O Dr. House de Paris na série ‘Balthazar’

Cena de ‘Balthazar’ (Foto: Divulgação)

O seriemaníaco raiz reconhecerá de cara Tomer Sisley, o protagonista de “Balthazar”. O ator franco-israelense teve um papel de destaque em “Messias”, série lançada pela Netflix no início do ano. Nessa outra trama (no iTunes), ele vive um médico legista com talento acima da média e um dom: é capaz de se comunicar com os mortos.

Raphaël Balthazar trabalha na polícia de Paris, encara casos difíceis e sempre enxerga nos enigmas algum ponto de vista que passou despercebido para seus colegas. É uma espécie de dr. House do Instituto Médico Legal. O perfil do personagem já diz muito dessa produção: ela reúne truques manjados de formatos conhecidos. Mas faz isso com eficiência e merece a sua atenção. Não foi à toa que as duas temporadas de dez episódios fizeram sucesso na França e acabaram vendidas para a televisão americana.

Cada capítulo conta uma aventura que se esgota ao fim de quase uma hora com a solução do crime. Na estreia, o protagonista se une à inspetora-chefe Hélène Bach (Hélène de Fougerolles) para solucionar um caso de duplo assassinato. A história tem um arco maior: Balthazar é viúvo e nunca esqueceu a mulher. O assassinato dela, mais de uma década antes, não foi esclarecido. Ele conversa com Lise (Pauline Cheviller), que aparece na sua casa com frequência. Adora cozinhar e tecer comentários sobre comida. Além disso, é um sedutor adepto do sexo casual. Não chega a ser um exemplo de roteiro criativo, mas envolve.

Gucci troca passarela por fotos e vídeo de estilistas criando peças ao vivo

A transmissão ao vivo da sessão de fotos no palácio de estuque do século 16 começou às 8h e mostrou a equipe vestindo os estilistas da marca como se fossem modelos, muitos com máscaras e visores
Silvia Aloisi, Reuters

Em um segmento de 20 minutos para exibir a nova coleção, a Gucci apresentou retratos dos estilistas vestindo as peças que criaram para a ‘Epilogue’, que pretende transcender estações e gêneros e deve chegar às lojas no outono europeu. Foto: MARK PECKMEZIAN /GUCCI

MILÃO – A Gucci trocou a passarela pelo lançamento de sua nova coleção Epilogue nesta sexta-feira com fotos de seus estilistas modelando suas criações e uma transmissão de 12 horas ao vivo da gravação de sua campanha em um palácio resplandecente de Roma.

Como as medidas de distanciamento social e as restrições de viagem impedem que modelos e convidados estrangeiros cheguem de avião, a pandemia de coronavírus obrigou grifes de ponta a descartarem o formato tradicional dos desfiles de moda.

O diretor de criação Alessandro Michele, que assumiu o comando da Gucci em 2015, disse que o evento desta sexta-feira foi o último de uma série em três partes que se concentrou na fabricação das roupas e no trabalho de bastidores que entra em uma coleção de moda.

A transmissão ao vivo da sessão de fotos no palácio de estuque do século 16 começou às 8h e mostrou a equipe vestindo os estilistas da marca como se fossem modelos, muitos com máscaras e visores.

Em um segmento de 20 minutos para exibir a nova coleção, a Gucci apresentou retratos dos estilistas vestindo as peças que criaram para a ‘Epilogue’, que pretende transcender estações e gêneros e deve chegar às lojas no outono europeu.

Os vestidos extravagantes e floridos de Michele, o uso de cores ousadas e um aceno aos anos 1970 ajudaram a transformar a Gucci, parte do grupo francês Kering, em uma das grifes que cresceram mais rápido nos últimos anos.

A apresentação foi parte de um jornada que “quer gerar um questionamento das regras, dos papéis e das funções que mantém o mundo da moda em funcionamento”, disse Michele em um comunicado.

Os melhores plug-ins VST EQ 2020: os melhores equalizadores para o seu DAW

Por Ronan Macdonald

Juntamente com o compressor , o equalizador é um dos dois plugins mais importantes na caixa de ferramentas DAW do produtor / engenheiro .

