas Pernod Ricard recentemente encarregou a empresa de arquitetura e design de interiores M Moser Associates de projetar seu novo escritório em Hong Kong.

pernod-ricard-hong-kong-office-3
Communal space

“Apesar de estar no negócio de vender” momentos de convívio “, o escritório anterior da Pernod Ricard dificultava a comunicação entre departamentos e as interações sociais, deixando amplo espaço para melhorias para que os departamentos antes isolados se conectassem.

Projetamos o escritório da perspectiva dos clientes e funcionários da Pernod Ricard para facilitar conexões humanas significativas, com a frente da casa como o auge de todas as celebrações. Essa abordagem ajudou a criar um ambiente de trabalho que fala espacialmente com a cultura de convívio da empresa e gera orgulho em receber convidados e eventos internamente, em vez de locais de terceiros. O bar em pé no núcleo da frente da casa exibe um ambiente casual e sofisticado sem sair muito pretensioso; uma cutucada nos valores da empresa de promover relacionamentos simples, abertos e diretos. Uma sala de treinamento nas proximidades usa portas acústicas deslizantes, para proporcionar um ambiente silencioso para compartilhamento de aprendizado e conhecimento quando fechado, e nutrir uma comunidade animada e conectada com o resto da frente da casa quando totalmente aberta. As oportunidades de conexão são estendidas por todo o restante do local de trabalho com uma variedade de zonas abertas e colaborativas; uma melhoria dramática que conduz uma transformação cultural holística em toda a organização. Dirigindo grande parte da inspiração do projeto, os valores da empresa de incutir “convívio no trabalho” melhoram a eficiência e maximizam as chances de encontros espontâneos entre os funcionários.

Conectando pessoas com as marcas Pernod Ricard
Com um portfólio de produtos premium de renome mundial, um dos nossos principais objetivos era incorporar elementos visuais de algumas das marcas mais icônicas da Pernod Ricard em seus espaços de reuniões com padrões e decorações distintos, mantendo sutileza consistente em homenagem à natureza modesta da empresa. Cores, iluminação ajustada, móveis e acessórios são integrados e organizados em cada sala de reunião para ajustar a identidade única de uma determinada marca e atender às necessidades de seus ocupantes.

Inspirada na necessidade mais essencial do setor de hospitalidade de fazer com que seus hóspedes se sintam bem-vindos no momento em que entram, a Pernod Ricard queria que seu novo escritório oferecesse opções e imbuísse uma sensação de familiaridade e conforto desde o início. A saúde e o bem-estar são priorizados pela localização de todas as salas de reunião em torno do núcleo da planta baixa, infundindo, assim, os hubs sociais e áreas de trabalho com a máxima luz do dia. As configurações flexíveis, incluindo mesas de apoio, equipamentos de ginástica e ioga, bem como paredes verdes e outras biofilia colocadas com tato ao redor do escritório, contribuem para um ambiente saudável, onde os funcionários se sentem engajados e cuidados ”, diz M Moser Associates.

  • Location: Hong Kong
  • Date completed: 2020
  • Size: 20,000 square feet
  • Design: M Moser Associates
  • Photos: Harold de Puymorin
pernod-ricard-hong-kong-office-1
Corridor
pernod-ricard-hong-kong-office-2
Communal space
pernod-ricard-hong-kong-office-4
Breakout space
pernod-ricard-hong-kong-office-5
Communal space / relax zone
pernod-ricard-hong-kong-office-6
Bar / seating area
pernod-ricard-hong-kong-office-7
Communal space
pernod-ricard-hong-kong-office-8
Meeting space
pernod-ricard-hong-kong-office-9
Hotdesk
pernod-ricard-hong-kong-office-10
Collaborative space
pernod-ricard-hong-kong-office-11
Meeting room
pernod-ricard-hong-kong-office-12
Conference room
pernod-ricard-hong-kong-office-13
Hotdesk
pernod-ricard-hong-kong-office-14
Working pod
pernod-ricard-hong-kong-office-15
Workstations
pernod-ricard-hong-kong-office-18
Conference room

Converse Pride 2020 Collection

The Converse Pride Collection está embarcando em seu aniversário de cinco anos comemorando o Orgulho. A marca doou mais de US $ 1.000.000 em apoio a organizações LGBTQIA + locais e globais, com a coleção deste ano beneficiando o projeto It Gets Better [IGBP], Ali Forney Center, BAGLY e OUT

O poder da inclusão através de uma variedade de perspectivas leva à coleção Converse Pride deste ano, que contém uma variedade de tênis Chuck 70 e Chuck Taylor All Star inspirados na bandeira More Color, More Pride. A plataforma de personalização Converse By You oferece opções de design que refletem essa inclusividade e são inspiradas em sinalizadores bissexuais, pansexuais, não binários e transgêneros.

“Quando expandimos nossa compreensão de um conceito, neste exemplo, a Pride, oferecemos muito mais espaço para todos os outros”, diz Amber Hikes, ativista dos direitos civis que concebeu a distribuição em 2017.

The Converse Pride Collection lançado globalmente 29 de maio em converse.com.

Kevin Rinaldo Exclusively for Fashion Editorials with Laura Gavrilenko

Photographer: Kevin Rinaldo at RHK Studio. Beauty: Clotilde Puvis de Chavannes. Model: Laura Gavrilenko.

Impulsionados pela Apple, fones de ouvido sem fio têm explosão de vendas

Categoria teve alta de 68,3% em relação ao primeiro trimestre de 2020; Xiaomi turbinou as vendas de pulseiras conectadas

AirPods turbinaram vendas de vestíveis

Apesar dos impactos causados no mundo da tecnologia causados pelo coronavírus, a categoria de vestíveis, que inclue pulseiras, relógios e fones sem fio, registrou alta de vendas em todo o mundo no primeiro trimestre do ano. O destaque fica por conta das vendas de fones de ouvido sem fio, como os AirPods, da Apple.

Segundo os dados divulgados pela consultoria IDC nesta quinta, 28, as vendas cresceram 68,3% no primeiro trimestre de 2020 em comparação ao mesmo período do ano passado. Além disso, os fones corresponderam a 54,9% de todo o mercado de vestíveis. Com 29,3% do mercado, a Apple foi a principal empresa do segmento. Ainda assim, diz a pesquisa, a fabricante viu declínio nas vendas do Apple Watch, o que foi compensado pela alta nos números dos AirPods e dos dispositivos da Beats, marca de fones comprada pela companhia em 2014.   

A categoria de pulseiras e relógios, nota o estudo, foi impulsionada pelas chinesas Xiaomi e Huawei, que mantém políticas agressivas de preço para a categoria: o crescimento foi de 16,2%. Com 14%, a Xiaomi foi a segunda empresa no mercado geral de vestíveis. A Samsung ficou em terceiro, com 11,9%, e a Huawei em quarto, com 11,1%. 

“A categoria de fones foi resiliente às pressões causadas pela covid-19”, afirmou em Jiteshi Ubrani, pesquisador da IDC. Segundo ele, os consumidores procuraram pelo produtos não apenas para escutar música, mas para aumentar a produtividade durante o período de home-office.  

Andreas Ortner for Vogue Portugal with Nina K

Photography: Andreas Ortner. Styling: Elke Dostal. Hair & Makeup: Uli Wissel. Model Nina K.