De fato, não é exagero sugerir que praticamente todos os canais de cada mix devem ter um EQ inserido quase como uma questão de naturalidade, pois o equilíbrio de frequências entre os constituintes sônicos de qualquer faixa – tanto díspares quanto relacionados – é absolutamente parte fundamental do processo de mistura.

Felizmente, então, o mercado de software está repleto de plugins EQ incríveis, com preços em todos os lugares, de graça a centenas de libras. E enquanto as unidades de equalização de hardware são funcionalmente restritas pelas leis da fisicalidade e das considerações de custo, seus sucessores de software não conhecem tais limites tecnológicos.

Um exemplo é o aumento revolucionário dos plug-ins dinâmicos e automáticos de equalização nos últimos anos, aplicando cortes e aprimoramentos em resposta ao nível de volume da faixa de frequência alvo e levando-nos a um passo mais perto do controverso sonho da IA- mistura acionada, respectivamente.

Independentemente do tipo de música que você produz, dedicar algum tempo para encontrar um plug-in de equalização que atenda às suas necessidades e fluxo de trabalho é algo que simplesmente precisa ser feito, para levá-lo à frente da curva (resposta), aqui temos arredondamos o que consideramos serem oito dos melhores exemplos disponíveis hoje.

Talvez valha a pena notar que, conscientemente, evitamos incluir qualquer um dos clássicos antigos que geralmente aparecem em listas semelhantes, optando por focar em projetos mais avançados e progressivos.

As duas emulações de hardware que fizeram o corte são comparativamente modernas e, poderíamos argumentar, ficam perfeitamente à vontade entre uma empresa indiscutível da próxima geração – mas nada disso significa que todos esses Pultecs, Manleys e SSLs bem estabelecidos ainda não são tão desejáveis ​​como sempre.

Os melhores plugins VST EQ 2020

1. FabFilter Pro-Q 3

Mac / PC | VST / AU / AAX £ 134

Tendo se tornado um padrão do setor na última década, o equalizador abrangente, mas acessível, do FabFilter alcançou novos patamares com o lançamento da v3 em 2019.

O Pro-Q 3 foi adicionado ao que já era um equalizador admirável, flexível e soberbo, com um punhado de novos recursos bem-vindos, as manchetes sendo o modo Dinâmico e as opções intermediárias em cada uma de suas 24 bandas e a capacidade de visualizar os analisadores de espectro para todas as instâncias em execução do plug-in em cada uma, facilitando a identificação de problemas de mascaramento.

Se pudéssemos ter apenas um EQ em nosso armário, provavelmente seria esse.

Leia FabFilter Pro-Q 3 avaliação

2. oeksound soothe2

Mac / PC | VST / AU / AAX £ 179

Rapidamente se tornando tão onipresente quanto o Pro-Q 3, o “supressor de ressonância dinâmica” da oeksound usa processamento espectral para detectar aspereza e desagradabilidade frequencial geral no sinal da fonte e, em seguida, neutraliza-o automaticamente, anotando-o em tempo real.

A versão 2 introduziu o modo Soft, tornando as tolerâncias e os intervalos de ajuste menos extremos para facilitar o fluxo de trabalho; cobertura total da faixa de frequência de 20Hz a 20kHz; muito mais em termos de parâmetros de banda de EQ; e controles de envelope para ajustar a resposta global.

Único na abordagem do equalizador dinâmico e milagroso na capacidade de aprimorar instrumentos, barramentos e mixagens, o soothe2 é uma tentativa obrigatória.

Leia mais sobre Oeksound Soothe 2

3. Kush Audio Clariphonic DSP MkII

Mac / PC | VST / AU / AAX $ 199

Uma emulação codificada com rapidez do fabuloso hardware de montagem em rack de Kush, o Clariphonic DSP MkII é inteiramente dedicado ao aprimoramento de altas frequências.

Cada um de seus dois canais (configurável como Dual Mono, Estéreo ou Mid-Side) abriga dois módulos de EQ somente de reforço: Foco e Clareza. O foco pode operar como uma campainha larga ou EQ nas prateleiras nas 800Hz ou 3kHz, enquanto o Clarity oferece um impulso nas prateleiras nas 4, 8, 18 ou 34kHz.

O sistema de seleção acionado por switch é um pouco ensangüentado ao espelhar o hardware original, mas a bela transformação de ponta que esse plug-in peculiar traz para a mesa de mixagem e masterização deve ser ouvida para se acreditar.

Leia a Kush Audio Clariphonic DSP MkII revisão

4. Sound Radix SurferEQ 2

Mac / PC | VST / AU / AAX / RTAS | $ 199

Enquanto os equalizadores dinâmicos ajustam automaticamente seus ganhos de filtro em resposta à amplitude do sinal recebido, o SurferEQ 2 rastreia o tom de um sinal de entrada monofônico e muda as frequências de seus filtros para cima e para baixo para manter um corte ou aumento consistente de notas específicas à medida que a melodia progride.

É uma coisa muito inteligente, e a adição de entrada MIDI triggering e sidechain (permitindo que uma fonte ‘surfe’ o EQ aplicado a outra) na v2 abordou nossos únicos problemas importantes com o lançamento original, enquanto a função Spectral Gate trouxe uma dinâmica baseada em ângulo em jogo. 

Nicho, certamente, mas nenhum outro EQ pode fazer o que o SurferEQ 2 pode fazer.

Leia Sound Radix SurferEQ 2 avaliação

5. Eiosis AirEQ Premium

Mac / PC | VST / AU / AAX $ 79

Este plugin extremamente elegante do desenvolvedor francês Eiosis soa tão bem quanto qualquer EQ – hardware ou software – que já ouvimos, e é abençoado com uma variedade de controles especializados que lhe conferem personalidade própria.

As sete bandas principais são incrivelmente versáteis, com processamento independente dos canais esquerdo / direito ou médio / lateral, e as opções Bell, Steep Bell e Shelf. No entanto, o controle deslizante Fire / Water Character e as faixas extras Earth / Air são as pièces de résistance, as primeiras a influenciar a resposta geral, e Earth and Air são maravilhosamente eficazes prateleiras ultra-altas e baixas.

Elegante, poderoso e surpreendentemente acessível.

Leia a revisão do Eiosis AirEQ

6. Teoria Sonora Gullfoss

Mac / PC | VST / AU / AAX £ 150

Outro ‘EQ automático’ altamente individual, o Gullfoss (nomeado após uma cachoeira na Islândia) é completamente desconcertante à primeira vista, com seus estranhos controles ‘Recuperar’, ‘Domesticar’ e ‘Viés’. 

Porém, quando você pensa no conceito de equilíbrio dominante / dominado, ele se mostra bastante intuitivo e rapidamente se torna um solucionador de problemas. 

Atualizando sua curva de resposta em frequência 300 vezes por segundo e aplicando de forma inteligente um “modelo de percepção auditiva computacional” proprietário que ‘saiba’ quais sons devem ser suprimidos ou enfatizados, a transparência com a qual suaviza e melhora tudo, de instrumentos únicos a mixagens completas, é surpreendente.

Leia a revisão do Soundtheory Gullfoss

7. Universal Audio EQ4

Mac / PC | VST / AU / AAX £ 175

Uma das joias da coroa do fabricante de hardware de estúdio Mäag Audio, em Utah, o EQ4 em formato de lancheira ocupa um assento na, er, mesa superior dos sistemas de equalização – e a emulação da Universal Audio o coloca nas mãos virtuais do UAD-2 e proprietários de sistemas Apollo por uma fração do preço real.

Cinco bandas de frequência fixa (10Hz, 40Hz, 160Hz, 650Hz e 2.5kHz) oferecem até + 15 / -4,5dB de corte ou reforço cada uma, enquanto a lendária banda Air disca até 20dB de reforço em 2,5, 5, 10 , 20 ou 40 kHz.

Ridiculamente fácil de usar e positivamente transcendental em seu levantamento de alta frequência, o Mäag EQ4 é um clássico moderno.

Leia Universal Audio Mäag EQ4 avaliação

8. DMGAudio EQuilibrium

Mac / PC | VST / AU / AAX / RTAS | £ 175

Pode-se dizer que salvamos o melhor até o último, pois o plug-in flexível do DMG foi descrito em nossa revisão como “definitivamente revolucionário” e “absolutamente essencial”.

Um playground de construção modular, o EQuilibrium permite genuinamente a construção do equalizador dos seus sonhos, seja um modelo ‘musical’ de estilo vintage, um exemplo contemporâneo de alta precisão, uma configuração de masterização intensiva da CPU ou um híbrido dos três.

Podem ser criadas até 32 bandas, cada uma produzindo até 36dB de corte ou reforço; as rotas central e lateral são suportadas; e o modo de processamento FIR DSP permite mergulhar profundamente, ajustando a resposta da fase, o tamanho da janela e muito mais. Verdadeiramente extraordinário.

Leia a revisão do DMGAudio EQuilibrium

Fotógrafo Bas Uterwijk cria retratos de figuras históricas com inteligência artificial

George Washington, Napoleão Bonaparte e até a Estátua da Liberdade estão entre as figuras retratas em alta definição
POR RAFAEL BELÉM | FOTOS DIVULGAÇÃO

Fotógrafo cria retratos de figuras históricas com inteligência artificial (Foto: Getty Images/Bas Uterwijk)

Já imaginou como seria o rosto detalhado de figuras como Vincent van Gogh e Napoleão Bonaparte, ou ainda de esculturas históricas como a Estátua da Liberdade e o Davi, de Michelangelo? Foi isso que o fotógrafo Bas Uterwijk tentou desvendar em sua nova série de retratos hiper-realistas. Com ajuda da tecnologia, o artista criou imagens do tipo retrato que podem nos dar uma ideia de como algumas figuras históricas eram – ou poderiam ser. 

Usando um software chamado Artbreeder, Uterwijk consegue produzir novas imagens a partir de uma compilação de retratos antigos. Com o acervo em mãos, o programa é capaz de identificar características faciais comuns e originar uma nova imagem em alta resolução com qualidade de uma fotografia genuína. 

+ Conheça a primeira cadeira feita com inteligência artificial

Em seu Instagram, o artista de Amsterdã compartilha o resultado de seu trabalho, que já originou mais de 50 retratos. Algumas de suas criações apresentam pessoas reais, como Nicolau Maquiavel e Jesus Cristo. Outros são de personagens importantes, mas inventados, como Lady Liberty e a Moça com Brinco de Pérola, da famosa pintura de Johannes Vermeer.

Fotógrafo cria retratos de figuras históricas com inteligência artificial (Foto: Getty Images/Bas Uterwijk)
Vincent van Gogh (Foto: Getty Images/Bas Uterwijk)

Mas nem tudo é tecnologia: “O software tende a variar facilmente devido à sua natureza, portanto, para o último, às vezes preciso de alguns truques e métodos extras para conseguir o que quero”, explica o fotógrafo. Seus retratos precisam permanecer fiéis à pessoa original e a sua aparência, além de ter expressões que valem a pena ser observadas.

Confira mais obras de Bas Uterwijk:

Fotógrafo cria retratos de figuras históricas com inteligência artificial (Foto: Getty Images/Bas Uterwijk)
George Washington
Fotógrafo cria retratos de figuras históricas com inteligência artificial (Foto: Getty Images/Bas Uterwijk)
6600Napoleão Bonaparte
Fotógrafo cria retratos de figuras históricas com inteligência artificial (Foto: Bas Uterwijk)
Davi, de Michelangelo 
Fotógrafo cria retratos de figuras históricas com inteligência artificial (Foto: Bas Uterwijk)
Jesus Cristo

Soraya & Rodrigo for Cosmopolitan Spain with Flora Musy

Photography: Soraya & Rodrigo. Makeup: Kley Kafe. Hair: Patrizio Niccolai Model: Flora Arn at Trend Models.

Black joy: Dez filmes e séries que celebram a felicidade negra para assistir no fim de semana

As experiências de pessoas negras não se resumem ao sofrimento, enfoque de muitas produções audiovisuais. Por isso reunimos uma lista de filmes e séries, sobre temas diversos, com protagonismo negro

T’Challa (Chadwick Boseman) e Nakia (Lupita Nyong’o) no filme “Pantera Negra” Foto: Divulgação

A falta de representatividade de pessoas negras no audiovisual tem sido mais amplamente discutida nos últimos anos, assim como a participação de obras feitas ou protagonizadas por pessoas negras em grandes premiações, como o Oscar. Mesmo quando essa representação acontece, é muito comum vermos personagens que seguem certos estereótipos, ou narrativas que focam em temas como escravidão e racismo.

Trazer reflexões sobre esses aspectos é importante. No entanto, valorizar apenas enredos baseados no sofrimento de pessoas negras pode ser mais uma forma de apagamento. A representação da felicidade negra — que tem sido debatida nos Estados Unidos com o uso do termo black joy — também é considerada uma forma de resistência. Por isso, a baixa valorização ou repercussão de produções voltadas para essas narrativas vem sendo questionada.

Para quem busca opções de histórias diferentes, sem deixar de lado a representatividade, listamos dez filmes e séries recentes, com protagonismo negro, que não tem o sofrimento como enfoque. Vão desde aventuras sobre super-heróis, como “Pantera Negra”, até romances, como “A Fotografia”. Confira:

‘Pantera Negra’ (2018)

O longa conta a história de um super-herói nascido na fictícia nação africana de Wakanda, o príncipe T’Challa (Chadwick Boseman), ou Pantera Negra. Após a morte de seu pai, ele retorna para assumir o trono e garantir a segurança do local. No entanto, é desafiado por velhos inimigos. Ao mesmo tempo que o filme se inspira em antigas tradições africanas, Wakanda é uma nação altamente desenvolvida e tecnológica, remetendo ao movimento afrofuturista.


‘Um Crime Para Dois’ (2020)

O casal protagonista da comédia "Um Crime Para Dois" Foto: Divulgação
O casal protagonista da comédia “Um Crime Para Dois” Foto: Divulgação

Nessa comédia, o casal protagonista, interpretado por Issa Rae e Kumail Nanjiani, está passando por uma crise e pensa em terminar o relacionamento. A caminho de uma festa com amigos, estão discutindo mais uma vez, mas após um acidente eles se veem envolvidos em um assassinato. Com medo de serem vistos como suspeitos pela polícia, o casal decide investigar o caso por conta própria.


‘Grown-ish’ (2018 – atual)

A série "Grown-ish" conta a história da jovem Zoey, que está entrando na universidade Foto: Divulgação/Freeform
A série “Grown-ish” conta a história da jovem Zoey, que está entrando na universidade Foto: Divulgação/Freeform

A série, derivada de “Black-ish” — sitcom sobre uma família afro-americana — conta a trajetória da filha mais velha, a jovem Zoey (Yara Shahidi), que acaba de entrar em uma universidade para estudar Moda. A comédia adolescente acompanha a protagonista que está iniciando a vida adulta e aprende a lidar com os desafios da nova independência.


‘A Fotografia’ (2020)

Protagonistas do romance "A Fotografia" Foto: Divulgação
Protagonistas do romance “A Fotografia” Foto: Divulgação

Após a morte inesperada de sua mãe, uma famosa fotógrafa que dedicou a vida à profissão, Mae (Issa Rae) tenta superar a perda. Ao revirar alguns pertences antigos, ela encontra uma velha fotografia, com um amante do passado do qual nunca ouviu falar, e decide buscar mais informações. É quando Mae conhece Michael (Lakeith Stanfield), o jornalista que está escrevendo sobre a morte de sua mãe. O romance apresenta duas linhas do tempo diferentes, variando entre passado e presente.


‘Queen Sono’ (2020 – atual)

Para os fãs de histórias de espionagem, a série sul-africana  acompanha a trajetória da espiã Queen Sono (Pearl Thusi), que faz parte de uma organização secreta do governo. Em paralelo ao seu trabalho, ela tenta descobrir a verdade sobre a morte de sua mãe, uma ativista política que faleceu quando Queen ainda era criança. Durante as investigações, a protagonista acaba se envolvendo em uma rede de negócios  perigosa.


‘Homecoming’ (2019)

Beyoncé, em "Homecoming" Foto: Divulgação/Parkwood Entertainment Newsletters
Beyoncé, em “Homecoming” Foto: Divulgação/Parkwood Entertainment Newsletters

O documentário mostra o show da cantora Beyoncé no festival Coachella, em 2018, no qual foi a primeira mulher negra a se apresentar como atração principal. Além de exibir a apresentação, o filme mostra os meses de preparação para o espetáculo, no qual diversos elementos da cultura negra são celebrados. A cantora também fala sobre as dificuldades em retomar aos ensaios após o nascimento de seus filhos gêmeos.


‘Notas de Rebeldia’ (2020)

Elijah, protagonista do filme "Notas de Rebeldia" Foto: Marie ETCHEGOYEN / Divulgação
Elijah, protagonista do filme “Notas de Rebeldia” Foto: Marie ETCHEGOYEN / Divulgação

Elijah (Mamoudou Athie) é um jovem de Memphis, nos Estados Unidos, que está dividido entre o sonho de se tornar um grande sommelier de vinhos e as expectativas que seu pai tem de que continue com os negócios da família, na churrascaria herdada de seu avô. Ele se divide entre o trabalho no restaurante e em uma loja especializada em vinhos, mas não conta com o apoio do pai para seguir na carreira que tanto deseja.


‘A incrível Jessica James’ (2017)

Jessica (Jessica Williams) é uma jovem aspirante a dramaturga que vive em Nova York e dá aula de teatro para crianças. Enquanto espera a carreira engrenar e recebe muitas respostas negativas sobre suas peças, ela tenta superar o fim do relacionamento com o ex-namorado. Por insistência de uma amiga, conhece Boone (Chris O’Dowd), que também passou recentemente por um divórcio, e os dois desenvolvem uma inesperada ligação.


‘Mister Brau’ (2015 – 2018)

O casal Mister Brau e Michele Foto: Divulgação
O casal Mister Brau e Michele Foto: Divulgação

A série nacional conta a história de Mister Brau (Lázaro Ramos) e Michele (Taís Araújo). Ele é um cantor popular e ela sua esposa, coreógrafa e empresária. O casal bem sucedido vive brigando, mas não vivem um sem o outro e sempre se apoiam nos momentos difíceis. A produção aborda reflexões, por exemplo, sobre diferenças de classes sociais, mas sempre de forma leve e bem humorada.


‘Ritmo + Flow’ (2019 – atual)

Os jurados Tip Harris, Cardi B e Chance The Rapper Foto: Adam Rose / Divulgação/Netflix
Os jurados Tip Harris, Cardi B e Chance The Rapper Foto: Adam Rose / Divulgação/Netflix

Esse reality show apresenta uma competição musical focada em hip hop. As audições acontecem em Los Angeles, Nova York, Chicago e Atlanta, nos Estados Unidos. Os jurados Tip Harris, Cardi B e Chance The Rapper buscam encontrar a próxima estrela da música. Ao longo dos episódios, eles também pedem conselhos a grandes nomes do meio, como Snoop Dogg.

Twitter luta para se livrar de um hacker dentro de seu território

Após pior falha de segurança de sua história, empresa ainda tenta entender o que aconteceu
Por Mike Isaac, Sheera Frenkel e Kate Conger – The New York Times

Twitter ainda tenta entender o ataque da última quarta 

Enquanto os investigadores forenses do Twitter se apressavam na quarta-feira, 15, para descobrir a origem de uma das piores invasões da história da empresa, a equipe chegou a uma conclusão surpreendente: a invasão estava acontecendo por meio de uma conta de um funcionário da casa.

Mas mesmo na tarde de quinta-feira, 24 horas depois que os hackers lançaram um golpe com bitcoins envolvendo as contas de líderes políticos, como o ex-vice-presidente Joe Biden, e titãs do setor, como Elon Musk, os pesquisadores da empresa ainda estavam lutando para identificar muitos outros aspectos básicos da violação, incluindo se um funcionário havia sido cúmplice. A empresa também ainda estava identificando quantas contas foram afetadas e se os invasores obtiveram acesso às informações pessoais das contas, como mensagens privadas.

Algumas coisas eram certas. Os investigadores sabem que pelo menos uma conta e credenciais de um funcionário foram apropriadas e usadas para obter acesso a um painel interno, permitindo ao invasor controlar a maioria das contas do Twitter, de acordo com duas pessoas com informações a respeito da investigação da empresa. Elas concordaram em falar apenas sob anonimato porque a investigação ainda estava em andamento.

No entanto, muitos dos detalhes permanecem incertos, disseram as pessoas. Os investigadores ainda estavam tentando determinar se os hackers levaram o funcionário a entregar as informações de login. O Twitter sugeriu na quarta-feira, 15, que os hackers usaram a “engenharia social”, uma estratégia para obter senhas ou outras informações pessoais, apresentando-se como uma pessoa confiável como um representante da empresa. Mas outra linha de investigação estuda se um funcionário do Twitter foi subornado por suas credenciais, algo que uma pessoa que assumiu a responsabilidade da invasão disse ao site de tecnologia Motherboard.

O FBI disse que estava investigando a invasão. “No momento, as contas parecem ter sido comprometidas para perpetuar a fraude de criptomoeda”, disse a agência em comunicado. “Aconselhamos o público a não ser vítima desse golpe enviando criptomoeda ou dinheiro no que se refere a este incidente.”

O Twitter afirmou em comunicado: “Tomamos medidas para proteger ainda mais nossos sistemas e continuaremos compartilhando o que descobrirmos ao longo de nossa investigação”.

A invasão e a incapacidade da empresa de descobrir rapidamente o que aconteceu é um grande constrangimento para o Twitter. No ano passado, em resposta às revelações prejudiciais que a desinformação se espalhou amplamente na plataforma durante a eleição presidencial de 2016, Jack Dorsey, CEO do Twitter, priorizou a promoção de tuítes saudáveis e confiáveis. A invasão de contas de grande visibilidade para compartilhar uma fraude mostrou que o Twitter permanece despreparado para as ameaças à segurança que enfrenta.

O ataque também levantou questões quanto a segurança nas eleições, principalmente porque líderes políticos estavam entre os atacados. Se as mensagens enviadas pelos hackers fossem de natureza política, em vez de uma fraude financeira – talvez em relação ao fechamento de locais de votação no dia das eleições – isso poderia manipular o comparecimento das pessoas.

A conta do presidente Donald Trump não foi afetada pela invasão, afirmou na quinta-feira Kayleigh McEnany, secretária de imprensa da Casa Branca. A conta de Trump obteve proteção extra após incidentes passados, de acordo com um funcionário sênior do governo e um funcionário do Twitter, que falaram anonimamente porque as medidas de segurança eram privadas.

O Comitê Selecionado de Inteligência do Senado disse que solicitaria informações do Twitter a respeito da invasão. “A possibilidade de pessoas com más intenções assumir contas importantes, mesmo que momentaneamente, sinaliza uma vulnerabilidade preocupante neste ambiente de mídia, explorável não apenas para fraudes, mas também para esforços mais impactantes para causar confusão, destruição e danos políticos”, disse o senador democrata da Virginia Mark Warner, vice-presidente do comitê.

O ataque de quarta-feira ocorreu em ondas. Primeiro, os invasores usaram seu acesso às ferramentas internas do Twitter para assumir contas com nomes de usuário distintos como @6, uma conta que já pertenceu ao pesquisador e hacker de segurança Adrian Lamo. Em seguida, o ataque atingiu as contas do Twitter de dirigentes e empresas de criptomoeda proeminentes. A próxima onda incluiu muitas das contas mais populares, incluindo aquelas pertencentes a líderes políticos, titãs da indústria e artistas de destaque.

As mensagens eram uma versão de uma fraude de longa data, na qual hackers se apresentam como figuras públicas no Twitter e prometem igualar ou até triplicar quaisquer fundos enviados para suas carteiras de bitcoin. Mas o golpe na quarta-feira foi o primeiro a usar as contas reais de figuras públicas.

Os hackers receberam US$ 120 mil em bitcoins em 518 transações de todo o mundo, de acordo com a Chainalysis, uma empresa de pesquisa que rastreia o movimento de criptomoedas. A maioria das vítimas tinha carteiras de bitcoin associadas à Ásia, mas cerca de um quarto veio dos Estados Unidos, de acordo com outra empresa de pesquisa de criptomoedas, a Elliptic.

Logo após o dinheiro entrar na carteira, os hackers começaram a movimentar o dinheiro em um padrão complicado de transações que ajudarão a obscurecer a fonte e a dificultar o rastreamento, segundo a Chainalysis.

“Parece que  alguém com algum conhecimento em informática, mas não alguém que usa as formas mais sofisticadas de lavar as moedas”, disse Jonathan Levin, diretor de estratégia da Chainalysis.

Na quinta-feira, havia questões remanescentes a respeito do que os invasores fizeram com seu acesso. A Area 1 Security, uma empresa de segurança cibernética, documentou um aumento nos e-mails de spear-phishing enviados de contas que representavam as mesmas pessoas atacadas no Twitter, como o bilionário Bill Gates. Os e-mails pediam que as pessoas enviassem dinheiro para a mesma carteira de bitcoin citada no ataque do Twitter.

A violação levanta questões significativas em relação a como os sistemas internos do Twitter funcionam e como se apropriar do acesso de um funcionário pode dar a um invasor carta branca sobre algumas das contas mais populares e de maior alcance do mundo.

Em um post de seu blog na quinta-feira, 16, um especialista em segurança, que viu a invasão assumir uma conta que ele administra, detalhou como alguém com acesso a ferramentas administrativas poderia efetivamente entrar na maioria das contas do Twitter usando uma função de redefinição de senha. O método foi usado nas apropriações de contas na quarta-feira, de acordo com duas pessoas familiarizadas com o ataque.

Pesquisadores de segurança também questionaram por que o Twitter não tinha melhores ferramentas para monitorar atividades suspeitas nas contas dos funcionários. Muitas empresas têm sistemas que as alertam se um funcionário entrar em dados confidenciais ou alterar senhas e  contas de e-mails várias vezes em um curto período, disse Rachel Tobac, hacker e CEO da SocialProof Security, que trabalha com empresas para treiná-las e testá-las em engenharia social para manter as empresas seguras. / TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

Jacquemus | Spring Summer 2021 | Full Show

Jacquemus | Spring Summer 2021 (L’Amour) by Simon Porte Jacquemus | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – The French Vexin Regional National Park)

Demi Moore aparece loura para nova série ‘Admirável Mundo Novo’

A adaptação de ‘Admirável Mundo Novo’ já estreou fora do país

Demi muda o visual para nova personagem Foto: Instagram

Curtas ou longas, Demi Moore é conhecida por suas madeixas escuras. Mas com a estreia de ‘Admirável Mundo Novo’, série da USA Network, ela pôde mostrar o novo visual com cabelo platinado em seu Instagram. A atriz não esclareceu se pintou o cabelo de loiro ou estava usando uma peruca, mas os fãs e familiares acharam que estava irreconhecível de qualquer maneira.

Linda em Admirável Mundo Novo Foto: Peacock / NBCU Photo Bank via Getty Images
Linda em Admirável Mundo Novo Foto: Peacock / NBCU Photo Bank via Getty Images

A série, baseada no livro homônimo, é uma distopia onde a sociedade atingiu paz e tranquilidade abrindo mão da monogamia, privacidade, dinheiro, família e história. Além de Moore, que interpreta a personagem Linda, outros nomes confirmados no elenco são Kylie Bunbury, Hannah John-Kamen, Sen Mitsuji, Joseph Morgan e Nina Sosanya.